quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Nós, porém, não somos daqueles que se retiram para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma
(Hebreus 10:39).

RETROCEDER OU CRER?

Não nos fala a sabedoria humana para retroceder quando qualquer coisa parece arriscada, como uma parceria de negócios indo em direção à ruína ou uma amizade levando para um caminho errado? Não haverá consequências catastróficas se a pessoa se recusa a desistir de uma situação insustentável contra todos os argumentos razoáveis​​? Exércitos inteiros pereceram por uma teimosia como essa. Em tais casos, retroceder significava retroceder daruína.
No versículo de hoje a frase: "dos que retrocedem para a perdição" (Almeida Revista e Atualizada) deve ser contrastada com a frase subseqüente: "daqueles que crêem para a conservação da alma".
A humanidade não está destinada a buscar o seu próprio caminho, quer seja heroicamente ou em desespero por qualquer destino impessoal, desinteressado, mas ela pode recorrer à alternativa que Deus apresenta - Seu Filho Jesus Cristo.
Deus deu Seu Filho, Jesus Cristo, para salvar as pessoas da perdição eterna (isto é, uma eternidade no tormento do inferno), e conceder-lhes a vida eterna. A alternativa é rejeitar a mão estendida de Deus, imaginando que não precisa dEle, e, portanto, se retirar "para a perdição".
Certa vez Jesus perguntou: "Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma?" (Mateus 16:26).
Agora, pois, considere estas duas questões: retroceder para a perdição ou crer para conservação da alma.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: No meu braço esperam. (Isaías 51.5)
Em tempos de aflições severas, o crente não tem nada neste mundo em que possa confiar; por isso, ele é impulsionado a refugiar-se exclusivamente em seu Deus. Quando seu navio está afundando e nenhum livramento humano pode ajudar, o crente tem de se entregar de modo singelo e completo à providência e ao cuidado de Deus. Feliz tempestade a que faz um homem naufragar numa rocha como estai Ó, abençoado furacão que conduz a alma a Deus somente! Às vezes não há comunicação com nosso Deus, por causa da multidão de nossos amigos. Mas quando um crente se encontra tão incapacitado, sem amigos e sem auxílio, que não tem onde encontrar socorro, ele corre aos braços de seu Pai, sendo ali envolvido com alegria e felicidade. Quando está carregado de problemas tão urgentes e tão singulares que ele não pode contar a mais ninguém, exceto a Deus, deve ser grato por eles. Nesse tempo o crente aprenderá mais de seu Pai do que em qualquer outra época.
Ó crente fustigado por tempestades, uma aflição bendita está impulsionando-o aos braços de seu Pai! Agora, ao poder confiar somente em seu Deus, ponha nEle toda a sua fé. Não desonre o seu Mestre e Senhor, por dúvidas e temores indignos; pelo contrário, seja firme na fé, dando glória a Deus. Mostre aos ricos quão rico você é em sua pobreza, quando o Senhor Deus é Aquele que o ajuda. Mostre aos fortes quão forte você é em sua fraqueza, quando os braços eternos são o seu amparo (ver Deuteronômio 33.27). Agora é o tempo das proezas da fé. Você deve ser forte e bastante corajoso. Assim como temos certeza de que Deus criou os céus e a terra, assim também podemos estar certos de que Ele glorificará a Si mesmo na fraqueza do crente e magnificará o seu poder em meio à aflição deste. A majestade da abóbada celeste seria arruinada, se o céu fosse amparado por uma simples coluna visível, e a fé do salvo perderia a sua glória se descansasse em qualquer coisa perceptível aos olhos carnais. Que o Espírito Santo lhe dê descanso em Jesus neste último dia do mês.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Lança o teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás.
E, tendo anunciado o evangelho? voltaram? confirmando o ânimo dos discípulos, exortando-os a permanecer na fé, pois que por muitas tribulações nos importa entrar no Reino de Deus
(Eclesiastes 11:1; Atos 14:21-22).

SACOS CHEIOS DE VIDA!

Levar bíblias para países hostis a Deus representa um problema. Há anos, alguns cristãos tiveram a ideia de jogar no mar sacos plásticos fechados com algumas páginas das Escrituras dentro. Desta forma, a Albânia recebeu o evangelho a partir das ilhas gregas. Cada um destes sacos continha um evangelho e um pouco de palha que os fazia flutuar. Depois de muita oração, foram jogados no mar de acordo com a corrente. As ondas os levaram para a outra margem. E Deus abençoou o trabalho.
Um albanês encontrou um evangelho na praia e se converteu ao lê-lo. Ao procurar na praia, ele encontrou mais sacos plásticos e os distribuiu. Ele foi descoberto e condenado a nove anos de prisão. Anos depois, quando o regime político albanês mudou, os cristãos lhe procuraram: "Você teve que ir para a prisão por nossa causa? Não está amargurado conosco?". Ele respondeu: "Não, valeu a pena o sofrimento".
Depois de nove anos de prisão, esse albanês pôde participar de uma reunião cristã pela primeira vez e receber uma Bíblia completa. Mas foi por meio de um único evangelho, sem qualquer outro livro cristão, que o Senhor alcançou sua alma, convencendo-o, posicionando-o em Sua obra e lhe preservando em meio a terríveis dificuldades.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Espera pelo SENHOR. (Salmos 27.14)

Parece ser fácil esperar, mas às vezes, muitos anos têm de se passar, antes de aprendermos a esperar. É mais fácil avançarmos gradual e constantemente do que permanecermos quietos. Existem horas de perplexidade, em que o espírito mais disposto, que deseja com ansiedade servir ao Senhor, não sabe que direção tomar. Então, o que fazer? Se atormentará pelo desespero? Retornará por covardia, correrá para a direita, em temor, ou avançará apressadamente, em presunção? Não, deve simplesmente esperar.
Espere em oração. Invoque a Deus, apresentando o seu caso diante dele. Conte-Lhe sua dificuldade e clame pelo cumprimento da promessa de ajuda. Estando em dilema entre um dever e outro, é mais agradável ser humilde como uma criança, esperando no Senhor com simplicidade de alma. Com certeza, as coisas sucedem bem para nós quando sentimos e conhecemos nossa própria loucura e quando estamos sinceramente dispostos a ser guiados pela vontade de Deus. Espere em fé. Expresse ao Senhor a sua inabalável confiança nEle. Esperar sem fé e confiança é um insulto ao Senhor. Creia que, mesmo se Ele lhe mantiver esperando por longo tempo, virá no tempo certo. A visão se cumprirá e não tardará. Espere em calma paciente, não se rebelando por estar passando por aflição; antes, bendizendo a Deus pela aflição. Jamais murmure como o fizeram os filhos de Israel contra Moisés. Nunca deseje voltar ao mundo, mas aceite a situação como ela é, colocando-a, de todo o seu coração, sem qualquer vontade pessoal, nas mãos de seu Deus da aliança, confessando-Lhe: “Senhor, faça-se a tua vontade e não a minha. Eu não sei o que fazer. Cheguei ao extremo. Mas, esperarei até que Tu dividas o mar ou faças retroceder os meus inimigos. Aguardarei mesmo que me mantenhas esperando por muitos dias, porque o meu coração está firmado tão-somente em Ti, Ó Deus. Meu espírito espera em Ti, na plena convicção de que serás minha alegria e salvação, meu refúgio e torre forte”.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?
(Marcos 15:34).

ABANDONADO POR DEUS...

Durante horas Jesus esteve pendurado na cruz, uma vítima inocente. Ele foi alvo de desprezo de todos os grupos da sociedade humana. Desde os dignitários espirituais até os ladrões crucificados com Ele, todos zombaram e O injuriaram. O Crucificado sofreu com as duras palavras do povo, o qual Ele sempre tratou com amor e simpatia. No entanto, nenhuma palavra de reclamação veio de Seus lábios.
E de repente ao meio-dia houve trevas, em "toda a terra" (Marcos 15:33). Jesus Cristo é o santo e puro e Ente da Trindade, que não conheceu pecado, que não cometeu pecado e em Quem não há pecado. No entanto, durante este tempo, Deus fez cair sobre Ele a culpa dos pecadores, e Ele se tornou seu substituto. Desse modo suportou o juízo de Deus, que julga justamente e não pode tolerar o pecado.
 Como Homem, Jesus tinha servido o Seu Deus e Pai com muita satisfação, e desfrutava perfeita e imaculada comunhão com Ele. E agora? No Salmo 37, v. 25 Davi diz: "Nunca vi desamparado o justo". Contudo ressoa um grito na escuridão: "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" O clamor se desvanece, aparentemente sem ser ouvido.
Abandonado por Deus, o Senhor Jesus levou o juízo que os outros mereciam por seus pecados. Deus executou severamente esse juízo nEle, Seu Filho amado. Por quê? A fim de que todos que nEle crêem e confessam seus pecados possam experimentar a misericórdia de Deus e não se percam, mas tenham a vida eterna.
Jesus Cristo foi abandonado por Deus, de modo que todos os que nEle confiam nunca experimentarão ser abandonados por Ele em tormento eterno. Aquele que nEle crê sabe que Deus é com ele e nunca o deixará.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Compadece-te de mim, ó Deus. (Salmos 51.1)
Quando William Carey estava sofrendo de uma doença grave, perguntaram-lhe: “Se esta doença for mortal, que passagem da Bíblia o senhor deseja escolher como texto do sermão de seu culto fúnebre?” Ele respondeu: “Sinto que uma criatura tão insignificante e miserável como eu não é digna de ter algo declarado a seu respeito. Mas, se um sermão fúnebre tem de ser pregado, que seja a respeito das palavras: ‘Compadece-te de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; e, segundo a multidão das tuas misericórdias, apaga as minhas transgressões”‘ (Salmos 51.1). Neste mesmo espírito de humildade, William Carey ordenou, em seu testamento, que a seguinte inscrição, e nada mais, fosse gravada na lápide de seu túmulo:
WILLIAM CAREY nascido em 17 de agosto de 1761 – falecido em… Um verme, indigno, desamparado e pecador, Em teus braços amáveis, eu me atiro.
Somente no fundamento da graça, o mais experiente e o mais honrado dos santos pode se aproximar de seu Deus. Os mais excelentes dentre os homens estão cônscios de que, em seu melhor, são apenas homens. Barcos vazios flutuam rápidos, mas navios carregados são lentos na água; meros professos de fé podem se vangloriar, mas os verdadeiros filhos de Deus clamam por misericórdia, reconhecendo sua indignidade. Precisamos da compaixão do Senhor para as nossas boas obras, orações, pregação, contribuição e coisas mais puras. O sangue não foi aspergido apenas nas ombreiras das casas dos israelitas, mas também no santuário, no propiciatório e no altar. Visto que o pecado se introduz em todas as nossas coisas mais santas, o sangue de Cristo precisa ser aspergido sobre elas, a fim de purificá-las da corrupção. Se é necessário que a misericórdia seja exercida em nossas obras, o que dizer de nossos pecados? Como é doce lembrar que a misericórdia inesgotável espera, a fim de ser graciosa para nós, a fim de restaurar nossas apostasias e fazer se alegrarem nossos ossos quebrados!

domingo, 28 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Jesus é o Cristo, o Filho de Deus.  
Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores
(João 20:31; 1 Timóteo 1:15).

JESUS, DEUS ENTRE OS HOMENS

Ao nascer, há mais de dois mil anos, o menino Jesus foi colocado em uma manjedoura (Lucas 2:7). Viveu e cresceu no anonimato, sem riquezas, e nem ao menos tinha uma casa própria (Lucas 9:58).
Ainda recém-nascido, fez um rei tremer (Mateus 2:3); como menino deixou os eruditos admirados (Lucas 2:46-47); e quando cresceu deu ordens às forças da natureza. Abriu os olhos dos cegos, ressuscitou mortos e fez muitos outros milagres, os quais foram reconhecidos inclusive por aqueles que desejavam matá-Lo (João 11:47).
Jamais escreveu um livro, contudo, que biblioteca poderia conter todos os livros que têm sido escritos sobre Ele?  Nunca fundou uma escola, porém, os que escutaram Seus ensinos não caberiam nas cadeiras de todas as escolas do mundo.
Não comandou um exército, nem recrutou um só soldado, mas nenhum chefe reuniu tantos voluntários os quais, por sua vez, conduziram tantos rebeldes a depor suas armas.
Quando tinha cerca de trinta e três anos, mesmo tendo feito somente o bem, foi traído por um de Seus discípulos, negado por outro e abandonado por todos os demais (Marcos 14:41-68). Seu povo pediu Sua morte e o governador romano a concedeu, sabendo que Jesus era inocente (Mateus 27:22-26). Porém, Ele voluntariamente deu Sua vida pelos pecadores. A sepultura não foi capaz de retê-Lo; ressuscitou e o céu se abriu para receber o Juiz de vivos e mortos (Lucas 24:6, 51 e Hebreus 10:12).
Você conhece o Senhor Jesus, Deus entre os homens, Aquele que afirmou: "Eu sou o Primeiro e o Último e o que vive; fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre" (Apocalipse 1:17-18)?

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Azeite para a luz. (Êxodo 25.6)
“O minha alma, quanto precisas deste azeite! A tua lâmpada não brilhará continuamente sem ele. Se a luz se apagar e o azeite tiver acabado, o pavio queimado fumegará e isto será uma transgressão. Você não possui nenhuma fonte de óleo brotando em sua natureza humana. Portanto, tem de ir aos que vendem e, então, comprar, ou, como as virgens néscias, você terá de clamar: “Nossas lâmpadas estão-se apagando” (Mateus 25.8). Nem mesmo as lâmpadas consagradas podem dar luz sem azeite. Apesar de brilharem no tabernáculo, elas precisavam ser abastecidas. Embora não lhes sobreviessem ventos fortes, elas tinham de ser colocadas em ordem, e a sua necessidade é igualmente grande. Até nas melhores circunstâncias, você não pode dar luz, por mais uma hora, se não lhe for dado o azeite fresco da graça.
Nem todo óleo pode ser usado no serviço do Senhor. Nem o petróleo, que flui tão abundantemente do solo, nem o óleo de peixes, nem o óleo extraído de nozes seriam aceitos. Apenas o excelente azeite de oliveira foi escolhido. A graça fingida da bondade natural ou a graça imaginária das mãos de sacerdotes ou das cerimônias religiosas nunca serão proveitosas ao verdadeiro santo de Deus. Ele sabe que o Senhor não se agradaria de rios de tais azeites. O verdadeiro filho de Deus corre até ao Getsêmani, a prensa de azeite, e recebe o seu suprimento dAquele que ali foi oprimido. O azeite da graça do evangelho é puro. Por conseguinte, a luz que esse óleo alimenta é clara e resplandecente. Nossas igrejas são o candelabro de ouro do Senhor Jesus. Se elas têm de ser luz neste mundo de trevas, precisam ter abundância deste azeite santo.
Oremos por nós mesmos, pelos ministros do evangelho e por nossas igrejas, a fim de que nunca falte azeite para a sua luz. Verdade, santidade, alegria, conhecimento e amor são todos raios desta luz sagrada. Mas não podemos refleti-los em público, se não recebermos pessoalmente o azeite de Deus, o Espírito Santo.

sábado, 27 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Depois da morte de Joiada, vieram os príncipes de Judá e prostraram-se perante o rei; e o rei os ouviu
(2 Crônicas 24:17).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 CRÔNICAS (Leia 2 Crônicas 24:1-3; 15-27)

Durante o tempo em que Joiada o guiou, tudo levava a crer que Joás seria um dos melhores reis. Infelizmente, a morte do sumo sacerdote foi um divisor de águas na vida de Joás. Como isso pode ser explicado? Em vez de descansar diretamente em Deus ? um atributo da fé ? Joás confiava em seu pai adotivo e, quando Joiada não estava mais disponível, a fidelidade do rei entrou em crise, pois ele jamais havia desenvolvido uma fé pessoal.
Jovens leitores cujos pais são crentes, não se enganem: educação, boas maneiras, as mais favoráveis circunstâncias, todas essas coisas não são . Além disso, a fé dos seus pais não é a sua fé. Quando eles se forem, será que o Senhor permanecerá com você?
Os líderes do povo vieram e bajularam Joás. "E o rei os ouviu" (v. 17). E o que ele fez sob a influência dos líderes? Tomou uma atitude que faria qualquer um estremecer: matou o filho de seu benfeitor. O Senhor lembrou os fariseus hipócritas da morte de Zacarias (cujo nome significa o Senhor se lembra), pois estavam prestes a cometer o mesmo crime terrível (Mateus 23:34-35; 21:35).

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Até quando não crerá em mim? (Números 14.11)

Empenhe-se, com todo o cuidado, para manter-se longe do monstro da incredulidade. Ela desonra a Cristo. Se O insultarmos, tolerando a incredulidade, Ele afastará sua presença visível. É verdade que a incredulidade é uma erva daninha cujas sementes nunca podemos tirar inteiramente do solo, mas devemos tirar a raiz com zelo e perseverança. Entre as coisas detestáveis, a incredulidade é a que mais devemos odiar. A sua natureza injuriosa é extremamente maligna: aqueles em quem ela se manifesta e os que a praticam são todos prejudicados por ela. Em seu caso, ó crente, a incredulidade é a coisa mais ímpia, visto que as misericórdias de seu Senhor, no passado, aumentam a sua culpa ao duvidar dele no presente. Quando você desconfia do Senhor Jesus, Ele pode clamar: “Eis que farei oscilar a terra debaixo de vós, como oscila um carro carregado de feixes” (Amós 2.13). Duvidar do Senhor Jesus é o mesmo que colocar em sua cabeça uma coroa de espinhos muitíssimo agudos. É bastante cruel da parte de uma esposa desconfiar de seu esposo fiel e amável.
O pecado de incredulidade é desnecessário, tolo e sem justificativa. O Senhor Jesus nunca nos deu o menor motivo para suspeitas e sente-se triste quando duvidam dele aqueles aos quais demonstra afeição e veracidade. Jesus é o Filho do Altíssimo e tem riquezas ilimitadas. É vergonhoso duvidar do Onipotente e desconfiar do Todo-Suficiente.
Os celeiros do céu não se esgotarão pelo saciar de nossa fome. Se Cristo fosse apenas um depósito de água, logo acabaríamos com a plenitude dele. Mas quem pode secar uma fonte? Ele tem suprido as necessidades de miríades de espíritos; e nenhum deles tem se queixado de escassez de recursos nEle. Lance fora esse traidor chamado incredulidade, pois seu único alvo é destruir os laços de comunhão e fazer-nos lamentar um Salvador ausente. Morte ao traidor chamado incredulidade! Meu coração o abomina!

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Converte-te, ó Israel, ao SENHOR, teu Deus; porque, pelos teus pecados, tens caído. Tomai convosco palavras e convertei-vos ao SENHOR; dizei-lhe: Expulsa toda a iniqüidade
(Oséias 14:1-2).

NINGUÉM ESTÁ EXCLUÍDO DA OFERTA DA GRAÇA

Um jovem cristão obteve permissão para pregar as boas novas de Jesus Cristo numa prisão. Enquanto descia o corredor do meio para a plataforma, ele sentiu clara e inequivocamente a reserva e desconfiança entre os presos. De repente percebeu que as palavras introdutórias que tinha preparado seriam inadequadas para esse público.
Quando estava prestes a subir os poucos degraus até a plataforma e silenciosamente orava a Deus para lhe mostrar como começar, ele tropeçou e caiu. Risos encheram o salão. O pregador se levantou, foi até o microfone e disse: "Meus amigos, é apenas para isso que eu vim. Quero lhes dizer que é possível alguém cair e se levantar de novo".
Isso é precisamente o que Deus deseja proporcionar em Sua graça, e na verdade a todo mundo, por maior que possa ser a sua condição particular de culpa. "Vinde, então, e argüi-me, diz o SENHOR; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã" (lsaias 1:18).
Ninguém está excluído desta oferta da graça: "Deus, nosso Salvador... quer que todos os homens se salvem" (1 Timóteo 2:3-4), e "o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado" (1 João 1:7).
Por mais fundo que uma pessoa tenha caído, Deus quer levantá-la. Ele espera apenas uma coisa: que ela francamente confesse seus pecados e deposite a sua fé no Salvador, Jesus Cristo, o Filho de Deus.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Estabeleceu para sempre a sua aliança. (Salmos 111.9)
O povo do Senhor se deleita na aliança. A aliança é uma fonte inesgotável de consolação para eles, enquanto o Espírito Santo os leva à sala do banquete e tremula a sua bandeira sobre eles. O povo do Senhor se deleita em contemplar a antiguidade da aliança, lembrando que, antes de o sol conhecer seu lugar ou os planetas percorrerem suas órbitas, os interesses dos santos foram assegurados em Cristo Jesus. Eles têm prazer singular em lembrar a segurança da aliança enquanto meditam nas “fiéis misericórdias prometidas a Davi” (Isaías 55.3). Deleitam-se em celebrá-la como assinada, selada e ratificada em todas as coisas. A aliança sempre faz com que o coração do povo de Deus se dilate em regozijo, ao pensarem sobre a imutabilidade dela – uma aliança que nem o tempo, nem a eternidade, nem a vida, nem a morte jamais serão capazes de anular; uma aliança tão antiga quanto a eternidade e tão firme como a Rocha dos Séculos.
O povo de Deus se regozija em festejar a plenitude da aliança, pois têm nela a provisão de todas as coisas. Deus é o quinhão deles; Cristo é o companheiro deles; o Espírito Santo é o consolador deles; a terra é a hospedaria deles; e o céu, o lar deles. O povo de Deus vê na aliança uma herança reservada para toda alma que possui a salvação. Seus olhos reluziram quando viram-na na Bíblia como uma mina de ouro; mas, oh, como a alma deles se alegrou quando perceberam que, no testamento de seu divino Parente, a aliança lhes foi deixada como herança! E, de modo especial, o povo de Deus encontra prazer em contemplar a graciosidade da aliança. Eles percebem que a lei se tornou nula porque era uma aliança de obras, dependente de méritos. Mas entendem que esta aliança é permanente, devido ao fato que o seu fundamento é a graça; graça, a condição; graça, a força; graça, o baluarte; graça, o alicerce; graça, a pedra angular. A aliança é um tesouro de riquezas, um armazém de alimentos, uma fonte de vida, um depósito de salvação, um título de paz e um abrigo de regozijo

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza
(2 Coríntios 12:9).

A GRAÇA DE DEUS NOS BASTA

"Minha graça te basta." Estas foram as palavras do próprio Senhor para o apóstolo Paulo em sua dificuldade. O próprio Senhor estabeleceu esse mais importante fato, e estas poucas palavras descrevem de forma concisa a abundância de Sua graça e o que ela gera. Ele nos assegura que a Sua graça irá satisfazer plenamente todas as nossas necessidades em qualquer circunstância. Além disso, Ele nos concede paz e alegria, mesmo no sofrimento, e derrama força e bênção para a nossa vida diária. Do que mais poderíamos precisar? É assim que o Senhor mostra a extensão de Sua graça.
Há, portanto, uma maravilhosa e consoladora promessa nestas palavras: "Minha graça te basta". Porém, uma coisa é necessária: nos entregar totalmente a Ele, jamais perdendo de vista o fato de que já morremos com Cristo. Devemos confiar no Senhor, que é a fonte de nossa força. Seu poder penetra em nossa fraqueza.
Pode acontecer de nosso coração não estar contente com a ação do Senhor. Queremos às vezes até estabelecer algumas condições para o Senhor agir. Por isso, procuremos aceitar e aproveitar Sua graça mais e mais! Então saberemos por experiência que a força do Senhor se aperfeiçoa na fraqueza em qualquer situação que surja. A força de Cristo pode se desenvolver em nós tanto para o serviço quanto para o sofrimento e provações. Então, poderemos descansar felizes e satisfeitos em Sua liderança.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: O seu fruto é doce ao meu paladar. (Cântico dos Cânticos 2.3)

Nas Escrituras, a fé é referida como uma virtude que envolve todos os sensos. É visão: “Olhai para mim e sede salvos” (Isaías 45.22). É ouvir: “Ouvi, e a vossa alma viverá” (Isaías 55.3). É olfato: “Todas as tuas vestes recendem a mirra, aloés e cássia” (Salmos 45.8); “Suave é o aroma dos teus unguentos, como unguento derramado é o teu nome” (Cântico dos Cânticos 1.3). É um toque espiritual. Por esta fé a mulher veio por trás e tocou a orla da veste de Cristo, e por esta fé apalpamos a boa palavra da vida. A fé, igualmente, é o paladar do espírito: “Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca” (Salmos 119.103). Jesus disse: “Se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tendes vida em vós mesmos” (João 6.53). Este saborear é a fé em uma de suas mais sublimes operações. Ouvir é uma das primeiras realizações da fé. Ouvimos a voz de Deus não somente com o ouvido físico, mas também com o ouvido espiritual. Nós a ouvimos como a Palavra de Deus, crendo que ela é realmente a Palavra de Deus. Este é o ouvir da fé. Em seguida, nossa mente considera a verdade que nos foi apresentada; isto significa que entendemos a verdade ouvida, percebemos o seu significado. Isto é o ver da fé. Depois, descobrimos a preciosidade dela; nós a admiramos e percebemos quão agradável é a sua fragrância. Isto é o cheirar da fé. Então, nos apropriamos das misericórdias preparadas para nós em Cristo. Isto é a fé em seu tocar. Em consequência, seguem as alegrias – paz, deleite e comunhão – é a fé em seu paladar. Qualquer um destes atos de fé é salvador. Escutar, na alma, a voz de Cristo como a própria voz de Deus nos salvará. O que nos proporciona verdadeira alegria é o aspecto da fé segundo o qual Cristo é recebido por nós e tornado o alimento de nossa alma, por entendimento interno e espiritual de sua doçura e preciosidade. Quando estamos no exercício deste aspecto da fé, assentamo-nos com grande deleite à sombra de Cristo e descobrimos que o seu fruto é doce ao nosso paladar.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Desejaria eu, de qualquer maneira, a morte do ímpio? Diz o Senhor Deus; não desejo, antes, que se converta dos seus caminhos e viva?... convertei-vos, pois, e vivei
(Ezequiel 18:23, 32).

QUE TODOS SEJAM SALVOS

Como Deus poderia ter prazer na morte de qualquer pessoa, mesmo que fosse a mais desprezível? Deus é amor, Ele ama suas criaturas e quer que todos sejam salvos. Ele não olha com indiferença quando alguém passa para a eternidade sem atender ao Seu chamado ao arrependimento. Isto pode ser deduzido do versículo de hoje.
Se as vezes Deus permite que as pessoas na terra colham as consequências de seus atos, então, num certo sentido, Ele acha isso repugnante também, e Ele não o faz sem demonstrar graça. Em Sua misericórdia, adverte o culpado antes de exercer juízo. Muitos exemplos na Bíblia salientam esse fato.
Nabucodonosor, aquele rei cruel e idólatra que eliminou muitas nações. Deus não o deixou ir simplesmente à ruína, mas advertiu-o através de sonhos que lhe foram interpretados. Só então Ele o deixou sentir o Seu poder.
Judas Iscariotes foi outro. Desde o começo o Senhor Jesus sabia que Judas iria entregá-Lo para seus inimigos. Mas Ele o avisou várias vezes e deu-lhe a chance de mudar seus caminhos. Que tristeza é expressada na palavra "amigo", com a qual o Senhor se dirigiu a ele no jardim do Getsêmani.
É possível pensar que alguém é demasiado mau para esperar o perdão de Deus, ou mesmo muito orgulhoso, muito bruto ou muito consciente de sua inteligência. Mas Deus "quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade" (1 Timóteo 2:4). Ele não exclui ninguém da salvação que oferece a todos os que crêem.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Subirá diante deles o que abre caminho. (Miquéias 2.13)

Visto que o Senhor Jesus foi adiante de nós, as coisas são muito diferentes do que seriam se Ele nunca o houvesse feito. Ele venceu todo inimigo que obstruía o caminho. Anime-se agora, tímido guerreiro. Cristo não somente andou pelo caminho, mas também aniquilou os seus inimigos. Você teme o pecado? Cristo o pregou em sua cruz. Você teme a morte? Ele foi a morte da morte. Você tem medo do inferno? Cristo o fechou para a entrada de qualquer de seus filhos. Eles nunca hão de ver o abismo de perdição. Sejam quais forem os inimigos diante do crente, todos já foram vencidos.
Existem leões, mas os seus dentes estão quebrados. Existem serpentes, mas as suas presas foram arrancadas. Existem rios, mas eles têm pontes e são transponíveis. Há chamas, mas usamos roupas incomparáveis, que nos fazem invulneráveis ao fogo. A espada forjada contra nós está embotada. Os instrumentos de guerra que o inimigo está preparando contra nós já perderam sua mira. Deus removeu, na pessoa de Cristo, todo o poder que alguma coisa poderia ter contra nós.
Crente, você pode seguir alegremente a sua jornada, pois todos os seus inimigos foram vencidos de antemão. O que você fará a não ser marchar a fim de capturar as vítimas? Eles estão derrotados; estão dominados. Tudo que você tem a fazer é dividir o despojo. É verdade que você estará constantemente engajado em um combate, mas a sua luta será contra um inimigo derrotado. Você está pisoteando-o. Ele pode tentar ferir você, todavia, a força dele não será suficiente para realizar seus desígnios perniciosos. A sua vitória é certa, e seu tesouro será sem medida. Proclame afama do Salvador, em alto som Ele leva o nome maravilhoso e bom; Um doce nome, que lhe é adequado, Que destrói o inimigo, a morte, o inferno e o pecado.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?
(Mateus 16:26).

O PERIGO DA BUSCA DESENFREADA PELAS RIQUEZAS

A infelicidade que vem sobre aqueles que se esforçam por riquezas materiais também pode afetar aqueles que buscam a riqueza intelectual. Estes abandonam o abençoado caminho da fé, da mesma forma que aqueles que procuram riquezas na Terra.
Devido ao amor às riquezas terrenas, o crente se desvia completamente do caminho da vida cristã prática: ele perde de vista o temor de Deus e Sua presença. Ele não se opõe à vida ou à doutrina cristã, mas se perde no caminho. Os que se enlaçam no amor ao dinheiro "se desviaram da fé" (1 Timóteo 6:10). Eles não estão mais caminhando de verdade com Cristo. Bênçãos de Deus, particularmente as bênçãos celestiais, se tornaram insípidas e perderam sua força. O amor para com Cristo se esfria, e tal pessoa não tem nem tempo nem desejo de estar ocupada com as "coisas que são de cima", porque a sua alma foi ressecada pelas coisas do mundo. E tampouco pode ser uma testemunha perante o mundo.
Vivamos em comunhão com o Senhor e desfrutemos de Sua pessoa. Que somente Ele seja o tesouro do nosso coração ao longo de toda a nossa vida. Só então a tentação de ser rico não terá qualquer influência sobre nós. Quer sejamos ricos ou pobres, não devemos colocar nosso coração nas riquezas nem na confiança da riqueza. "Há quem se faça rico, não tendo coisa nenhuma, e quem se faça pobre, tendo grande riqueza" (Provérbios 13:7).

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Nunca mais se ouvirá nela voz de choro. (Isaías 65.19)

Os glorificados não choram mais, porque desapareceram todas as causas de lamento. No céu, não existe amizade interrompida nem perspectivas frustradas. Pobreza, zombaria, perseguição, fome, perigo são desconhecidos no céu. Nenhuma dor aflige; nenhum pensamento de morte ou privação entristece. Os glorificados nunca mais choram, porque estão completamente santificados. Nenhum coração de incredulidade os impulsiona a se afastarem do Deus vivo (ver Hebreus 3.12). Eles se encontram sem culpa diante do trono de Deus, plenamente conformados à imagem de Cristo. Com razão eles param de chorar, pois não mais pecam. Os glorificados não lamentam mais, porque se lhes findou todo o temor de mudanças. Eles sabem que estão seguros por toda a eternidade. O pecado está do lado de fora; e eles, no próprio céu. Habitam em uma cidade que nunca será abalada. Os glorificados se aquecem na luz de um sol que nunca se põe. Bebem de um rio que jamais secará e colhem frutos de uma árvore que nunca murcha. Enquanto durar a eternidade, juntamente com ela existirão a imortalidade e a felicidade dos glorificados. Eles estão para sempre com o Senhor. Não choram mais, porque todos os seus desejos se cumpriram. Não é possível que desejem algo que já não tenham. Olhos, ouvidos, coração e mão; julgamento, imaginação, esperança, desejo, e todas as faculdades estão completamente satisfeitas. Embora sejam imperfeitas as nossas ideias a respeito do que Deus tem preparado para os que O amam, sabemos o suficiente, por meio da revelação do Espírito Santo, para reconhecer que os santos na glória são supremamente benditos. O gozo de Cristo, que é uma infinita plenitude de deleite, está neles. Eles se banham no mar da bem-aventurança, o qual não tem fundo, nem porto. Esse mesmo descanso repleto de gozo está preparado para nós, e pode não estar distante. Em breve, as lágrimas de tristeza serão transformadas em pérolas de bem-aventurança eterna. “Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras” (1 Tessalonicenses 4.18).

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas. Refrigera a minha alma
(Salmo 23:1-3).

O BOM PASTOR

Há muito gemido e reclamação no mundo. Talvez isso ajude a algumas pessoas, elas se sentem mais leves se podem descarregar os seus problemas. Mas isso não vai durar muito tempo, nem o mundo será melhor por isso.
O escritor do salmo 23 fala de outra forma: "Nada me faltará... não temeria mal algum... Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida".
Estas palavras são como o repique de sinos contra todos os estrondos que normalmente são ouvidos no mundo. Alguém poderia invejar Davi por ser capaz de falar com tanta confiança. Mas o que nos impede de fazer o mesmo e subir à mesma altura de confiança?
Para isso, há apenas uma condição: devemos nos entregar inteiramente ao Senhor Jesus Cristo, para que possamos dizer: "O Senhor é meu pastor". Não há nenhuma vantagem em permanecer numa plataforma de estação e lamentar o fato de que você não está em seu destino, se você não está disposto a embarcar no trem que vai para lá.
Quem desistir de sua antiga vida, aceitar o Senhor Jesus como seu Salvador pessoal e se entregar a Ele, irá experimentar a Sua bondade e cuidado, assim como fez o salmista.
Talvez você pergunte: então faço parte de Seu rebanho? Certamente! Como o Bom Pastor Ele deu a Sua vida pelas ovelhas perdidas, de modo a nos redimir, libertar-nos do pecado e da culpa e nos conduzir em segurança e felicidade por todas as circunstâncias da nossa 

Devocional Diário CHARLES SPURGEON


Versículo do dia: Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, se encontrardes o meu amado, que lhe direis? Que desfaleço de amor. (Cântico dos Cânticos 5.8)

Esta é a linguagem do crente almejando companheirismo com Jesus: ele desfalece de amor por seu Senhor. As almas cheias da graça divina jamais estão completamente tranquilas, exceto quando se encontram bem próximas de Cristo. Quando estão distantes dele, tais almas perdem a sua paz. Quanto mais perto estiverem de Cristo, tanto mais desfrutarão da perfeita calma celestial. Quanto mais próximo o coração estiver dele, tanto mais repleto estará não somente da paz, mas também da vida, fortaleza e alegria, visto que todas estas coisas dependem da comunhão permanente com o Senhor Jesus.
O que o sol significa para o dia; a lua, para a noite, e o orvalho, para a flor – tudo isso é Cristo para nossa alma. O que é o pão para o faminto; a roupa, para o despido; a sombra de uma grande rocha, para o viajante em uma terra fatigante – tudo isso é Cristo para nossa alma. Portanto, se conscientemente, não somos um com Ele, não é de admirar que nosso espírito clame com as palavras do cântico: “Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, se encontrardes o meu amado, que lhe direis? Que desfaleço de amor”. Este sério anelo por Jesus tem uma bênção que o atende: “Bem-aventurados os que têm fome e sede e justiça” (Mateus 5.6). Supremamente benditos são aqueles que têm sede do Justo. Bendita, é esta sede pois vem de Deus. Se eu não tiver a desabrochada bem-aventurança de ser saciado, a buscarei no doce momento em que brota, momento de vazio e avidez, até ser satisfeito com Cristo. Se eu não me alimentar de Jesus, a próxima porta ao céu será ter fome e sede dele. Existe santidade nessa sede, porque é uma sede que resplandece entre as bem-aventuranças de nosso Senhor. Mas a bênção envolve uma promessa. Pessoas que têm essa fome serão fartas com o que desejam. Se Cristo nos leva a anelarmos por Ele, com certeza Ele mesmo satisfará esses anelos. Quando Cristo vier realmente a nós, quão agradável será esse encontro!

domingo, 21 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

O Pai ama o Filho e todas as coisas entregou nas suas mãos
(João 3:35).

TUDO FOI ENTREGUE AO FILHO

O amor do Pai para com o Filho é um assunto que traz aos nossos corações nada além de louvor! Compreender esse amor em toda a sua plenitude e infinita profundidade é impossível para qualquer criatura, pois "ninguém conhece o Filho, senão o Pai" (Mateus 11:27). Vamos refletir um pouco sobre o que relata a Sagrada Escritura sobre este precioso assunto!
O Pai amou o Filho "antes da fundação do mundo" (João 17:24). Esta foi a relação entre o Pai e o Filho desde a eternidade. O Senhor Jesus é o "Filho do seu amor" e "era cada dia as suas delícias" (Colossenses 1:13; Provérbios 8:30). Mas o nosso versículo fala do tempo em que o Senhor Jesus era Homem na terra, quando Ele atraiu o amor do Pai em um sentido muito especial. O Senhor estava consciente desse amor e viveu em seu deleite. Como Homem perfeito Ele sempre deu ao Pai motivos para amá-Lo.
Foi para essa Pessoa que o Pai deu tudo em Suas mãos. O Filho devia realizar a vontade de Deus em relação à redenção e ao governo de Sua criação. A humanidade falhou totalmente em tudo o que Deus lhe havia confiado. Mas o prazer do Senhor prosperava em Sua mão (veja Isaías 53:10). O quanto isto é abrangente! Quer seja a revelação e a glorificação do Pai na terra, ou a obra de expiação realizada na cruz, o julgamento do mundo ou o cumprimento de todas as promessas feitas a Israel e a restauração de todas as coisas, tudo foi entregue ao Filho, e tudo será feito para a glória do Pai. Então, não podemos imaginar o quanto o Pai deve amar o Filho?

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Quem dá a beber será dessedentado. (Provérbios 11.25)

Este versículo nos ensina a importante lição de que, se desejamos ter, precisamos dar; para acumularmos, temos de espalhar; para nos tornarmos felizes, precisamos fazer os outros felizes; e, para nos mantermos espiritualmente fortes, temos de procurar o bem espiritual de outrem. Enquanto damos de beber a outros, somos nós mesmos dessedentados. Como? Os esforços para sermos úteis trazem à luz as nossas capacidades para a utilidade. Temos capacidades latentes, que são trazidas à luz por meio do exercício. Nossa força para trabalhar está escondida até para nós mesmos, até que nos aventuramos a batalhar nas guerras do Senhor ou a escalar as montanhas da dificuldade. Não sabemos que amável cordialidade possuímos, até que tentamos enxugar as lágrimas da viúva ou consolar a tristeza do órfão. Sempre descobrimos que, em nosso esforço de ensinar os outros, obtemos instrução para nós mesmos. Que preciosas lições alguns de nós temos aprendido, enquanto tentamos ajudar outros. Saímos a ensinar as Escrituras e voltamos envergonhados, reconhecendo que as conhecemos tão pouco. Em nossas interações com santos pobres, aprendemos o caminho do Senhor mais perfeitamente e recebemos um discernimento mais profundo da verdade divina. Dar água aos outros nos torna humildes. Descobrimos quanta graça há onde não tínhamos procurado, e quanto estes santos podem nos ultrapassar em conhecimento. Nossa própria consolação aumenta por trabalharmos em favor de outras pessoas. Esforçamo-nos para animá-los, e a consolação resplandece em nosso próprio coração. À semelhança dos dois homens na neve – um teve seus membros friccionados pelo outro que queria mantê-lo vivo, e ao fazer isto, o que massageava salvou sua própria vida. A viúva pobre de Sarepta ofereceu seu escasso suprimento para satisfazer à necessidade do profeta, e desde aquele dia ela não soube mais o que era passar necessidade. “Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante” (Lucas 6.38).

sábado, 20 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

É forte o Senhor Deus, que a julga
(Apocalipse 18:8).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 CRÔNICAS (Leia 2 Crônicas 23:12-21)

A coroação de Joás e sua pública aparição frustraram os planos da maligna Atalia. Da mesma forma, a ressurreição do Senhor Jesus aniquilou os projetos do Inimigo.
A usurpadora morreu ao fio da espada. O castigo que recaiu sobre ela é uma figura do que acontecerá com o Anticristo quando o Senhor aparecer. O "homem da iniqüidade" será jogado vivo no lago de fogo, juntamente com o líder do Império Romano.
No entanto, como sua mãe Jezabel, Atalia, essa abominável mulher que assassinou os próprios filhos, nos faz pensar na falsa Igreja, a grande cristandade professa. Ela desejava reinar, sacrificando para isso almas pela quais era responsável. Qual é o julgamento do Senhor? "Porque diz consigo mesma: Estou sentada como rainha. Viúva, não sou. Pranto, nunca hei de ver! Por isso, em um só dia, sobrevirão os seus flagelos: morte, pranto e fome; e será consumida no fogo, porque poderoso é o Senhor Deus, que a julgou" (Apocalipse 18:7-8). A morte de Atalia é seguida pela de Matã, o sacerdote de Baal, e depois pela introdução cerimonial do reinado de Joás.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: O mavioso salmista de Israel. (2 Samuel 23.1)
Entre todos os santos cujas vidas são relatadas nas Escrituras, Davi possui o mais admirável, variado e instrutivo caráter. Na história de Davi, encontramos provações e tentações que não encontraremos, como um todo, na história de outros santos de Deus, de épocas passadas. Além disso, Davi é uma figura muito sugestiva da pessoa de nosso Senhor. Davi conheceu todos os tipos de provações. Os reis têm seus problemas; e Davi usava uma coroa. Os camponeses têm suas inquietações; e Davi manejava o seu bordão de pastor. Os viajantes tinham muitas dificuldades; e Davi habitou nas cavernas de En-Gedi. O capitão tem suas dificuldades, e os filhos de Zeruia eram mais fortes que Davi. O salmista também foi provado em suas amizades. O seu conselheiro, Aitofel, o abandonou. “Até o meu amigo íntimo, em quem eu confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o calcanhar” (Salmos 41.9). Os piores inimigos de Davi eram de sua própria casa; e os filhos foram a sua maior aflição. As tentações de riqueza e pobreza, de honra e humilhação, de saúde e fraqueza, todas elas provaram o seu poder em Davi. Ele tinha tentações externas que incomodavam sua paz, e internas que arruinavam sua alegria. Logo que escapava de uma provação, Davi caía em outra; nem saía de um período de desespero e sobressalto, e era trazido às maiores profundezas, e todos vagalhões de Deus rolavam sobre ele. Talvez, por esta razão, os salmos de Davi são, em todos os lugares do mundo, o deleite dos crentes maduros. Não importa qual seja a nossa condição interior -exultação ou abatimento, Davi retratou com exatidão os nossos sentimentos. Ele foi um mestre hábil do coração humano, porque havia sido ensinado na melhor de todas as escolas -a escola da experiência pessoal sincera. Visto que estamos sendo ensinados nesta mesma escola, enquanto amadurecemos na graça e na idade, apreciamos os salmos de Davi e os consideramos “pastos verdejantes” (Salmos 23.2). Ó minha alma, permite que a experiência de Davi te aconselhe e te fortaleça neste dia.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Devocional Diário CHARLES SPURGEON


Versículo do dia: Ele se manterá firme e apascentará o povo na força do SENHOR. (Miquéias 5.4)

O reino de Cristo na sua igreja é o de um Pastor-Rei. Ele tem supremacia, mas esta se assemelha à superioridade de um Pastor sábio e gentil sobre o seu rebanho necessitado e amável. Cristo ordena e é obedecido espontaneamente pelas bem cuidadas ovelhas, as quais obedecem o amado Pastor com alegria e reconhecem bem a sua voz. Ele governa pela força do amor e pelo poder da bondade. Seu reinado é prático em caráter. É dito: “Ele se manterá firme e apascentará.” O grande Cabeça da igreja está engajado ativamente em prover as necessidades de seu povo. Ele não permanece assentado no trono, em um estado de quietude, nem segura o cetro sem utilizá-lo no exercício de seu governo. Não, o Senhor se levanta e apascenta as suas ovelhas. O vocábulo apascentar significa, no original, pastorear, ou seja, fazer tudo o que se espera de um pastor: guiar, vigiar, restaurar, preservar, tomar conta e alimentar. O versículo nos diz: “Ele se manterá firme e apascentará”. O profeta não disse: “Ele apascentará de vez em quando e deixará a sua posição”, nem: “Num dia Ele nos dará um avivamento e no dia seguinte deixará sua igreja entregue à esterilidade”. Os olhos de Cristo nunca cochilam, e suas mãos jamais descansam. Seu coração nunca cessa de bater com amor, e seus ombros jamais se cansam de levar os fardos de seu povo. Seu reinado é completamente poderoso em ação. Ele se alimenta da força de Jeová. Onde quer que Cristo esteja, ali está Deus. E tudo o que Cristo faz é um ato do Altíssimo. Esta é uma verdade repleta de alegria: Aquele que permanece hoje representando os interesses de seu povo é o Deus perante quem todo joelho se dobrará. Somos felizes por pertencermos a este Pastor cuja humanidade se comunica conosco, e cuja divindade nos protege. Adoremo-Lo e prostremo-nos diante dele, como “povo do seu pasto” (Salmos 95.7).

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo
(Apocalipse 3:20).

UM AMIGO QUE NÃO NOS DEIXA SÓ

 Um cristão bateu à porta de um apartamento na parte de trás de uma casa. Uma voz bem fraca perguntou: "Quem está aí?" ? "Estou trazendo uma mensagem de conforto. A senhora está familiarizada com o evangelho?" A corrente da porta chacoalhou, houve um estalo quando o ferrolho foi puxado para trás; em seguida, a porta se abriu para revelar uma figura um pouco curvada e trêmula.
O visitante entrou. O apartamento estava mobiliado escassamente. "Eu não costumo abrir a porta para ninguém", disse a senhora idosa. "E não sei por que deixei você entrar. Eu acho que deve ter sido a palavra 'evangelho'. Fez-me lembrar de coisas. Você sabe, tenho visto dias melhores, mas as coisas mudaram. Eu costumava ter muitos amigos, mas todos eles têm se espalhado como um bando de pardais. Agora estou sozinha. Não há mais nada para mim".
"Sim, há Jesus, o Filho de Deus. Ele bate à porta do seu coração. Deixe-O entrar! Não irá se arrepender. A senhora sabia que Ele veio a este mundo para salvar o que estava perdido? Deus está procurando a senhora para lhe salvar. Deus ama a senhora". O rosto da velha senhora se animou com isso. "Eu nunca acreditei que Deus poderia se importar comigo, e muito menos me amar".
O visitante deu-lhe uma cópia do evangelho para ler e saiu. Foi através disso que ela finalmente encontrou o Salvador e abriu a porta do seu coração para Ele. Agora, não estava mais sozinha. Em Cristo, ela tinha um amigo que nunca a deixaria.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Vieram estrangeiros e entraram nos santuários da Casa do SENHOR. (Jeremias 51.51)

Neste relato, o rosto do povo de Deus ficou coberto de vergonha, visto que era algo terrível estrangeiros se introduzirem no Lugar Sagrado, reservado apenas aos sacerdotes. Em todos os lugares ao nosso redor, vemos causas semelhantes de tristeza. Quantos homens ímpios estão sendo instruídos a fim de entrarem no ministério! Quão temível é o fato de que as mãos estão sendo impostas sobre homens não-convertidos e que entre as mais esclarecidas igrejas evangélicas há frouxidão no que se refere à disciplina. Se todos aqueles que lerem estas palavras, neste dia, colocarem este assunto diante do Senhor, Ele intervirá e afastará o mal que está por vir à sua igreja. Adulterar a igreja equivale a contaminar um poço de água, a derramar água sobre o fogo, a semear pedras em uma terra fértil. Oh! que todos nós tenhamos graça para manter, em nosso próprio viver, a pureza da igreja como uma assembléia de pessoas crentes e não uma comunidade de pessoas não-salvas e não-convertidas! Entretanto, o nosso zelo tem de começar no lar. Examinemos a nós mesmos quanto ao direito de participarmos da ceia do Senhor. Asseguremo-nos de que estamos vestidos com os trajes nupciais, para que nós mesmos não sejamos estrangeiros nos santuários do Senhor. “Muitos são chamados, mas poucos, escolhidos” (Mateus 22.14). “Estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida” (Mateus 7.14). Oh! que tenhamos graça para vir a Jesus corretamente, com a fé dos eleitos de Deus! Aquele que matou a Uzá (ver 2 Samuel 6.3-7) por ter tocado a arca é muito zeloso das ordenanças. Como um crente verdadeiro, posso aproximar-me dos santuários livremente; como um estranho, não devo tocá-los para que não morra. Examinar o próprio coração é o dever de todos os crentes que vêm à mesa do Senhor. “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos” (Salmos 139.23).

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam
(1 Coríntios 2:9).

PARA OS QUE AMAM A DEUS

Deus conecta nosso amor por Ele com promessas preciosas em várias passagens da Sua Palavra. No entanto, devemos lembrar que o nosso amor por Ele não é o principal motivo para as Suas promessas de bênçãos. Ele nos amou primeiro; Ele quis nos abençoar e deu o Seu Filho amado por nós quando ainda éramos pecadores e inimigos.
A origem do amor de Deus encontra-se em Sua própria Pessoa, antes que o mundo existisse. E agora Ele se digna a reconhecer o nosso fraco e imperfeito amor. Ele preparou bênçãos maravilhosas para aqueles que O amam, jamais cogitadas pelo coração humano.
O segundo versículo da Bíblia em que Deus fala de nosso amor por Ele é Romanos 8:28: "Sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto". No meio de pessoas do mundo que estão em inimizade com Deus, Ele olha para Seus filhos que O amam e os preserva pelo Seu poder, não importa o quão fraco é o amor deles.
Na terceira passagem, a "coroa da vida" é prometida como uma preciosa recompensa para aqueles que já se mostraram firmes na prova de fé (Tiago 1:12).
Por fim, lemos em Tiago 2:5 que o reino é prometido como herança aos que amam a Deus. Neste contexto são os "pobres deste mundo" a quem Deus escolheu para serem "ricos na fé" e que são incentivados por esta perspectiva.
Estes quatro versículos falam do nosso amor para com Deus, mas revelam, acima de tudo, o Seu amor eterno por nós!

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: A misericórdia de Deus. (Salmos 52.8)

Medite, por um momento, na misericórdia de Deus. Ela é terna. Com um toque gentil e amável, o Senhor cura os corações enfermos e cicatriza suas feridas. Ele é tão gracioso na questão da misericórdia em si, quanto na prática dela. Esta se trata de uma grande misericórdia. Não existe nada pequeno em Deus. A misericórdia dele corresponde ao seu caráter -é infinita. Não é possível medi-la. Ela é tão grande que para grandes pecadores, perdoa pecados grandes, após grande espaço de tempo, e depois, concede grandes favores e privilégios, e nos ergue para grandes alegrias no grande céu do grande Deus. Esta misericórdia é imerecída , assim como deve ser toda verdadeira misericórdia; pois misericórdia merecida é apenas uma designação incorreta do termo justiça. O pecador não tinha qualquer direito à graciosa consideração do Altíssimo. Se o pecador houvesse sido entregue à condenação por causa da ira, somente o amor soberano teria encontrado um motivo para livrá-lo, pois no próprio pecador não havia qualquer motivo. Esta misericórdia é riquíssima. Algumas coisas são grandes mas têm pouca eficácia em si mesmas. A misericórdia de Deus é um encorajamento para espíritos abatidos; uma unção de ouro para feridas que sangram; uma atadura celeste para ossos quebrados; uma carruagem real para pés cansados; e, um abraço de amor para corações trêmulos. A misericórdia de Deus é abundante. Milhões já a receberam. Contudo, em vez de se esgotar, ela continua tão nova, tão repleta e tão espontânea como sempre o foi. Esta misericórdia é infalível, nunca abandonará você. Se ela é sua amiga, estará com você na tentação, para impedi-lo de ceder; também estará com você nas provações, para que você não desfaleça; A misericórdia de Deus estará com você durante toda a sua vida, para ser a luz e a vida de seu rosto. Ainda, esta misericórdia será a alegria de sua alma nos dias em que você estiver às portas da morte, quando todo o conforto terreno estiver se esgotando rapidamente.

Todo Dia Com Paz

As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam
(1 Coríntios 2:9).

PARA OS QUE AMAM A DEUS

Deus conecta nosso amor por Ele com promessas preciosas em várias passagens da Sua Palavra. No entanto, devemos lembrar que o nosso amor por Ele não é o principal motivo para as Suas promessas de bênçãos. Ele nos amou primeiro; Ele quis nos abençoar e deu o Seu Filho amado por nós quando ainda éramos pecadores e inimigos.
A origem do amor de Deus encontra-se em Sua própria Pessoa, antes que o mundo existisse. E agora Ele se digna a reconhecer o nosso fraco e imperfeito amor. Ele preparou bênçãos maravilhosas para aqueles que O amam, jamais cogitadas pelo coração humano.
O segundo versículo da Bíblia em que Deus fala de nosso amor por Ele é Romanos 8:28: "Sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto". No meio de pessoas do mundo que estão em inimizade com Deus, Ele olha para Seus filhos que O amam e os preserva pelo Seu poder, não importa o quão fraco é o amor deles.
Na terceira passagem, a "coroa da vida" é prometida como uma preciosa recompensa para aqueles que já se mostraram firmes na prova de fé (Tiago 1:12).
Por fim, lemos em Tiago 2:5 que o reino é prometido como herança aos que amam a Deus. Neste contexto são os "pobres deste mundo" a quem Deus escolheu para serem "ricos na fé" e que são incentivados por esta perspectiva.
Estes quatro versículos falam do nosso amor para com Deus, mas revelam, acima de tudo, o Seu amor eterno por nós!

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Tributai ao SENHOR a glória devida ao seu nome. (Salmos 29.2)
A glória de Deus é o resultado de sua natureza e de suas realizações. Ele é glorioso em seu caráter, porque existe nele um estoque inesgotável de tudo o que é santo, puro, bom e amável. As realizações que fluem do seu caráter também são gloriosas. Deus tenciona que estas realizações manifestem às suas criaturas a sua bondade, a sua misericórdia e a sua justiça. Deus também está interessado em que a glória associada a tais realizações seja atribuída apenas a Ele.
Em nós mesmos, não existe nada do que podemos nos gloriar pois, quem nos faz diferentes de outros? O que temos que não tenhamos recebido do Deus de toda graça? Portanto, quão cuidadosos devemos ser em andar humildemente diante do Senhor! Visto que no universo há lugar somente para uma glória, no momento em que glorificamos a nós mesmos, nos colocamos em rivalidade para com o Altíssimo! O inseto que só existe há uma hora se glorificará diante do sol, que o esquentou para que nascesse? Se exaltará o vaso de barro, acima do que o moldou sobre a roda? A poeira do deserto contenderá com o redemoinho? As gotas do oceano lutarão contra a tempestade? Todos os retos, “tributai ao SENHOR a glória devida ao seu nome”. Talvez, uma das mais difíceis lutas da vida cristã é aprender esta sentença: “Não a nós, SENHOR, não a nós, mas ao teu nome dá glória” (Salmos 115.1). Esta é uma lição que Deus está sempre nos ensinando e, às vezes, por meio da mais dura disciplina. Se o crente começa a gloriar-se: “Posso todas as coisas”, sem acrescentar: “Naquele que me fortalece” (Filipenses 4.13 ARC), logo terá de lamentar: “Eu não sou nada” e afligir-se até ao pó. Quando fazemos algo para o Senhor, e Ele se agrada em aceitar nossas realizações, devemos lançar nossa coroa aos pés dele e confessar: “Não eu, mas a graça de Deus comigo” (1 Coríntios 15.10)!


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Agora, pois, ó nosso Deus, que diremos depois disso? Pois deixamos os teus mandamentos
(Esdras 9:10).

AS BOAS OBRAS NÃO NOS SALVAM

A súbita morte da princesa Diana, em setembro de 1997 provocou uma onda de luto e solidariedade, não só na Europa Ocidental, mas em todo o mundo civilizado. Muitos se lembraram de suas aparições em eventos de caridade e como ela deu assistência aos doentes e moribundos.
Ela também permanece inesquecível por causa de seu audaz compromisso com a causa da desativação de armas perigosas, como minas terrestres, que anualmente mutilam muitas pessoas ou causam uma morte dolorosa.
Alguns foram longe demais, chegaram ao ponto de chamar Diana de santa. Os incontáveis enlutados ​​em seu funeral passaram a impressão de que a falecida estava agora no céu. Só Deus sabe a verdade a esse respeito.
Quando a questão são os mandamentos de Deus, muitos são sinceros e admitem que nem sempre os guardam. Consequentemente boas ações são muitas vezes mal interpretadas: é como se pudessem equilibrar a conta de pecados com Deus, fazendo o bem. O que Deus diz sobre este assunto?
Deus não pode simplesmente ignorar os pecados. Boas ações merecem reconhecimento, mas elas não podem desfazer nossas más ações. E são estas últimas que acarretam o juízo de Deus! Quem tem consciência de seus pecados e gostaria muito de vê-los apagados, deve confessá-los diante de Deus e se refugiar no Salvador, Jesus Cristo. É nEle que encontramos o perdão dos pecados. E ninguém, que não tenha sido resgatado, pode fazer obras que agradam a Deus.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Saíra Isaque a meditar no campo, ao cair da tarde. (Gênesis 24.63)
Isaque gastava tempo numa busca admirável. Se aqueles que gastam várias horas na companhia de pessoas ociosas, em leituras frívolas e passatempos inúteis, aprendessem sabedoria, descobririam que envolver-se na meditação é mais interessante do que envolver-se nas vaidades que agora se mostram tão atraentes para eles. Todos nós saberíamos mais, viveríamos mais próximos de Deus e cresceríamos mais profundamente na graça, se passássemos mais tempo a sós. A meditação extrai o verdadeiro alimento das informações que nossa mente obteve de outras fontes. Quando Jesus é o tema, a meditação se torna realmente agradável. Isaque encontrou Rebeca quando estava envolvido em meditações particulares. Muitos têm encontrado o seu mais Amado num momento assim.A escolha de Isaque por um lugar foi bastante admirável. No campo, temos inumeráveis assuntos sobre os quais podemos meditar. Desde o cedro ao hissopo, desde a águia que voa nas alturas ao gafanhoto chilreador, desde a expansão azul do céu à gota de orvalho, tudo está repleto de instrução. Quando os olhos da alma são abertos por Deus, tal ensino resplandece na mente com mais nitidez do que em livros impressos. Nossos quartos não se mostram tão sugestivos nem tão inspiradores como o campo. Não consideremos nada comum ou imundo, mas percebamos que todas as coisas criadas apontam Àquele que as fez; assim, o campo nos revela bastante o Senhor. A escolha de Isaque quanto à hora também foi sábia. O momento do pôr do sol, quando ele arrasta um véu sobre o dia, convém àquele repouso da alma, quando os cuidados terrenos entregam-se às alegrias da comunhão celeste. A glória do sol no poente nos causa admiração, e a solenidade da aproximação da noite desperta nosso temor. Se as atividades deste dia permitirem, será bom, querido leitor, você separar tempo para sair ao campo, à tardinha. Mas, se não for possível, o Senhor também está na cidade; Ele o encontrará em seu quarto ou na rua cheia de pessoas. Seu coração deve sair ao encontro dele.

domingo, 14 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

Pelo caminho, dessedentar-se-á no ribeiro e prosseguirá de cabeça erguida
(Salmo 110:7).

NO RIACHO DA COMUNHÃO COM DEUS!

Os primeiros versículos deste salmo falam profeticamente do Senhor Jesus como o Centro de todo poder, assentado à direita de Deus e coroado de glória e de honra. Deus falou: "Assenta-te à minha mão direita" (v. 1), como Sua resposta ao Senhor. No salmo anterior, lemos: "Em paga do meu amor, são meus adversários... Deram-me mal pelo bem... Porque estou aflito e necessitado, e, dentro de mim, está aflito o meu coração" (Salmo 109:4, 5, 22).
O salmo de hoje refere-se a Sua dependência como Homem, ao afirmar: "Pelo caminho, dessedentar-se-á no ribeiro". Os Seus inimigos O colocaram ao nível dos publicanos e pecadores, chamaram-nO de "comilão e beberrão", afirmaram que Ele expulsava demônios pelo diabo, cuspiram nEle e finalmente O coroaram com espinhos, e nada disso poderia desviá-Lo do caminho da obediência e devoção a Deus, Seu Pai.
Nesta vereda Ele bebeu, por assim dizer, no "riacho" da comunhão com Deus e assim obteve a força para elevar-Se acima de toda a oposição e continuar glorificando o Pai. Mas o Pai também deu-Lhe a oportunidade de ver algo do fruto que um dia vai plenamente satisfazê-Lo. Houve indivíduos que abriram seus corações para Ele, como a mulher no poço de Jacó, Maria de Betânia e até mesmo um dos malfeitores na cruz.
Agora, também, o Senhor espera afeição de nosso coração. Seu caminho de dependência é passado, mas o nosso amor para com Ele não é menos precioso para Ele.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: Me alegraste, SENHOR, com os teus feitos. (Salmos 92.4)

Você crê que seus pecados foram perdoados e que Cristo realizou uma completa expiação por eles? Então, que crente alegre você deveria ser! Deveria viver acima das aflições e provações comuns do mundo! Visto que o pecado foi perdoado, importa o que acontece com você agora? Lutero disse: “Quebranta, Senhor, quebranta, pois o meu pecado foi perdoado. Se Tu me perdoaste, quebranta com tanto vigor quanto desejares”.
Semelhantemente, você pode dizer: “Mande doença, pobreza, perdas, cruzes, perseguição; mande o que quiser, pois tem me perdoado, e minha alma está alegre. Crente, se você está salvo, enquanto se alegra, seja agradecido e amável. Apegue-se àquela cruz que removeu o seu pecado. Sirva Aquele que lhe serviu. O apóstolo Paulo escreveu: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Romanos 12.1). Não permita que o seu zelo evapore em alguma exuberante explosão musical. Demonstre o seu amor de maneiras expressivas. Ame os irmãos dAquele que o amou. Se, em algum lugar, existe um Mefibosete, que é aleijado, ajude-o por amor a Jônatas. Se você conhece um crente pobre, que está sendo afligido, chore com ele e leve a cruz dele, por amor Àquele que chorou por você e levou os seus pecados sobre si mesmo.
Visto que você está generosamente perdoado, vá e conte aos outros as boas-novas de misericórdia perdoadora, por amor a Cristo. Não se contente em possuir esta bênção apenas para si mesmo, mas divulgue amplamente a história da Cruz. Alegria e ousadia santa o tornarão um bom pregador, e todo o mundo será o púlpito no qual você pregará. Santidade transbordante de alegria é o mais poderoso dos sermões, mas somente o Senhor pode lhe dar esse sermão. Peça-o agora, antes que você saia para suas atividades no mundo. Quando nos alegramos nos feitos do Senhor, não precisamos ter medo de viver com intensa alegria.

sábado, 13 de agosto de 2016

Todo Dia Com Paz

O filho do rei reinará, como o SENHOR falou a respeito dos filhos de Davi
(2 Crônicas 23:3).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 CRÔNICAS (Leia 2 Crônicas 23:1-11)

No centro da escuridão moral reinante em Judá é como se existisse um farol cuja luz apontasse para Joás, o pequeno e precioso príncipe. A partir de agora todos os planos de Deus estavam sobre aquela frágil criança, o último "filho de Davi".
Há muitas semelhanças com outro período mais tenebroso ainda, quando Herodes ocupou injustamente o trono de Jerusalém! O verdadeiro rei dos judeus nascido em Belém estava a salvo, como Joás aqui, do massacre ordenado pelo usurpador. Durante toda a Sua vida, Jesus permaneceu escondido, primeiro em Nazaré, depois sob a "forma de servo" que escolheu assumir. E, mesmo agora, Ele está escondido dos olhos do mundo, nos céus, onde somente pela fé podemos contemplá-Lo e conhecê-Lo. Neste capítulo temos um pobre exemplo do dia do Seu glorioso aparecimento. Como os levitas e os chefes do povo, os que O servem e O esperam no presente um dia estarão com Ele. Aparecerão juntamente com o Senhor em glória (Colossenses 3:4; 1 Tessalonicenses 3:13). Que privilégio estar em tão abençoada companhia! Estar "com o rei quando entrar e quando sair" (v. 7). Cristãos, para que esse também seja nosso destino, precisamos manter-nos perto do Senhor pela fé durante o curto tempo em que Ele ainda está oculto nos céus.

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5