sábado, 31 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

31 de Julho
"Seja Deus verdadeiro, e mentiroso todo homem." Romanos 3.4
Esta é uma palavra dura! Quando nasce uma criancinha, costuma-se dizer que ela "viu a luz do mundo". Mas na verdade ela enxerga o brilho efêmero deste mundo. A luz que se desprende dos homens é passageira. Somente aquele que vive em Jesus Cristo tem "a luz" e passa a ser uma luz no mundo. É impossível se enganar. Quando dirigimos à noite nas estradas, e, de repente, vemos os "olhos de gato" na beira do caminho, podemos dizer que somos enganados. Certa vez alguém me disse: "Como esta rua é bem iluminada!" Eu retruquei: "Não, isto é apenas reflexo! Os postes só iluminam enquanto recebem a luz do refletor do automóvel". É estranho e abalador que muitos cristãos sejam uma luz somente enquanto se banham na luz de outros. Este é o motivo do naufrágio de muitos que até crêem, mas interiormente estão derrotados e sofrem recaídas. Por que isso acontece? Porque eles não têm verdadeira ligação vital com o Senhor Jesus Cristo. Se você precisa viver das experiências de outros crentes, continuará interiormente em trevas. É este o seu problema? Olhe para Jesus, permita que Sua luz brilhe através de você, confiando pessoalmente nEle de todo o coração.
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 136

1 LOUVAI ao Senhor, porque ele é bom; porque a sua benignidade dura para sempre.
2 Louvai ao Deus dos deuses; porque a sua benignidade dura para sempre.
3 Louvai ao Senhor dos senhores; porque a sua benignidade dura para sempre.
4 Aquele que só faz maravilhas; porque a sua benignidade dura para sempre.
5 Aquele que por entendimento fez os céus; porque a sua benignidade dura para sempre.
6 Aquele que estendeu a terra sobre as águas; porque a sua benignidade dura para sempre.
7 Aquele que fez os grandes luminares; porque a sua benignidade dura para sempre;
8 O sol para governar de dia; porque a sua benignidade dura para sempre;
9 A lua e as estrelas para presidirem à noite; porque a sua benignidade dura para sempre;
10 O que feriu o Egito nos seus primogênitos; porque a sua benignidade dura para sempre;
11 E tirou a Israel do meio deles; porque a sua benignidade dura para sempre;
12 Com mão forte, e com braço estendido; porque a sua benignidade dura para sempre;
13 Aquele que dividiu o Mar Vermelho em duas partes; porque a sua benignidade dura para sempre;
14 E fez passar Israel pelo meio dele; porque a sua benignidade dura para sempre;
15 Mas derrubou a Faraó com o seu exército no Mar Vermelho; porque a sua benignidade dura para sempre.
16 Aquele que guiou o seu povo pelo deserto; porque a sua benignidade dura para sempre;
17 Aquele que feriu os grandes reis; porque a sua benignidade dura para sempre;
18 E matou reis famosos; porque a sua benignidade dura para sempre;
19 Siom, rei dos amorreus; porque a sua benignidade dura para sempre;
20 E Ogue, rei de Basã; porque a sua benignidade dura para sempre;
21 E deu a terra deles em herança; porque a sua benignidade dura para sempre;
22 E mesmo em herança a Israel, seu servo; porque a sua benignidade dura para sempre;
23 Que se lembrou da nossa baixeza; porque a sua benignidade dura para sempre;
24 E nos remiu dos nossos inimigos; porque a sua benignidade dura para sempre;
25 O que dá mantimento a toda a carne; porque a sua benignidade dura para sempre.
26 Louvai ao Deus dos céus; porque a sua benignidade dura para sempre.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

30 de Julho
"Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! saí ao seu encontro." Mateus 25.6
Hoje estamos bem perto da meia-noite na história do mundo. A Bíblia é a eterna e verdadeira Palavra do Deus vivo. Ela é o livro da história do futuro. Por isso dá esclarecimento sobre o que deve acontecer antes de Jesus voltar, a fim de estabelecer Seu reino de paz sobre a terra. Por que falamos em meia-noite na história do mundo? Porque os sinais do tempo do fim estão se cumprindo. A desorientação dos governos aumenta. Em toda parte se pode constatar um medo progressivo e paralisante entre as pessoas. Milhares estão doentes dos nervos ou do coração, tomados de apreensão pelo espírito desta época e pela incerteza em relação ao futuro que parece ser negro e sinistro. Hoje em dia, por exemplo, é possível mover os poderes da natureza por meio de bombas atômicas e de hidrogênio. Tensões desse tipo aumentam. O que se deve fazer? A quem devemos recorrer? Só existe uma resposta: somente Jesus pode ajudar. Em breve Ele virá em grande poder e glória. Seu reino será um reino de paz e justiça. A ação de Deus impulsiona em direção ao alvo. Mas já agora Ele nos diz: "Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei."
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 135

1 LOUVAI ao Senhor. Louvai o nome do Senhor; louvai-o, servos do Senhor.
2 Vós que assistis na casa do Senhor, nos átrios da casa do nosso Deus.
3 Louvai ao Senhor, porque o Senhor é bom; cantai louvores ao seu nome, porque é agradável.
4 Porque o Senhor escolheu para si a Jacó, e a Israel para seu próprio tesouro.
5 Porque eu conheço que o Senhor é grande e que o nosso Senhor está acima de todos os deuses.
6 Tudo o que o Senhor quis, fez, nos céus e na terra, nos mares e em todos os abismos.
7 Faz subir os vapores das extremidades da terra; faz os relâmpagos para a chuva; tira os ventos dos seus tesouros.
8 O que feriu os primogênitos do Egito, desde os homens até os animais;
9 O que enviou sinais e prodígios no meio de ti, ó Egito, contra Faraó e contra os seus servos;
10 O que feriu muitas nações, e matou poderosos reis:
11 A Siom, rei dos amorreus, e a Ogue, rei de Basã, e a todos os reinos de Canaã;
12 E deu a sua terra em herança, em herança a Israel, seu povo.
13 O teu nome, ó Senhor, dura perpetuamente, e a tua memória, ó Senhor, de geração em geração.
14 Pois o Senhor julgará o seu povo, e se arrependerá com respeito aos seus servos.
15 Os ídolos dos gentios são prata e ouro, obra das mãos dos homens.
16 Têm boca, mas não falam; têm olhos, e não vêem,
17 Têm ouvidos, mas não ouvem, nem há respiro algum nas suas bocas.
18 Semelhantes a eles se tornem os que os fazem, e todos os que confiam neles.
19 Casa de Israel, bendizei ao Senhor; casa de Arão, bendizei ao Senhor;
20 Casa de Levi, bendizei ao Senhor; vós os que temeis ao Senhor, louvai ao Senhor.
21 Bendito seja o Senhor desde Sião, que habita em Jerusalém. Louvai ao Senhor.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

29 de Julho
"Tenho ainda muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora." João 16.12
Como o Senhor gostaria de falar mais conosco! Como é grande o desejo do Senhor em compartilhar conosco os Seus planos! Mas muitas vezes Ele tem que se conter, como aqui no caso dos discípulos. Ele tinha coisas para lhes contar que só podiam ser entendidas por corações que haviam experimentado o Pentecoste. Conforme a medida da plenitude do Espírito, Ele nos transmite os mais profundos mistérios do Seu coração. Quando Ele lavou os pés dos discípulos, Pedro lhe perguntou: "Senhor, tu me lavas os pés a mim? Respondeu-lhe Jesus: O que eu faço não o sabes agora, compreedê-lo-ás depois." Eis aqui a razão de você não conseguir entender muitas coisas das Sagradas Escrituras. Humilhe-se mais profundamente ainda. Esvazie-se ainda mais da sua própria natureza a fim de ficar ainda mais cheio do Espírito Santo, e assim, pelo mesmo Espírito, Ele poder lhe revelar as profundezas da divindade. "Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito, porque o Espírito a todas as cousas prescruta, até mesmo as profundezas de Deus."
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 134

1 EIS aqui, bendizei ao Senhor todos vós, servos do Senhor, que assistis na casa do Senhor todas as noites.
2 Levantai as vossas mãos no santuário, e bendizei ao Senhor.
3 O Senhor que fez o céu e a terra te abençoe desde Sião.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

28 de Julho
"Ouve, Senhor, a minha oração, escuta-me quando grito por socorro; não te emudeças à vista de minhas lágrimas." Salmo 39.12
O silêncio de Deus em nossa vida pode ter vários motivos. Por exemplo, se apesar da nossa oração não queremos admitir toda a verdade: "Jesus, porém, guardou silêncio." O sumo sacerdote, que interrogou a Jesus, queria admitir a mentira, e não reconhecer a Jesus mesmo como "a verdade". Preferiram procurar falso testemunho contra Ele. O problema de muitos crentes é que, na verdade, eles oram invocando a Deus para pedir-Lhe ajuda, dizendo como gostariam de ser santificados, mas mesmo assim ainda não estão dispostos a obedecer àquilo que o Senhor lhes mostra acerca de suas vidas interiores. É nesse ponto que o Senhor silencia, e Seu silêncio é a mais profunda resposta.
Um outro motivo é quando Ele não tem mais muito a nos dizer: "E de muitos modos o interrogava; Jesus, porém, nada lhe respondia." O rei Herodes pensava que como rei poderia começar uma interessante discussão com o Rei dos reis. Mas Jesus não lhe respondeu nada. Por que não? Porque Herodes não se preocupou com um encontro de coração com Jesus. Este é o motivo por que você também não recebe resposta. Você procura os milagres do Senhor ou a pessoa do Senhor? Quer a ajuda ou o Ajudador?
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 133

1 OH! qua¸o bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.
2 É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, e que desce à orla das suas vestes.
3 Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre os montes de Sião, porque ali o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre.

terça-feira, 27 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

27 de Julho
"Então Jesus, erguendo os olhos e vendo que grande multidão vinha ter com ele, disse a Filipe: Onde compraremos pães para lhes dar de comer?" João 6.5
Podemos tomar a alimentação dos cinco mil como uma representação da tarefa dos filhos de Deus em todo o mundo. É como que se o Senhor quisesse manifestar Sua santa vontade por meio desse maravilhoso procedimento: "...dai-lhes vós mesmos de comer." Há três elementos na alimentação dos cinco mil.
Primeiro, o pão. Por meio da maravilhosa multiplicação dos pães, vemos que Jesus, como Pão da vida, é suficiente para milhares, milhões, para um incontável número de pessoas. Ele mesmo o diz: "...eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância."
Em segundo lugar, os famintos, os cinco mil. Com esses relacionamos os cinco continentes. O mundo tem fome da verdadeira mensagem do Evangelho.
O terceiro elemento são os instrumentos, os discípulos que tomaram o pão das mãos de Jesus e o deram aos famintos. Só aquilo que recebemos das mãos de Jesus e repartimos é que satisfaz a fome das pessoas famintas. Somente aquilo que Jesus tem e o que Ele é pode satisfazer a mais profunda fome da alma de uma pessoa.
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 132

1 LEMBRA-TE, Senhor, de Davi, e de todas as suas aflições.
2 Como jurou ao Senhor, e fez votos ao poderoso Deus de Jacó, dizendo:
3 Certamente que não entrarei na tenda de minha casa, nem subirei à minha cama,
4 Não darei sono aos meus olhos, nem repouso às minhas pálpebras,
5 Enquanto não achar lugar para o Senhor, uma morada para o poderoso Deus de Jacó.
6 Eis que ouvimos falar dela em Efrata, e a achamos no campo do bosque.
7 Entraremos nos seus tabernáculos; prostrar-nos-emos ante o escabelo de seus pés.
8 Levanta-te, Senhor, ao teu repouso, tu e a arca da tua força.
9 Vistam-se os teus sacerdotes de justiça, e alegrem-se os teus santos.
10 Por amor de Davi, teu servo, não faças virar o rosto do teu ungido.
11 O Senhor jurou com verdade a Davi, e não se apartará dela: Do fruto do teu ventre porei sobre o teu trono.
12 Se os teus filhos guardarem a minha aliança, e os meus testemunhos, que eu lhes hei de ensinar, também os seus filhos se assentarão perpetuamente no teu trono.
13 Porque o Senhor escolheu a Sião; desejou-a para a sua habitação, dizendo:
14 Este é o meu repouso para sempre; aqui habitarei, pois o desejei.
15 Abençoarei abundantemente o seu mantimento; fartarei de pão os seus necessitados.
16 Vestirei os seus sacerdotes de salvação, e os seus santos saltarão de prazer.
17 Ali farei brotar a força de Davi; preparei uma lâmpada para o meu ungido.
18 Vestirei os seus inimigos de vergonha; mas sobre ele florescerá a sua coroa.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

26 de Julho
"...Para que concordemente e a uma voz glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo." Romanos 15.6
Este é o segredo da oração vitoriosa. Louvor e ação de graças é a expressão máxima da fé. Por que você não pode louvar e dar graças vitoriosamente? Porque não crê. Mas por que você não pode crer? Jesus dá a resposta: "Como podeis crer, vós os que aceitais glória uns dos outros?"Atente para a palavrinha "concordemente", pois o louvor e as ações de graças resultaram em um grande avivamento. Mas como surge essa união? Tomamos em consideração a séria exortação: "Portanto acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo nos acolheu para a glória de Deus." Aqui está a conclusão, bem na nossa frente. Você não tem nada de que se orgulhar, porque sua fé poderosa e suas abençoadas experiências são apenas graça de Deus. Segundo a carne, você é corrupto por natureza, mas justamente por Jesus ter aceito você nesse estado corrupto e perdido é que você deve aceitar o próximo! Mas não o faça apenas por cortesia ou delicadeza exterior, e, sim, com verdadeira sinceridade de coração, com o mesmo carinho com que Jesus veio e vem ao seu encontro. Esse critério inclui pura e simplesmente tudo o que Deus pede de nós: aceitar o outro assim como Cristo nos aceitou por meio da entrega da Sua própria vida por nós.
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 131

1 SENHOR, o meu coração não se elevou nem os meus olhos se levantaram; não me exercito em grandes matérias, nem em coisas muito elevadas para mim.
2 Certamente que me tenho portado e sossegado como uma criança desmamada de sua mãe; a minha alma está como uma criança desmamada.
3 Espere Israel no Senhor, desde agora e para sempre.

domingo, 25 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

25 de Julho
"Ora, nós que somos fortes, devemos suportar as debilidades dos fracos, e não agradar-nos a nós mesmos." Romanos 15.1
Eu até imagino que você seja forte espiritualmente, que, ao contrário dos outros, você experimentou o Senhor "de maneira especial", que a sua fé e o seu conhecimento superam o dos outros irmãos, mas você quer se tornar como Jesus? Aquele que realmente cresce no conhecimento do Senhor, diminui na sua própria maneira de ser. A autenticidade da sua fé robusta se mostra na sua capacidade de suportar os fracos. Jesus diz: "...aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração." Entenda corretamente: Jesus não era orgulhoso da Sua humildade. A humildade, e não a presunção era a profunda raiz da Sua natureza. E você, como é o seu caso? Talvez a sua aparente humildade religiosa seja apenas uma fina camada que recobre sua natureza vaidosa. Mas como é que você pode se tornar semelhante a Jesus? Unicamente pela Palavra de Deus, que foi escrita para nosso ensino, com validade eterna. Ali aprendemos "a paciência e a perseverança" do Senhor Jesus. Ele viveu na Palavra e da Palavra. Você procura paciência e consolo nas suas tribulações? Aqui está a fonte: a Palavra de Deus escrita!
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)
O Que é o Templo dos Últimos Dias?
Em 1989, a revista Time publicou um artigo intitulado "Tempo para um Novo Templo?" em que relatava o desejo crescente de muitos judeus devotos de verem um novo templo construído no Monte do Templo em Jerusalém. O correspondente começou escrevendo:
"Que a Tua vontade seja a rápida reconstrução do Templo em nossos dias..." Esse pedido a Deus, recitado três vezes ao dia nas orações judaicas, expressa um desejo que faz do Monte do Templo em Jerusalém os 35 acres potencialmente mais instáveis do mundo.[1]
Nos anos que se seguiram a esse artigo, nada diminuiu o desejo de reconstruir o templo. Na verdade, a expectativa e os preparativos continuam a crescer. O apoio do público israelense para a reconstrução do templo, antes fraco, está aumentando gradativamente. A tensão no Oriente Médio continua alta e os problemas religiosos e políticos da região continuam nas manchetes em todo o mundo. Mas, mesmo nestes tempos turbulentos, os ativistas do Movimento do Templo continuam a intensificar seus esforços.
Os esforços da política, da diplomacia, da religião e da cultura convergem todos para o Monte do Templo – provavelmente o terreno mais disputado da terra. Uma das tensões mais importantes entre judeus e muçulmanos é a de que uma mesquita muçulmana, o Domo da Rocha, foi construída no local do templo em Jerusalém. O ativismo em torno do templo tem provocado preocupação e conflito internacional e continua sendo um pavio curto que pode detonar a próxima guerra mundial. Não existem soluções fáceis ou simples nesse complexo drama internacional e há muita retórica.
O líder dos Fiéis do Monte do Templo, Dr. Gershon Salomon, que é um dos defensores mais conhecidos e declarados de um templo reconstruído, afirma:
Eu creio que essa é a vontade de Deus. Ele [o Domo da Rocha] deve ser retirado. Devemos, como sabem, removê-lo. E hoje temos todo o equipamento para fazer isso, pedra por pedra, cuidadosamente, embalando-o e enviando-o de volta para Meca, o lugar de onde veio.[2]
Afirmações tais como essa estão carregadas de emoção e são defendidas com convicção. Qualquer atividade relativa ao Monte do Templo certamente criará o caos e trará reprovação de uma ou mais entidades religiosas ou políticas envolvidas.
No entanto, o sonho de reconstruir o templo é realista e biblicamente correto; um dia ele se realizará. A Bíblia ensina explicitamente que a reconstrução se tornará realidade. Mas a alegria será passageira e a adoração será interrompida. Como veremos através de alguns tópicos da história e da Bíblia, o novo templo não será nem o primeiro nem o último a ser erguido. Sua construção é certa, mas os dias turbulentos que a acompanharão também.
Quais são os planos e os preparativos para o próximo templo de Israel?
Muitos planos estão sendo feitos para a reconstrução do templo,[3] e vários grupos diferentes em Israel estão se preparando para isso. Algumas das organizações e atividades incluem:
Os Fiéis do Monte do Templo, liderados por Ger-
shon Salomon, que usam medidas ativistas para tentar motivar seus compatriotas a reconstruírem o templo. Uma dessas medidas foi sua tentativa periódica de colocar uma pedra angular de 4 toneladas e meia no Monte do Templo. O ativista Gershon Salomon demonstra sua determinação quando diz:
No dia certo – creio que em breve – essa pedra será colocada no Monte do Templo, trabalhada e polida... e será a primeira pedra para o terceiro templo. Agora mesmo essa pedra não está longe do Monte do Templo, bem perto das muralhas da Cidade Velha de Jerusalém, perto da Porta de Shechem... e dessa pedra se pode ver o Monte do Templo. Mas o dia está próximo em que essa pedra estará no lugar certo – pode ser hoje... ou amanhã, estamos bem pertos da hora certa.[4]
Outra ação que eles instituíram foi o sacrifício de animais.
O Instituto do Templo, liderado por Israel Ariel, que já fez quase todos os 102 utensílios necessários para a adoração no templo conforme os padrões bíblicos e rabínicos. Eles estão em exposição para turistas no centro turístico do Instituto do Templo na Cidade Velha em Jerusalém.
O Ateret Cohanim fundou uma yeshiva (escola religiosa) para a educação e o treinamento dos sacerdotes do templo. Sua tarefa é pesquisar regulamentos, reunir levitas qualificados e treiná-los para um sacerdócio futuro.
Muitas yeshivas surgiram em Jerusalém para fazer preparativos para a eventualidade de culto no templo reconstruído e funcional. Estão fazendo roupas, harpas, plantas arquitetônicas geradas em computador. Alguns rabinos estão decidindo quais inovações modernas podem ser adotadas num templo novo. Além disso, eles estão fazendo esforços para ter animaiskosher (puros) para sacrifício, inclusive novilhas vermelhas. E algumas pessoas continuam a orar no Monte do Templo para ajudarem a preparar o caminho.
Muitos outros preparativos estão em andamento para a volta de Israel a todos os aspectos da adoração no templo.
Qual é a importância do templo da Tribulação?
O templo da Tribulação é importante porque é o templo que muitos judeus em Israel estão tentando reconstruir no presente. Saber o que a Bíblia ensina sobre os templos do passado, presente e futuro dá aos crentes a base necessária para ver o terceiro templo do ponto de vista de Deus. Apesar de que a esperança judaica para o próximo templo é que ele seja o templo messiânico, a Bíblia deixa claro que ele será, na verdade, o templo transitório do Anticristo.
O fato de Israel ter sido restabelecido como nação em 1948, de Jerusalém ter sido reconquistada em 1967 e dos judeus estarem fazendo esforços cada vez mais significativos para a construção do terceiro templo, demonstra que estamos chegando perto do fim da atual era da Igreja e do início da Tribulação. O cenário divino para o fim dos tempos está tomando forma e o centro das atenções é a reconstrução do templo em Jerusalém. A mão de Deus está agindo. (Thomas Ice e Timothy Demy -http://www.chamada.com.br)
Notas
  1. Richard N. Ostling, "Time for a New Temple?" ("Tempo para um Novo Templo?") Revista Time, 16 de outubro de 1989.
  2. Gershon Salomon citado em Patti Lalonde, "Building the Third Temple" ("Construindo o Terceiro Templo"), This Week in Bible Prophecy Magazine, abril de 1995, p. 22.
  3. Para detalhes documentados de preparativos atuais para reconstruir o templo veja Ice e Price, Ready to Rebuild.
  4. Randall Price, entrevista gravada com Gershon Salomon, 24 de junho de 1991.
Extraído do livro A Verdade Sobre O Templo dos Últimos Dias.

SALMO 130

1 DAS profundezas a ti clamo, ó Senhor.
2 Senhor, escuta a minha voz; sejam os teus ouvidos atentos à voz das minhas súplicas.
3 Se tu, Senhor, observares as iniqüidades, Senhor, quem subsistirá?
4 Mas contigo está o perdão, para que sejas temido.
5 Aguardo ao Senhor; a minha alma o aguarda, e espero na sua palavra.
6 A minha alma anseia pelo Senhor, mais do que os guardas pela manhã, mais do que aqueles que guardam pela manhã.
7 Espere Israel no Senhor, porque no Senhor há misericórdia, e nele há abundante redenção.
8 E ele remirá a Israel de todas as suas iniqüidades.

sábado, 24 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

24 de Julho
"Pelo contrário, Deus escolheu as cousas loucas do mundo para envergonhar os sábios, e escolheu as cousas fracas do mundo para envergonhar as fortes." 1 Coríntios 1.27
Você é culto? Estudou muito? Seus filhos freqüentaram escolas superiores? Mas por que será que você é presunçoso por causa disso? Por que sua instrução leva você a um orgulho próprio tão repugnante? Por que seus filhos, pelos quais gastou muito dinheiro para que estudassem, não querem saber mais nada do Evangelho? Será que não foi porque você procurou o sucesso e não a bênção, preferindo a honra dos homens em vez da que vem do Senhor? Você está abarrotado de sabedoria humana, mas não tem a sabedoria divina que transforma corações humanos. Onde você pode conseguir essa sabedoria? A Palavra de Deus lhe dá a resposta: "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é prudência." Você não encontra essa sabedoria em livros, você não pode estudar esse "conhecer e temer o Santo de Deus". Não, essa bênção divina, ao invés do sucesso humano, você encontra na renúncia da sua velha natureza, junto do crucificado no Calvário. Somente ali você encontra a eterna sabedoria de Deus em Jesus Cristo, nosso Senhor.
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 129

1 MUITAS vezes me angustiaram desde a minha mocidade, diga agora Israel;
2 Muitas vezes me angustiaram desde a minha mocidade; todavia não prevaleceram contra mim.
3 Os lavradores araram sobre as minhas costas; compridos fizeram os seus sulcos.
4 O Senhor é justo; cortou as cordas dos ímpios.
5 Sejam confundidos, e voltem para trás todos os que odeiam a Sião.
6 Sejam como a erva dos telhados que se seca antes que a arranquem.
7 Com a qual o segador não enche a sua mão, nem o que ata os feixes enche o seu braço.
8 Nem tampouco os que passam dizem: A bênção do Senhor seja sobre vós; nós vos abençoamos em nome do Senhor.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

23 de Julho
"Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso." Isaías 53.3
Quando contemplamos a atuação de Jesus, vemos como Ele rejeitou decididamente o caminho do sucesso. Seus milagres foram grandes bênçãos na vida das pessoas, mas Ele insistia que não contassem o fato a outros para que a bênção não degenerasse em sucesso. Bênção é algo divino, sucesso é humano. A bênção permanece, o sucesso desaparece. Você teve sucesso no seu negócio, pôde juntar fortuna, construiu casas? E por que o seu coração é tão frio? Porque na verdade teve sucesso, mas não teve bênção. Teve sucesso nos seus esforços morais? É uma "pessoa correta" que não faz mal a ninguém? Então certamente você é uma pessoa bem vista pelos outros, mas não por Deus. Pois Sua Palavra diz: "...todas as nossas justiças [são] como trapo da imundícia." A nossa justiça desaparece como neve ao sol, mas a justiça que vale diante de Deus permanece eternamente. Você tem sucesso ou bênção? Sua justiça é seu piedoso "eu" diante de Deus, ou Jesus Cristo que verteu Seu sangue por você é sua justiça?
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 128

1 BEM-AVENTURADO aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos.
2 Pois comerás do trabalho das tuas mãos; feliz serás, e te irá bem.
3 A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos como plantas de oliveira à roda da tua mesa.
4 Eis que assim será abençoado o homem que teme ao Senhor.
5 O Senhor te abençoará desde Sião, e tu verás o bem de Jerusalém em todos os dias da tua vida.
6 E verás os filhos de teus filhos, e a paz sobre Israel.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

22 de Julho
"E Jesus estava na popa, dormindo sobre o travesseiro; eles o despertam e lhe dizem: Mestre, não te importa que pereçamos!"Marcos 4.38
Esta tempestade é uma ilustração clara da tempestade que ruge na vida de cada crente, entre o ouvir e o experimentar da Palavra de Deus. O caminho que leva da teoria à experiência da vitória se chama fé, também durante uma viagem turbulenta. Mas atente para o fato de a tormenta começar exatamente quando Jesus se encontra a bordo! Justamente por Ele estar a bordo é que vem esse tufão assustador. Mas, por outro lado, Ele é a garantia de que não vamos afundar! Existem vendavais negativos e positivos. Muitas vezes é a ira de Satanás que nos sacode por dentro e por fora; mas, outras vezes, eles provêm de Deus, que nos prova se permanecemos firmes nEle pela fé. Mas a tempestade que os discípulos experimentaram provocou uma situação perigosa, pois as ondas não só bateram contra o navio, mas também o inundaram: "...de modo que o mesmo já estava a encher-se de água." Já é uma grande provação quando as ondas começam a bramir ao redor de nós. Mas quando "o barco", a nossa alma, é alcançado, realmente estamos em apuros. Porém, nestas horas Jesus está bem perto de nós! Está escrito: "E Jesus estava na popa, dormindo sobre o travesseiro."
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 127

1 SE o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela.
2 Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão de dores, pois assim dá ele aos seus amados o sono.
3 Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão.
4 Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade.
5 Bem-aventurado o homem que enche deles a sua aljava; não serão confundidos, mas falarão com os seus inimigos à porta.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

21 de Julho
"Naquele dia, sendo já tarde, disse-lhes Jesus: Passemos para a outra margem." Marcos 4.35
Enquanto de início ainda havia outros barcos perto deles, finalmente os discípulos ficaram sozinhos – sozinhos com Jesus. Então se levantou uma grande tempestade. Dentro de uma perspectiva profética, esta é uma ilustração do tempo do fim no qual se encontram os filhos de Deus nos dias atuais. Os discípulos viveram essas horas perigosas entre pregação e aparição do reino de Deus. Pois somente em Marcos 5, "à outra margem do mar", vemos a aparição deste reino, quando legiões de espíritos tiveram que desaparecer com grande alarido como um raio quando Jesus se aproximou. Que quadro maravilhoso! Ainda temos a tarefa de anunciar o reino de Deus e a vinda de Jesus. Ele estabelecerá Seu reino de paz – sem demora se tornará visível. Os poderes das trevas que agora ainda prendem milhões de pessoas têm de desaparecer como um raio quando Ele vier. Eu creio que hoje nos encontramos num período de transição. Ainda proclamamos que Jesus em breve vem, mas mesmo assim Ele ainda não veio. Em vez disso há temporal, as ondas se levantam, o barco da Igreja de Jesus está em perigo. Feliz daquele que, em meio a todas as tempestades, está consciente da presença de Jesus Cristo!
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 126

1 QUANDO o Senhor trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, estávamos como os que sonham.
2 Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fez o Senhor a estes.
3 Grandes coisas fez o Senhor por nós, pelas quais estamos alegres.
4 Traze-nos outra vez, ó Senhor, do cativeiro, como as correntes das águas no sul.
5 Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria.
6 Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos.

terça-feira, 20 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

20 de Julho
"...Prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus." Filipenses 3.14
Fidelidade perseverante em perseguir o alvo faz muita falta! Você também se deixou desviar do alvo que Deus estabeleceu para você? Quão insistentemente nos admoesta a carta aos Hebreus para não perdermos de vista o alvo: "Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos." O alvo sempre é Jesus! Devemos nos tornar cada vez mais semelhantes a Ele, estar cada vez mais unidos com Ele, e ser cada vez mais dominados por Seu Espírito. Como pode suceder isso? Por meio da oração, da santificação, do andar no caminho do Cordeiro. Justamente agora, nesta época, é muito válido o apelo: Não perca o alvo de vista! O Senhor voltará! Deixe-se purificar de alvos materiais e egoístas. Porventura você não se perdeu no desvio do pecado? Assim não se consegue mais ver claramente o alvo, que é Jesus.
Eu o exorto seriamente se você de uma ou outra maneira se desviou do alvo: volte-se decididamente ao ponto onde começou a se desviar do caminho reto, volte à cruz, volte ao Crucificado. A noite do juízo desce sobre a nossa geração. Uma negra e paralisante nuvem parece ter baixado sobre a humanidade, roubando-lhe o senso de direção e o sentido da vida. Felizes aqueles que elegeram decididamente a Jesus como seu alvo!
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 125

1 OS que confiam no Senhor serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre.
2 Assim como estão os montes à roda de Jerusalém, assim o Senhor está em volta do seu povo desde agora e para sempre.
3 Porque o cetro da impiedade não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda as suas mãos para a iniqüidade.
4 Faze bem, ó Senhor, aos bons e aos que são retos de coração.
5 Quanto àqueles que se desviam para os seus caminhos tortuosos, levá-los-á o Senhor com os que praticam a maldade; paz haverá sobre Israel.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

19 de Julho
"...Pois nele foram criadas todas as cousas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele." Colossenses 1.16
Através de todo o Antigo Testamento transparece a vontade de Deus de revelar o Filho como Salvador. Mas Moisés certamente foi o primeiro homem a quem o Senhor pôde revelar seu maior desejo até nos mínimos detalhes, ou seja, o sacrifício do Seu Filho amado. É profundamente comovedor quando o Senhor fala a Moisés sobre o "sangue do meu sacrifício". Como seria bom se finalmente pudéssemos compreender qual o maior interesse de Deus para conosco! O mesmo que aconteceu com Moisés outrora Deus quer para nós: Ele quer revelar o Cordeiro em e através de nós. Essa era a glória que Moisés refletia. Jesus foi o Cordeiro, o templo, o caminho, o sacrifício e o sacerdote ao mesmo tempo: "...a glória de Deus a iluminou, e o Cordeiro é a sua lâmpada." O maior interesse de Deus é a revelação de Jesus Cristo. Cristo é tudo em todos, na criação do Universo e individualmente em cada um. Deus criou o homem à Sua semelhança: "...para serem conformes à imagem de seu Filho."
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

SALMO 124

1 SE na¸o fora o Senhor, que esteve ao nosso lado, ora diga Israel;
2 Se não fora o Senhor, que esteve ao nosso lado, quando os homens se levantaram contra nós,
3 Eles então nos teriam engulido vivos, quando a sua ira se acendeu contra nós.
4 Então as águas teriam transbordado sobre nós, e a corrente teria passado sobre a nossa alma;
5 Então as águas altivas teriam passado sobre a nossa alma;
6 Bendito seja o Senhor, que não nos deu por presa aos seus dentes.
7 A nossa alma escapou, como um pássaro do laço dos passarinheiros; o laço quebrou-se, e nós escapamos.
8 O nosso socorro está no nome do Senhor, que fez o céu e a terra.

domingo, 18 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

18 de Julho
"Agora, pois, perdoa-lhe o pecado; ou, se não, risca-me, peço-te, do livro que escreveste." Êxodo 32.32
A face de Moisés brilhava porque ele havia falado com Deus. O que Moisés falou com o Senhor? Ele teria tido motivos suficientes para se queixar do quanto era fraco e do quanto ele necessitava do poder e da ajuda do Senhor para sua tarefa. Mas não ouvimos nenhuma palavra sobre isso. Sua oração não se referia ao seu próprio "eu". Pelo contrário, ele estava disposto a ser exterminado. Como mediador do povo, ele é uma ilustração do nosso grande Mediador, Jesus Cristo. Moisés fora liberto da esfera dos interesses próprios e da própria vida. Ele zelava unicamente pela honra do Senhor, que era infinitamente mais preciosa para ele do que todas as outras coisas. Mas Moisés passou a refletir mais ainda a glória do Senhor porque o Senhor havia falado com Ele. Ele lhe mostrou o caminho por meio do sangue do Substituto; este caminho que conduz o pecador ao coração de Deus! Deus lhe revelou o Sacrifício e o Sacerdote. Não é em vão que o Senhor fala tanto disso, pois, desde a eternidade, Deus, o Pai, em Seu imenso amor planejou a salvação por intermédio de Seu Filho Jesus Cristo. Ele foi sacrifício e sacerdote ao mesmo tempo. Aqui conseguimos imaginar um pouco da ânsia do Senhor em revelar a alguém o maravilhoso mistério da salvação, mistério esse que até os anjos anseiam ver.
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)
A Geração que Verá a Volta de Cristo
Sempre me pareceu estranho que o teólogo reformado R. C. Sproul começasse sua defesa do Preterismo moderado (do qual ele declaradamente é um dos adeptos) com uma citação do famigerado filósofo cético e ateu Bertrand Russell. Em seu livro The Last Days According to Jesus1 [Os Últimos Dias Segundo Jesus], Sproul parecia tentar agradar a Russell e seus seguidores com uma resposta à questão que Russel levantara sobre a divindade de Cristo. Ele tentou fazer com que a expressão“não passará esta geração sem que tudo isto aconteça” (Mt 24.33-34), se referisse à geração dos discípulos, alguns dos quais ainda eram vivos quando o exército romano (não o Anticristo, como mostra a profecia) destruiu a cidade de Jerusalém no ano 70 d.C.
Russell, que corretamente demonstrara o fato de que aqueles discípulos não viram a volta de Cristo nem o cumprimento de muitas profecias proferidas naquele sermão do monte das Oliveiras, deu então um “salto” interpretativo para chegar à conclusão errônea de que Jesus não podia ser Deus em carne humana, visto que fracassara em cumprir aquela profecia durante o tempo de vida daqueles discípulos. Ao que parece, nunca lhe ocorreu que a expressão “esta geração” não era uma referência àquela geração de discípulos do primeiro século, mas sim uma alusão à geração que veria a seqüência de eventos do fim dos tempos que acontecerá conforme Jesus profetizou. Eu pessoalmente não acredito que Russell tenha sido movido por um forte desejo de identificar Jesus como “o profeta”que Moisés predissera ser o Messias em Deuteronômio 18.18-19. É provável que ele tenha sido influenciado pelos céticos acerca de Jesus que viveram em sua própria geração ou pelos racionalistas alemães ou, ainda, pelos céticos franceses que o antecederam, os quais negaram a divindade de Jesus e a inspiração sobrenatural das Escrituras. O uso equivocado que ele fez de Mateus 24.32-34 foi, muito provavelmente, uma tentativa descarada de tirar a credibilidade de Jesus.
Essa é apenas uma das razões pelas quais o Pre-Trib Research Center [Centro de Pesquisas Pré-Tribulacionistas], o Dr. Thomas Ice e tantos outros escritores eruditos abordaram esse assunto em livros, folhetos e periódicos. É importante que se faça isso, não pelo texto das Escrituras em si mesmo, mas por causa da interpretação errada. Uma das coisas básicas que aprendi no estudo da lógica é que se você começa um argumento baseado numa premissa falsa, chegará a uma conclusão falsa. Essa é a razão pela qual a primeira coisa que se faz num debate é averiguar a veracidade ou falsidade da premissa básica (i.e., primeira premissa).
Em vez de adotar o sentido claro desse texto das Escrituras a fim de entender seu significado, nossos colegas de linha reformada e preterista querem nos levar a crer que Jesus fazia uma alusão aos discípulos do primeiro século.
escrituras
Infelizmente, nossos amigos ligados à Igreja Reformada (na sua maioria, amilenistas ou pós-milenistas), que chegaram às suas conclusões em virtude de seu sistema teológico e não pelo sentido claro da interpretação das Escrituras, tentam ler nesse texto aquilo que simplesmente nele não está escrito. Erram em não aceitar a declaração feita por Jesus de que “não passará esta geração sem que tudo isto aconteça” (v. 34) dentro de seu contexto, a qual refere-se à geração que veria os eventos que Ele acabara de profetizar. Jesus respondeu à pergunta levantada pelos discípulos em Mateus 24.3, “...que sinais haverá da tua vinda e da consumação do século?”. Contudo, os preteristas cometem o erro de pular falaciosamente para a conclusão de que Jesus se referia àqueles que estivessem vivos quando o templo fosse destruído. Daí, então, os preteristas ficam presos à obrigação de dizer, por exemplo, que Nero (o qual nunca esteve em Jerusalém para cumprir o que está escrito em 2 Tessalonicenses 2.8) é o Anticristo ou a “besta” de Apocalipse 13 (a qual ainda se manifestará no futuro) e que Satanás está preso. Alguns chegam mesmo a dizer que a Segunda Vinda de Cristo já aconteceu no ano 70 d.C. (ainda que tal “cumprimento” não preencha os requisitos das promessas feitas por Jesus acerca de Sua Vinda, muito menos do que foi predito pelos anjos e pelos apóstolos). A concepção de que estejamos vivendo hoje em dia no reino é ridícula; várias outras idéias, igualmente sem base nas Escrituras, têm sido por eles propagadas e parece que não se dão conta [do seu engano] (tudo isso tem sido cuidadosamente abordado nos livros e artigos escritos pelo Dr. Thomas Ice).
Em vez de adotar o sentido claro desse texto das Escrituras a fim de entender seu significado, nossos colegas de linha reformada e preterista querem nos levar a crer que Jesus fazia uma alusão aos discípulos do primeiro século. Sua motivação ao fazê-lo não é porque o texto bíblico em questão ensine isso, mas porque suas pressuposições teológicas o exigem; do contrário, teriam de abandonar suas crenças amilenistas e pós-milenistas. Aqueles que “interpretam as Escrituras em seu sentido literal, a menos que os fatos do contexto imediato nitidamente indiquem o contrário”, crêem, na sua esmagadora maioria, que Jesus voltará imediatamente após a concretização de muitos sinais que Ele apresentou nessa passagem como placas sinalizadoras em resposta às seguintes perguntas dos discípulos: “Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinais haverá da tua vinda e da consumação do século” (Mt 24.3).
Portanto, é importante examinar os eventos preditos por Jesus acerca de dias obviamente futuros, a fim de constatar se Ele aludia àquela geração do primeiro século ou fazia referência aos crentes que hão de contemplar os eventos profetizados. Estude a relação abaixo e chegue à sua própria conclusão.
A Introdução do Discurso no Monte das Oliveiras
“Porque se levantará nação contra nação, reino contra reino” (Mt 24.7).
reino contra reino
• Mateus 24.4-5: “Vede que ninguém vos engane. Porque virão muitos em meu nome dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos”. Desde o momento da ascensão de Jesus aos céus, centenas de falsos cristos já apareceram.
• Mateus 24.6: “E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras...”. Desde que Jesus predisse isso, já houve, pelo menos, 12 mil guerras.
• SUA MENSAGEM: “...vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim”.
Jesus Predisse Sinais Que Antecederiam a Tribulação
• Mateus 24.5: “Porque virão muitos em meu nome [...] e enganarão a muitos”. Centenas de falsos mestres apareceram em cena desde o primeiro século até agora.
• Mateus 24.7 – O primeiro sinal ou “dor de parto”: “Porque se levantará nação contra nação, reino contra reino”. Uma vez que a visão apresentada por Jesus neste versículo era de amplitude mundial, poderia ser uma alusão à I Guerra Mundial (1914-1917), a qual, historicamente, foi o primeiro conflito de proporções mundiais, iniciada por uma nação contra outra e que acabou por envolver as nações do mundo. “...e haverá fomes [a versão Almeida Revista e Corrigida acrescenta: ‘...e pestes’,] e terremotos em vários lugares”, que, literalmente, significa “em vários lugares ao mesmo tempo”. Isso ocorreu, pela primeira vez, depois da I Guerra Mundial. Nos idos de 1918 a 1920, a influenza foi provavelmente a “peste” mais letal do mundo em toda sua história. Os quatro elementos do primeiro sinal referiam-se à I Guerra Mundial.
• Mateus 24.8: “...tudo isto é o princípio das dores” (i.e., dores de parto) ou sinais da Sua Vinda. É interessante que depois disso, muitos outros sinais do fim dos tempos começaram a aparecer – Israel recebeu permissão para retornar à sua terra (em 1917, através da Declaração Balfour) e a Revolução Russa, que resultou no erguimento dessa nação como uma potência mundial, dentre outros sinais.
• Mateus 24.11: “Levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos”.
• Mateus 24.12-13: “E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo” (ou seja, entrará no Milênio).
• Mateus 24.14: “E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim”. (Temos nos aproximado rapidamente do cumprimento dessa profecia à medida que o Evangelho se torna conhecido ao redor do mundo). Muitos expositores da Bíblia crêem que os versículos acima descrevem os primeiros três anos e meio do período da Tribulação, tratado detalhadamente nos capítulos 6 a 12 de Apocalipse.
A Grande Tribulação
“E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim” (Mt 24.14).
todas as nações
• Mateus 24.15: “Quando, pois, virdes o abominável da desolação de que falou o profeta Daniel...”. Esse texto ensina que a [segunda metade da] Grande Tribulação terá inicío no momento em que o templo for profanado e destruído.
• Mateus 24.21-22: “porque nesse tempo haverá grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem haverá jamais”. (Para mais detalhes sobre esses três anos e meio da Tribulação, leia Apocalipse 13 a 18, período esse após o qual Jesus Cristo voltará com poder para estabelecer Seu Reino, conforme os capítulos 19 e 20 de Apocalipse). Visto que nunca houve um tempo como esse na história, fica evidente que os versículos profetizam eventos ainda futuros.
• Mateus 24.24: “Porque surgirão muitos falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos. Vede que vo-lo tenho predito”. Embora a Igreja tenha ficado infestada de falsos mestres que alegam ser “Cristo” ou “profetas”, os tais nunca realizaram “sinais e prodígios” capazes de enganar até mesmo os eleitos. A batalha entre os seguidores de Satanás e do Anticristo contra o Espírito Santo e os servos de Deus, durante a última metade do período da Tribulação será a maior batalha da história deste mundo.
“Logo em seguida à tribulação daqueles dias [...] todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória” (Mt 24.29-30).
as nuvens no céu
• Mateus 24.29-30: “Logo em seguida à tribulação daqueles dias [...] todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória”. O texto insiste em repetir veementemente que a Segunda Vinda de Cristo acontecerá imediatamente depois do pior período da história humana. Para qualquer leitor imparcial, a conclusão óbvia é a de que tal período ainda não ocorreu, mas aguarda sua concretização no futuro [...] futuro esse que, segundo a opinião de muitos, pode estar bem próximo.
Conclusão
A geração que, conforme os versículos 32-34, contemplará todas essas coisas, de modo nenhum podia ser a geração de discípulos que viveu no primeiro século. Infelizmente, até onde se sabe, Bertrand Russell morreu e foi sepultado com a enganosa concepção de que Jesus cometeu um erro ao profetizar que Sua geração veria a Segunda Vinda dEle, concluindo, assim, que as palavras de Cristo não eram confiáveis. Na verdade, Jesus se referia à geração acerca da qual os discípulos indagaram ao perguntarem: “que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século”. Cristo descreveu“esta geração” como aquela que estará viva no momento em que“sucederão todas estas coisas”.2 Visto que muitos sinais, ao que parece, já começaram a se cumprir, todos nós deveríamos orar e trabalhar a fim de advertir as pessoas para que não percam a oportunidade de encontrá-lO na Sua Vinda para buscar a Igreja, por ocasião do Arrebatamento. Tenho certeza de que eu e você temos o mesmo desejo de que muitos não sejamDeixados Para Trás! (Tim LaHaye - Pre-Trib Perspectives -http://www.chamada.com.br)
Notas:
  1. A série de citações que R. C. Sproul faz dos escritos de Bertrand Russell encontra-se no livro de Sproul intitulado The Last Days According to Jesus (Grand Rapids: Baker, 1998, p. 11-15). As citações foram extraídas do livro de Bertrand Russell intitulado Why I Am Not a Christian: And Other Essays on Religion and Related Subjects, organizado por Paul Edwards (Londres: Allen & Unwin / Nova York: Simon & Schuster, 1957).
  2. Para uma apresentação mais detalhada e aprofundada desse assunto, por favor, veja em: Thomas Ice e Tim LaHaye, The End Times Controversies, Eugene: Harvest House, 2003, p. 83-108 (no capítulo 4, sob o título: Preterist “Time Texts”).
Publicado anteriormente na revista Chamada da Meia-Noite, março de 2007

SALMO 123

1 A TI levanto os meus olhos, ó tu que habitas nos céus.
2 Assim como os olhos dos servos atentam para as mãos dos seus senhores, e os olhos da serva para as mãos de sua senhora, assim os nossos olhos atentam para o Senhor nosso Deus, até que tenha piedade de nós.
3 Tem piedade de nós, ó Senhor, tem piedade de nós, pois estamos assaz fartos de desprezo.
4 A nossa alma está extremamente farta da zombaria daqueles que estão à sua vontade e do desprezo dos soberbos.

sábado, 17 de julho de 2010

MEDITAÇÃO DIÁRIA

17 de Julho
"Quando desceu Moisés do monte Sinai, tendo nas mãos as duas tábuas do testemunho, sim, quando desceu do monte, não sabia Moisés que a pele do seu rosto resplandecia, depois de haver Deus falado com ele." Êxodo 34.29
A piedade inconsciente é algo maravilhoso. Ela é o irromper do esplendor da glória de Deus em uma vida humana. E esse esplendor é irradiado inconscientemente, porque é uma obra do Espírito Santo; não é o "eu" disfarçado religiosamente se tornando perceptível.
Qual é o alvo da nossa santificação pessoal? O alvo de Moisés era o Senhor. Vivendo na presença do Senhor, ele irradiava a glória de Deus. Sua face brilhava porque ele permanecia persistentemente na presença de Deus. "...E lá permaneceu quarenta dias e quarenta noites." Poderia-se dizer: "Este homem realmente tomou tempo para ter comunhão com Deus." Mas é muito mais admirável a imensidão de tempo que o Senhor toma a fim de revelar Sua glória e Seus pensamentos a cada pessoa individualmente, a cada um que, como Moisés, anseia por isso. Sem dúvida, Moisés seria o primeiro a ter motivo para ficar nervoso e dizer: "Não tenho tempo, pois milhares de pessoas esperam por mim." Mas ele perseverou na presença do Senhor.
Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5