sábado, 30 de novembro de 2013

Todo Dia Com Jesus

Atos 19:23-41

Havia em Éfeso um magnífico templo consagrado à deusa Diana e considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo. As visitas dos turistas e as miniaturas de prata vendidas como recordação davam grande lucro aos artesãos da cidade. Evidentemente, a pregação do Evangelho prejudicava esse comércio, razão pela qual eles se uniram para proteger seus interesses, conferindo, hipocritamente, um pretexto religioso a tal oposição (Apocalipse 18:11). Quantas pessoas, em vez de procurar ardentemente a verdade em relação à vida eterna, são detidas por considerações materiais ou pela opinião dos outros!
Ruidosos clamores se elevam a favor da deusa, provando que ela mesma é incapaz de assumir a própria defesa, apesar de sua pretensa majestade (comparar com 1 Reis 18:26-29).
Ainda que o mundo moderno se considere mais evoluído e esclarecido que antes, não fez nada mais que trocar deuses - mas o coração das pessoas não mudou: Ídolos dos esportes, dos filmes, da música - as multidões de hoje em dia adoram e seguem os que lhes são apresentados pelo príncipe deste mundo, mestre na arte de extraviar almas.
NaoEntretenimento
Nessa série de textos retirados do livro “Deliberadamente Igreja” (Editora Fiel), iremos analisar mais de perto o que é e o que não é o evangelismo:

Evite o entretenimento

Muitas igrejas nos Estados Unidos têm usado métodos de evangelização fundamentados em entretenimento — alguns tem chamado isso de “teotretenimento” — para compartilhar o evangelho tanto a adultos como a crianças. No caso dos adultos, o método geralmente envolve uma forma de pesquisa do público-alvo e a criação de um culto evangelístico em que tudo, desde a música até ao sermão, é estruturado com o propósito de fazer com que as pessoas se sintam bem — uma abordagem do tipo “sente-se e aprecie o show”. No caso das crianças, o método assume a forma de grupos ou de Escola Dominical que gastam maior parte do tempo pensando em atividades engraçadas que introduzirão disfarçadamente o evangelho.
Não há nenhuma razão para argumentarmos contra a comunicação do evangelho de um modo compreensível, criativo e provocativo. Mas a evangelização que assume a forma de entretenimento tem algumas conseqüências perigosas. Lembre-se: aquilo com o que você ganha as pessoas é aquilo para o que você as ganha. Se as ganha com entretenimento, elas serão ganhas para o show, e não para a mensagem; e isso aumenta a probabilidade de falsas conversões. No entanto, ainda que elas não sejam ganhas para o show, métodos de evangelização fundamentadas em entretenimento tornam o arrependimento quase impossível. Não somos desafiados a abandonar nosso pecado quando nossos sentimentos são afagados e nossas preferências, estimuladas. O evangelho é inerente e irredutivelmente confrontador. Ele ataca a nossa justiça própria e nossa auto-suficiência, exigindo que abandonemos o pecado que amamos e creiamos em Alguém outro para nos justificar. Portanto, o entretenimento é um instrumento problemático de comunicação do evangelho, porque ele quase sempre obscurece os aspectos mais difíceis do evangelho — o preço do arrependimento, a cruz do discipulado, a estreiteza do caminho. Alguns discordarão, argumentando que a dramatização pode dar aos incrédulos uma imagem visual do evangelho. Mas já possuímos essas imagens. São as ordenanças do batismo e da Ceia do Senhor e as vidas transformadas de irmãos e irmãs em Cristo.
Isso não significa que temos de abafar toda a criatividade nos empreendimentos evangelísticos. Desejamos encorajar a criatividade em descobrir maneiras de compartilhar o evangelho. Isso significa que devemos ter cautela contra a dependência do entretenimento para a “eficiência” da evangelização, especialmente quando a evangelização acontece em nossas reuniões semanais para adoração.
As igrejas são mais saudáveis quando o evangelho é apresentado com mais clareza; e o evangelho é apresentado com mais clareza quando nossos métodos de evangelização são mais nítidos.
Texto retirado do livro Deliberadamente Igreja, do capítulo 3 “Evangelização com Responsabilidade“, trecho “Evite o entretenimento” (Pg 67 e 68).
Copyrigh © Editora FIEL
Autores: Mark Dever e Paul Alexander
Do original: “The Deliberate Church” (Pg 54 a 57).
Tradução: Francisco Wellington Ferreira

Miquéias 6

1 OUVI agora o que diz o Senhor: Levanta-te, contende com os montes, e ouçam os outeiros a tua voz.
2 Ouvi, montes, a demanda do Senhor, e vós, fortes fundamentos da terra; porque o Senhor tem uma demanda com o seu povo, e com Israel entrará em juízo.
3 Ó povo meu; que te tenho feito? E com que te enfadei? Testifica contra mim.
4 Pois te fiz subir da terra do Egito, e da casa da servidão te remi; e enviei adiante de ti a Moisés, Arão e Miriã.
5 Povo meu, lembra-te agora do que consultou Balaque, rei de Moabe, e o que lhe respondeu Balaão, filho de Beor, e do que aconteceu desde Sitim até Gilgal, para que conheças as justiças do Senhor.
6 Com que me apresentarei ao Senhor, e me inclinarei diante do Deus altíssimo? Apresentar-me-ei diante dele com holocaustos, com bezerros de um ano?
7 Agradar-se-á o Senhor de milhares de carneiros, ou de dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o fruto do meu ventre pelo pecado da minha alma?
8 Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a benignidade, e andes humildemente com o teu Deus?
9 A voz do Senhor clama à cidade e o que é sábio verá o teu nome. Ouvi a vara, e quem a ordenou.
10 Ainda há na casa do ímpio tesouros da impiedade, e medida escassa, que é detestável?
11 Seria eu limpo com balanças falsas, e com uma bolsa de pesos enganosos?
12 Porque os seus ricos estão cheios de violência, e os seus habitantes falam mentiras e a sua língua é enganosa na sua boca.
13 Assim eu também te enfraquecerei, ferindo-te e assolando-te por causa dos teus pecados.
14 Tu comerás, mas não te fartarás e a tua humilhação estará no meio de ti; removerás os teus bens mas não livrarás; e aquilo que livrares, eu o entregarei à espada.
15 Tu semearás, mas não segarás; pisarás a azeitona, mas não te ungirás com azeite; e pisarás o mosto, mas não beberás vinho.
16 Porque se observam os estatutos de Onri, e toda a obra da casa de Acabe, e andais nos conselhos deles; para que eu te faça uma desolação, e dos seus habitantes um assobio; assim trareis sobre vós o opróbrio do meu povo.

Todo Dia Com Jesus

Atos 19:1-22

Fiel à sua promessa (18:21), o apóstolo Paulo chega a Éfeso, capital da província da Ásia. Ele permanece ali por três anos (20:31), sucedendo a Apolo, que estava em Corinto "regando" o que Paulo havia "plantado" (18:27-28; 1 Coríntios 3:6). Entre esses servos de Deus não vemos inveja nem reivindicações por causa de um campo particular de trabalho.
Os efésios até então somente conheciam o batismo de João, um preparativo para que os judeus arrependidos recebessem o Messias que reinaria sobre a terra. O cristão, ao contrário, tem uma posição celestial: pelo Espírito Santo, ele tem um relacionamento com um Cristo morto e ressurreto. Esta é a verdade que caracteriza especialmente a epístola aos efésios.
"Assim a palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente", não somente por causa dos milagres realizados pelos apóstolos, mas também pela sua autoridade sobre os corações. Ela levava os crentes a confessar o que haviam feito e a renunciar publicamente a prática da magia. Cheios do "primeiro amor" (Apocalipse 2:4), esses efésios não queriam mais ser "cúmplices nas obras infrutíferas das trevas" (Efésios 5:11).
Queridos leitores, a Palavra de Deus está mostrando seu poder ao mundo através dos frutos visíveis de nossa vida?

Cantora Perlla se casa em cerimônia religiosa no Rio; confira!

Imagem: Reprodução (Isac Luz /EGO)A cantora Perlla, que faz parte do casting da Central Gospel Music, e Cassio Castilhol já são marido e mulher, mas celebraram nesta quinta-feira (28), a união, que já é oficial no civil, com a cerimônia religiosa, realizada na casa de festas Espaço Boa Vista, no Alto da Boa Vista, na Zona Norte do Rio.
Mesmo sem convidados famosos na lista, a cantora e o músico contaram com a bênção de dez casais de padrinhos e a noiva optou por não padronizar os vestidos das madrinhas.
“Fazer um casamento não é só para os noivos. Tinha esse sonho desde quando brincava com bonecas. O dia de hoje foi apenas para receber as bênçãos de Deus, pois o religioso acontece em todos os aspectos. Resolvemos chamar a família e os amigos mais próximos. Não era uma festa para reunir artistas”, disse a cantora ao EGO.
Imagem: Reprodução (Isac Luz /EGO)A cerimônia foi organizada por Priscila Melo e Claudia Couttinho, com produção de Érica Motta, para 200 pessoas e quem abençoou o casal foi o pastar evangélico da igreja frequentada por eles.
Perlla entrou no altar usando um vestido importado da Europa bordado com renda francesa e com aplicações de pérolas: “Existem apenas dois vestidos desses no mundo todo. Posso dizer que foi bem carinho, mas graças a Deus recebi de presente de uma pessoa muito especial”, comentou.
Em clima de emoção, a noiva cantou “A minha vida mudou”, acompanhada pelo quarteto de cordas Soneto Produções, no momento em que a filha mais velha, Pérola, de 1 anos e sete meses entrou com as alianças.
Imagem: Reprodução (Isac Luz /EGO)A decoração do espaço – que era dividido entre altar, mesa de jantar, lounge e pista de dança – teve decoração luxuosa em tons de dourado, marrom e cristais.
Para as amigas solteiras, Perlla reservou um mimo: um buquê de corações que foi arremessado no meio da festa. Já ela própria, passou a cerimônia com um buquê com flores de metal e cristais: “A ideia é ter um buquê para guardar para sempre. Vou colocar em uma caixa transparente e ficar olhando sempre para lembrar desse dia”. Os convidados receberam de lembrança uma caixa – com as iniciais do casal – com docinhos.
Comes e bebes
Perlla preferiu que a festa não tivesse bebidas alcoólicas, mas os convidados puderam aproveitar diversas opções de drinks sem álcool.
Na entrada foram servidos canapés como trouxinhas de queijo brie com geleia de damasco, crakes suecos com pasta de ovo e caviar, camarão com ervas, concha de vieira com carne de siri, tortilha de batata com cream cheese e filete de bacalhau. Além de salgadinhos quentes e mini porções de bobó de camarão e caldinho de batata baroa. No jantar, foram servidas iscas de filé mignon
Imagem: DivulgaçãoAo final, 3 mil doces foram servidos, entre macarons, chocolates e bem casados tradicionais, além do bolo de cinco andares foi feito com recheio de coco com crocante.
Aproveite a oportunidade e não deixe de adquirir o CD ‘A minha vida mudou’, primeiro álbum da cantora pela Central Gospel Music, disponível também em playback, na loja virtual da Editora Central Gospel ou pelo televendas (21) 2187-7000.

Fonte: EGO

Pastor que perdeu seus filhos no tufão Haiyan: “Deus nunca nos abandona”

Pastor que perdeu seus filhos no tufão Haiyan: “Deus nunca nos abandona”Pastor que perdeu seus filhos no tufão Haiyan: "Deus nunca nos abandona"
Após a passagem do “supertufão Haiyan”, cujos ventos atingiram cerca de 300 quilômetros por hora e geraram ondas de mais de 5 metros de altura, as Filipinas continuam precisando de muita ajuda.
Os sobreviventes ainda estão aprendendo a lidar com a perda de seus entes queridos, suas casas e quase todas as suas posses. Segundo o último relatório do Conselho Nacional de Gestão e Redução de Risco de Desastres, foram mais de 5.500 mortos, 26.136 feridos, além de 1.757 desaparecidos. Cerca de 574 mil casas ficaram destruídas.
Esses números ajudam a dimensionar como as pessoas estão encontrando dificuldades para obter comida e ajuda médica. O sofrimento é generalizado. Mesmo assim, é possível encontrar quem não se deixe abater.
Os três filhos do Pastor Dante Lingo morreram durante a passagem do tufão. “Nós estávamos segurando a viga do teto de nossa casa, quando as ondas gigantes invadiram tudo e fomos engolidos pela correnteza”, contou ele à CBN News.
Apenas um filho mais velho sobreviveu. Quando as águas baixaram, encontraram os corpos de seus dois filhos menores, de 13 e 7 anos, agarrados um ao outro. O corpo de sua filha de 5 anos de idade, foi encontrado apenas no dia seguinte.
“Vamos sentir muito a falta deles. Nós trabalhamos tão duro para lhes dar um futuro”, lamenta Dolor Lingo, a mãe das crianças. “Perdemos tudo. Não sabemos por onde começar, mas acreditamos que Deus não nos abandonou. Ele tem um propósito e por isso nós ainda estamos vivos”, disse ela.
O pai concorda. Afinal, o casal pastoreia a igreja Hope in Christ Christian Fellowship [Comunidade Cristã Esperança em Cristo]. Contam ainda que muitas pessoas tem procurado a igreja nesses dias difíceis e ele precisa oferecer consolo a todos.
Eles sabem como é doído. Dolor conta que também está de luto pela morte de sua mãe e de outros 13 membros da família.  O pastor Lingo afirma com serenidade: “O Senhor disse na Bíblia: Quem quiser me seguir deve tomar a sua cruz todos os dias. O que aconteceu com nossa família é como o que aconteceu com Jó. Ele perdeu seus filhos e seus bens. Este é um momento muito difícil para nós, mas vamos nos agarrar ao Senhor, porque somente Ele nos dá força. Vamos nos agarrar à Sua Palavra porque somente ela vai nos sustentar”, finalizou. Com informações CBN.

Miquéias 5

1 AGORA ajunta-te em tropas, ó filha de tropas; pôr-se-á cerco contra nós; ferirão com a vara na face ao juiz de Israel.
2 E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.
3 Portanto os entregará até ao tempo em que a que está de parto tiver dado à luz; então o restante de seus irmãos voltará aos filhos de Israel.
4 E ele permanecerá, e apascentará ao povo na força do Senhor, na excelência do nome do Senhor seu Deus; e eles permanecerão, porque agora será engrandecido até aos fins da terra.
5 E este será a nossa paz; quando a Assíria vier à nossa terra, e quando pisar em nossos palácios, levantaremos contra ela sete pastores e oito príncipes dentre os homens.
6 Esses consumirão a terra da Assíria à espada, e a terra de Ninrode nas suas entradas. Assim nos livrará da Assíria, quando vier à nossa terra, e quando calcar os nossos termos.
7 E o remanescente de Jacó estará no meio de muitos povos, como orvalho da parte do Senhor, como chuvisco sobre a erva, que não espera pelo homem, nem aguarda a filhos de homens.
8 E o restante de Jacó estará entre os gentios, no meio de muitos povos, como um leão entre os animais do bosque, como um leãozinho entre os rebanhos de ovelhas, o qual, quando passar, pisará e despedaçará, sem que haja quem as livre.
9 A tua mão se exaltará sobre os teus adversários; e todos os teus inimigos serão exterminados.
10 E sucederá naquele dia, diz o Senhor, que eu exterminarei do meio de ti os teus cavalos, e destruirei os teus carros.
11 E destruirei as cidades da tua terra, e derrubarei todas as tuas fortalezas;
12 E exterminarei as feitiçarias da tua mão; e não terás adivinhadores;
13 E destruirei do meio de ti as tuas imagens de escultura e as tuas estátuas; e tu não te inclinarás mais diante da obra das tuas mãos.
14 E arrancarei os teus bosques do meio de ti; e destruirei as tuas cidades.
15 E com ira e com furor farei vingança sobre os gentios que não ouvem.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Todo Dia Com Jesus

Atos 18:12-28

As intrigas dos judeus e suas acusações diante do indiferente Gálio não impedem que Paulo prossiga sua obra em Corinto. O Senhor o protege, segundo Sua promessa (v. 10).
Depois disso, Paulo se põe novamente a caminho, passa por Éfeso, onde deixa Priscila e Áqüila, zarpa para Cesaréia, sobe até Jerusalém e depois desce para Antioquia, terminando a segunda viagem missionária.
A terceira viagem missionária começa no versículo 23. O incansável apóstolo atravessa novamente a Frígia e a Galácia (16:6), onde as igrejas que tinham sido formadas lhe causavam enorme preocupação (Gálatas 1:2; 4:11).
Nesse meio tempo, chega a Éfeso outro servo de Deus. É Apolo, um pregador que chama a atenção pela eloqüência e poder com que anuncia a Palavra. Estas características são decorrentes de seu fervor (v. 25), pois um homem só pode falar bem daquilo que enche o seu coração (Mateus 12:34-35). Além disso, ele ousadamente "falava e ensinava com precisão a respeito de Jesus". Mas seus talentos não o impedem de receber humildemente as explicações que Priscila e Áqüila lhe deram sobre as verdades que ele ignorava. Apolo está disposto a escutar, e seu serviço na Acaia, para onde se dirige mais tarde, torna-se de grande proveito por causa disso.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Thalles Roberto participa do Show da Virada na Globo

Thalles Roberto participa do Show da Virada na GloboThalles Roberto participa do Show da Virada na Globo
O cantor Thalles Roberto tem sido requisitado por muitos programas de televisão. Nesta terça-feira (26) ele participou da gravação do “Show da Virada” atração musical que é exibida pela Rede Globo no dia 31 de dezembro.
O evangélico participou de um elenco com mais de 50 nomes da música nacional sendo ele o único representando do gospel.
Pelo Facebook o artista comentou a participação escrevendo: “O #Irmãozinho ensaiando e gravando hoje o #ShowDaVirada, da #Globo, que vai ao ar no dia 31/12. #SejamCheiosDoEspíritoSanto. ‘O homem não deve cobrir a cabeça, visto que ele é imagem e glória de Deus’ (1 Coríntios 11:7).”
Para esta apresentação Thalles escolheu a música “Sejam Cheios do Espírito Santo”, canção que dá título ao seu mais novo CD. A música tem um ritmo dançante e bem brasileiro.
Thalles é uma das atrações de outro programa especial da Globo, o Festival Promessas. O show será gravado em Brasília no dia 30 de novembro na Esplanada dos Ministérios e exibido para todo o Brasil como especial de fim de ano no dia 15 de dezembro.
Já a apresentação de Thalles no “Show da Virada” será exibida no dia 31 de dezembro.

Evangélica perdoa assassino de seu filho e ora pela sua conversão

Evangélica perdoa assassino de seu filho e ora pela sua conversãoEvangélica perdoa assassino de seu filho e ora pela sua conversão
Em dezembro de 2012, Rafael da Silva, filho da dona de casa Maria Nice foi assassinado no bairro Colinas do Sul, em João Pessoa. Esta semana, Alisson Lima dos Santos, apontado pela polícia como o autor do crime foi preso com mais três homens, suspeitos de terem cometido diversos homicídios e de envolvimento no tráfico de drogas.
Porém, além de encarar a justiça, Alisson ouviu algo muito importante de Maria Nice. Ao lado de uma advogada, ela seguiu o carro que levava o suspeito. Na Central de Polícia, diante das câmeras de TV que registravam a prisão, pediu autorização aos policiais para falar com Alisson.
Segurando o rosto do rapaz, disse ser evangélica e estar orando pelo jovem após quase um ano do ocorrido. “Você está perdoado em nome de Jesus… Eu sou uma cristã… Você vai encontrar esse Deus que eu sirvo e você vai servir a ele. Eu não tenho um pingo de ódio de você, Alisson, eu só oro por você todos os dias… Você não me deixou olhar nos olhos do meu filho antes dele morrer, mas te perdoo”, afirmou ela.
O testemunho de Maria Nice acabou sendo apresentado na TV Correio da Paraíba e teve grande repercussão. O delegado Bruno Victor, que investiga o caso, conta que Alisson matou Rafael estando acompanhado de um outro rapaz, que também foi preso. Os demais presos estavam envolvido em um tiroteio recente, que feriu três crianças. Com informações de R7 e Portal Correio.
Assista:

Miquéias 4

1 MAS nos últimos dias acontecerá que o monte da casa do Senhor será estabelecido no cume dos montes, e se elevará sobre os outeiros, e a ele afluirão os povos.
2 E irão muitas nações, e dirão: Vinde, e subamos ao monte do Senhor, e à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos pelas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor.
3 E julgará entre muitos povos, e castigará nações poderosas e longínquas, e converterão as suas espadas em pás, e as suas lanças em foices; uma nação não levantará a espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra.
4 Mas assentar-se-á cada um debaixo da sua videira, e debaixo da sua figueira, e não haverá quem os espante, porque a boca do Senhor dos Exércitos o disse.
5 Porque todos os povos andam, cada um em nome do seu deus; mas nós andaremos em nome do Senhor nosso Deus, para todo o sempre.
6 Naquele dia, diz o Senhor, congregarei a que coxeava, e recolherei a que tinha sido expulsa, e a que eu tinha maltratado.
7 E da que coxeava farei um remanescente, e da que tinha sido arrojada para longe, uma nação poderosa; e o Senhor reinará sobre eles no monte Sião, desde agora e para sempre.
8 E a ti, ó torre do rebanho, fortaleza da filha de Sião, a ti virá; sim, a ti virá o primeiro domínio, o reino da filha de Jerusalém.
9 E agora, por que fazes tão grande pranto? Não há em ti rei? Pereceu o teu conselheiro? Apoderou-se de ti a dor, como da que está de parto?
10 Sofre dores, e trabalha, para dar à luz, ó filha de Sião, como a que está de parto, porque agora sairás da cidade, e morarás no campo, e virás até Babilônia; ali, porém, serás livrada; ali te remirá o Senhor da mão de teus inimigos.
11 Agora se congregaram muitas nações contra ti, que dizem: Seja profanada, e vejam os nossos olhos o seu desejo sobre Sião.
12 Mas não sabem os pensamentos do Senhor, nem entendem o seu conselho; porque as ajuntou como gavelas numa eira.
13 Levanta-te e trilha, ó filha de Sião; porque eu farei de ferro o teu chifre, e de bronze as tuas unhas; e esmiuçarás a muitos povos, e o seu ganho será consagrado ao Senhor, e os seus bens ao Senhor de toda a terra.

Todo Dia Com Jesus

Atos 18:1-11

Em Corinto, Paulo tem a felicidade de conhecer um casal judeu: Áqüila e Priscila. Depois de convertidos a Cristo, eles se tornaram particularmente queridos ao apóstolo; até mesmo expuseram a sua vida por ele em circunstâncias que não nos foram relatadas (Romanos 16:3-4). Criou-se, enfim, um vínculo especial entre eles. Corinto era famosa por sua degradação moral e por seu luxo. O apóstolo e seus amigos não querem depender daqueles envolvidos nessa riqueza e estabelecem um exemplo ao trabalhar com suas próprias mãos (1 Coríntios 9:15,18; 2 Coríntios 11:8-9).
Diante da oposição dos judeus, Paulo desliga-se de sua responsabilidade perante eles e declara-lhes que agora iria para os gentios (v. 6). Porém Romanos 9:2-5 permite-nos compreender o quanto lhe pesava falar assim. O Senhor encoraja o Seu amado servo, contudo, revelando-lhe que, apesar de Seu povo terreno não corresponder à Sua expectativa, Ele tinha naquela cidade "muito povo" determinado para o céu (v. 10). Precisamente naquela cidade dissoluta, o Senhor Se agradaria em reunir grande número de crentes, como atestam as duas cartas que mais tarde serão dirigidas à igreja de Corinto. Esta cidade, onde nada faltava, comprova-nos que não são as riquezas nem os prazeres que verdadeiramente satisfazem as reais necessidades do coração humano.

Como entender corretamente os textos proféticos da Bíblia?

Israel como exemplo de caso

A existência do Estado de Israel tem algum significado teológico relevante para nós? Ou é apenas um fato político “normal” sem relação direta com a história da salvação divina e com nosso entendimento bíblico? Essas duas posições diferentes são defendidas por cristãos que se consideram fiéis à Bíblia. Na história da interpretação bíblica o caso de Israel sempre foi emblemático e desempenhou um papel-chave para entender o que a Bíblia diz e demonstra como lidar com outros textos proféticos: Jesus estabelecerá um reino de mil anos de paz (o Milênio)? As profecias ainda não cumpridas do Antigo Testamento se cumprirão literalmente? A Igreja de Jesus substituiu o antigo povo de Israel?
Usar Israel como exemplo de caso adequa-se para estudar e entender qualquer outro texto profético da Bíblia. Dentro da brevidade aqui exigida tentaremos analisar as questões hermenêuticas (relativas à interpretação) que devem ser esclarecidas se quisermos compreender corretamente o que a Bíblia tem a declarar acerca do futuro.

1. Os dois polos na questão de Israel: substituído pela Igreja ou promessas concretas para o futuro do antigo povo de Deus?

Vamos limitar-nos à comparação entre essas duas correntes antagônicas sem entrar no fato de que nos dois “campos” existem ainda mais diferenciações e variantes.
a) Teologia da substituição: as promessas feitas a Israel e ainda não cumpridas foram transferidas à Igreja de Jesus. Promessas terrenas (como o retorno à terra de Israel) não se cumprirão literalmente; elas foram transferidas simbólica e espiritualmente à Igreja do Novo Testamento. Essa posição é conhecida como a Teologia da Substituição, já que substitui o povo de Israel (como etnia) pelo Israel “espiritual”, a Igreja. Dentro dessa concepção o retorno do povo de Israel à sua terra não teria qualquer significado profético no plano divino de salvação.
A tese de que a Igreja substituiu Israel é um elemento básico no Amilenismo, que ensina que não haverá um reino de mil anos literal (Milênio). Segundo essa corrente, aquilo que Apocalipse 20 descreve já começou por ocasião da primeira vinda de Jesus e perdurará até Sua volta. Essa é a posição clássica da teologia reformada (e em parte da luterana).
Com isso desaparecem quase todas as diferenças entre o Antigo e o Novo Testamento, a Aliança Abraâmica vale tanto para Israel como para a Igreja (“Teologia Aliancista”). Segundo Calvino, o Israel do Antigo Testamento já era a Igreja “como que na infância” (Institutas II, 11.2). O “Israel verdadeiro” é absorvido pela “Igreja de Jesus”, existe apenas uma “comunhão dos crentes, e essa comunhão existia desde o início da antiga ordem até o tempo atual e existirá na terra até o fim do mundo”.[1]
b) Cumprimento literal: as promessas ainda em aberto para Israel como povo se cumprirão literalmente no futuro. Delas fazem parte a conversão do remanescente (“todo o Israel”, Rm 11.26) ao Messias em conexão com a volta de Jesus e então sua existência sem opressão em sua própria terra (“restauração de Israel”). Dentro dessa perspectiva, o retorno do povo secular à terra de Israel depois da Segunda Guerra Mundial faz parte do cumprimento do plano divino. E esse retorno cria as condições para os futuros eventos de Zacarias 12 a 14.
Dentro da perspectiva literal, o retorno do povo secular à terra de Israel depois da Segunda Guerra Mundial faz parte do cumprimento do plano divino.
Dentro dessa perspectiva esperamos um cumprimento literal das promessas de um reino milenar, para cujo estabelecimento o Senhor voltará. Essa é a posição do Pré-Milenismo (Jesus virá antes do estabelecimento do Milênio real). Na Europa essa posição ficou mais conhecida como Dispensacionalismo.[2] Mas nesse debate não deveríamos nos ater a “rótulos”, já que não existe um Dispensacionalismo fechado, mas diversas variantes agrupadas em volta de uma idéia central.[3] Repetidamente os detratores do cumprimento literal esboçam a caricatura de um Dispensacionalismo extremado. Aí surge a impressão de que todos os que esperam pela restauração de Israel e por um Milênio literal também apóiam doutrinas dispensacionalistas particulares (por exemplo, que o Sermão do Monte se aplica somente ao Milênio...). Esse definitivamente não é o caso!
Com isso chegamos a um resultado intermediário: as posições “a” e “b” se excluem mutuamente e exigem um posicionamento. Que pontos de orientação nos seriam úteis nessa tomada de posição?

2. A posição reformada acerca das Escrituras: retorno ao sentido literal da Bíblia.

Um propósito central dos reformadores era o retorno a um entendimento claro da voz das Escrituras (claritas scripturae). Isso exigiu da parte deles uma postura firme contra a arbitrariedade na exegese das Escrituras que se instaurara ainda nos primeiros séculos da História da Igreja. Na época, ao invés de aceitar o sentido literal dos textos como determinante, buscava-se um sentido “múltiplo” no que as Escrituras declaram. Com isso abriram-se as portas para todo tipo de alegoria (simbolismo), espiritualização e reinterpretação do texto sagrado. Isso conduziu a uma deturpação das verdades que Deus havia revelado aos escritores da Bíblia.
Um dos protagonistas dessa “espiritualização” foi Orígines, um dos pais da Igreja (185-254), posteriormente criticado duramente, e com justiça, por Martim Lutero. À alegoria e à arbitrariedade na exegese de textos bíblicos os reformadores contrapunham sua reivindicação central: válido seria o sentido simples e evidente das Escrituras, o sentido “literal”. Segundo essa idéia, um texto bíblico deve ser interpretado da forma mais próxima possível de seu sentido original, o mais perto possível daquilo que seus autores originais queriam dizer, sempre levando-se em consideração a gramática, o uso idiomático e o contexto da passagem.

3. Como os reformadores entendiam Israel

Tendo em vista essa regra de aceitação do sentido literal de uma passagem bíblica, é surpreendente que os principais reformadores não a aplicaram quando se tratava da questão de Israel. Enquanto Lutero, em sua antiga interpretação de Romanos (de 1515 a 1516) ainda dizia que no fim dos tempos uma grande parte do povo judeu como “remanescente” étnico (como coletividade nacional) iria converter-se a Jesus, mais tarde afastou-se dessa interpretação. Calvino também explicou Romanos 11.25ss. – contrariando o sentido literal e o contexto – como a comunidade de judeus e gentios que viriam a crer em Cristo no decorrer de toda a história eclesiástica. Isso correspondia à sua idéia de uma só Igreja “desde o princípio até o fim do mundo” (veja o Catecismo de Heidelberg, pergunta 54).
Como foi possível essa “desapropriação” de Israel, com suas promessas especiais transferidas para a Igreja? Certamente as questões escatológicas não foram as que mais ocuparam a atenção dos reformadores. As batalhas teológicas mais decisivas aconteciam em outras áreas, especialmente na questão da salvação e acerca da doutrina da justificação.
Na área da Escatologia os reformadores ficaram presos à posição encontrada em Agostinho, um dos pais da Igreja (354–430). Mas já antes dele, ainda no segundo século, a igreja primitiva tinha começado a ver a si mesma como única herdeira das promessas feitas a Israel (carta de Barnabé, Justino Mártir). Oríogenes, com seu método alegórico, forneceu as ferramentas que possibilitaram transferir para a Igreja as passagens que eram destinadas a Israel. Mais tarde, a Igreja Católica Romana defendeu seu poderio e sua suposta eleição com todos os meios possíveis e imagináveis. Ela já não tinha o mínimo interesse em devolver as promessas feitas a Israel a seus verdadeiros e originais destinatários. Em seu reino milenar presente (amilenismo!), Cristo já estaria há muito reinando através do papado.
Enquanto Lutero, em sua antiga interpretação de Romanos (de 1515 a 1516) ainda dizia que no fim dos tempos uma grande parte do povo judeu como “remanescente” étnico (como coletividade nacional) iria converter-se a Jesus, mais tarde afastou-se dessa interpretação.
Pelo menos na questão do Milênio, nos três primeiros séculos a Igreja antiga ainda tentava preservar a substância bíblica, mantendo a doutrina de um Reino futuro. No mais tardar com Agostinho começou, também nessa questão, um afastamento do sentido literal da Escritura, e esse afastamento tornou-se predominante em toda a Igreja. E os reformadores, mais de mil anos depois de Agostinho, pelo visto não dispunham do tempo nem da necessária clareza para impor a validade de seus princípios escriturísticos à questão de Israel. Hoje, quem quiser se reportar conseqüentemente à Reforma nesse sentido, precisa ir decididamente além dos reformadores e aplicar a literalidade do texto sagrado a todas as questões, inclusive à questão de Israel. Caso contrário, ficará preso a um confessionalismo tradicionalista.

4. O sentido literal de textos proféticos

O leitor da Bíblia encontra-se diante de uma alternativa bem clara: estou disposto a deixar que o texto fale por si mesmo ou leio o texto bíblico através do filtro de um certo sistema teológico? É óbvio que nenhum leitor da Bíblia se aproximará do testemunho das Escrituras completamente isento do conhecimento que já tem e das convicções já formadas em seu coração . Cada um de nós tem a tendência de considerar sua própria explicação como a opção correta (até então), que também deveria fazer sentido para todos os outros.
Apesar desse elemento humano, a Palavra de Deus comprovou sua força fazendo-se entender e se impondo como verdade, mesmo diante dos maiores disparates.
Vejamos um exemplo para comprovar essa afirmação: o Antigo Testamento constantemente associa a renovação do coração do povo judeu com sua volta à terra. Sobre isso basta ler Ezequiel 36.24-28; Ezequiel 37.12-26; Amós 9.11-15 (comp. Jr 16.15; 23.8; 24.6; 31.8,23-34). Quem estudar esses textos encontrará declarações bem claras do Deus vivo acerca de Israel, Seu povo escolhido. A base para ligar a salvação com a terra é a Aliança Abraâmica (Gn 13.15; Gn 17.6-8, etc). Essa aliança é incondicional, ou seja, não impõe condições para ser válida nem depende da obediência de Israel. Como Deus iria invalidá-la?
No Novo Testamento essa promessa feita a Israel volta a ser reafirmada e não há uma palavra sequer dizendo que ela foi revogada ou invalidada, nem mesmo quando trata da unidade entre judeus e gentios formando juntos a Igreja (Ef 2.11ss.; Rm 11.17-24). E quando, por exemplo, Tiago cita em Atos 15.15-20 a promessa de Amós 9.11-12 feita para Israel nos tempos finais, ele não afirma, de forma alguma, que essa promessa já se cumpriu na Igreja ou com a Igreja. O que Tiago mostra ao citar essa passagem é que os planos futuros que Deus tem para Israel de forma alguma representam algum prejuízo para os gentios: se Deus, no futuro, plantar definitivamente Seu povo na terra de Israel, isso também será uma bênção para os gentios. Isso combina e se harmoniza perfeitamente (At 15.15), de forma que não podemos nem devemos excluir da Igreja os gentios convertidos nem considerá-los “cristãos de segunda categoria”. Os dois casos (cumprimento futuro da promessa de Amós e o atual ajuntamento da Igreja) são regidos pelo mesmo princípio: a bênção de Deus para judeus e a bênção de Deus para os gentios não são excludentes; elas incluem a ambos.
No Novo Testamento não há um único texto questionando a validade das promessas do Antigo Testamento feitas a Israel. Tudo o que o Novo Testamento diz sobre Israel e seu futuro converge para sua conversão a Jesus como seu Messias e a um cumprimento abrangente e pleno de todas as profecias. Numerosas afirmações (por exemplo, Mt 19.28; Mt 23.37-39; Lc 21.24; Lc 22.30; At 1.6; Rm 11.25-27) reforçam a esperança de Israel porque foram feitas pelo próprio Senhor Jesus (e depois confirmadas por Paulo).
Jacob Thiessen fez uma análise mostrando como são sólidas as fontes neotestamentárias garantindo uma restauração final de Israel (Israel und die Gemeinde [Israel e a Igreja], 2008). E Michel J. Vlach provou em sua dissertação que, onde o Novo Testamento complementa promessas do Antigo Testamento e as aplica a situações atuais (por exexemplo Amós 9.11ss. em Atos 15.15ss.), isso nunca acontece de forma a anular seu sentido original ou literal nem as retira de Israel.[4]
Por isso, sempre vale a pena batalhar pelo literalismo bíblico, inclusive quando a questão é Israel. O que está em jogo não é nada mais, nada menos que a fidelidade das promessas de Deus, que não deixará ao léu a menina dos Seus olhos (Zc 2.12; Dt 32.10). Igualmente em jogo está a nossa própria fidelidade para com o sentido verdadeiro do texto sagrado. Quem se desvia dele para satisfazer algum sistema teológico corre o risco de repetir o mesmo erro em outras áreas. Que Deus nos proteja disso! (Dr. Wolfgang Nestvogel -http://www.chamada.com.br)
Wolfgang Nestvogel é pastor da Igreja Evangélica Professante de Hannover (Alemanha).

Notas:

  1. L. Berkhof, Systematic Theology, 1969, p. 571.
  2. Todo dispensacionalista também é pré-milenista. Mas a afirmação não é válida ao inverso: existem pré-milenistas que não compartilham de certas posições dispensacionalistas. Por isso existe a diferenciação entre pré-milenistas “dispensacionalistas” e “históricos”.
  3. Bíblia de Estudo Scofield documenta o dispensacionalismo clássico da geração mais antiga enquanto um autor importante como John Walvoord defende um dispensacionalismo revisado, e outra diferenciação acontece no dispensacionalismo progressivo (a partir de 1986), defendido por C.A.Blaising e outros.
  4. Michal Vlach, The Church as a Replacement of Israel? An Analysis of Supersessionism, Frankfurt, 2009.

Miquéias 3

1 E DISSE eu: Ouvi, peço-vos, ó chefes de Jacó, e vós, príncipes da casa de Israel; não é a vós que pertence saber o juízo?
2 A vós que odiais o bem, e amais o mal, que arrancais a pele de cima deles, e a carne de cima dos seus ossos.
3 E que comeis a carne do meu povo, e lhes arrancais a pele, e lhes esmiuçais os ossos, e os repartis como para a panela e como carne dentro do caldeirão.
4 Então clamarão ao Senhor, mas não os ouvirá; antes esconderá deles a sua face naquele tempo, visto que eles fizeram mal nas suas obras.
5 Assim diz o Senhor acerca dos profetas que fazem errar o meu povo, que mordem com os seus dentes, e clamam paz; mas contra aquele que nada lhes dá na boca preparam guerra.
6 Portanto, se vos fará noite sem visão, e tereis trevas sem adivinhação, e haverá o sol sobre os profetas, e o dia sobre eles se enegrecerá.
7 E os videntes se envergonharão, e os adivinhadores se confundirão; sim, todos eles cobrirão os seus lábios, porque não haverá resposta de Deus.
8 Mas eu estou cheio do poder do Espírito do Senhor, e de juízo e de força, para anunciar a Jacó a sua transgressão e a Israel o seu pecado.
9 Ouvi agora isto, vós, chefes da casa de Jacó, e príncipes da casa de Israel, que abominais o juízo e perverteis tudo o que é direito,
10 Edificando a Sião com sangue, e a Jerusalém com iniqüidade.
11 Os seus chefes dão as sentenças por suborno, e os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro; e ainda se encostam ao Senhor, dizendo: Não está o Senhor no meio de nós? Nenhum mal nos sobrevirá.
12 Portanto, por causa de vós, Sião será lavrada como um campo, e Jerusalém se tornará em montões de pedras, e o monte desta casa como os altos de um bosque.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Todo Dia Com Jesus

Atos 17:16-34

Enquanto está sozinho em Atenas, Paulo não se deixa distrair por aqueles monumentos e esculturas. Seu coração está oprimido e ele se indigna ao ver que esta cidade, tão famosa por sua cultura, está entregue a tão repugnante idolatria. Na praça pública ele cruza com filósofos das mais diversas escolas. A sabedoria deles alcançou reputação mundial. A inteligência foi dada ao homem para que este pudesse perceber o poder eterno e a divindade do seu Criador (Romanos 1:20). Porém, a ignorância daquelas mentes privilegiadas confirma que "o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria" (1 Coríntios 1:21). Para os gregos, Ele é um "Deus desconhecido". Começando pelo princípio, Paulo fala do "Senhor do céu e da terra" (v. 24), que revela a Si mesmo não apenas na criação, mas também na redenção. Este soberano Deus agora "notifica aos homens que todos em toda parte se arrependam" (v. 30). De modo que ninguém - nem mesmo você, leitor - pode afirmar que esta ordem divina não lhe diz respeito.
A curiosidade intelectual não tem nada em comum com a verdadeira necessidade da alma. A reação de alguns dos ouvintes de Paulo é a zombaria; outros adiam a decisão. Mas também há os que crêem. Tais são, ainda hoje, os três efeitos produzidos pela pregação do evangelho.

Joide Miranda Ex-Travesti

Programa Mulher Vitoriosa 

Jotta A grava especial de Natal do TV Xuxa na Rede Globo

Imagem: DivulgaçãoO cantor Jotta A esteve nesta segunda-feira (25), no Projac, Rio de Janeiro, para gravar uma participação no programa especial de Natal do TV Xuxa, na Rede Globo. Ele pôde falar sobre seu novo álbum ‘Geração de Jesus’ e ainda recebeu elogios da apresentadora e de outros cantores seculares que estavam presentes, pelo seu ministério. Inclusive, um dos convidados chegou a ressaltar que tem o primeiro CD do Jotta A, ‘Essência’, e que admira muito o seu trabalho.
Durante sua apresentação, Jotta A levantou e agitou a plateia ao cantar uma das canções do novo repertório a música ‘Amor Verdadeiro’, que é de sua autoria. Xuxa também aproveitou a ocasião e pediu que ele cantasse um trecho de ‘Agnus Dei’, hit de sucesso que tornou Jotta A conhecido no Brasil e no mundo.
Imagem: DivulgaçãoO programa especial de Natal da TV Xuxa vai ao ar no sábado, dia 21 de dezembro, a partir das 14h45. Fique ligado na programação!
O CD ‘Geração de Jesus’ de Jotta A já está disponível para venda na loja virtual da Central Gospel ou pela Central de Atendimento (21) 2187-7000. Não perca tempo e adquira já o seu!
Fonte: CGM


Miquéias 2

1 AI daqueles que nas suas camas intentam a iniqüidade, e maquinam o mal; à luz da alva o praticam, porque está no poder da sua mão!
2 E cobiçam campos, e roubam-nos, cobiçam casas, e arrebatam-nas; assim fazem violência a um homem e à sua casa, a uma pessoa e à sua herança.
3 Portanto, assim diz o Senhor: Eis que projeto um mal contra esta família, do qual não tirareis os vossos pescoços, e não andareis tão altivos, porque o tempo será mau.
4 Naquele dia se levantará sobre vós um provérbio, e se lamentará pranto lastimoso, dizendo: Nós estamos inteiramente desolados; a porção do meu povo ele a troca; como me despoja! Tira os nossos campos e os reparte!
5 Portanto, não terás tu na congregação do Senhor quem lance o cordel pela sorte.
6 Não profetizeis aos que profetizam; eles não profetizarão para eles, pois não se apartará a sua vergonha.
7 Ó vós que sois chamados casa de Jacó, porventura encurtou-se o Espírito do Senhor? São estas as suas obras? E não é assim que fazem bem as minhas palavras ao que anda retamente?
8 Mas ontem, se levantou o meu povo como inimigo; de sobre a vestidura tirastes a capa daqueles que passavam seguros, como homens que voltavam da guerra.
9 Lançastes fora as mulheres do meu povo, da casa das suas delícias; das suas crianças tirastes para sempre a minha glória.
10 Levantai-vos, e ide-vos, porque este não é lugar de descanso; por causa da imundícia que traz destruição, sim, destruição enorme.
11 Se houver alguém que, andando com espírito de falsidade, mentir, dizendo: Eu te profetizarei sobre o vinho e a bebida forte; será esse tal o profeta deste povo.
12 Certamente te ajuntarei todo, ó Jacó; certamente congregarei o restante de Israel; pô-los-ei todos juntos, como ovelhas de Bozra; como o rebanho no meio do seu pasto, farão estrondo por causa da multidão dos homens.
13 Subirá diante deles o que abrirá o caminho; eles romperão, e entrarão pela porta, e sairão por ela; e o rei irá adiante deles, e o Senhor à testa deles.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Todo Dia Com Jesus

Atos 17:1-15

De Filipos, Paulo e seus companheiros se dirigem a Tessalônica, outra cidade da Macedônia. Alguns judeus e numerosos gregos, entre eles algumas mulheres nobres, acolhem a palavra que lhes é anunciada (1 Tessalonicenses 1:5). Mas a maioria dos judeus, impelida por Satanás, incita o povo contra os evangelistas. Eles não hesitam em servir-se de homens maus que eles próprios desprezavam; e perante os magistrados da cidade apelam com o mesmo argumento que fora proposto a Pilatos: "Não temos rei, senão César" (João 19:15; v. 7).
A estada de Paulo em Tessalônica acaba sendo breve, por volta de três semanas. Mas Deus assim o permitiu para nosso próprio proveito, pois o apóstolo depois se viu obrigado a complementar os seus ensinos por meio de duas epístolas, tão ricas em instruções para todos nós.
Em Beréia, os judeus são mais nobres e corretos. Em vez de deixar-se cegar pela inveja (v. 5), eles procuram firmar sua fé com o estudo diário da Palavra de Deus, acatando-a como asoberana autoridade (v. 11; João 5:39).
Gostaríamos de recomendar a todos os nossos leitores que sigam o exemplo dessa gente de Beréia (a começar pela consulta das citações bíblicas que indicamos). Este é o objetivo maior destas pequenas meditações diárias.

Dificuldades na criação e educação dos filhos são males do século 21? Super Nanny e outros especialistas orientam pais cristãos

Dificuldades na criação e educação dos filhos são males do século 21? Super Nanny e outros especialistas orientam pais cristãos; Confira
Dar casa, comida, lazer, cuidados médicos, educação formal, apoio sentimental e orientação espiritual não são tarefas simples, mas fazem parte do processo de educar um filho. E, de acordo com especialistas, essas tarefas não são as únicas que os pais terão pela frente ao verem nascer uma criança.
O tempo escasso, as pressões da sociedade, necessidades particulares e outras exigências que a vida moderna impõe parecem conspirar para o surgimento de um relacionamento prejudicado entre pais e filhos.
O pastor e escritor Amauri Costa de Oliveira, autor do livro Arrume Sua Casa (Editora Betânia) e líder da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte, MG, foi entrevistado pela revista Cristianismo Hoje sobre o tema.
Na publicação, Amauri Oliveira usa as dificuldades enfrentadas por Jacó na criação de seus filhos como pano de fundo para falar sobre problemas de relacionamento, crises emocionais, desvios morais, entre outros, e também para mostrar a importância da sabedoria na busca de soluções. “Não podemos negligenciar as obrigações da paternidade achando que Deus vai remendar nossas falhas, pois não vai mesmo”, alerta o pastor. “A definição de papéis dentro da família está ficando cada vez mais negligenciada. Se os pais não souberem quem são na vida de seus filhos, não saberão como educá-los no caminho cristão”, acrescenta.
Segundo Oliveira, muitos pais acreditam que os problemas se resolvem num passe de mágica e que o erro mais comum é “acreditar que levar os filhos para a igreja resolve todos os possíveis problemas”. “Deus não vai fazer o que é nossa obrigação. Levar os filhos para igreja é uma obrigação do pai cristão; viver o Evangelho em casa, ensinando os filhos no caminho em que devem andar, é outra coisa”, pontua.
O professor de teologia Claudio Ernani Ebert, pastor da Comunidade do Amor – Igreja Evangélica Livre e pós-graduado em terapia familiar optou por priorizar a família, em vez do ministério: “Eu e minha mulher compreendemos que não podíamos ser apenas amigos dos nossos filhos, mas pais presentes e ativos em seu desenvolvimento”, conta.
Pai de Jeison, 29 anos, dentista e pastor; Jeise, 27, professora de inglês e integrante do ministério de louvor da igreja; e Jamine, 20, coordenadora do trabalho com adolescentes, o pastor Ebert entendeu que seus filhos eram diferentes entre si, e adaptou o relacionamento entre eles conforme suas características: “Chamo a isso de discipulado dinâmico. A palavra que sempre me vinha à mente era investimento. Se investisse nos meus filhos, colheria resultados”, relata.
Para isso, Ebert revela que contou com a parceria da esposa: “Em conjunto, buscávamos a concordância na aplicação de limites e disciplina. Uma boa herança que pais podem dar aos filhos é o exemplo de um relacionamento romântico, estável e seguro”.
A professora Cris Poli, 67 anos, especialista conhecida através do programa Super Nanny, no SBT, é evangélica e congrega na Igreja Cristã da Flórida, em São Paulo. Mãe de três filhos e avó de cinco netos, a especialista diz que os pais precisam ter objetivos claros: “O que vejo hoje nos pais em geral, inclusive os evangélicos, é muita incerteza com relação ao que realmente querem para os filhos. Não sabem como agir, e isso os deixa muito confusos”, diz. “Para não entrar em conflito e não terem de ouvir choros, eles deixam os filhos fazerem o que querem, até o momento que não aguentam mais”, observa, apontando que a escolha pela solução mais imediata é equivocada.
A especialista resume seu ponto de vista sobre educação usando o texto de Provérbios 22.6 como base: “Ensinar o filho no caminho em que deve andar significa também impor limites, valores e princípios”, define.
Segundo o psicólogo Ageu Heringer Lisboa, membro do Conselho Consultivo do Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos (CPPC), os filhos vivem numa busca pelo exemplo, e se a fala não é coerente com a prática, surgem paradigmas: “As crianças, inicialmente, aprendem pela imitação. Desde pequenos, os filhos incorporam atitudes, hábitos, expressões verbais e emocionais e a visão de mundo daqueles que os criam”, explica.
Lisboa reitera, porém, que pais desequilibrados não significa sentença de vida desajustada para os filhos: “Aqueles que convivem com situações familiares adversas, como pais agressivos ou separados, não estão condenados ao fracasso existencial. Apenas terão de enfrentar mais obstáculos e encontrar outros recursos de crescimento. Junto a pessoas confiáveis e que proporcionam encorajamento, essas pessoas podem ter um apoio vital”, afirma, fazendo referência à vida em comunidade em igrejas, por exemplo, como forma de reparar danos.
Por Tiago Chagas

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5