quinta-feira, 22 de junho de 2017

Pérolas Diárias



22 de Junho

"Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam." João 15.6
Se nos perguntamos: "Será que hoje Deus ainda quer dar um avivamento?", percebemos o que devemos fazer. Pois o contrário de avivamento é um coração rebelde, o lento entorpecimento e, por fim, a morte espiritual. Crentes tornam-se ramos inúteis, que não servem para mais nada do que serem lançados no fogo para serem queimados. A essência das palavras de Jesus é clara: em todo tempo somos testemunhas de Jesus, ou a favor dEle ou contra Ele. Pois um ramo na videira é um ramo destinado a dar frutos. Quando encosto o meu ouvido à Bíblia, ouço, pelo Espírito Santo de Deus, o chamado para o avivamento dos cristãos que atualmente vegetam, e, como que sonhando, estão sem poder, sem autoridade e sem frutos. Por que você acha que tantas doutrinas erradas e demoníacas experimentam um avanço tão poderoso hoje em dia? Porque falta o movimento contrário, que vem do alto, através do Espírito de Deus, por intermédio de crentes fervorosos. Por isso o Espírito Santo tenta despertar e animar você nesse instante: "...arai o campo de pousio; porque é tempo de buscar ao Senhor."

Como você deve lutar pela santidade

Versículo do dia: Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor. (Hebreus 12.14)
Há uma santidade prática sem a qual não veremos o Senhor. Muitos vivem como se isso não fosse assim.
Há cristãos nominais que vivem de modo tão profano que ouvirão as terríveis palavras de Jesus: “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade” (Mateus 7.23). Paulo diz aos crentes professos: “se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte” (Romanos 8.13).
Portanto, há uma santidade sem a qual ninguém verá o Senhor. E aprender a lutar pela santidade por meio da fé na graça futura é supremamente importante.
Existe outra maneira de buscar a santidade que frustra e conduz à morte. Os apóstolos nos advertem contra servir a Deus de outra maneira que não pela fé em sua graça capacitadora.
Por exemplo, Pedro diz: “se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo” (1 Pedro 4.11). E Paulo diz: “Porque não ousarei discorrer sobre coisa alguma, senão sobre aquelas que Cristo fez por meu intermédio” (Romanos 15.18; veja também 1 Coríntios 15.10).
Momento após momento, a graça é dada para nos capacitar a fazer “toda boa obra” que Deus nos designa. “Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra” (2 Coríntios 9.8).
A luta pelas boas obras é uma luta para crer nessa graça futura.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 21 de Junho – A satisfação que derrota o pecado.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Pérolas Diárias



21 de Junho

"...Mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam." Isaías 40.31
Você está de fato aguardando a volta de Jesus? Ou você espera tempos melhores? Estes com certeza não virão! Ficará cada vez pior. É preferível você não se comportar como se fosse viver para sempre neste mundo! Seja honesto: os anos passam com rapidez tremenda. De repente já não estaremos mais aqui. Esperando por Jesus, você sempre receberá novas forças e o cansaço crônico desaparecerá. As Escrituras nos dizem: "Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor..." O fato terrível em nossos dias é vermos cair muitos ao nosso redor porque não vivem mais neste primeiro amor ardente, nesta entrega a Jesus Cristo. Eles não têm mais o espírito de oração e não mais entregariam suas vidas pelos perdidos. Tornaram-se indiferentes. Se você sabe que perdeu este amor ardente por Jesus Cristo, se você não espera mais por Ele com desejo de vê-lO, faça um novo começo agora mesmo! Deixe-se purificar – pelo precioso sangue de Jesus – dessa perda do primeiro amor, de toda impureza e de todos os pecados. Pois, quem sabe, talvez o dia de hoje seja o seu último dia aqui sobre a terra e o primeiro dia na etenidade!

A satisfação que derrota o pecado

Versículo do dia: Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede. (João 6.35)
O que nós precisamos ver aqui é que a essência da fé é ser satisfeita com tudo o que Deus é para nós em Cristo.
Essa afirmação enfatiza duas coisas. Uma é a centralidade de Deus na fé. Não são apenas as promessas de Deus que nos satisfazem, mas sim tudo o que o próprio Deus é para nós. A fé se apossa de Deus — não apenas de seus dons prometidos — como nosso tesouro.
A fé deposita sua esperança não apenas na herança real da era vindoura, mas também no fato de que Deus estará lá (Apocalipse 21.3). E, mesmo agora, o que a fé abraça mais fervorosamente não é apenas a realidade dos pecados perdoados (por mais precioso que isso seja), mas a presença do Cristo vivo em nossos corações e a plenitude do próprio Deus (Efésios 3.17-19).
A outra coisa enfatizada na definição da fé como ser satisfeita com tudo o que Deus é para nós é o termo “satisfação”. A fé é o saciamento da sede da alma na fonte de Deus. Em João 6.35 vemos que “crer” significa “vir” a Jesus para comer e beber o “pão da vida” e a “água viva” (João 4.10, 14), que não são outra coisa, senão o próprio Jesus.
Aqui está o segredo do poder da fé para quebrar a força escravizante das atrações pecaminosas. Se o coração é satisfeito com tudo o que Deus é para nós em Jesus, o poder do pecado para nos afastar da sabedoria de Cristo é quebrado.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 21 de Junho – A satisfação que derrota o pecado.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Pérolas Diárias



20 de Junho

"Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam." 1 Coríntios 2.9
O que nos trará o primeiro dia na eternidade? Se juntos quisermos analisar esse ponto, só ficaremos com suposições. Mas a Bíblia nos diz algo bem concreto, ou seja: "...havemos de vê-lo como ele é." Embora sintamos neste mundo a presença de Deus, mesmo que experimentemos Sua ajuda, Sua bondade e amor, nunca O vemos como Ele de fato é. Vê-lO será indescritível glória! Não pense que Jesus é como você O experimentou, pois Ele é infinitamente mais glorioso, maior e mais excelso. Nossa luta maior nesta época é – pela fé – poder entrar nesse descanso glorioso. Não esqueçamos que o primeiro dia do homem aqui sobre a terra foi um dia de descanso. Depois veio a inquietação do pecado, e eis que Deus criou um novo descanso, e isto por meio de Jesus Cristo. O primeiro dia na eternidade será descanso glorioso por meio de Jesus Cristo para todos aqueles que foram salvos por meio da obra de Jesus consumada na cruz do Calvário!

A graça é perdão — e poder!

Versículo do dia: Pela graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã; antes, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo. (1 Coríntios 15.10)
A graça não é simplesmente clemência quando pecamos. A graça é o dom capacitador de Deus para não pecarmos. Graça é poder, não apenas perdão.
Isso é claro, por exemplo, em 1 Coríntios 15.10. Paulo descreve a graça como o poder capacitador de seu trabalho. Não é simplesmente o perdão dos seus pecados; é o poder de continuar em obediência.
Portanto, o esforço que fazemos para obedecermos a Deus não é feito em nossa própria força, mas “na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado” (1 Pedro 4.11). Essa é a obediência da fé.
Paulo confirma isso em 2 Tessalonicenses 1.11-12, chamando cada um de nossos atos de bondade de “obras de fé” e dizendo que a glória que isso traz a Jesus é “segundo a graça de nosso Deus”, pois ocorre “por Seu poder”:
“Por isso, também não cessamos de orar por vós, para que o nosso Deus vos torne dignos da sua vocação e cumpra com poder todo propósito de bondade e obra de fé, a fim de que o nome de nosso Senhor Jesus seja glorificado em vós, e vós, nele, segundo a graça do nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo”.
A obediência que dá prazer a Deus é produzida pelo poder da graça de Deus por meio da fé. A mesma dinâmica está em ação em todas as fases da vida cristã. O poder da graça de Deus que salva pela fé (Efésios 2.8) é o mesmo poder da graça de Deus que santifica pela fé.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 20 de Junho – A graça é perdão — e poder!  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Pérolas Diárias



19 de Junho

"Assim também agora vós tendes tristeza, mas outra vez vos verei; o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém poderá tirar." João 16.22
O primeiro dia na eternidade nos traz a resposta final a todas as nossas perguntas não respondidas aqui na terra. Jesus disse em relação a isso: "Naquele dia nada me perguntareis." E por que não? Porque o próprio Senhor Jesus, crucificado e ressuscitado, será a resposta a todas as perguntas! De maneira nenhuma podemos explicar isso logicamente, pois esse mistério está oculto no Calvário. O Calvário é a grande, maravilhosa e estranha resposta de Deus a todas as berrantes injustiças e a todos os absurdos; é a explicação para os caminhos penosos que você tem que seguir e experimentar aqui na terra. No nosso último dia aqui, quando nossos olhos se fecharem, no mesmo momento eles se abrirão na eternidade e verão o que aqui nunca puderam ver. Este primeiro dia na eternidade nos trará ainda muito mais, ou seja, trará o fim de todas as nossas fadigas físicas, pois temos a promessa: "...o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as cousas."

O pecado de temer o homem

Versículo do dia: Então, disse Saul a Samuel: Pequei, pois transgredi o mandamento do SENHOR e as tuas palavras; porque temi o povo e dei ouvidos à sua voz. (1 Samuel 15.24)
Por que Saul obedeceu ao povo em vez de a Deus? Porque ele temeu o povo em vez de temer a Deus. Ele temeu as consequências humanas da obediência mais do que as consequências divinas do pecado. Ele temeu o descontentamento do povo mais do que o desagrado de Deus. E isso é um grande insulto a Deus.
Na verdade, Isaías diz que é um tipo de orgulho ter medo do que o homem pode fazer enquanto ignoramos as promessas de Deus. Ele cita Deus com essa pergunta penetrante: “Eu, eu sou aquele que vos consola; quem, pois, és tu, para que temas o homem, que é mortal, ou o filho do homem, que não passa de erva? Quem és tu que te esqueces do SENHOR, que te criou?” (Isaías 51.12-13).
Temer o homem pode não parecer orgulho, mas é isso o que Deus diz que é: “Quem tu pensas que é, para temeres o homem e te esqueceres do que te criou?”.
A questão é essa: Se você teme o homem, começou a negar a santidade e excelência de Deus e de seu Filho, Jesus. Deus é infinitamente mais forte. Ele é infinitamente mais sábio e infinitamente mais abundante em recompensa e alegria.
Afastar-se dele por medo do que o homem possa fazer é desconsiderar tudo o que Deus promete ser para aqueles que o temem. Isso é um grande insulto. E Deus não pode ter prazer em tal insulto.
Por outro lado, quando nós ouvimos as promessas e confiamos nele com coragem, temendo o opróbrio trazido a Deus por nossa incredulidade, então ele é grandemente honrado. E nisso ele tem prazer.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 19 de Junho – O pecado de temer o homem.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

domingo, 18 de junho de 2017

Pérolas Diárias



18 de Junho

"E, assim como trouxemos a imagem do que é terreno, devemos trazer também a imagem do celestial." 1 Coríntios 15.49
Onde você estará na eternidade? Isso depende unicamente da sua posição em relação a Jesus. Aquele que ama a Jesus e O segue como Cordeiro de Deus, esse também alcançará o alvo. Seu último dia aqui na terra, portanto, será o seu primeiro dia na eternidade com Jesus. O que acontecerá nesse dia? Primeiramente a grande mudança. Por ocasião da sua morte ou na vinda de Jesus você se muda de sua casa terrena e entra na casa do Pai onde há muitas moradas. Não esqueçamos: vivemos aqui em nossa casa terrena em prontidão aguardando a chamada que pode ocorrer muito de repente. Um "prazo" só ocorre raramente. Portanto, quando você tiver de sair repentinamente da sua casa terrena, não estará "na rua", pois o próprio Jesus preparou uma morada para você, desde que você O siga de coração. Ele já foi adiante de nós e nos garante na Sua Palavra: "Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito." Como é maravilhoso sabermos: há uma morada preparada para mim, prometida pelo próprio Senhor Jesus!

Como suplicar pelos incrédulos

Versículo do dia: Irmãos, a boa vontade do meu coração e a minha súplica a Deus a favor deles são para que sejam salvos. (Romanos 10.1)
Paulo ora para que Deus converta Israel. Ele ora por sua salvação! Ele não ora por influências ineficazes, mas eficazes. E é assim que nós também devemos orar.
Nós devemos tomar as promessas da nova aliança de Deus e suplicar a Deus para que elas sejam realizadas em nossos filhos, em nossos vizinhos e em todos os campos missionários do mundo.
Deus, remove deles o coração de pedra e dá-lhes um novo coração de carne (Ezequiel 11.19). Circuncida o coração deles, para que te amem (Deuteronômio 30.6)! Pai, põe o teu Espírito dentro deles e faze-os andar em teus estatutos (Ezequiel 36.27). Concede-lhes o arrependimento e conhecimento da verdade para que possam escapar do laço do diabo (2 Timóteo 2.25-26). Abre o coração deles, para que creiam no evangelho (Atos 16.14)!
Quando crermos na soberania de Deus — no direito e poder de Deus para eleger e, então, trazer pecadores endurecidos à fé e à salvação — então, seremos capazes de orar sem qualquer inconsistência e com grandes promessas bíblicas para a conversão dos perdidos.
Assim, Deus tem prazer nesse tipo de oração, porque ela lhe atribui o direito e a honra de ser o Deus livre e soberano que ele é na eleição e salvação.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 18 de Junho – Como suplicar pelos incrédulos.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material

sábado, 17 de junho de 2017

Pérolas Diárias



17 de Junho

"Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas..." João 14.1-2
Como será maravilhoso quando chegaremos à casa do Pai! Em nossa vida há muitos "primeiros dias" dos quais todos nós nos lembramos: o primeiro dia na escola, o primeiro dia no emprego, etc. Todos esses são dias inesquecíveis, especialmente o primeiro dia na nossa vida espiritual, o dia da conversão, que sempre deve ser uma lembrança viva para nós. Mas você jamais deveria dizer: "O primeiro dia depois da minha conversão foi o dia mais glorioso da minha vida". Pois essa glória, esse amor ardente que você tinha logo que se converteu você precisa também agora. Você tem hoje o mesmo Salvador que teve naquela oportunidade! As Escrituras dizem: "Jesus Cristo ontem e hoje é o mesmo, e o será para sempre." O primeiro dia que você passará na eternidade será o seu último dia sobre esta terra! Essa grandiosa realidade não deve ser ignorada. Não é em vão que o salmista diz: "Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio." Os tolos que vivem e se comportam nessa vida como se fossem viver eternamente são cegos, pois todos nós passaremos para a eternidade, e isso muitas vezes acontece repentina e inevitavelmente. Esse dia "X" será nosso último dia aqui sobre a terra e o primeiro dia na eternidade.

Que tipo de oração agrada a Deus?

Versículo do dia: O homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito e que treme da minha palavra. (Isaías 66.2)
A primeira marca do coração reto é que ele treme da Palavra do Senhor.
Isaías 66 trata do problema de alguns que adoram de uma maneira que agrada a Deus e alguns que adoram de uma maneira que não o agrada. O verso 3 descreve os ímpios que trazem seus sacrifícios: “O que imola um boi é como o que comete homicídio; o que sacrifica um cordeiro, como o que quebra o pescoço a um cão”. Os seus sacrifícios são uma abominação para Deus, equivalentes ao assassinato. Por quê?
No verso 4 Deus explica: “Clamei, e ninguém respondeu, falei, e não escutaram”. Os seus sacrifícios eram abominações a Deus porque o povo era surdo à sua voz. Porém, e quanto àqueles cujas orações Deus ouviu? Deus diz no verso 2: “O homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito e que treme da minha palavra”.
Eu concluo que a primeira característica dos retos, cujas orações são um deleite para Deus, é que eles tremem da Palavra de Deus. Estas são as pessoas para quem o Senhor olhará.
Assim, a oração do justo que agrada a Deus vem de um coração que, primeiramente, se sente miserável na presença de Deus. Ele treme diante da Palavra de Deus, porque se sente muito longe do ideal de Deus, muito passível do seu julgamento, muito desamparado e muito triste por suas falhas.
Isso é exatamente o que Davi disse no Salmo 51.17: “Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Deus”. A primeira coisa que faz uma oração aceitável a Deus é o quebrantamento e a humildade daquele que ora.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 17 de Junho – Que tipo de oração agrada a Deus?.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Pérolas Diárias



16 de Junho

"Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte..." Hebreus 2.14
Isso não quer dizer outra coisa do que Jesus Cristo, o eterno Filho de Deus, ter se identificado com a morte. Ele mesmo lutou com a morte. Não com a morte que quis matá-lo, mas pura e simplesmente com o obscuro e terrível poder da morte; Jesus venceu tirando-lhe o poder e a força que exercia. Paulo diz: "O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei."
A lei de Deus torna o pecado terrível e nos acusa; o aguilhão da morte é o pecado que nos separa de Deus. Mas, assim mesmo, o apóstolo exclama triunfantemente: "Tragada foi a morte pela vitória." Por isso, Paulo pode testificar também que, para ele, a morte não significa mais morte: "Tendo o desejo de partir e estar com Cristo." Certamente muitos leitores concordarão com esse "desejo de partir", mas existe a dúvida: "Será que isso tudo é realmente verdade?" Se há essa dúvida em seu coração, você deve se envergonhar, pois o Senhor Jesus prometeu a vida eterna a todos os que se arrependerem genuinamente: "...hoje estarás comigo no paraíso."

Sirva a Deus com sua sede

Versículo do dia: É por isso que também nos esforçamos, quer presentes, quer ausentes, para lhe sermos agradáveis. (2 Coríntios 5.9)
E se você descobrisse (como os fariseus) que dedicou toda a sua vida a tentar agradar a Deus, mas que ao mesmo tempo havia feito coisas que, à vista de Deus, eram abominações (Lucas 16.14-15)?
Alguém pode dizer: “Não acho que isso seja possível; Deus não rejeitaria uma pessoa que tem tentado agradá-lo”. Mas você vê o que esse interlocutor fez? Ele baseou sua convicção sobre o que agradaria a Deus em sua ideia de como Deus é. É precisamente por isso que devemos começar com o caráter de Deus.
Deus é um manancial na montanha, não uma banheira. Um manancial reabastece a si mesmo. Ele constantemente transborda e abastece a outros. Mas uma banheira precisa ser enchida com uma bomba ou um balde.
Se você deseja glorificar o valor de uma banheira, você se esforça para mantê-la cheia e útil. Mas se quiser glorificar o valor de um manancial, você abaixa as suas mãos, ajoelha-se e bebe para a satisfação do seu coração, até que tenha o refrigério e a força para descer ao vale e dizer às pessoas o que você encontrou.
Como um pecador desesperado, minha esperança paira sobre essa verdade bíblica: Deus é o tipo de Deus que ficará satisfeito com a única coisa que tenho a oferecer: a minha sede. É por isso que a soberana liberdade e a autossuficiência de Deus são tão preciosas para mim: elas são o fundamento da minha esperança de que Deus não se deleita com a engenhosidade do método para encher a banheira, mas com o inclinar-se de pecadores quebrantados para beberem na fonte da graça.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 16 de Junho – Sirva a Deus com sua sede.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Pérolas Diárias



15 de Junho

"Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, alegrai-vos." Filipenses 4.4
O Senhor Jesus disse: "Vós sois a luz do mundo". A luz se vê. Ela não fala, mas alumia. É assim que a alegria verdadeira e genuína contagia. Uma outra passagem diz: "...para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior." O poder divino em nossas vidas é percebido pelo mundo que nos cerca. Pessoas que vivem em grande fraqueza espiritual são dominadas por um grande desejo de possuir esse poder. O poder de Deus brilha através da sua fraqueza ou você tem de compensar a falta de poder usando muitas palavras? O Senhor Jesus diz que quer nos dar descanso: "...aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas." E para que isso aconteça temos de ir até Jesus! Como é maravilhoso quando irradiamos essa tranqüilidade soberana no meio do corre-corre do dia-a-dia. Pois isso toca o coração das pessoas agitadas, e elas passam a desejar essa paz interior que só possui quem segue a Deus. Elas anseiam por Jesus e começam a implorar: "Na inquietação, Jesus, seja Tu a minha profunda paz".

A lua de mel que nunca termina

Versículo do dia: Como o noivo se alegra da noiva, assim de ti se alegrará o teu Deus. (Isaías 62.5)
Quando Deus faz o bem ao seu povo, não é como um relutante juiz mostrando bondade a um criminoso que ele considera desprezível (embora essa analogia tenha verdade em si); é como um noivo mostrando afeição à sua noiva.
Às vezes, brincamos e dizemos sobre um casamento: “A lua de mel acabou”. Mas isso é porque somos finitos. Não conseguimos sustentar um nível de intensidade e afeto de lua de mel. Porém, Deus diz que a sua alegria por seu povo é como a de um noivo por uma noiva.
Ele está falando sobre a intensidade, os deleites, a vitalidade, a excitação, o entusiasmo e o prazer da lua-de-mel. Ele está tentando colocar em nossos corações o que quer dizer quando afirma que se alegra em nós com todo o seu coração.
E acrescente a isso que com Deus a lua de mel nunca termina. Ele é infinito em poder, sabedoria, criatividade e amor, e verá que ficamos cada vez mais belos para sempre; e ele é infinitamente criativo para pensar em coisas novas para fazermos juntos para que não haja tédio pelo próximo trilhão de eras de milênios.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 15 de Junho – A lua de mel que nunca termina.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Pérolas Diárias



14 de Junho

"Então ouvi uma como voz de numerosa multidão, como de muitas águas, e como de fortes trovões, dizendo: Aleluia! pois reina o Senhor nosso Deus, o Todo-Poderoso." Apocalipse 19.6
Não deveríamos nós, como cristãos, que estamos a caminho dessa eterna glória, tomar como exemplo aquilo que no céu merece tanto empenho e tanto tempo? Descuidamos totalmente o louvor e as ações de graça para com nosso Senhor! Se a tarefa mais importante dos anjos consiste em louvar a Deus, deve haver um motivo muito importante para isso. Se o céu julga suficientemente importante que Deus seja louvado dia e noite pelos querubins, isso deve ter conseqüências poderosas (comp. Ap 4.8-11). Examinemos concretamente o assunto desta maneira: se a tarefa mais importante dos exércitos celestiais consiste em louvar a Deus, logicamente a tarefa primordial dos homens também deveria consistir na adoração, no louvor e no agradecimento ao Senhor. Ao louvarmos e adorarmos ao Senhor somos transformados passo a passo de glória em glória na semelhança do Deus eterno. Por isso quero dizer que adoração é a mais significativa atividade; ela dá a Deus a condição de alcançar o alvo mais elevado do Universo, que é conduzir muitos filhos e filhas à glória.

Quanto Deus quer te abençoar

Versículo do dia: O SENHOR tornará a exultar em ti, para te fazer bem. (Deuteronômio 30.9)
Deus não nos abençoa de má vontade. Há uma espécie de anelo sobre a beneficência de Deus. Ele não espera que venhamos até ele. Deus nos procura, porque é seu prazer nos fazer bem. Deus não está esperando por nós; Ele está nos buscando. De fato, essa é a tradução literal do Salmo 23.6: “Bondade e misericórdia certamente me [per]seguirão todos os dias da minha vida”.
Deus ama mostrar misericórdia. Permita-me dizer isso novamente: Deus ama mostrar misericórdia. Ele não é hesitante, indeciso ou incerto em seus desejos de fazer o bem ao seu povo. Sua ira deve ser liberada por uma rígida trava de segurança, mas sua misericórdia tem um gatilho rápido. Isso é o que ele quis dizer quando desceu ao monte Sinai e disse a Moisés: “O Senhor, o Senhor Deus, misericordioso e piedoso, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade” (Êxodo 34.6, ACF).
Deus nunca está irritado ou nervoso. Sua ira nunca tem um pavio curto. Em vez disso, ele é infinitamente ativo com um entusiasmo absolutamente ilimitado e sem fim para o cumprimento de seus deleites.
É difícil para nós compreendermos isso, porque precisamos dormir todos os dias apenas para superar, quanto mais para desenvolver-se. Nós somos inconstantes em nossos prazeres. Ficamos entediados e desencorajados em um dia e nos sentimos esperançosos e animados em outro.
Nós somos como pequenos gêiseres que borbulham, jorram e estouram de modo incerto. Mas Deus é como um grande Niágara; você olha para ele e pensa: Certamente isso pode continuar nessa força ano após ano.
Essa é a maneira como Deus está nos fazendo bem. Ele nunca se cansa disso. Nunca se aborrece com isso.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 14 de Junho – Quanto Deus quer te abençoar.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Pérolas Diárias



13 de Junho

"Oferecer-te-ei sacrifícios e ações de graça, e invocarei o nome do Senhor. Cumprirei os meus votos ao Senhor, na presença de todo o seu povo." Salmo 116.17-18
O verdadeiro significado deste "oferecimento de sacrifícios e ações de graça" somente conseguiremos ver e experimentar se seguirmos o caminho que leva até o interior do santuário. A porta do santuário se abre para nós quando damos graças pelo dom inefável de Deus, Jesus Cristo, quando O louvamos pelo Seu precioso sangue derramado e pela Sua "carne", isto é, Seu corpo que Ele entregou por nós. Entrar pela porta do santuário até à presença do Deus Santo por meio de louvor e ações de graça significa entregar-se a si mesmo Àquele que, por meio do Seu sangue, pela Sua carne, se entregou por nós. Então de repente compreenderemos o que significa a palavra "oferecer a Deus sacrifícios e ações de graça". Temos a tendência de querer separar as coisas que Deus uniu, e que, do ponto de vista divino, são inseparáveis. Mas a nossa tentativa não funciona. Assim, por exemplo, não podemos nos tornar um com Jesus Cristo e ao mesmo tempo viver para nós mesmos. Igualmente não podemos dar graças a Deus sem ao mesmo tempo trazer-Lhe sacrifícios com alegria. Aquele que separa ações de graça e sacrifícios perde a sua alegria no Senhor. "Oferece a Deus sacrifício de ações de graça, e cumpre os teus votos para com o Altíssimo."

Quem matou Jesus?

Versículo do dia: Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? (Romanos 8.32)
Há anos, um dos meus amigos que era pastor em Illinois estava pregando a um grupo de presos em uma prisão estadual durante a semana santa. Em um momento de sua mensagem, ele fez uma pausa e perguntou aos homens se eles sabiam quem havia matado Jesus.
Alguns disseram que foram os soldados. Alguns disseram que foram os judeus. Alguns disseram que foi Pilatos. Depois que houve silêncio, meu amigo simplesmente disse: “Seu Pai o matou”.
Isso é o que a primeira metade de Romanos 8.32 diz: Deus não poupou o seu próprio Filho, antes o entregou — à morte. “Sendo este [Jesus] entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus” (Atos 2.23). Isaías 53 o coloca ainda mais claramente: “Nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus… Todavia, ao SENHOR (o seu Pai) agradou moê-lo, fazendo-o enfermar” (Isaías 53.4, 10).
Ou como Romanos 3.25 diz: “Deus [o] propôs, no seu sangue, como propiciação”. Assim como Abraão ergueu o cutelo sobre o peito de seu filho Isaque, mas depois poupou o seu filho porque havia um carneiro entre os arbustos, assim Deus, o Pai, ergueu o cutelo sobre o peito do seu próprio Filho, Jesus; mas não o poupou, porque ele era o cordeiro; Ele era o substituto.
Deus não poupou o seu próprio Filho, porque essa era a única forma de nos poupar. A culpa das nossas transgressões, o castigo de nossas iniquidades e a maldição dos nossos pecados teriam nos conduzido inescapavelmente à destruição do inferno. Mas Deus não poupou o seu próprio Filho; Ele o entregou para ser traspassado pelas nossas transgressões, esmagado pelas nossas iniquidades e crucificado pelo nosso pecado.
Esse versículo é o mais precioso da Bíblia para mim, porque o fundamento da abrangente promessa da graça futura de Deus é que o Filho de Deus levou em seu corpo todo o meu castigo, toda a minha culpa, toda a minha condenação, toda a minha iniquidade, toda a minha ofensa e toda a minha corrupção, para que eu possa estar diante de um Deus grande e santo, perdoado, reconciliado, justificado, aceito, e sendo o beneficiário das promessas inefáveis de deleite para sempre e sempre à destra de Deus.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 13 de Junho – Quem matou Jesus?.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Pérolas Diárias



12 de Junho

"Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e tudo o que há em mim bendiga ao seu santo nome. Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nem um só de seus benefícios." Salmo 103.1-2
Louvor e ações de graças operam milagres, justamente quando interiormente você se sente como que encerrado numa prisão, quando tudo parece trancado e acorrentado; quando a Bíblia não mais fala ao seu coração e você mal consegue pronunciar o nome de Jesus. Paulo e Silas louvaram a Deus quando estavam na prisão com as costas ensangüentadas. E ao orarem e cantarem louvores a Deus naquela situação, Deus lhes abriu as portas da prisão e arrebentou todos os grilhões.
Comece você também a agradecer e a louvar, não importa o tipo de "prisão" em que você se encontre. Pois enquanto cantamos e louvamos ao Senhor, Ele abre as portas das nossas circunstâncias e dificuldades. Ele não resolve seu problema, mas liberta você do problema. E se a resposta à sua oração demorar, justamente então você deve louvá-lO! Quando passamos por provações, as ações de graças fortalecem a nossa fé. O louvor dos nossos lábios mostra que de fato há fé em nosso coração. Quando você reconhece isso, por meio do louvor e ações de graça você é introduzido no mistério de ser contínua e constantemente abastecido com poder e força.

Ajuda a minha incredulidade

Versículo do dia: Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um. (Romanos 12.3)
No contexto desse versículo, Paulo está preocupado que as pessoas estivessem pensando de si mesmas “além do que convém”. Seu remédio definitivo para esse orgulho é dizer não somente que os dons espirituais são obra da livre graça de Deus em nossas vidas, mas que também o é a própria fé com que usamos esses dons.
Isso significa que todos os possíveis motivos de jactância são removidos. Como podemos nos vangloriar se até mesmo a qualificação para receber dons também é um dom?
Essa verdade tem um profundo impacto sobre como oramos. Jesus nos dá o exemplo em Lucas 22.31-32. Antes que Pedro o negasse três vezes, Jesus lhe disse: “Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como trigo! Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; tu, pois, quando te converteres, fortalece os teus irmãos”.
Jesus ora para que a fé de Pedro seja sustentada apesar do pecado, porque ele sabe que Deus é quem sustenta a fé. Portanto, devemos orar por nós mesmos e pelos outros dessa forma.
Assim, o homem com o menino epiléptico gritou: “Eu creio! Ajuda-me na minha falta de fé!” (Marcos 9.24). Essa é uma boa oração. Ela reconhece que, sem Deus, não podemos crer como devemos.
Oremos diariamente: “Ó Senhor, graças te dou pela minha fé. Sustenta-a. Fortalece-a. Aprofunda-a. Não permitas que ela falhe. Faze dela o poder da minha vida, de modo que em tudo o que eu fizer, tu obtenhas a glória como o grande Doador. Amém”.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 12 de Junho – Ajuda a minha incredulidade.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

domingo, 11 de junho de 2017

Pérolas Diárias



11 de Junho

"...Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e, sim, contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes." Efésios 6.12
A mais alta expressão de fé consiste em aprender a agradecer a Deus em todo tempo, mesmo diante dos exércitos inimigos. Fazendo isso, o próprio Senhor intervém imediata e poderosamente em nosso favor. O louvor O glorifica, pois desemboca na adoração da Sua excelsa pessoa. Louvor e adoração formam o prelúdio da oração vitoriosa que o Senhor Jesus nos ensinou: "Portanto, vós orareis assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome." Mas é ainda mais. Louvor é a porta para a presença de Deus: "...Chamarás... às tuas portas Louvor." O louvor opera o consentimento real, por meio do qual podemos entrar nos átrios de Deus: "Entrai por suas portas com ações de graça, e nos seus átrios com hinos de louvor; rendei-lhe graças e bendizei-lhe o nome."Agradecer e louvar – por quê? Resposta: agradecer pelo Seu dom inefável, Jesus Cristo; louvá-lO e render-Lhe graças pelo Seu precioso sangue derramado por nós!
Fé para o futuro
Porque quantas são as promessas de Deus, tantas têm nele o sim. (2 Coríntios 1.20)
Se “quantas são as promessas de Deus, tantas têm nele [em Jesus] o sim”, então confiar nele no presente é crer que suas promessas se cumprirão.
Essas não são duas fés separadas: confiar nele e acreditar em suas promessas. Crer em Jesus significa acreditar que ele cumpre sua palavra. Estar satisfeito agora com o Jesus crucificado e ressurreto inclui a crença de que em cada momento futuro, por toda a eternidade, nada nos separará do seu amor ou o impedirá de operar todas as coisas para o bem.
Considerando tudo isso, eu diria que a beleza espiritual que precisamos abraçar é a beleza de Deus que haverá para nós no futuro, assegurada para nós pela gloriosa graça do passado.
Nós precisamos provar agora a beleza espiritual de Deus em todas as suas realizações passadas — especialmente a morte e ressurreição de Cristo pelos nossos pecados — e em todas as suas promessas. Nossa confiança e crença devem estar em tudo o que o próprio Deus será para nós no próximo momento, no próximo mês e nos séculos infinitos da eternidade — “para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo” (2 Coríntios 4.6).
Ele somente é quem satisfará a alma no futuro. E é o futuro que deve ser assegurado e satisfeito com as riquezas espirituais da glória, se quisermos viver a vida cristã radical que Cristo nos chama a viver aqui e agora.
Se nosso atual gozo de Cristo — nossa fé presente — não tiver nele o sim para todas as promessas de Deus agora, esse gozo não abrangerá o poder para o serviço radical na força que Deus (em cada momento futuro) suprirá (1 Pedro 4.11).
Minha oração é que, refletindo assim sobre a essência da fé, sejamos ajudados a evitar afirmações superficiais e simplistas sobre a crença nas promessas de Deus. Isso é algo profundo e maravilhoso.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 11 de Junho – Fé para o futuro.  © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5