sexta-feira, 30 de junho de 2017

Pérolas Diárias



30 de Junho

"Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível." 1 Coríntios 9.24-25
Como conquistamos essa coroa incorruptível? Através de renúncia e abnegação. Paulo usa o exemplo dos Jogos Olímpicos. Os atletas deixam tudo o que possa atrapalhar sua corrida a fim de receber uma coroa corruptível. Querido leitor, antes de qualquer atitude pergunte-se primeiro: como estarei servindo melhor ao Senhor Jesus? Aí você saberá o que deve fazer e o que deve deixar de fazer. Podemos basear nosso comportamento espiritual em Colossenses 3.17: "E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai." Podemos xingar em nome de Jesus? Não! Como se torna leve e gloriosa uma vida que se concentra unicamente em Jesus! Guarde o que você tem, pois: "Igualmente o atleta não é coroado, se não lutar segundo as normas." Siga o Senhor decididamente. Consagre a Ele a sua vida, seu coração, seus dons, seu tempo e suas forças! Assim também os seus olhos um dia verão o Rei na Sua formosura.

O descanso do céu na ira vindoura

Versículo do dia: Se de fato é justo diante de Deus que dê em paga tribulação aos que vos atribulam e a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu com os anjos do seu poder, com labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. (2 Tessalonicenses 1.6-8, ACF)
Chegará um tempo em que a paciência de Deus se esgotará. Quando Deus ver o seu povo sofrer pelo tempo determinado e o número dos mártires for completado (Apocalipse 6.11), então a vingança virá do céu.
Observe que a vingança de Deus contra nossos ofensores é experimentada por nós como “descanso”. Em outras palavras, o juízo sobre “aqueles que nos atribulam” é uma forma de graça para conosco.
Talvez a ilustração mais notável do juízo como graça seja a da destruição da Babilônia em Apocalipse 18. Na sua destruição, uma grande voz clama do céu: “Exultai sobre ela, ó céus, e vós, santos, apóstolos e profetas, porque Deus contra ela julgou a vossa causa” (Apocalipse 18.20). Nessa ocasião, ouve-se uma grande multidão, dizendo: “Aleluia! A salvação, e a glória, e o poder são do nosso Deus, porquanto verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande meretriz que corrompia a terra com a sua prostituição e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos” (Apocalipse 19.1-2).
Quando a paciência de Deus tiver percorrido seu curso de longanimidade, esta era tiver terminado e o juízo vier sobre os inimigos do povo de Deus, os santos não desaprovarão a justiça de Deus.
Isso significa que a destruição final do impenitente não será experimentada como uma miséria para o povo de Deus.
A indisposição dos outros para o arrependimento não manterá as afeições dos santos como reféns. O inferno não será capaz de chantagear o céu pela miséria. O julgamento de Deus será aprovado e os santos experimentarão a vindicação da verdade como uma grande graça.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 30 de junho – O descanso do céu na ira vindoura.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

quinta-feira, 29 de junho de 2017


29 de Junho

"Pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangidos, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade, nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes tornando-vos modelos do rebanho. Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória." 1 Pedro 5.2-4
A coroa da glória está destinada primeiramente aos pastores da igreja, aos pregadores. Estes têm uma grande responsabilidade. Eles também são alvos preferidos do diabo. Não critique o seu pregador, mas ore por ele, para que ele pregue a Palavra de Deus no poder do Espírito, e saiba fazer tudo corretamente para um dia também receber a imarcescível, inalterável coroa da glória.
Segundo o meu entendimento, esta coroa da glória também está destinada àqueles que são exemplos na Igreja de Jesus. Você é um exemplo? Pode-se ver a Jesus em você? Você é uma coluna na sua igreja? É da maior importância que Jesus possa crescer em nossas vidas para que nos tornemos exemplos. Não deveríamos continuar sendo sempre bebês, mas deveríamos crescer até a perfeita varonilidade da estatura de Cristo. Para você também está preparada a imarcescível coroa da glória!

A poderosa raiz do amor prático

Versículo do dia: Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. (1 João 3.14)
A Bíblia, algumas vezes, faz do amor a condição da experiência contínua e final da graça futura. Isso não significa que o amor deve preceder a fé na promessa. Pelo contrário, significa que a fé na promessa deve ser tão real que o amor que ela produz prove a realidade da fé.
Assim, o amor pelos outros é uma condição da graça futura no sentido de que ele confirma que a condição primária, a fé, é genuína. Nós poderíamos chamar o amor pelos outros de uma condição secundária, que confirma a autenticidade da condição primária da fé.
A fé percebe a glória de Deus nas promessas da graça futura e se apossa de tudo o que as promessas revelam sobre o que Deus é para nós em Jesus. Essa apreensão e esse deleite espiritual em Deus são a evidência autoautenticadora de que Deus nos chamou para sermos alguns dos beneficiários da sua graça. Essa evidência nos liberta para confiarmos na promessa como sendo nossa. E essa confiança na promessa nos capacita a amar, o que, por sua vez, confirma que a nossa fé é real.
O mundo necessita de uma fé que combina duas coisas: a apreensão reverente da inabalável verdade divina e o poder totalmente prático e contínuo de fazer uma diferença libertadora na vida. É disso que eu preciso também. É por isso que eu sou um cristão.
Há um grande Deus de graça que magnifica a sua própria infinita autossuficiência cumprindo promessas a pessoas miseráveis que confiam nele. E há um poder que provém de estimar este Deus que não deixa intocado nenhum canto ou brecha da vida. Isso nos capacita a amar da maneira mais prática.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 29 de junho – A poderosa raiz do amor prático.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Pérolas Diárias



28 de Junho

"Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda." 2 Timóteo 4.7-8
Aqui é mencionada a condição para receber a coroa da justiça: "guardar a fé". Não temos segurança na nossa fé em si, mas no conteúdo e no objeto da nossa fé, o qual é o próprio Senhor Jesus Cristo! Quando tudo o que é visível desmorona, Ele permanece. Agarre-se nEle em todas as circunstâncias, embora haja tempestade e rujam as ondas, de modo que um dia, no fim da sua vida, você possa dizer: "guardei a fé".
A segunda condição para receber a coroa da justiça diz: amar a Sua vinda, isto é, esperar com grande ansiedade e crescente desejo a vinda do Senhor Jesus. Você tem esse anseio? Esta é a melhor prova de que você pertence a Ele e de que vive na santificação. Você se alegraria se Jesus voltasse hoje? Diga "amém" se você ama a Sua vinda. Ele virá em breve!

Suportar ao obedecer dói

Versículo do dia: Olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz. (Hebreus 12.2)
Às vezes, o que a fé realiza é indizivelmente difícil.
Em seu livro Miracle on the River Kwai [Milagre no Rio Kwai], Ernest Gordon conta a história real de um grupo de prisioneiros de guerra que trabalhavam na Estrada de Ferro Birmânia, durante a Segunda Guerra Mundial.
Ao fim de cada dia, as ferramentas eram tiradas do grupo de trabalho. Em uma ocasião, um guarda japonês gritou que uma pá havia desaparecido e exigia saber que homem a havia pegado. Ele começou a discutir e a se enfurecer, ergueu-se em uma fúria paranoica e ordenou que quem fosse culpado desse um passo à frente. Ninguém se moveu. “Todos morrerão! Todos morrerão!”, gritou ele, carregando e apontando sua arma para os prisioneiros. Naquele momento, um homem se apresentou e o guarda o matou com o rifle, enquanto ele permaneceu em silêncio. Quando retornaram ao acampamento, as ferramentas foram contadas outra vez e nenhuma pá estava faltando.
O que pode sustentar a vontade de morrer por outros, quando você é inocente? Jesus foi conduzido e sustentado por seu amor por nós “em troca da alegria que lhe estava proposta”.
A graça significa que seus objetos não são merecedores. Então, eu não direi que Jesus colocou sua esperança na graça. Simplesmente direi que ele confiou nas futuras bênçãos e na alegria, e estas o conduziram e o sustentaram em amor através do seu sofrimento.
Sempre que nós o seguimos nisto, o que devemos fazer, essa bênção e essa alegria para nós são graça — graça futura. Como homem, exemplificando para nós como tomar a nossa cruz e segui-lo no caminho do amor do Calvário, Jesus entregou-se ao seu Pai (1 Pedro 2.23), e depositou sua esperança na ressurreição e em todas as alegrias do retorno para seu Pai e da redenção do seu povo.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 28 de junho – Suportar ao obedecer dói.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

terça-feira, 27 de junho de 2017

Pérolas Diárias



27 de Junho

"Bem-aventurado o homem que suporta com perseverança a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam." Tiago 1.12
Aqui vemos duas condições para receber a coroa da vida. Primeiro, suportar a provação. Seguir o Senhor Jesus não significa estar livre de tentações. Pelo contrário! Existem as tentações no espírito que muitas vezes são túneis bem escuros pelos quais nós, como filhos de Deus, temos que passar em nossa vida. Nesses momentos parece que o Senhor está bem distante, mas é justamente aí que Ele está bem próximo de nós! Justamente aí a mão traspassada de Jesus nos mantém em pé. Mas também existem as tentações da alma, quando somos colocados em situações que abalam nossas emoções, quando somos afligidos por depressões. Mas está escrito que Jesus mora em nossos corações "pela fé", portanto não por meio dos sentimentos! Além disso, também há as tentações do corpo, em que somos afligidos por poderes da enfermidade. Porém o Senhor Jesus é o grande médico.
A segunda condição para receber a coroa da vida é que O amemos. Podemos crer em Jesus, podemos falar dEle com convicção, podemos nos esforçar para segui-lO, mas o Senhor tem interesse, em primeiro lugar, que O amemos de verdade. Você ama a Jesus? Seu coração bate mais rápido quando se lembra dEle? A Palavra de Deus promete: "O Senhor guarda a todos os que o amam."

Um refúgio para os desamparados

Versículo do dia: Como é grande a tua bondade… para com os que em ti se refugiam! (Salmo 31.19)

A experiência da graça futura muitas vezes depende do fato de se nos refugiamos em Deus ou se duvidamos dos seus cuidados e corremos para a cobertura de outros abrigos.
Para aqueles que se refugiam em Deus, as promessas da graça futura são muitas e ricas.
  • Dos que nele confiam nenhum será condenado (Salmo 34.22).
  • Ele é escudo para todos os que nele se refugiam. (2 Samuel 22.31).
  • Bem-aventurados todos os que nele se refugiam (Salmo 2.12).
  • O SENHOR é bom, é fortaleza no dia da angústia e conhece os que nele se refugiam (Naum 1.7).
Não obtemos ou merecemos nada ao nos refugiarmos em Deus. Esconder-se em algo não contribui em nada para o esconderijo. Tudo o que isso faz é demonstrar que consideramos a nós mesmos como desamparados e ao refúgio como um lugar de socorro.
A condição que nós devemos atender para ter essa graça não é meritória; é a condição do desespero e do reconhecimento da fraqueza e necessidade.
A miséria não exige ou merece; ela suplica por misericórdia e busca por graça.

Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 27 de junho – Um refúgio para os desamparados.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Pérolas Diárias



26 de Junho

"Eis que vos digo um mistério: Nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, num momento, num abrir e fechar dolhos, ao ressoar da última trombeta." 1 Coríntios 15.51-52
Por que a Bíblia fala relativamente pouco sobre o arrebatamento? Porque o mesmo – como Paulo expressa aqui – é um mistério. Mas em que consiste este mistério do arrebatamento para nós, que somos filhos de Deus? O próprio Senhor Jesus o revela quando fala do dia em que iremos ao seu encontro: "Assim também agora vós tendes tristeza, mas outra vez vos verei; o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém poderá tirar. Naquele dia nada me perguntareis." Portanto, o Senhor diz que, no momento em que pudermos vê-lO como Ele é, todos os mistérios serão resolvidos e todas as nossas perguntas terão sido respondidas. Também nos chama a atenção que o Senhor não somente diz que quer nos ver, mas Ele quer nos ver outra vez. Mas como poderemos vê-lO de novo por ocasião do arrebatamento? Afinal de contas, já O vimos alguma vez? Sim, pois agora O vemos e O reconhecemos na Palavra de Deus. Mas quando Ele vier nas nuvens do céu, O veremos como Ele é. Eis o grande mistério.

O temor que nos atrai

Versículo do dia: Não temais; Deus veio para vos provar e para que o seu temor esteja diante de vós, a fim de que não pequeis. (Êxodo 20.20)
Há um temor que é servil e nos afasta de Deus, e há um temor que é doce e nos atrai a Deus. Moisés advertiu contra um e convocou ao outro no mesmo verso, Êxodo 20.20: “Respondeu Moisés ao povo: Não temais; Deus veio para vos provar e para que o seu temor esteja diante de vós, a fim de que não pequeis”.
A ilustração mais clara que eu já vi desse tipo de temor foi o momento em que um dos meus filhos encarou um pastor alemão. Estávamos visitando uma família da nossa igreja. Meu filho Karsten tinha cerca de sete anos. Eles tinham um cachorro enorme que ficou cara a cara com um menino de sete anos.
O cachorro era amigável e Karsten não tinha problemas em fazer amigos. Porém, quando mandamos Karsten voltar ao carro para pegar algo que havíamos esquecido, ele começou a correr e o cão correu atrás dele rosnando baixo. É claro que isso assustou Karsten. Mas o dono disse: “Karsten, por que você não apenas anda? O cachorro não gosta quando as pessoas fogem dele”.
Se Karsten abraçasse o cachorro, ele seria afável e até lamberia o seu rosto. Mas se ele corresse do cão, este rosnaria e encheria Karsten de temor.
Agora, essa é uma ilustração do que significa temer ao Senhor. Deus quer dizer que seu poder e santidade estimulam o temor em nós, não para nos afastar dele, mas para nos conduzir a ele.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 26 de junho – O temor que nos atrai.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

domingo, 25 de junho de 2017

Pérolas Diárias



25 de Junho

"Bem-aventurado o homem cuja força está em ti, em cujo coração se encontram os caminhos aplanados, o qual, passando pelo vale árido, faz dele um manancial; de bênçãos o cobre a primeira chuva." Salmo 84.5-6
Se você é conduzido em meio às nuvens espessas da tribulação, agarre-se no Invisível, pois sentindo ou não a presença do Senhor, assim mesmo Ele está presente! Ele diz: "...andou em trevas sem nenhuma luz, e ainda assim confiou em o nome do Senhor e se firmou sobre o seu Deus". Em outras palavras: nunca se deixe determinar pela neblina da incredulidade, pois nesse caso tudo fica muito confuso. Em outras palavras: você tem a vida eterna em si porque Deus fez você renascer para uma esperança viva. Essa vida é indestrutível. Se durante a sua peregrinação sobre a terra de vez em quando você se vê envolvido em negras e espessas nuvens, eu lhe digo: suba, chegue até a presença de Deus! Na presença do Senhor não há neblina, mas pura luz, deleite e enlevo. Dê graças a Deus pela neblina e pelas nuvens escuras em sua vida, que lhe ensinam a se agarrar mais à realidade da vida em Jesus Cristo.

A armadilha mortal chamada cobiça

Versículo do dia: Os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. (1 Timóteo 6.9)

A cobiça pode destruir a alma no inferno.
A razão pela qual estou certo de que essa destruição não é um fracasso financeiro temporário, mas a destruição final no inferno, é o que Paulo diz em 1 Timóteo 6.12. Ele afirma que a cobiça deve ser resistida com o combate da fé; depois ele acrescenta: “Toma posse da vida eterna, para a qual também foste chamado e de que fizeste a boa confissão”. O que está em jogo ao fugir da cobiça e lutar pelo contentamento na graça futura é a vida eterna.
Assim, quando Paulo diz em 1 Timóteo 6.9 que o desejo de ser rico lança as pessoas em ruína, ele não está dizendo que a ganância pode prejudicar o seu casamento ou o seu trabalho (o que certamente pode!). Ele está dizendo que a cobiça pode arruinar a sua eternidade. Ou, como 1 Timóteo 6.10 diz no final: “nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores” (literalmente: “transpassaram a si mesmos com muitas dores”).
Deus fez o máximo na Bíblia para nos advertir misericordiosamente de que a idolatria da cobiça é uma situação de perda. É um beco sem saída no pior sentido da palavra. É uma ilusão e uma armadilha.
Assim, a minha palavra para você é a de 1 Timóteo 6.11: “Foge destas coisas”. Quando você vê-la vindo (em um anúncio de televisão, em um catálogo de Natal, em uma propaganda da Internet ou na compra de um vizinho), fuja dela do modo como você fugiria de um leão rugindo e faminto que escapou de um zoológico.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 25 de Junho – A armadilha mortal chamada cobiça.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

sábado, 24 de junho de 2017

Pérolas Diárias



24 de Junho

"Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito." Provérbios 4.18
Todo mundo gostaria que os dias sempre fossem claros e ensolarados. A neblina é incômoda e até perigosa, e na estrada traz conseqüências desastrosas. Fiquei impressionado com uma experiência que tive nas montanhas das imediações de Zurique, na Suíça, quando a visão não atingia 20 metros. Disse a meus familiares: "Venham, vamos subir até o sol". E de fato, apenas algumas centenas de metros acima, a cerração sumiu repentinamente, e nos encontramos na clara luz do sol.
O mesmo acontece na vida do crente. Será que você não anda muitas vezes por regiões escuras e nebulosas, sem nenhuma visão, com grande perigo de colidir com seu próximo, porque está irritado pela sua falta de visão espiritual? Não lhe parece muitas vezes que, em seu íntimo, só existe desesperança porque o sol da graça se esconde? O que fazer numa situação desesperadora, quando você se sente deprimido e abatido? Faça a única coisa correta: olhe para o alto! "Mais perto quero estar, meu Deus de Ti!" Resistindo ao inimigo e aproximando-se de Deus, as nuvens perigosas de cerração se afastam da sua alma. A escuridão é afastada de você, e imediatamente você obtém novamente a visão clara vinda de cima, de Jesus, o Autor e Consumador da fé!

Eu posso estar contente em tudo

Versículo do dia: Tudo posso naquele que me fortalece. (Filipenses 4.13)
A provisão divina de graça futura para o dia a dia capacita Paulo a ter fartura ou fome, a prosperar ou sofrer, a ter abundância ou escassez.
“Tudo posso” realmente significa “tudo”, não apenas as coisas fáceis. Isso significa que “por meio de Cristo eu posso ter fome, sofrer e ter necessidade”. Isso coloca a maravilhosa promessa do verso 19 em sua luz adequada: “E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades”.
O que significa “cada uma de vossas necessidades”, à luz de Filipenses 4.19? Significa “tudo o que você precisa para o contentamento que glorifica a Deus”. O amor de Paulo pelos Filipenses fluía do seu contentamento em Deus, e seu contentamento fluía da sua fé na graça futura da infalível provisão de Deus.
É óbvio, então, que a cobiça é exatamente o oposto da fé. É a perda do contentamento em Cristo, de modo que começamos a desejar que outras coisas satisfaçam os anseios dos nossos corações. E não há dúvida de que a luta contra a cobiça é uma luta contra a incredulidade e uma batalha pela fé na graça futura.
Sempre que nós percebermos o menor surgimento de cobiça em nossos corações, precisamos nos voltar contra ela e combatê-la com todas as nossas forças usando as armas da fé.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 24 de Junho – Eu posso estar contente em tudo.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Pérolas Diárias



23 de Junho

"...No qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça." Efésios 1.7
O Senhor consumou tudo! Ele tirou totalmente o poder de toda hierarquia do inferno, de Satanás com todos os seus principados! Mas assim mesmo inúmeros crentes vacilam em colocar seus pés no terreno do Calvário, hesitam em reivindicar para si mesmos o ilimitado poder vitorioso da salvação consumada por Jesus Cristo – e isso em todas as áreas da vida. Você não tem em si mesmo o poder de se livrar de todo o tipo de comportamento compulsivo e de desvios de conduta. Mas você pode – pela fé – colocar seus pés no terreno do Calvário – como Israel na antigüidade – e passo a passo tomar conta do terreno da salvação. Desta maneira, você reivindica e toma posse de um poder que se encontra fora da sua própria pessoa: o maravilhoso, inconcebível e ilimitado poder do precioso sangue de Jesus.
Está na hora de você finalmente começar a reivindicar para você pessoalmente o terreno da salvação, que foi ganho para nós por meio de Jesus Cristo na cruz do Calvário, pois para você também vale: "...ainda muitíssima terra ficou para se possuir."

A fé honra aquele em quem confia

Versículo do dia: Não duvidou, por incredulidade, da promessa de Deus; mas, pela fé, se fortaleceu, dando glória a Deus. (Romanos 4.20)
Eu desejo que Deus seja glorificado em nossa busca por santidade e amor. Mas Deus não é glorificado a menos que nossa busca seja fortalecida pela fé em suas promessas.
E o Deus que se revelou mais plenamente em Jesus Cristo, que foi crucificado pelos nossos pecados e ressuscitou para a nossa justificação (Romanos 4.25), é mais glorificado quando abraçamos as suas promessas com alegre firmeza, porque elas são compradas pelo sangue do seu Filho.
Deus é honrado quando somos humilhados por nossa fraqueza e fracasso, e quando ele é crido para a graça futura (Romanos 4.20). Assim, a menos que aprendamos a viver pela fé na graça futura, podemos realizar rigorosos rituais religiosos, mas não para a glória de Deus.
Ele é glorificado quando o poder para ser santo vem da fé humilde na graça futura.
Martinho Lutero disse: “A [fé] honra aquele em quem confia com a mais reverente e mais alta consideração, já que o considera verdadeiro e digno de confiança”. O confiável Doador recebe a glória.
Meu grande desejo é que aprendamos a viver para a honra de Deus. E isso significa viver pela fé na graça futura, o que, por sua vez, significa lutar contra a incredulidade em todas as formas em que ela surge.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 23 de Junho – A fé honra aquele em quem confia.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Pérolas Diárias



22 de Junho

"Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam." João 15.6
Se nos perguntamos: "Será que hoje Deus ainda quer dar um avivamento?", percebemos o que devemos fazer. Pois o contrário de avivamento é um coração rebelde, o lento entorpecimento e, por fim, a morte espiritual. Crentes tornam-se ramos inúteis, que não servem para mais nada do que serem lançados no fogo para serem queimados. A essência das palavras de Jesus é clara: em todo tempo somos testemunhas de Jesus, ou a favor dEle ou contra Ele. Pois um ramo na videira é um ramo destinado a dar frutos. Quando encosto o meu ouvido à Bíblia, ouço, pelo Espírito Santo de Deus, o chamado para o avivamento dos cristãos que atualmente vegetam, e, como que sonhando, estão sem poder, sem autoridade e sem frutos. Por que você acha que tantas doutrinas erradas e demoníacas experimentam um avanço tão poderoso hoje em dia? Porque falta o movimento contrário, que vem do alto, através do Espírito de Deus, por intermédio de crentes fervorosos. Por isso o Espírito Santo tenta despertar e animar você nesse instante: "...arai o campo de pousio; porque é tempo de buscar ao Senhor."

Como você deve lutar pela santidade

Versículo do dia: Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor. (Hebreus 12.14)
Há uma santidade prática sem a qual não veremos o Senhor. Muitos vivem como se isso não fosse assim.
Há cristãos nominais que vivem de modo tão profano que ouvirão as terríveis palavras de Jesus: “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade” (Mateus 7.23). Paulo diz aos crentes professos: “se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte” (Romanos 8.13).
Portanto, há uma santidade sem a qual ninguém verá o Senhor. E aprender a lutar pela santidade por meio da fé na graça futura é supremamente importante.
Existe outra maneira de buscar a santidade que frustra e conduz à morte. Os apóstolos nos advertem contra servir a Deus de outra maneira que não pela fé em sua graça capacitadora.
Por exemplo, Pedro diz: “se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo” (1 Pedro 4.11). E Paulo diz: “Porque não ousarei discorrer sobre coisa alguma, senão sobre aquelas que Cristo fez por meu intermédio” (Romanos 15.18; veja também 1 Coríntios 15.10).
Momento após momento, a graça é dada para nos capacitar a fazer “toda boa obra” que Deus nos designa. “Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra” (2 Coríntios 9.8).
A luta pelas boas obras é uma luta para crer nessa graça futura.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 21 de Junho – A satisfação que derrota o pecado.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Pérolas Diárias



21 de Junho

"...Mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam." Isaías 40.31
Você está de fato aguardando a volta de Jesus? Ou você espera tempos melhores? Estes com certeza não virão! Ficará cada vez pior. É preferível você não se comportar como se fosse viver para sempre neste mundo! Seja honesto: os anos passam com rapidez tremenda. De repente já não estaremos mais aqui. Esperando por Jesus, você sempre receberá novas forças e o cansaço crônico desaparecerá. As Escrituras nos dizem: "Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor..." O fato terrível em nossos dias é vermos cair muitos ao nosso redor porque não vivem mais neste primeiro amor ardente, nesta entrega a Jesus Cristo. Eles não têm mais o espírito de oração e não mais entregariam suas vidas pelos perdidos. Tornaram-se indiferentes. Se você sabe que perdeu este amor ardente por Jesus Cristo, se você não espera mais por Ele com desejo de vê-lO, faça um novo começo agora mesmo! Deixe-se purificar – pelo precioso sangue de Jesus – dessa perda do primeiro amor, de toda impureza e de todos os pecados. Pois, quem sabe, talvez o dia de hoje seja o seu último dia aqui sobre a terra e o primeiro dia na etenidade!

A satisfação que derrota o pecado

Versículo do dia: Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede. (João 6.35)
O que nós precisamos ver aqui é que a essência da fé é ser satisfeita com tudo o que Deus é para nós em Cristo.
Essa afirmação enfatiza duas coisas. Uma é a centralidade de Deus na fé. Não são apenas as promessas de Deus que nos satisfazem, mas sim tudo o que o próprio Deus é para nós. A fé se apossa de Deus — não apenas de seus dons prometidos — como nosso tesouro.
A fé deposita sua esperança não apenas na herança real da era vindoura, mas também no fato de que Deus estará lá (Apocalipse 21.3). E, mesmo agora, o que a fé abraça mais fervorosamente não é apenas a realidade dos pecados perdoados (por mais precioso que isso seja), mas a presença do Cristo vivo em nossos corações e a plenitude do próprio Deus (Efésios 3.17-19).
A outra coisa enfatizada na definição da fé como ser satisfeita com tudo o que Deus é para nós é o termo “satisfação”. A fé é o saciamento da sede da alma na fonte de Deus. Em João 6.35 vemos que “crer” significa “vir” a Jesus para comer e beber o “pão da vida” e a “água viva” (João 4.10, 14), que não são outra coisa, senão o próprio Jesus.
Aqui está o segredo do poder da fé para quebrar a força escravizante das atrações pecaminosas. Se o coração é satisfeito com tudo o que Deus é para nós em Jesus, o poder do pecado para nos afastar da sabedoria de Cristo é quebrado.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 21 de Junho – A satisfação que derrota o pecado.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Pérolas Diárias



20 de Junho

"Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam." 1 Coríntios 2.9
O que nos trará o primeiro dia na eternidade? Se juntos quisermos analisar esse ponto, só ficaremos com suposições. Mas a Bíblia nos diz algo bem concreto, ou seja: "...havemos de vê-lo como ele é." Embora sintamos neste mundo a presença de Deus, mesmo que experimentemos Sua ajuda, Sua bondade e amor, nunca O vemos como Ele de fato é. Vê-lO será indescritível glória! Não pense que Jesus é como você O experimentou, pois Ele é infinitamente mais glorioso, maior e mais excelso. Nossa luta maior nesta época é – pela fé – poder entrar nesse descanso glorioso. Não esqueçamos que o primeiro dia do homem aqui sobre a terra foi um dia de descanso. Depois veio a inquietação do pecado, e eis que Deus criou um novo descanso, e isto por meio de Jesus Cristo. O primeiro dia na eternidade será descanso glorioso por meio de Jesus Cristo para todos aqueles que foram salvos por meio da obra de Jesus consumada na cruz do Calvário!

A graça é perdão — e poder!

Versículo do dia: Pela graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã; antes, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo. (1 Coríntios 15.10)
A graça não é simplesmente clemência quando pecamos. A graça é o dom capacitador de Deus para não pecarmos. Graça é poder, não apenas perdão.
Isso é claro, por exemplo, em 1 Coríntios 15.10. Paulo descreve a graça como o poder capacitador de seu trabalho. Não é simplesmente o perdão dos seus pecados; é o poder de continuar em obediência.
Portanto, o esforço que fazemos para obedecermos a Deus não é feito em nossa própria força, mas “na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado” (1 Pedro 4.11). Essa é a obediência da fé.
Paulo confirma isso em 2 Tessalonicenses 1.11-12, chamando cada um de nossos atos de bondade de “obras de fé” e dizendo que a glória que isso traz a Jesus é “segundo a graça de nosso Deus”, pois ocorre “por Seu poder”:
“Por isso, também não cessamos de orar por vós, para que o nosso Deus vos torne dignos da sua vocação e cumpra com poder todo propósito de bondade e obra de fé, a fim de que o nome de nosso Senhor Jesus seja glorificado em vós, e vós, nele, segundo a graça do nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo”.
A obediência que dá prazer a Deus é produzida pelo poder da graça de Deus por meio da fé. A mesma dinâmica está em ação em todas as fases da vida cristã. O poder da graça de Deus que salva pela fé (Efésios 2.8) é o mesmo poder da graça de Deus que santifica pela fé.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 20 de Junho – A graça é perdão — e poder!  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Pérolas Diárias



19 de Junho

"Assim também agora vós tendes tristeza, mas outra vez vos verei; o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém poderá tirar." João 16.22
O primeiro dia na eternidade nos traz a resposta final a todas as nossas perguntas não respondidas aqui na terra. Jesus disse em relação a isso: "Naquele dia nada me perguntareis." E por que não? Porque o próprio Senhor Jesus, crucificado e ressuscitado, será a resposta a todas as perguntas! De maneira nenhuma podemos explicar isso logicamente, pois esse mistério está oculto no Calvário. O Calvário é a grande, maravilhosa e estranha resposta de Deus a todas as berrantes injustiças e a todos os absurdos; é a explicação para os caminhos penosos que você tem que seguir e experimentar aqui na terra. No nosso último dia aqui, quando nossos olhos se fecharem, no mesmo momento eles se abrirão na eternidade e verão o que aqui nunca puderam ver. Este primeiro dia na eternidade nos trará ainda muito mais, ou seja, trará o fim de todas as nossas fadigas físicas, pois temos a promessa: "...o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as cousas."

O pecado de temer o homem

Versículo do dia: Então, disse Saul a Samuel: Pequei, pois transgredi o mandamento do SENHOR e as tuas palavras; porque temi o povo e dei ouvidos à sua voz. (1 Samuel 15.24)
Por que Saul obedeceu ao povo em vez de a Deus? Porque ele temeu o povo em vez de temer a Deus. Ele temeu as consequências humanas da obediência mais do que as consequências divinas do pecado. Ele temeu o descontentamento do povo mais do que o desagrado de Deus. E isso é um grande insulto a Deus.
Na verdade, Isaías diz que é um tipo de orgulho ter medo do que o homem pode fazer enquanto ignoramos as promessas de Deus. Ele cita Deus com essa pergunta penetrante: “Eu, eu sou aquele que vos consola; quem, pois, és tu, para que temas o homem, que é mortal, ou o filho do homem, que não passa de erva? Quem és tu que te esqueces do SENHOR, que te criou?” (Isaías 51.12-13).
Temer o homem pode não parecer orgulho, mas é isso o que Deus diz que é: “Quem tu pensas que é, para temeres o homem e te esqueceres do que te criou?”.
A questão é essa: Se você teme o homem, começou a negar a santidade e excelência de Deus e de seu Filho, Jesus. Deus é infinitamente mais forte. Ele é infinitamente mais sábio e infinitamente mais abundante em recompensa e alegria.
Afastar-se dele por medo do que o homem possa fazer é desconsiderar tudo o que Deus promete ser para aqueles que o temem. Isso é um grande insulto. E Deus não pode ter prazer em tal insulto.
Por outro lado, quando nós ouvimos as promessas e confiamos nele com coragem, temendo o opróbrio trazido a Deus por nossa incredulidade, então ele é grandemente honrado. E nisso ele tem prazer.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 19 de Junho – O pecado de temer o homem.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5