quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Filipenses 1:19-30

O coração do homem está constituído de tal maneira que não pode permanecer vazio. Ele sente uma fome que o mundo, semelhantemente a um vasto armazém, se esmera em satisfazer, mediante uma variedade dos mais desejáveis produtos. Contudo, sabemos por experiência que, por mais atraente que seja uma vitrine de comida antes da refeição, a tentação cessa depois que nos alimentamos. Esta comparação um pouco familiar nos ajuda a recordar isto: nada exerce alguma atração sobre um coração cheio de Jesus. É o que acontecia com o apóstolo: Cristo era seu único objeto, sua única razão de viver. Quem ousaria aplicar a si mesmo o v. 21? Contudo, o progresso cristão consiste mais e mais na realização disto. Cristo era suficiente para Paulo, tanto para viver como para morrer. Diante destas alternativas, "ele não sabia o que escolher. Se morresse, ganharia a Cristo; se vivesse, serviria a Cristo". O seu amor pelos santos lhe inclinava antes a permanecer na carne.
A defesa do Evangelho, como todo combate, implica sofrimentos (1 Tessalonicenses 2:2b). Mas estes sofrimentos são um dom da graça do Senhor, semelhante à salvação, um privilégio que Ele concede aos crentes (v. 29). Em vez de nos compadecermos dos cristãos que são perseguidos, não deveríamos antes invejá-los? Pelo menos oremos em seu favor. Assim tomaremos parte com eles no combate pela verdade.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Filipenses 1:1-18

Esta epístola tem sido chamada de o livro da experiência cristã, a qual pode ser resumida como segue: Cristo é suficiente para mim. Ele é minha vida (cap. 1), meu exemplo (cap. 2), meu alvo (cap. 3), minha força e meu gozo (cap. 4). Paulo não fala aqui como apóstolo ou mestre, mas simplesmente como um "servo de Jesus Cristo". Como poderia reivindicar uma posição mais elevada que a que Seu Mestre tomou? (2:7). Da solidão de sua prisão em Roma, ele escreve aos amados filipenses, dos quais conhecemos Lídia e o carcereiro (Atos 16). Seu profundo amor por eles (v. 8) é revelado em suas orações. Observemos o encadeamento de suas petições: amor, verdadeiro conhecimento, discernimento espiritual,andar puro e reto, fruto que permanece (vv. 9-11).
Então ele lhes tranqüiliza acerca de seu aprisionamento. Este golpe que o inimigo pensava descarregar contra o Evangelho tinha contribuído, ao contrário, para seu progresso. A aberta oposição, levada a cabo para desencorajar as testemunhas do Senhor, geralmente tem o efeito de animá-las.
Qual é a atitude do apóstolo ao ouvir que o Evangelho estava, algumas vezes, sendo anunciado em circunstâncias muito questionáveis? Não manifesta impaciência ou crítica, nem, por outro lado, o desejo de associar-se a essas práticas. Só expressa sincero gozo ao ver que a obra de Deus se concretiza, quaisquer que sejam os instrumentos usados para atingir este propósito.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 6:13-24

Para manter-nos firmes contra esses terríveis inimigos do mundo espiritual, as armas do homem são totalmente ineficazes. Seria o mesmo que lutar com os punhos contra tanques e mísseis (ver Jó 41:1). Mas Deus põe à nossa disposição Sua armadura (comparar Romanos 13:12). Quais são as várias partes desta armadura? A verdade como um cinto-a força que vem da obediência à Palavra; por meio dela, o Senhor Jesus triunfou quando tentado no deserto. A justiça como couraça-uma inabalável e irrepreensível conduta perante os homens. O Evangelho da paz como calçado-um caminhar ativo na paz a fim de preparar as almas para receber a verdade. A fé como escudo-uma confiança absoluta em tudo o que Deus é. A salvação como capacete-a mesma confiança no que Deus tem feito. Assim vestidos e protegidos, poderemos contra-atacar vitoriosamente com a espada do Espírito e com a oração.
É demasiado tarde para colocar essa completa armadura quando já nos encontramos na batalha. Devemos usá-la "em todo o tempo" (v. 18), a fim de que estejamos seguros de sua proteção "no dia mau" (v. 13). Entre as outras coisas pelas quais oramos, não negligenciemos a obra do Senhor. O apóstolo assim solicitou. Ele estava seguro de achar entre os efésios um profundo interesse pelo Evangelho e pela Igreja. Que o Senhor veja tal interesse em cada um de nós!
7-temores-emprego
Às vezes me preocupo com perder meu emprego. Quer dizer, eu trabalho duro, mas nunca se sabe, não é mesmo? Talvez nossa organização não consiga recursos o suficiente. Ou talvez as necessidades da organização venham a mudar.
Ou até mesmo — e fico até envergonhado de admitir — enfrentemos um colapso social, como naqueles filmes apocalípticos em que aquele projeto de herói tem que defender a si mesmo e seus dois preciosos filhos com nada mais do que sua perspicácia e uma espingarda, enquanto saqueadores patrulham as ruas incendiadas em picapes cheias de arruaceiros na caçamba. Não, não é uma grande preocupação, mas às vezes me passa pela cabeça.
De maneira mais realista, os governos internacionais poderiam cobrar as nossas dívidas, enfraquecendo o dólar e ruindo a economia. Depois um enorme desastre natural poderia acontecer. Você acha que isso jamais aconteceria?
Não é difícil se preocupar com a perda do emprego quando você está lutando para esticar o contracheque até o fim do mês ou vendo os azulejos do seu banheiro velho caírem um a um. Será que devíamos reformar o banheiro ou economizar o dinheiro? Pergunto-me se ouro é o investimento mais seguro. Mas espera aí, o ouro perdeu valor recentemente. Talvez eu devesse investir em proteção pessoal.
Nossa, que bom que eu vou à igreja, porque a minha mente às vezes voa em direções absurdas. Todo domingo meu pastor abre o Bom Livro e me ajuda a ter pensamentos melhores.
Deixe-me mostrar. Nos últimos meses, meu pastor tem pregado no evangelho de João. Eu faço algumas boas anotações. Sabe o que tem me encorajado quando penso na perda do emprego?
Jesus veio para nos salvar do pecado
Ao ensinar em João 4, meu pastor nos disse que Jesus veio para nos salvar do pecado. Assim como a mulher samaritana que queria água, nós também temos necessidades físicas que devem ser satisfeitas. Jesus se preocupa com essas necessidades, mas o objetivo dele é que todos os sintomas da queda — incluindo sede, doença e até mesmo perda de emprego — nos aponte para a verdadeira doença: o pecado.
Deus permite que coisas ruins aconteçam aos seus filhos – alguém perdendo o emprego, por exemplo. A Bíblia não promete que nunca perderemos nossos empregos. Nós podemos perder. Mas se somos cristãos, sabemos que as coisas que realmente nos devem causar temor — o pecado e a punição de Deus — já foram resolvidas. Nosso futuro está garantido.
Deus demonstra a sua glória através das provações
Quando chegamos a João 9, meu pastor nos ajudou a pensar mais sobre os momentos difíceis na vida. “Coloque-se no lugar dos pais do homem cego”, ele disse. “Imagine viver naquela época e ter um bebê que nasceu cego. Você poderia se perguntar se ele seria capaz de prover por si mesmo, se experimentaria a pobreza, se seria socialmente excluído”.
Como foi reconfortante, então, ouvir as palavras de Jesus: “Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus” (v. 3).
Assim como com o homem cego, a Bíblia não promete que não enfrentaremos provações. Mas ela promete sim que Deus manifestará a sua glória através das provações dos seus santos.
Jesus nos preservará
Meu pastor, então, nos levou a uma grande promessa em João 10: ninguém pode tomar das mãos de Jesus as suas ovelhas. Depois ele disse algo interessante: “A Escritura nos apresenta como ovelhas necessitadas. Você pensa em si mesmo como uma ovelha necessitada? Ou você vive de acordo com a fórmula ‘saúde + riqueza = felicidade’?” Essa equação é uma mentira, ele exclamou.
Vou repetir: nós podemos perder nossos empregos. O cristianismo não nos promete o melhor da vida agora, então abandone a falsa religião. Ao invés disso, confie que Jesus nos preservará para si mesmo e pela eternidade.
Tempo e amor perfeitos
Logo na semana seguinte, meu pastor nos ensinou a partir de João 11 que o amor de Deus nem sempre se parece como esperamos que se pareça. Lembra quando Jesus descobriu que Lázaro estava doente? João nos diz: “Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro. Assim, quando soube que Lázaro estava doente, ainda se demorou dois dias no lugar onde estava”. Como é? Jesus o amava, então o deixou morrer? Bom, pense naquilo que Jesus orou antes de ressuscitar Lázaro; ele fez tudo isso para que as pessoas cressem.
“Veja”, disse meu pastor, “coisas ruins vão acontecer. E quando acontecerem, não tente forçar uma explicação. Reconheça que a vida pode ser difícil, mas depois se levante. Lembre a si mesmo o que você conhece de Deus, e confie que o tempo e o amor dele são perfeitos”.
Por: Jonathan Leeman. © 2013 Ligonier Ministries. Original: Fear of Job Loss.
Este artigo faz parte da edição de outubro de 2013 da revista Tabletalk.
Tradução: Alan Cristie. Revisão: Vinícius Musselman Pimentel. © 2014 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Original: 7 Temores Mortais: Desemprego.

domingo, 27 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 6:1-12

Não suponhamos que esta epístola, a qual expõe verdades tão elevadas e às vezes abstratas, tenha sido escrita apenas para crentes experimentados, os varões perfeitos mencionados em Efésios 4:13. Aqui o apóstolo está dirigindo-se diretamente aos filhos. O que ele tem a lhes dizer é bem simples: "Obedecei a vossos pais"; considerai essas instruções como se fossem as do Senhor. Esta disciplina, por mais penosa que às vezes possa parecer, corresponde às instruções que os pais receberam acerca de seus filhos (v. 4).
Quanto aos servos e aos senhores, o que lhes é recomendado se aplica a todos os que têm um patrão (vv. 5-8) ou subordinados (v. 9). O nosso trabalho nos dará todos os dias a oportunidade de pôr em prática esses versículos, a saber, fazer de coração a vontade de Deus. Estamos continuamente sob Seus olhos (v. 6). Mas necessitamos de força. Onde a encontraremos? No Senhor (v. 10). Só Ele nos capacitará a enfrentar os temíveis inimigos invisíveis: as potestades espirituais da maldade satânica que nos ameaçam. Porque Cristo mesmo está sentado "nos lugares celestiais, acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio...", havendo logrado sobre eles a vitória da cruz (Efésios 1:20-22; Colossenses 2:15).

sábado, 26 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 5:22-33

Desde o v. 22 do capítulo 5 até o v. 9 do capítulo 6, o apóstolo introduz o cristianismo no círculo familiar. A submissão de uma esposa a seu marido, tema do v. 22, é considerada atualmente, pelo menos nos países ocidentais, um princípio antiquado. Mas se o amor de Cristo constitui a atmosfera de um lar, o marido não exigirá nada que seja arbitrário, e a mulher, por sua vez, reconhecerá que tudo o que lhe é pedido corresponde à vontade do Senhor. Com efeito, é o amor que governará a atitude do marido. E novamente o perfeito Exemplo nos é apresentado: Cristo em Sua divina afeição pela igreja. Nos capítulos 1 (v. 23) e 4 vemos a Igreja como Seu corpo e Ele como a Cabeça. No capítulo 2, a Igreja é apresentada como um edifício do qual Ele é a pedra angular. Finalmente, aqui ela é Suaesposa. Como tal, recebeu, recebe e continuará a receber as mais excelentes demonstrações de Seu amor. Ontem, Cristo Se entregou a Si mesmo pela Igreja (v. 2).Hoje, Ele a cerca com Seu cuidado, purifica-a, alimenta-a e com ternura a prepara para o glorioso encontro (vv. 26, 29; 4:11). Amanhã, Ele a apresentará a Si mesmo, para Seu gozo, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas gloriosa, santa e irrepreensível, porque ela será então revestida de Sua própria perfeição (v. 27).

Comissão Especial da Câmara aprova definição de família como união de homem e mulher

Comissão Especial da Câmara aprova definição de família como união de homem e mulher
A Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou o relatório do deputado Diego Garcia (PHS-PR) para o projeto de lei 6583/13, apelidado de Estatuto da Família, reconhecendo apenas a união de um homem e uma mulher, e seus consequentes filhos, como uma unidade familiar.
O projeto, de autoria do deputado Anderson Ferreira (PR-PE), foi aprovado por 17 votos a 5 em uma sessão realizada na última quinta-feira, 24 de setembro.
De acordo com informações do portal Uol, o relator manteve o conceito previsto na Constituição Federal de que “a família é formada por um homem e uma mulher, através do casamento ou da união estável, e a comunidade formada por qualquer dos pais e seus filhos”.
Garcia recusou a emenda que sugeria a aceitação de um novo conceito, chamado de “entidade familiar”, que reconheceria a união de duas pessoas ou mais, independentemente de gênero, laços sanguíneos e/ou afetivos, originados pelo casamento, união estável ou afinidade.
Dentre os deputados que participaram da votação estavam os pastores Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ), Marco Feliciano (PSC-SP) e Eurico da Silva (PSB-PE).
Um dos que votaram a favor do Estatuto da Família, o deputado Evandro Gussi (PV-SP) argumentou que é preciso respeitar a principal carta de leis do país: “A Constituição diz que a família precisa de uma especial proteção; uma especial proteção porque é a base da sociedade; e é a base da sociedade porque é condição ‘sine qua non’ para a criação e formação dos membros da sociedade. Isso está amplamente consolidado no relatório”, pontuou, acrescentando: “Sim à família, hoje, amanhã e sempre”.
O pastor e deputado Hidekazu Takayama (PSC-PR) comentou as declarações de opositores ao projeto, que classificaram o texto como “um retrocesso para a sociedade brasileira”, dizendo que não existe discriminação da parte conservadora da sociedade contra os homossexuais.
Takayama foi adiante e polemizou, afirmando que muitos ativistas gays deveriam ser presos, pois eles seriam os responsáveis pelas mortes de homossexuais durante “briguinhas íntimas”.
“Eu desafio qualquer jornalista investigativo a verificar os quase 4 mil casos de mortes de homossexuais. Quantos foram praticados por católicos e evangélicos? Nenhum, nenhum”, enfatizou. “Se continuar com esse tipo de argumento que dois homens e duas mulheres formam uma família, daqui a uns dias vai ter um homem com uma vaca e vai virar avacalhação”, concluiu.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 5:3-21

Cuidado com as vãs e torpes palavras que podemos pronunciar (vv. 3-5) ou escutar! (v. 6). Éramos outrora trevas, agora somos "luz no Senhor"; entre as duas posições se encontra a nossa conversão! A estes dois estados correspondem duas maneiras de andar: a de outrora (2:2; 4:17-19), e essa, que deve caracterizar-nos de agora em diante. Tendo sido criados para as boas obras, devemos andar nelas (2:10). Já que fomos chamados a participar da glória de Cristo, que então andemos de um modo digno dessa vocação (4:1). Posto que somos filhos do Deus de amor, andemos em amor (5:1-2). Tendo sido transformados em "luz no Senhor", andemos como filhos da luz (v. 8; comparar João 11:10). Nos dias maus e perigosos em que vivemos, observemos onde pisamos; andemos com cuidado (v. 15). Todas essas condições são uma penosa restrição? De modo algum, e os vv. 19 e 20 mostram de que maneira o crente pode demonstrar sua alegria e gratidão.
Meditemos no v. 16. Infelizmente, cada um de nós conhece o pesar de ter deixado escapar muitas oportunidades de servir ao Senhor ou dEle dar testemunho. Pelo menos, saibamos aproveitar as oportunidades que se nos apresentam. E não percamos a única e maravilhosa ocasião de viver o restante de nossa curta vida terrena para o Senhor Jesus Cristo. Só Ele é digno disso.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 4:25-32; 5:1-2

É verdadeiramente triste o fato de que Deus tenha de fazer, às pessoas que estão assentadas nos lugares celestiais, recomendações como: não mintam... não furtem... não se embriaguem (5:18). Mas Ele sabe do que o nosso pobre coração carnal é capaz, e o diabo, que também sabe, não perderá nenhuma das oportunidades que lhe oferecermos (4:27).
Notemos que cada exortação está acompanhada de um motivo particularmente elevado e comovedor. As três Pessoas divinas estão envolvidas aqui:
(1) O Espírito Santo está em nós; tenhamos cuidado para não O entristecer (v. 30).
(2)Somos os amados filhos de Deus e o nosso Pai deseja ver Sua semelhança em nós (5:1). Lemos no v. 32: "... perdoando-vos uns aos outros, como também Deus em Cristo vos perdoou". Isto vai mais além da oração ensinada aos discípulos judeus: "Perdoa-nos os nossos pecados, pois também nós perdoamos a todo o que nos deve..." (Lucas 11:4).
(3) O próprio Senhor Jesus é o nosso Exemplo (5:2; João 13:14). Ele nos ensinou o que é o verdadeiro amor ao nos amar até a morte (1 João 3:16). Contudo, não esqueçamos jamais que Ele Se ofereceu primeiramente a Deus em perfeito sacrifício, um aroma infinitamente suave.

A Pregação Mudou Desde a Igreja Primitiva?


A pregação expositiva sistemática e regular da Escritura tem um papel central em minha visão para o ministério eclesiástico normal. Quando prego através de cada livro da Bíblia para as minhas congregações, creio que estou continuando um ofício e uma tradição que tem suas raízes no Pentateuco, nos métodos de ensino judaicos e na Igreja Apostólica. O pouco espaço que tenho não me permite elucidar a natureza dessas primeiras florações da pregação expositiva; ao invés disso, foi–me pedido que compartilhasse algumas reflexões sobre a natureza de nossa obrigação para com a pregação da Igreja Primitiva pós-bíblica.
Os pregadores da Igreja Primitiva que eu vejo como mestres de ofício incluem Ambrósio, Jerônimo, Gregório de Nazianzo, Crisóstomo, Atanásio, Agostinho e Pedro Crisólogo. Contudo, quando leio os sermões desses praticantes da pregação expositiva, é impossível não notar que a pregação deles parece estranha àquilo que se pensa hoje como uma exposição. Como a pregação expositiva moderna pode ser dependente da pregação da Igreja Primitiva que parece tão estranha a nós?
Uma convicção comum aos antigos e modernos
Em primeiro lugar, é vital enfatizar a convicção que nós e os pregadores da patrística temos em comum. Tanto praticantes antigos quanto contemporâneos da pregação expositiva criam que a Escritura é verdadeira em tudo o que ela afirma. Além disso, ambos os grupos defendem que quando a Bíblia é pregada, o próprio Deus fala.
Em muitos lugares os Pais, como Tertuliano, afirmaram que o que quer que a Escritura ensine é a verdade.1 Agostinho também declarou: “Aprendi a render tal respeito e honra apenas aos livros canônicos da Escritura: apenas nesses creio decisivamente que os autores eram completamente livres de erro”.2 Tais afirmações explícitas da confiabilidade bíblica são valiosas na reconstrução da visão patrística da Escritura.
Todavia, as implicações que podem ser tiradas de como a Escritura foi usada por toda a vasta obra dos Pais da Igreja são, no mínimo, tão relevantes quanto. A pregação era o principal ponto em que a Bíblia era usada na Igreja Primitiva, e quando menções após menções são empilhadas sobre citações após citações, fica abundantemente claro que os pregadores antigos lidavam com a Escritura daquela maneira porque criam que ela era verdadeira e que através dela Deus falava aos seus ouvintes.
Como Agostinho pregou: “Tratemos a Escritura como Escritura: como Deus falando”.3 Sem tal convicção há pouca motivação para debruçar-se sobre o texto bíblico na preparação do sermão, como os Pais faziam.
Por que, então, os sermões da Igreja Primitiva parecem tão diferentes dos pregadores modernos ocidentais que compartilham do mesmo comprometimento para com o papel da Escritura no discurso de Deus? Os sermões da patrística sempre utilizam alegorias obscuras, presumem significado nos números e podem saltar por passagens bíblicas aparentemente aleatoriamente. Os sermões da patrística podem conter reflexões e excursões que aparentemente divergem grandemente do texto sendo considerado. A ideia de que a pregação expositiva moderna é descendente de tais homilias antigas seria, meramente, uma ilusão?
A pregação expositiva se relaciona com a cultura pagã
Pregação expositiva é um ofício, uma arte e uma disciplina pastoral que interage com a cultura pagã em geral e com a oratória pagã em especial.
Os pregadores da patrística (e os pregadores contemporâneos) comprometidos com a pregação expositiva têm visões radicalmente divergentes da erudição pagã. Alguns pregadores teciam citações de autores pagãos no tecido de suas exposições. Por exemplo, Ambrósio tem mais de cem citações de Virgílio em sermões de sua autoria a que temos acesso hoje, e usava o autor médico Galeno para ajudá-lo a explicar Gênesis. Tertuliano desacreditou o ensino pagão como inimigo da teologia. O fato de seu estilo de discurso se utilizar de técnicas retóricas forjadas nas escolas pagãs nos lembra que ninguém pode escapar completamente do seu contexto.
A frequência das citações de autores pagãos é a única e mais óbvia forma que o aprendizado pagão influenciou os sermões da patrística. Mais profundamente, a cultura pagã do mundo antigo era fascinada pelas palavras — seu sentido, formação e significado. O empilhamento nos sermões de citação bíblica após citação bíblica, assim como o uso de passagens bíblicas mais claras para interpretar passagens mais obscuras, eram técnicas que os pregadores aprenderam nas técnicas escolas pagãs usavam para interpretar Homero.
Assim como na Reforma, o contexto educacional dos pregadores da patrística moldou seus ministérios profundamente. O primeiro manual para o aprendizado da pregação foi escrito por Agostinho. Ele continua extensas seções refletindo sobre como se apropriar melhor das lições de oratória de Cícero. Agostinho via valor no discernimento pagão de como falar bem: “Por que aqueles que falam a verdade o fariam como se fossem estúpidos, enfadonhos e sonolentos?”.4Apesar de elogiar algumas lições de Cícero, no fim Agostinho considerou que orar e ouvir bons pregadores era mais importante.5
Muito daquilo que faz os sermões da patrística parecerem diferentes dos sermões modernos surge do fato de que, em nossos ministérios de pregação expositiva, nós e nossos antepassados estamos (deliberadamente ou não) usando os melhores conhecimentos pagãos disponíveis sobre hermenêutica e comunicação. Os pregadores antigos criam que a Bíblia era uma palavra divina de rica verdade para os ouvintes. Eles buscavam significado em padrões de números porque a cultura pagã via beleza, verdade e significado residindo em mistérios profundos nos números. Se era assim com a matemática, os discursos persuasivos e a filosofia, pensavam, certamente deve ser muito mais com um texto inspirado pelo próprio Deus. O contexto do aprendizado secular moldou as abordagens dos pregadores antigos ao seu ofício.
O mesmo é verdadeiro quando se fala de questões práticas da pregação. Alguns pregadores escreviam seus sermões por completo e depois os liam. Outros, como Agostinho, meditavam na passagem durante a semana e depois falavam extemporaneamente. Muitas escolas de retórica ensinavam seus alunos a falar em público fazendo-lhes ler e memorizar discursos. Quintiliano, o orador pagão, argumentou que essa era uma maneira superficial e imatura de falar em público. Se um pregador concordasse com Quintiliano ou não acabava moldando sua prática com relação a falar a partir de um roteiro.
Seria um erro grave assumir que nossas abordagens modernas ao entendimento e à pregação da Bíblia são automaticamente superiores àqueles dos pregadores antigos. Também seria incorreto não observar o fato de que a pregação expositiva moderna é descendente da homilética da patrística e partilha de suas convicções fundamentais.
A pregação expositiva se desenvolve com a história da igreja
Outra razão pela qual os sermões da patrística parecem tão singulares é porque foram pregados por pessoas de dentro do contexto da história da igreja em que habitavam. No mundo antigo, alguns pregadores se beneficiaram ao fazer referências cruzadas de traduções iniciadas por Orígenes em sua Héxapla. Agostinho teve dúvida se deveria adotar a tradução bíblica mais erudita de Jerônimo ou continuar com a versão com a qual sua congregação estava mais familiarizada. Ele optou por manter a tradução menos precisa para a sua congregação por causa de sua sensibilidade pastoral, enquanto lentamente integrava a tradução de Jerônimo aos seus escritos acadêmicos.
Conforme a história da igreja progredia, também progrediam as ferramentas, e a forma de pregação expositiva se desenvolvia. Uma das áreas mais óbvias onde isso se aplicava era na história da salvação. Na Igreja Primitiva, os pregadores estavam muito conscientes de que havia um desenvolvimento dentro da história bíblica. Irineu desenvolveu uma teologia de “recapitulação” baseada nas repetições que se percebia dentro da história da salvação como a árvore em Gênesis 2 e o madeiro em que Cristo foi pendurado. A rejeição herética de Marcião do Antigo Testamento e interações com estudiosos judeus levaram muitos pregadores a pregar entre a semelhança e a unidade entre os Testamentos. A ênfase de Agostinho na graça na controvérsia pelagiana o levou a enfatizar a diferença entre a lei e o evangelho. Todas essas — e a aparente presença da prática da alegoria — eram tentativas primitivas dos pregadores de se dedicarem às passagens das Escrituras de maneira a fazer justiça à história da salvação por inteiro.
Dados os muitos desenvolvimentos na história da igreja que nos oferecem novas maneiras de articular a história da salvação e lhe dar nuances, é compreensível que os sermões da patrística possam parecer bem estranhos em suas interpretações teológicas. Na realidade, os grandes pregadores dos primeiros séculos estavam mapeando as possibilidades para configurar unidade e diversidade dentro do cânon — algo com o que nós temos dificuldade e diferimos ainda hoje.
Conclusão
A pregação expositiva mudou desde a igreja primitiva? Na questão de que a pregação expositiva deve se relacionar com a cultura pagã e desenvolver com a história da igreja, a resposta é sim. Se isso nos cegasse quanto às convicções centrais partilhadas a respeito da autoridade da Escritura e a paixão que leva os pregadores a usar o melhor material a que tem acesso na cultura e na teologia para pregar a Bíblia fielmente, nós não só estaríamos desonrando os santos que labutaram antes de nós, mas também deserdaríamos a nós mesmos de um tesouro que pode nos ajudar a aprimorar a nossa pregação — a pregação da Igreja Primitiva.
Notas:
1 - Tertuliano, A Carne de Cristo, 6.
2 - Agostinho, Epístola 82.3.
3 - Agostinho, Sermão 162C.15.Autor

4 - Agostinho, A Doutrina Cristã, 4.3.
5 - Agostinho, A Doutrina Cristã, 4.32.
Tradução: Alan Cristie
Revisão: Vinícius Musselman Pimentel


AutorPeter Sanlon
Peter Sanlon é ministro da St. Mark’s Church em Tunbridge Wells, Reino Unido. Ele é autor de "Augustine’s Theology of Preaching" (A...

9Marks
Parceiro9Marks
O Ministério 9Marks tem como objetivo encorajar as igrejas e seus líderes a cultivarem um ministério saudável, através da...


quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 4:13-24

A maioria dos jovens se sente ansiosa para desfrutar os privilégios dos adultos. Em troca, não importa a esses jovens continuar, às vezes durante toda a sua vida, num estado espiritual infantil. Os vv. 13 a 16 descrevem o crescimento harmonioso do corpo de Cristo, do qual fazemos parte. Este crescimento é resultado do desenvolvimento de cada crente. É só no Senhor Jesus que a "perfeita varonilidade" atinge a sua completa estatura. Cristo é em Si mesmo uma "plenitude" (v. 13; 1 João 2:13). Em troca, uma criança, por falta de estabelecimento na verdade, permanece vulnerável a todo tipo de erro. Quão perigoso é esse estado! Assim vemos em que trevas morais e espirituais o mundo está imerso porignorar a Deus (vv. 17-19). Nós, que fomos ensinados segundo a verdade que é em Jesus,mostremos, por meio de nossa conduta, como temos "aprendido a Cristo" (v. 20). A nossa doutrina, ou antes a nossa maneira de viver, é uma Pessoa. Cristo ensina a Si mesmo. "Estude-O muito", dizia um ancião crente "e viva-O!"
Do mesmo modo que uma pessoa troca uma roupa por outra, nós nos despojamos do velho homem e nos vestimos do novo (vv. 22-24). A nossa roupa não passa despercebida. Qual é a nossa vestimenta aos olhos dos outros? É a roupa manchada do velho homem ou, antes, certa semelhança moral com o Senhor Jesus? (Atos 4:13).

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 4:1-12

"Jamais deixei de vos anunciar todo o desígnio de Deus. Atendei por vós..." (Atos 2:27-28). Estas palavras de Paulo aos anciãos da igreja de Éfeso correspondem às duas divisões da epístola aos Efésios. Do capítulo 1 ao 3, o apóstolo acaba de expor o maravilhoso conselhode Deus. "Rogo-vos, pois...", prossegue ele, mostrando nos capítulos 4 a 6 o comportamento que é apropriado a uma vocação tão elevada (1 Tessalonicenses 2:12). O que deve caracterizar este chamado, em primeiro lugar, é o oposto de um espírito de superioridade: humildade e mansidão, com longanimidade em amor, no vínculo da paz. Assim como há uma mesma esperança de nossa vocação, há um mesmo Espírito que une os membros de um mesmo corpo (porém os homens têm fundado numerosas igrejas e cada uma conta os seus membros). Sob a autoridade de um Senhor é-nos ensinada uma fé cristã, e um batismo confere o nome e a responsabilidade do cristão (mas os homens falarão do batismo de sua religião!). Finalmente, um mesmo Deus e Pai, de quem tudo e todos procedem, tem sobre nós Seus direitos divinos.
O Senhor, como Homem glorificado, subiu acima de todos os céus depois de haver descido à morte. Agora Ele distribui aos Seus os vários dons de Sua graça. Temos nos submetido a Ele?

As Luas de Sangue São Sinais?

Christopher J. Katulka
As luas de sangue são uma coisa bonita de se ver. Essas anomalias astronômicas se tornaram um importante tópico tanto para astrônomos de fundo de quintal quanto para cristãos que as consideram sinais proféticos.
As luas de sangue são sinais? Ou são simplesmente obras das mãos de Deus?
Uma lua de sangue é um eclipse lunar total, quando a Terra fica entre a Lua e o Sol. Como a Terra bloqueia a luz do Sol, a única coloração que emerge através da atmosfera terrestre é vermelha, lançando uma cor vermelho-sangue sobre a Lua.
Alguns cristãos associam as tétrades (em número de quatro) de luas de sangue com eventos significativos na história judaica e afirmam que algo abalador acontecerá a Israel durante a atual tétrade, que vai de abril de 2014 até setembro de 2015.

A Lua de Sangue Solitária

A profecia bíblica certamente fala de uma lua de sangue. O profeta Joel teve uma visão sobre ela quando profetizou sobre “o grande e terrível Dia do Senhor”:
Mostrarei prodígios no céu e na terra: sangue, fogo e colunas de fumaça. O sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes que venha o grande e terrível Dia doSenhor” (Jl 2.30-31).
Mais tarde, Lucas citou Joel em Atos 2.20, e o apóstolo João usou a mesma profecia em Apocalipse: “O sol se tornou negro como saco de crina, a lua toda, como sangue” (Ap 6.12).
Cada vez que a lua de sangue é mencionada, é em conjunção com outros eventos cósmicos que ocorrem simultaneamente. Portanto, se uma lua de sangue ocorreu, também deveremos esperar um sol escurecido e somente uma lua de sangue, não tétrades. Além do mais, cada escritor [bíblico] apontava para o mesmo acontecimento futuro.

Depois do Fato

Defensores das profecias das luas de sangue afirmam que as tétrades apareceram durante importantes acontecimentos na história de Israel: a expulsão dos judeus da Espanha em 1492, a independência de Israel em 1948, e em 1967, durante a Guerra dos Seis Dias.
Todavia, a primeira lua de sangue ocorreu em abril de 1949, depois que Israel já havia obtido sua independência, em maio de 1948. Semelhantemente, uma tétrade apareceu em 1493, um ano depois que o povo judeu foi expulso da Espanha. Se as luas de sangue fossem sinais, elas deveriam ter acontecido antes desses eventos. Mark Hitchcook, estudioso das profecias e da Bíblia, escreveu:
Considere, por exemplo, que você esteja dirigindo por uma auto-estrada e vê um sinal de saída depois que você tiver passado por ele. Aquele sinal não será de grande serventia. [Da mesma forma], a tétrade da lua de sangue de 1493-1494 não pode ser um sinal daquilo que aconteceu em 1492. Isto simplesmente não se encaixa na definição de sinal.[1]

A Lua de Sangue Bíblica

Atribuir valor profético a essas luas de sangue é algo que atrai a nossa atenção, mas os eventos a que se referem são aleatórios.
Alguns envolveram um problema sério, mas terminaram em alegria, como é o caso da independência de Israel e da Guerra dos Seis Dias, enquanto que outros terminaram somente em pesar, como é o caso da expulsão dos judeus da Espanha.
Além disso, houve importantes eventos históricos envolvendo os judeus, tais como a destruição dos dois Templos e o Holocausto, que não foram acompanhados pelas luas de sangue.
Por que não?
Porque existe apenas uma “lua de sangue” bíblica, e ela brilhará em lugar de um Sol escurecido e de estrelas apagadas, quando o Senhor julgar este mundo. Até então, cada lua de sangue é um exemplo da majestosa obra das mãos de Deus. (Christopher J. Katulka — Israel My Glory — Chamada.com.br)
Christopher J. Katulka é apresentador do programa de rádio The Friends of Israel Today, diretor de Origins e professor de Bíblia de The Friends of Israel nos EUA.

Nota:

  1. Mark Hitchcock, Blood Moons Rising [O Surgimento das Luas de Sangue] (Carol Stream, IL: Tyndale, 2014), 132

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 3:13-21

Esta nova oração do apóstolo é dirigida ao "Pai" de nosso Senhor Jesus Cristo (v. 14; comparar 1:16-17). Que "aquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quando pedimos, ou pensamos" (v. 20) conceda o desejo do apóstolo com respeito a cada um de nós. Que nos faça compreender algo de Sua glória, a qual é, em todo o sentido, insondável e eterna. Porém, por mais maravilhosas e infinitas que sejam as perspectivas dessa glória, não fixam nem retêm nossas afeições. Eis por que o apóstolo acrescenta aqui sem transição: "e conhecer o amor de Cristo...". Suponhamos que de repente eu seja transportado à corte de um soberano; sem dúvida ficarei deslumbrado e me sentirei como um peixe fora d'água. Mas se encontro ali o meu melhor amigo, e ele é a pessoa mais importante dessa corte, imediatamente me sentirei feliz e à vontade. Ocorre o mesmo com a glória: é a glória do Senhor Jesus, a quem amamos.
Peçamos, com o apóstolo, que o Seu Espírito fortaleça o nosso "homem interior". Se Cristo habita em nós (v. 17), nada menos que "toda a plenitude de Deus" nos encherá (v. 19; Colossenses 2:9-10), e com ela o poder, o amor, a fé e o entendimento. Queridos amigos, o Pai nos fez um lugar em Sua casa (capítulos 1 e 2). Temos feito um lugar para o Senhor Jesus em nosso coração?
7-temores-morte-e-doenca
“Eu vejo uma mancha que precisamos investigar”. Câncer. Não era o diagnóstico que eu esperava receber enquanto um jovem prestes a começar uma família. Imediatamente, minha mente se encheu de perguntas: Como irei contar à minha esposa? Como ela ficará se eu morrer? Quanto custará o tratamento? Eu estou pronto para morrer?
Nos dias que se seguiram, não havia palavras. Ajudou-me o fato do câncer diagnosticado ter uma taxa de cura de 95 por cento, mas eu estaria mentindo se dissesse que isso eliminou minhas preocupações. Uma taxa de cura de 95 por cento não é uma taxa de cura de 100 por cento. Será que eu estaria entre os poucos “azarados”? Como seria possível manter o semblante franco e dizer à minha esposa que “tudo vai ficar bem”, quando eu não tinha nenhum controle sobre isso? Às vezes, as coisas não ficam “tudo bem” – pelo menos no curto prazo.
Pessoas morrem todos os dias. Bebês, adolescentes, jovens mães, pais de meia idade, os mais velhos – a morte não respeita as pessoas. Não é exatamente verdade que as únicas certezas da vida são a morte e os impostos. Você pode fugir dos impostos. Se estiver disposto a passar um tempo na cadeia, você não precisa pagar ao coletor de impostos. A morte, por outro lado, é certa. À exceção daqueles que estiverem vivos quando o Salvador retornar para consumar o seu reino, ninguém sai desse mundo vivo.
Por que tememos tanto a morte? Para os não cristãos, a resposta é fácil. Não importa o quanto eles suprimam a verdade pela injustiça, seja pelo ateísmo, o agnosticismo ou a falsa religião, eles não podem escapar da consciência dada por Deus de que eles quebraram a lei divina e merecem o inferno.
Os cristãos também temem a morte e a doença. Certamente, nós sabemos que não deveríamos fazê-lo e nunca dizemos a ninguém que nutrimos tais temores. Obviamente, nós sabemos todas as coisas certas a dizer acerca da morte. Deus é soberano. Ele tem um bom propósito na minha dor. O Senhor pode ensinar e santificar a minha família, os meus amigos e a mim mesmo pelo processo do sofrimento e da morte. Com frequência, porém, dizemos essas coisas porque “temos que dizer”, e não por estarmos plenamente convencidos. Eu fui culpado disso. De fato, todos nós somos culpados disso.
Os cristãos não temem a morte e a doença pelas mesmas razões dos não cristãos, porque sabemos que Cristo tem um lar para nós nos céus (João 14.1-3). Em vez disso, nós tememos perder o controle. Fazemos seguros contra a perda de nossos bens. Organizamos nossa rotina para sermos mais produtivos. Em geral, nós desfrutamos de relacionamentos felizes e realizadores ao ouvirmos os outros e nos doarmos. Mas, a despeito de nossos melhores esforços, não podemos fugir da morte e da doença.
Nós também tememos o sofrimento. Ninguém deseja uma doença terminal. Ninguém deseja dor crônica. Ninguém deseja perder suas faculdades mentais.
De muitas maneiras, é correto temer a morte e o sofrimento. Uma vez que Deus fez o universo “muito bom” (Gênesis 1.1–2.4), a morte e a doença são intrusas. Elas estão aqui por causa do pecado, e terão desaparecido nos novos céus e na nova terra. Até lá, contudo, nós precisamos viver com o nosso temor da morte e da doença. Como podemos glorificar a Deus desse modo?
Eu não tenho todas as respostas, mas espero oferecer alguma ajuda. Primeiro, devemos saber por que tememos a morte e a doença. Se você teme a morte porque não está reconciliado com Deus, então você deve se reconciliar hoje pondo sua confiança em Cristo somente. Ao confiar nele, você se apresentará ao Juiz de todos revestido da perfeita justiça de Cristo e ele o receberá em seu reino. Ele prometeu dar vida eterna a todos os que creem em Jesus.
Segundo, admita os seus temores para Deus e para os outros. Eu não compreendo todas as razões pelas quais o Senhor nos permite sofrer. Eu sei que ele usa a nossa dor para nos conformar a Cristo. Confessar os nossos temores dá às pessoas a oportunidade de orar por nós e nos encorajar a mantermos os olhos em Jesus, não na nossa doença. Permite-nos levar os fardos uns dos outros e cumprir a lei de Cristo (Gálatas 6.2).
Terceiro, ajude a fazer da sua igreja um lugar onde as pessoas possam admitir os seus temores honestamente. Fale com seus líderes sobre o que você pode fazer para criar uma cultura de igreja na qual as pessoas possam encontrar ajuda se elas ou alguém que elas amem esteja encarando a sombra da morte e da doença. Envolva-se em grupos de apoio a pessoas enlutadas, convide famílias em sofrimento para uma refeição – não há limites para o que pode ser feito.
Quarto, confie na soberania de Deus. A morte e a doença não o surpreendem. Ele escreveu todos os nossos dias (Salmo 139.16), então ele está sempre cumprindo os seus bons propósitos por nós.
Por fim, medite nas promessas de Deus até que elas se tornem parte da sua própria alma. “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam” (Salmo 23.4). “Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós” (Romanos 8.18). “Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação” (2 Coríntios 4.17). Essas palavras de vida nos confortam nos dias escuros.
Quatro anos e dois filhos depois, eu estou livre do câncer. Mas a morte ainda jaz adiante de mim e de todos nós. Que enfrentemos o temor da morte com a coragem que é própria a nós, filhos de Deus.
Por: Robert Rothwell. © 2013 Ligonier Ministries. Original: Fear of Death and Disease.
Este artigo faz parte da edição de outubro de 2013 da revista Tabletalk.
Tradução: Vinícius Silva Pimentel. Revisão: Vinícius Musselman Pimentel. © 2015 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Original: 7 Temores Mortais: Morte e Doença.

domingo, 20 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 3:1-12

Este capítulo constitui um parêntese, para dar mais luz ao mistério - agora revelado - o qual é o tema da passagem (vv. 3, 9), o mistério de Cristo e da Igreja. Se a sabedoria divina pode ser contemplada na criação (Salmo 104:24; Provérbios 3:19), quanto mais brilha nos imutáveis conselhos de Deus no tocante à glória e ao eterno gozo de Seu Filho amado! Essa "multiforme sabedoria" se manifestou de modo soberano e inteiramente novo por meio da Igreja. Os anjos a admiram; os gentios, até então sem esperança, recebem essa boa nova (v. 8). A Paulo, mediante um chamado especial, foi dada esta revelação, cuja magnitude o diminui a seus próprios olhos (v. 8). Ele foi encarregado da tarefa de tornar conhecidas a todas as riquezas da graça (1:7; 2:7) e da glória divina (1:18; 3:16). A promessa do Salmo 84, v. 11, "O Senhor dá graça e glória", foi cumprida na cruz. Esses dons, maravilhosos e gratuitos, são nossos de agora em diante. Quem de nós, quando criança, não sonhou em descobrir um tesouro? Não existe tesouro maior que essas "insondáveis riquezas de Cristo". Que Ele mesmo nos conceda fé necessária para estimá-las acima de tudo e para nos apoderarmos delas.

sábado, 19 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 2:11-22

Em comparação com o povo judeu, a condição das nações gentias era particularmente miserável. Elas não tinham nenhum direito às promessas feitas pelo Senhor a Abraão e a seus descendentes (Romanos 9:4). E nós fazíamos parte desses estrangeiros. Sim, recordemos (v. 11) aquele triste tempo em que estávamos sem Cristo e, conseqüentemente, sem esperança e sem Deus no mundo. Assim, tudo o que possuímosagora nEle nos parecerá muito mais precioso. Temos mais que um mero pacto com Deus: o dom imerecido da paz (Romanos 5:1), garantido pela presença do Senhor Jesus no céu. "Porque ele é a nossa paz" (v. 14). É Ele também que a fez (v. 15, final) e pagou por ela todo o preço. Finalmente, é Ele quem a evangelizou (v. 17). Não queria conceder a nenhum outro o privilégio de anunciá-la a Seus queridos discípulos na tarde de Sua ressurreição:Paz seja convosco!, disse-lhes (João 20:21; Isaías 52:7); e logo acrescenta: "Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio". Nós, que temos ouvido e crido nas boas novas do Evangelho, somos responsáveis de torná-las conhecidas a outros.
O final do capítulo nos mostra a igreja de Deus como um edifício em construção (ver Atos 2:47), fundado sobre Cristo, a principal pedra angular, para ser aqui na Terra "habitação de Deus no Espírito".

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus


Efésios 2:1-10

Em poucas palavras, os vv. 1 a 3 descrevem a nossa trágica condição de outrora. Como "filhos de ira", andávamos segundo o mundo, segundo o seu príncipe e de acordo com os nossos culpáveis desejos. Mas Deus interveio (v. 4). Seu "grande amor" superou tal cena de miséria. Ele vivificou os que estavam mortos espiritualmente. Ressuscitou-os e, ainda mais, fê-los assentar em Seu próprio céu, o mesmo lugar onde Cristo está sentado (v. 6; 1:20). Estar morto em seus pecados ou assentado nos lugares celestiais: não há posição intermediária. Qual é a sua posição?
Os vv. 8 a 10 revelam, por um lado, a inutilidade de nossas obras para a salvação e, por outro, o pleno valor da obra de Deus: "somos feitura dele". Mas o fato de estarmos assentados nos lugares celestiais nos dispensa de toda a atividade na terra? Muito pelo contrário! Ao sermos salvos pela graça, fomos criados de novo (4:24), como ferramentas feitas para um uso específico: as boas obras que esse Deus de bondade (v. 7) preparou de antemão para o nosso caminho (Salmo 100:3; 119:73). Não que Ele tenha necessidade de nosso trabalho, senão que quer a nossa consagração. Finalmente, nunca deixemos de Lhe pedir a cada manhã: "Senhor, mostra-me o que Tu mesmo tens preparado hoje para mim e conceda-me a Tua ajuda para cumpri-lo" MM (Hebreus 13:21).

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Todo Dia Com Jesus

Efésios 1:15-23

Em sua oração dirigida ao "Deus de nosso Senhor Jesus Cristo" (v. 17), o apóstolo intercede a favor dos santos, para que saibam primeiramente qual é a posição deles (v. 18) e depois qual é o poder que os introduz ali (19:20).
"A plenitude de nossa bênção vem do fato de que somos abençoados com Cristo. Antes estávamos associados ao primeiro Adão na queda, mas agora estamos associados em glória ao segundo Homem. Como tal, Ele nos faz participar de tudo o que possui, sinalizando o perfeito amor cuja conseqüência é 'a glória' (João 17:22), 'o gozo' (João 15:11), 'a paz' (João 14:27), e o amor do Pai (João 17:26). Ele não tomará possessão da herança sem os co-herdeiros... Paulo não pede que os santos participem destas coisas-pois elas já lhes pertencem-mas antes que gozem delas" (J. N. Darby) . E, notemos, são os olhos de nosso coração que devem captar essas gloriosas realidades. O amor é a verdadeira chave de nossa compreensão (Lucas 24:31). Ao despertar as nossas afeições, o Espírito nos faz contemplar a Cristo, o Homem ressurrecto revestido de poder e majestade segundo o Salmo 8. Seu corpo-a igreja-O contempla como Homem. Ele é a "Cabeça" glorificada no céu; Seu corpo é "a plenitude daquele que a tudo enche em todas as cousas" (v. 23).

A Maior Profecia de Todos os Tempos

Mark Hitchcock
Daniel 9.24-27 é uma das passagens proféticas mais importantes da Bíblia. Ela é a chave indispensável para toda a profecia. Muitas vezes ela foi denominada “a espinha dorsal da profecia bíblica” ou o “relógio de ponto de Deus”. Essa profecia nos comunica que Deus determinou exatamente o cronograma para o futuro de Israel.
A moldura para essa profecia é encontrada em Daniel 9.1-23. O profeta vivia na Babilônia, onde o povo judeu se encontrava exilado por quase 70 anos. Daniel descobriu, através das profecias de Jeremias, que o cativeiro do povo duraria 70 anos. Por isso, nessa passagem, ele confessou os pecados do povo judeu e orou pedindo pela sua restauração. Ele sabia que o tempo de cativeiro estava quase no fim (9.1-2) e, assim, intercedeu pelo povo. Enquanto ele ainda orava, Deus reagiu à sua oração, através do anjo Gabriel (9.21). Daniel 9.24-27 mostra a maneira como Deus atendeu à oração de Daniel. Ao responder a essa oração, Deus foi muito além da retirada do povo da Babilônia. Ele vislumbrou o futuro até à sua restauração definitiva sob o reinado do Messias:
Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para fazer cessar a transgressão, para dar fim aos pecados, para expiar a iniquidade, para trazer a justiça eterna, para selar a visão e a profecia e para ungir o Santo dos Santos. 25Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Ungido, ao Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as praças e as circunvalações se reedificarão, mas em tempos angustiosos. 26Depois das sessenta e duas semanas, será morto o Ungido e já não estará; e o povo de um príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será num dilúvio, e até ao fim haverá guerra; desolações são determinadas. 27Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele” (Dn 9.24-27).
Como se pode observar, essa passagem contém muitos detalhes. Para podermos compreender melhor a sua marcante exatidão e o seu significado, vamos dividi-la em 10 tópicos.

Dez pontos para a compreensão das 70 semanas de Daniel

1. Trata-se de semanas-ano

As expressões “semana” ou “pares de sete” se referem a um período de sete anos ou pares de sete anos, cada. Sabemos isso porque o profeta já as considerou como anos em Daniel 9.1-2.

2. O período todo abrange 490 anos

O tempo total coberto é de 490 anos (70 pares de 7 anos, cada, considerando o ano profético de 360 dias).

3. Refere-se ao povo judeu e à cidade de Jerusalém

Os 490 anos estão relacionados ao povo judeu e à cidade de Jerusalém e não à Igreja. O anjo Gabriel disse a Daniel que esse tempo estava determinado “...sobre o teu povo[Israel] e sobre a tua santa cidade [Jerusalém]...” (9.24).

4. A finalidade das 70 semanas

Lemos, em Daniel 9.24, que Deus tinha seis objetivos para esses 490 anos. Os três primeiros se referem ao pecado do homem e os últimos três, à justiça de Deus:
  • “para fazer cessar a transgressão”;
  • “para dar fim aos pecados”;
  • “para expiar a iniquidade”;
  • “para trazer a justiça eterna”
  • “para selar a visão e a profecia”;
  • “para ungir o Santo dos Santos”.
Por ocasião da Sua Primeira Vinda, a morte de Cristo na cruz trouxe o perdão dos pecados, mas Israel somente reconhecerá esse sacrifício quando o Seu povo estiver em contato com a Sua Segunda Vinda e demonstrar arrependimento, ao final das 70 semanas-ano. Os últimos três objetivos relacionados em Daniel 9.24 projetam o olhar sobre o vindouro Reino de Cristo.

5. Quando o relógio começa a funcionar

O relógio profético de Deus, para o período de 70 semanas-ano ou 490 anos, começou a funcionar no dia 5 de março de 444 a.C., quando o rei Artaxerxes, da Pérsia, emitiu a ordem, permitindo que os judeus, liderados por Neemias, retornassem à sua terra para reconstruir a cidade de Jerusalém (Ne 2.1-8).

6. As primeiras 69 semanas-ano ou 483 anos

Do início da contagem regressiva até a Vinda do Messias são 69 semanas-ano (7 + 62), ou 483 anos. Esse tempo exato, constituído de 173.880 dias, abrange o número exato de dias desde 5 de março de 444 a.C. até 30 de março de 33 d.C., no dia em que Jesus teve a Sua entrada triunfal em Jerusalém (Lc 19.28-44). A precisão com que esta profecia foi cumprida é algo inacreditável! Por essa razão, eu a considero a maior profecia de todos os tempos. Ela é uma comprovação esplêndida da inspiração divina da Bíblia.

7. O período intermediário é o da Era da Graça

Até aqui, tudo bem! As primeiras 69 semanas fazem parte da História. No entanto, o que acontece com os últimos 7 anos ou a 70ª semana-ano? Quando Israel rejeitou seu Messias, Deus suspendeu temporariamente o Seu plano para Israel. Assim, há um intervalo de tempo ou uma inserção de duração indeterminada entre a 69ª e a 70ª semana-ano.[1] De acordo com Daniel 9.26, para esse período são profetizados dois acontecimentos especiais:
  • O Messias será morto (isso se cumpriu em 3 de abril de 33 d.C.);
  • Jerusalém e o Templo serão destruídos (isso se cumpriu em 6 de agosto de 70 d.C.).
Deus deu um “pause” no seu cronômetro profético ao final da 69ª semana-ano. Atualmente vivemos nesse período de tempo não definido claramente entre a 69ª e a 70ª semana-ano, na Era da Igreja. Esse período terminará quando Cristo arrebatar Sua Noiva – a Igreja – ao Céu. Como a Igreja não existia durante as primeiras 69 semanas-ano – de 444 a.C. até 33 d.C. – faz sentido que ela não esteja presente na Terra durante a última semana-ano. As 70 semanas-ano se referem a Israel e não à Igreja.

8. A aliança do Anticristo e os últimos sete anos

Deus vai destravar o Seu cronômetro profético para Israel depois de ter arrebatado a Igreja para o Céu. Então surgirá o Anticristo e firmará uma aliança ou um acordo com Israel (9.27).[2] Isso sucederá na última, ou seja, na 70ª semana-ano cujo cumprimento ainda está em aberto. Sabemos desse fato porque as primeiras 69 semanas-ano foram literalmente cumpridas até o último dia e estes futuros sete anos também se cumprirão literalmente.
O Anticristo fará um “firme” acordo ou, possivelmente, “obrigará” Israel a fazer uma aliança com ele.[3] Dois acontecimentos no mundo atual indicam que a probabilidade de tal acordo se realizar não está muito afastada. Primeiramente, o Estado de Israel foi restabelecido em 1948, o que tornaria possível a realização de uma aliança com ele pela primeira vez em 1.900 anos. Em segundo lugar, o atual e aparentemente interminável “processo de paz” no Oriente Médio também aponta para a possibilidade desse último acordo. O palco está montado para o aparecimento de um grande líder da Europa que possa garantir a segurança de Israel. Como o mundo está cada vez mais dividido em relação às inquietações no Oriente Médio, um anúncio desses poderia facilmente se tornar uma solução inevitável.

9. O Anticristo rompe a aliança

O Anticristo agirá com falsidade em relação a Israel de um modo nunca visto na História, quebrando o acordo na metade do período (após três anos e meio) e colocará uma imagem repugnante e idólatra de si mesmo no Templo de Deus reconstruído, em Jerusalém (ver Mt 24.21; Ap 13.14-15). Os últimos três anos e meio serão de “grande tribulação”, da qual Jesus falou em Mateus 24.21.

10. O final das setenta semanas-ano

No final da 70ª semana-ano, Deus derrotará o Anticristo (Dn 9.27; ver 2Ts 2.8; Ap 19.20). Isso marcará o final das 70 semanas-ano e o início do Reino Milenar de Cristo. Então estarão cumpridos os seis objetivos de Deus, mencionados em Daniel 9.24 (Ap 20.1-6).
Para uma compreensão ainda melhor dessa profecia fantástica, seguem alguns meios auxiliares.
A profecia sobre um período de 173.880 dias que se cumpriu no dia exato é, de fato, algo excepcional. Por ocasião da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, no dia 30 de março de 33 d.C., cumpriram-se exatamente os dias das primeiras 69 semanas-ano (483 anos). Jesus sabia do significado real desse acontecimento. Olhando para a cidade, Ele disse:“Se você compreendesse neste dia, sim, você também, o que traz a paz!” (Lc 19.42 – NVI). Acrescentou, ainda: “...você não reconheceu a oportunidade que Deus lhe concedeu”(Lc 19.44 – NVI – ênfases acrescentadas pelo autor). Jesus ressaltou “neste dia” “a oportunidade” diante dos judeus porque Ele era a personificação dessa impressionante profecia na presença deles. O dia da visitação aconteceu exatamente na data anunciada com antecedência, mas o povo judeu perdeu a oportunidade em virtude de sua incredulidade.
Jesus voltará em algum dia – talvez em breve. No futuro acontecerá uma última visitação e esta se dará precisamente dentro do cronograma de Deus.
Estejamos atentos, você e eu, para não perdermos mais esta chance!

Notas

  1. Aqueles que não concordam que haverá um futuro período de Tribulação, durante sete anos, alegam que não existe uma lacuna de tempo entre a 69ª semana-ano, no ano de 33 d.C., e o início da 70ª semana-ano. Afirmam que a última semana aconteceria imediatamente em seguida. É o que diz, por exemplo, Gary DeMar, emEnd Times Fiction (Nashville: Thomas Nelson, 2001, p. 42-52). No entanto, essa visão possui dois obstáculos inevitáveis. Primeiramente, Daniel 9.26-27 indica claramente um lapso de tempo de, no mínimo, 37 anos entre o término da 69ª e o início da 70ª semana-ano (o período entre a entrada triunfal do Senhor, em 33 d.C. e a destruição do Templo em Jerusalém, no ano 70 d.C.. Em segundo lugar, se não houver nenhuma intercalação entre a 69ª e a 70ª semana-ano, então as 70 semanas-ano findariam por volta de 40 d.C.. Houve algum grande evento nesse ano? Nenhum! DeMar (End Times Fiction, p. 50-51) tenta inserir a destruição de Jerusalém – no ano 70 d.C. – na 70ª semana de Daniel. No entanto, ao fazermos isso, os últimos sete anos precisam ser estendidos por pelo menos 37 anos. A tentativa de adaptar os números de tal modo que se amoldem às nossas próprias suposições não corresponde a uma interpretação sadia da Bíblia.

    James Montgomery Boice, um intérprete bíblico, discorda plenamente dessa posição e demonstrou ser necessário considerar uma lacuna de tempo antes dos sete últimos anos da profecia:

    “O que acontece com a última semana-ano? O que acontece com os últimos sete anos do período que abrange 490 anos? Isso parece ser um enigma para quase todos, pois, se simplesmente acrescentássemos sete anos ao resultado de nossos cálculos, chegaríamos ao ano 38 d.C. (ou 46 d.C.) e, nesse ano, não aconteceu nada de importante...

    No entanto, minha tendência é dar razão aos que consideram esse ponto como uma interrupção do cumprimento da profecia. De acordo com estes, o cumprimento dessa profecia judaica excepcional está suspenso temporariamente enquanto o Evangelho é pregado às nações e até que a Igreja atinja sua plenitude, uma Igreja que abrange pessoas de todas as áreas da vida, de todas as raças e nações. Ao estarem reunidos todos os crentes da Era da Igreja, a profecia será reinstituída a partir da sua última semana-ano, na qual o povo judeu enfrentará grandes sofrimentos e perseguições. Sob essa ótica, a última semana de Daniel coincidiria com o período de 7 anos de sofrimentos que é mencionada em outro local. O fato de Jesus referir-Se ao ‘abominável da desolação’ (Mt 24.15) serve de sustentação para que os acontecimentos de Daniel 9.27 (assim como os de Dn 11.31 e 12.11) não ocorram imediatamente, mas somente no término da Era”.

    James Montgomery Boice, Daniel: An Expositional Commentary (Grand Rapids: Zondervan, 1989), p. 109-110. Um comentário abrangente sobre a profecia das 70 semanas-ano de Daniel foi publicado por Thomas Ice: “The Seventy Weeks of Daniel”, in: The End Times Controversy: The Second Coming Under Attack(Eugene, OR: Harvest House, 2003), p. 307-353.
     
  2. Aqueles que não concordam com a interpretação de cumprimento futuro de Daniel 9.27 acreditam que a aliança, anunciada no texto em referência, não será celebrada pelo Anticristo, mas por Jesus Cristo. Eles são da opinião que a quebra da aliança e o término dos sacrifícios se refira à morte de Jesus Cristo na cruz, no ano 33 d.C.. Isso, no entanto, acarreta dois problemas de difícil solução: 1) A palavra vinculada mais próxima ao pronome “ele”, em Daniel 9.27 é “príncipe que há de vir” de um povo que destruiu o Templo em 70 d.C.. Trata-se de uma clara alusão aos romanos. Jesus não pode ser esse “príncipe”, pois Ele não é romano. Muito antes, trata-se de uma referência ao Anticristo que se levantará do futuro Império Romano reunificado (ver Dn 7.8). Em nenhum lugar da Bíblia há qualquer menção de que Jesus tivesse firmado uma aliança de paz de 7 anos com alguém. Ele viveu em torno de 33 anos, dos quais mais de 3 anos em ministério público. Não há nenhum registro de que Ele tivesse celebrado algum acordo de 7 anos. Na página 258 do Commentary on Daniel (Grand Rapids: Zondervan, 1973) Leon Wood enumera sete motivos convincentes demonstrando que, em Daniel 9.27, “ele” se refere ao futuro príncipe ou Anticristo.
     
  3. John F. Walvoord, Major Bible Prophecies: 37 Crucial Prophecies that Affect You Today (Grand Rapids: Zondervan, 1993), p. 319.

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5