domingo, 31 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

E, chegada a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra até à hora nona
(Marcos 15:33).

QUE GRANDE SACRIFÍCIO, QUE GRANDE AMOR!

O Senhor Jesus Cristo foi rejeitado por muitos grupos de pessoas hostis: os líderes religiosos do povo, o poder governamental romano, os espectadores da cruz e até mesmo malfeitores crucificados com Ele. Seus discípulos, que O acompanharam por anos, O abandonaram e fugiram.
Agora sofrimentos piores estavam por vir: Ele foi abandonado por Deus! Não era mais uma questão do mal e da brutalidade dos homens, naquelas horas de escuridão Ele era a oferta pelo pecado designada por Deus pelos pecados da humanidade. A ninguém foi permitido contemplar tal cena. As trevas cobriram toda a Terra. Escondido dos olhos humanos e sozinho diante de Deus, Cristo, "que não conheceu pecado", foi feito pecado por nós (2 Coríntios 5:21). Então, suportou o fato de que Deus ocultou seu rosto dEle.
Ao cumprir as exigências de Deus como Juiz e sofrer em perfeita obediência para que os pecadores pudessem ser salvos, Ele glorificou a Deus Pai. A magnitude da santidade de Deus foi demonstrada por meio da profundidade do sacrifício que foi necessário. Mas o fato de que o próprio Deus fez este sacrifício revela o Seu amor infinito. Um sacrifício inferior jamais poderia tê-Lo glorificado perfeitamente e ao mesmo tempo trazer salvação à humanidade.
O que deve ter custado para o Senhor Jesus ser "feito pecado"! Ele veio ao mundo como o "santo" (Lucas 1:35) e, agora, o julgamento de Deus tinha recaído sobre Ele. Que humilhação, mas também que amor para com Deus e os perdidos por parte do Redentor!

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: “SENHOR, Justiça Nossa.” (Jeremias 23.6)
Pensar na perfeita justiça de Cristo sempre proporciona ao crente imensa tranquilidade, calma e paz. Quão frequentemente estão abatidos e tristes os santos de Deus! Eu não penso que eles deveriam ser assim. Eu não acredito que eles estariam abatidos e tristes, se pudessem ver sua perfeição em Cristo. Há alguns que estão sempre pensando a respeito de corrupção e do mal inato que existe em sua alma. Isto é bastante verdadeiro. Mas, por que não avançamos um pouco mais e recordamos que somos perfeitos em Cristo Jesus? (ver Colossenses 1.28) Não é de admirar que estejam sempre de fisionomia abatida, os que jazem na corrupção; mas com certeza, se lembrarmos que Jesus se fez justiça por nós (ver 1Coríntios 1.30), teremos bom ânimo. Ainda que o sofrimento me aflija, Satanás me assalte, e eu tenha de passar por muitas experiências antes de chegar ao céu, todas essas coisas me são enviadas como parte da aliança da graça divina.
Nada falta em meu Senhor. Ele fez tudo. Na cruz, O Senhor Jesus disse: “Está consumado” (João 19.30). Se está consumado, estou completo nEle. Posso regozijar-me “com alegria indizível e cheia de glória” (1 Pedro 1.8), “não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé” (Filipenses 3.9). Não será encontrado na terra, um povo mais santo que este que recebeu em seu coração a doutrina da justiça de Cristo. Quando o crente diz: “Vivo somente em Cristo, descanso nEle completamente para a minha salvação e creio que, embora seja indigno, estou salvo em Jesus”, o seguinte pensamento surge como um motivo de gratidão: “Não viverei para Cristo? Não O amarei e O servirei, visto que sou salvo pelos méritos dele?” “O amor de Cristo nos constrange… os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Coríntios 5.14-15). Se somos salvos pela justiça imputada, valorizaremos muito a concessão dela.

sábado, 30 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

A terra se encherá do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar
(Isaías 11:9).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 CRÔNICAS (Leia 2 Crônicas 2:1-10)

O relacionamento entre Salomão e Hirão, rei de Tiro, é representativo do relacionamento que Israel terá com as nações do mundo durante o milênio. Isso acontecerá quando a terra se encher "do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar. Naquele dia, recorrerão as nações à raiz de Jessé que está posta por estandarte dos povos; a glória lhe será a morada" (Isaías 11:9-10).
Em seu amor pela casa de Deus, Davi, além de tudo o que havia preparado, também reuniu trabalhadores para realizar a obra (v. 7; 1 Crônicas 22:15-16). Assim é com a obra do Senhor hoje em dia. Ele exige que os servos sejam cuidadosamente preparados para qualquer tarefa necessária. Começar algo precipitadamente pode ter como conseqüência um trabalho malfeito. Deus, que estabelece as tarefas, também chama e treina os obreiros para executá-las. O trecho de Efésios 2:10 nos lembra de que "somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas".

Devocional Diário CHARLES SPURGEON


Versículo do dia: “E há de ser que, ouvindo tu um estrondo de marcha pelas copas das amoreiras, então, te apressarás.” (2 Samuel 5.24)
Os membros do corpo de Cristo devem se mostrar bastante dispostos a orar, sempre procurando que a unção do Santo descanse no coração deles, que venha o reino de Cristo e que a vontade de Deus seja feita, “assim na terra como no céu” (Mateus 6.10). Há tempos em que Deus parece favorecer, de modo especial, a Sião. Tais ocasiões devem ser para os crentes como “um estrondo de marcha pelas copas das amoreiras”. Devemos ser duplamente dedicados à oração e duplamente zelosos, lutando mais junto ao trono da graça do que o temos feito. A ação deveria ser imediata e vigorosa. A maré está subindo; nademos corajosamente até à praia.
Oh! que tenhamos um derramamento do Pentecostes e realizações semelhantes às do Pentecostes! Crente, em você mesmo, há épocas em que escuta “um estrondo de marcha pelas copas das amoreiras”. Você desfruta de um poder especial na oração. O Espírito de Deus lhe proporciona alegria e felicidade. As Escrituras lhe são esclarecidas; e as promessas, aplicadas. Você anda na luz da face de Deus; tem uma liberdade peculiar na devoção e comunhão mais íntima com o Senhor Jesus do que costumava ter. Ora, nessas épocas cheias de regozijo quando você escuta “um estrondo de marcha pelas copas das amoreiras”, é tempo de levantar-se. É tempo de livrar-se de qualquer hábito mau, enquanto o Espírito de Deus o assiste em suas imperfeições. Ice suas velas, mas lembre-se do que algumas vezes você canta – “eu posso apenas içar as velas; O Senhor! O Senhor! Precisa soprar o bom vento”. De qualquer forma, certifique-se de que as velas estão abertas. Não perca o vento por estar despreparado para recebê-lo. Busque a ajuda de Deus, assim poderá ser mais zeloso no trabalho, à medida que fica mais firme na fé; ore mais constantemente, à medida que tiver mais acesso ao trono; seja mais santo em seus relacionamentos, à medida em que vive mais próximo a Cristo.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens
(Tito 2:11).

O DEVOCIONAL DE PAREDE

Minha esposa e eu andávamos por um cemitério. Longe da agitação onde as conversas cotidianas acontecem. Um casal, não parecendo bem sociável, se aproximou de nós. A graça de Deus se manifestou na pessoa do Senhor Jesus Cristo, mesmo para aqueles que estão "à margem da sociedade", como se diz.
Eu comecei a falar com o homem: "Posso oferecer-lhe este panfleto cristão para ler? Ele claramente fala a respeito do evangelho". Ele me olhou com espanto: "Eu sou um cristão, também. Converti-me na prisão! Quando uma pessoa chega lá, começa a pensar mais a sério, acredite em mim! Eu não pegava emprestado livro nenhum da biblioteca da prisão, exceto a Bíblia. Agora tenho fé em Jesus Cristo, que morreu pelos meus pecados".
No decorrer da nossa conversa, ele mencionou onde ele passou o tempo de sua sentença. "O quê!" Exclamei. "Foi lá que você esteve? Então você conheceu o capelão dessa prisão". ? "É claro. Ele era meu conselheiro". ? "Eu o conheço pessoalmente", disse eu e acrescentei: "Todo ano ele cuida para que muitos ​​calendários devocionais destacáveis sejam pendurados nas celas". ? "E um deles esteve pendurado na minha cela; eu o lia a cada dia", afirmou ele.
Continuamos conversando cheios de alegria e louvor sobre a graça de Deus. Antes de nos separarmos, eu falei com sua companheira. Então ele disse com tristeza: "Ela não conhece a Jesus como Salvador".

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: “Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem.” (2 Coríntios 4.18)
Em nossa peregrinação cristã, é bom, na maior parte da jornada, que olhemos adiante. À frente, estão a nossa coroa e o nosso alvo. Quer seja para obtermos esperança, ou alegria, ou consolação, ou inspiração para o nosso amor, o futuro tem de ser o grande objeto dos olhos da fé. Contemplando o futuro, vemos o pecado removido, o corpo de pecado e morte destruído, a alma perfeita e preparada para ser participante da herança dos santos na luz (ver Colossenses 1.12).
Além disso, ao contemplar o futuro, os olhos iluminados do crente podem ver o rio da morte como algo superado, a melancólica travessia deixada para trás e as já alcançadas colinas de luz, nas quais se encontra a cidade celestial. Ele vê a si mesmo entrando pelas portas de pérolas, aclamado como alguém mais do que vencedor, coroado pelas mãos de Cristo, recebido nos braços de Jesus, glorificado juntamente com Ele. Contemplando o futuro, o crente vê a si mesmo sendo assentado com Jesus em seu trono, assim como Ele venceu e assentou-Se no seu trono, à direita de seu Pai. O pensamento deste futuro pode aliviar as trevas do passado e a melancolia do presente. As alegrias do céu compensarão as tristezas da terra. Este mundo é apenas uma morada temporária e logo passará. O tempo, quão breve; a eternidade, quão longa! A morte, quão breve; a imortalidade, quão infinita! O caminho é tão curto! Logo, eu estarei lá.
Quando ao mundo meu coração está preso com sua pesada tempestade de cuidados. Meus prazerosos pensamentos sobem ao céu Achando refugio nesse desespero.
Brilhantes visões de fé me sustentam Até que passe a peregrinação,
Medos fustigam, problemas maltratam, mas o lar, afinal, os salvos alcança

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Mas este, havendo oferecido um único sacrifício pelos pecados, está assentado para sempre à destra de Deus... Porque, com uma só oblação, aperfeiçoou para sempre os que são santificados
(Hebreus 10:12, 14).

"ESTÁ CONSUMADO"

O brado do Salvador: "Está consumado", como é relatado no Evangelho (João 19:30), anuncia a salvação completa: o problema do relacionamento do homem pecador com o santo Deus finalmente foi tratado na cruz.
No entanto, outra confirmação nos é dada: Deus ressuscitou Jesus dos mortos, atestando, assim, a Sua perfeita satisfação com a obra de expiação do Senhor na cruz. Do lado de Deus, tudo foi realizado. Ele tem dado provas incontestáveis ​​disso, a salvação tem sido pregada entre os homens e aguarda a sua resposta. Agora, cada um de nós deve perguntar: "Qual é a minha resposta?"
É duvidar, às vezes parecendo como humildade, mas em última instância, sendo desconfiança de Deus?
É orgulho, recusando-se a submeter à vontade de Deus?
É a minha resposta, possivelmente, a presunção de que posso convencer Deus de minhas boas intenções e esforços, como se a obra de Cristo não fosse boa o suficiente?
É a indiferença? Estando totalmente ocupado com os problemas do momento, muitas pessoas perderam todo o senso de culpa diante de Deus e adiam tomar uma decisão, não querendo se submeter.
Ou é a fé genuína que aceita o que Deus diz a respeito de nós, assim como o que Ele diz de Cristo, uma fé que se submete a Deus e traz à tona graças e adoração?

Devocional Diário CHARLES SPURGEON


Versículo do dia: “Perfeito em Cristo.” (Colossenses 1.28)
Em sua alma, você sente que lhe falta a perfeição? O dia-a-dia lhe mostra isso? As lágrimas que brotam de seus olhos choram imperfeição. Todo suspiro que irrompe de seu coração sussurra imperfeição. Toda palavra grosseira que procede de seus lábios resmunga imperfeição. Com muita frequência, você tem visto em seu coração a confirmação de que não pode sonhar com um momento sequer de perfeição em você mesmo. Todavia, em meio a esta triste consciência de sua imperfeição, eis uma palavra de consolo – você é perfeito em Cristo (ver Colossenses 2.10). Aos olhos de Deus, você é completo nEle. Agora mesmo, você é aceito no Amado.
Entretanto, existe uma segunda perfeição, ainda a se realizar, que está prometida a toda a descendência. Não é agradável esperar pelo tempo em que todo vestígio de pecado será removido do crente e ele será apresentado inculpável diante do trono de Deus, sem mácula, rugas ou coisas semelhantes (ver Efésios 5.27)? Naquele tempo, a Igreja será tão pura, que nem mesmo os olhos da Onisciência contemplarão qualquer mancha ou culpa em seus membros. Ela será tão santa e gloriosa que Hart não terá afirmado mais que a verdade, quando disse: “Usando as vestes de meu Salvador, serei santo como o Santo”. E conheceremos e experimentaremos a felicidade expressa nesta pequena mas profunda sentença -completos em Cristo. Até àquele tempo, não compreenderemos plenamente as dimensões da salvação em Cristo. Seu coração não salta de felicidade diante deste pensamento? Mesmo sujo como você é neste momento, lá você será limpo. Oh, que salvação maravilhosa! Cristo transforma um verme num anjo; Ele toma uma coisa suja e deformada e transforma-a em algo limpo e incomparável em glória, inigualável em beleza e pronta para viver na companhia dos anjos. Ó minha alma, levante-se e admire esta bendita verdade sobre a perfeição em Cristo.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim
(João 12:32).

A EXPRESSÃO DO AMOR DE DEUS

Michelangelo Buonarroti (1475 - 1564), um dos maiores artistas da cultura ocidental, um pintor, escultor e arquiteto, deixou um número magistral de poemas para a posteridade. Em seu último soneto ele esboça o balanço de sua vida com 80 anos de idade. Ele compara a sua vida a uma viagem num barco sacudido por um mar agitado. Ele está ciente de que no seu destino, deverá prestar contas de todos os seus atos.
Michelangelo sabia que sua dedicação à arte não poderia ajudá-lo nesta questão. Então, ele olha para frente e termina com as palavras: "Pintura e escultura não promovem a salvação da alma, mas apenas se voltando para o amor de Deus que nos recebe na cruz com os braços abertos".
A promessa dada no versículo de hoje é a base aqui, pois o levantar da terra refere-se à crucificação do Salvador.
A consciência de Michelangelo de que os próprios feitos não dão nenhuma justificativa no julgamento de Deus é indispensável para todos. Só voltando-se para Aquele que suportou a punição pelos pecados no Calvário pode "trazer a salvação da alma", ou seja, trazer o perdão da culpa e a vida eterna.
Os braços estendidos do Crucificado são a mais impressionante expressão do amor de Deus. Deus não quer que o homem pereça. Ele o chama de volta à comunhão com Ele e quer recebê-lo como Seu filho.
O Senhor Jesus testificou de Si mesmo: "E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:14-15).

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versiculo do dia: “Todos nós temos recebido da sua plenitude.” (João 1.16)
Estas palavras nos dizem que existe plenitude em Cristo. Existe uma plenitude de Deidade, pois nEle habita a plenitude da Divindade. Em Cristo, existe plenitude de humanidade perfeita, pois nEle a Divindade se manifestou corporalmente (ver Colossenses 2.9). Existe plenitude de eficácia expiatória no sangue de Cristo, pois “o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado” (1 João 1.7). Existe plenitude de retidão justificadora na vida de Cristo, porque “nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8.1). Há plenitude de preponderância divina em seu apelo, pois, Ele é poderoso para “salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” (Hebreus 7.25). Existe plenitude de vitória na morte de Cristo, visto que, por meio da morte, Ele destruiu aquele que tem o poder sobre a morte, ou seja, o diabo (Hebreus 2.14). Existe plenitude de eficácia em sua ressurreição dentre os mortos, pois, por meio dela, Deus “nos regenerou para uma viva esperança” (1 Pedro 1.3). Existe plenitude de triunfo na ascensão de Cristo, porque “quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e concedeu dons aos homens” (Efésios 4.8; ver também Salmos 68.18). Há abundância de bênçãos de todos os tipos: plenitude de graça para perdoar, graça para regenerar, graça para santificar, graça para preservar, graça para aperfeiçoar. Plenitude em todas as épocas: de consolo na aflição e de orientação na prosperidade. Plenitude em cada atributo divino – de sabedoria, de poder, de amor. Existe plenitude impossível de ser perscrutada ou explorada. “Porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude” (Colossenses 1.19). Oh, quão abundante deve ser Aquele de quem todos recebem bênçãos! Certamente, existe plenitude onde a fonte está sempre jorrando, tão livre, rica e cheia em todo tempo. Peça amplamente e receberá amplamente, pois esta plenitude é inexaurível, está guardada onde os necessitados podem alcançá-la – em Jesus, Emanuel, “Deus conosco” (Mateus 1.23).

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis
(1 Coríntios 9:24).

RENUNCIANDO PARA ALCANÇAR

Se os cristãos realmente desejam servir ao seu Senhor, o seu estilo de vida não pode ser comparado a um passeio. Paulo usa a ilustração de uma corrida extenuante. Em eventos esportivos é apenas o vencedor que recebe o prêmio. Personalidades do esporte devem se empenhar e renunciar a muitas coisas. Eles não podem permitir que quaisquer obstáculos prejudiquem o seu desempenho. Agora, na arena da fé, cada cristão pode obter o prêmio. No entanto, tudo deve ser feito sem distração e sem impedimentos.
Para manter a ilustração, o que pode se revelar um obstáculo para um cristão nesta corrida não são doenças ou outros problemas, nem mesmo a resistência do mundo. Há obstáculos que surgem a partir de nossa conduta despreocupada. Este é o perigo referido aqui.
Paulo estava sempre consciente de que estava correndo em uma arena. Ele tinha em mente a linha de chegada. E quando desferia um golpe (o versículo 26 se refere ao boxe), ele não esmurrava o ar. Ele estava pronto para suportar as dificuldades na obra de Deus. Ele nunca permitiu que seu corpo (aqui visto como o ápice do desfrute natural na vida) fizesse qualquer exigência que pudesse dificultar a maneira com a qual desempenhava suas funções, mas trazia seu corpo em sujeição.
Uma coroa incorruptível de vencedor nos aguarda. Esse é o reconhecimento de nosso Senhor: "Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor" (Mateus 25:21). Deus nos estimula: "Correi de tal maneira que o alcanceis". Estamos dispostos a rejeitar "deveres" ou prazeres que consomem nosso tempo? Seremos capazes de fazê-lo se mantivermos o alvo em mente e o prêmio em 

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: “Vosso Pai celeste.” (Mateus 6.26)
Sem dúvida alguma, o povo de Deus é duas vezes filho de Deus: são a descendência de Deus por criação e filhos dele por adoção, em Cristo, Por isso, desfrutam do privilégio de chama-Lo “Pai nosso, que estás nos céus” (Mateus 6.9).
Pai… Que palavra preciosa! Ela expressa autoridade. “Se eu sou pai, onde está a minha honra?” (Malaquias 1.6). E se vocês são filhos, onde está sua obediência? Nesta palavra, encontramos afeição mesclada com autoridade – uma autoridade que não provoca rebeldia; uma obediência exigida que Lhe deve ser prestada com muita alegria. A obediência que os filhos de Deus manifestam tem de ser uma obediência de amor. Não realize a obra de Deus como os escravos fazem o trabalho de seu senhor; siga o caminho dos mandamentos de seu Senhor porque é o caminho de seu Pai. Ofereçam seus corpos como instrumentos de santidade (ver Romanos 6.13), porque esta é a vontade de seu Pai. A vontade dele tem de ser a vontade de seus filhos.
Pai… este é um atributo majestoso tão coberto de amor que a coroa é esquecida, devido à visão do rosto do Rei. O seu cetro não mais é uma barra de ferro, mas um cetro de prata de misericórdia; este também é esquecido por conta da terna mão que o empunha. Pai! Esta palavra expressa honra e amor. Quão grande é o amor de um pai por seus filhos. Aquilo que a amizade não consegue e que a simples benevolência não alcança, isso mesmo o coração e a mão de um pai realizará por seus filhos. Os filhos são a descendência do pai, que tem de abençoá-los. Eles são filhos aos quais ele se mostrará forte em defendê-los. Se um pai terreno cuida de seus filhos, com incessante amor e atenção, quanto melhor o faz nosso Pai celestial. “Aba, Pai!” Aquele que pode proferir estas palavras entoa uma música que nem mesmo os querubins e serafins são capazes de entoar. Existe um céu na profundidade desta palavra – Pai! Nela se encontram tudo que eu pedir, tudo que minhas necessidades demandam, tudo que possa desejar. Tudo eu tenho agora e o terei por toda eternidade quando posso dizer: “Pai”.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal
(2 Coríntios 5:10).

UMA SÓ VEZ, DEPOIS...

Será que você entraria voluntariamente em um tribunal para ouvir uma longa lista de todos os seus erros cometidos lidos em voz alta? Você protestaria quando o juiz, então, proferisse uma devida sentença que você deveria cumprir?
Agora você pode dizer que tal coisa nunca aconteceria na vida real. No entanto, tendo em vista o julgamento de Deus, é exatamente isso que vai acontecer com inúmeras pessoas, e poucos de nós podem afirmar que nunca foram avisados.
A Palavra de Deus afirma categoricamente que todos nós devemos comparecer perante o tribunal de Cristo ? os salvos para avaliação e os incrédulos no grande trono branco, segunda fase desse juízo. Ninguém é excluído. E não é a nossa própria avaliação das ações da nossa vida, que terá qualquer peso diante do Juiz divino, mas o registro que Ele terá diante de Si (veja Apocalipse 20:12-13). O juiz será Aquele designado por Deus para este ofício, o Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus (veja Atos 17:31).
Você não irá a este julgamento final de boa vontade, mas você definitivamente vai estar lá: "Aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso, o juízo" (Hebreus 9:27) Além disso, a evidência apresentada contra você será tão flagrante que protestar será inútil. Até Jó sabia que não se podia responder a Deus "nem a uma de mil" (Jó 9:3).
Deus mesmo deseja lhe poupar dessa provação. Aceite a salvação em Cristo antes que seja tarde demais!

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: “Celebrarei as benignidades do SENHOR e os seus atos gloriosos, segundo tudo o que o SENHOR nos concedeu.” (Isaías 63.7)
Você pode fazer isso? Existem misericórdias que você tem experimentado? Mesmo que, no momento, você esteja melancólico é possível esquecer aquela hora abençoada quando Jesus o encontrou e disse: “Venha a mim”? Você pode não se lembrar daquela ocasião arrebatadora, quando Ele rompeu seus grilhões, lançou fora suas correntes e disse: “Eu vim para acabar com sua escravidão e libertá-lo”? Ou, se você tiver deixado esfriar o amor do seu relacionamento com Cristo, com certeza, deve haver alguns marcos preciosos na estrada da vida, não cobertos por musgos, nos quais você pode ler um feliz memorial das misericórdias que o Senhor lhe manifestou. Você já esteve doente e foi restaurado por Ele? Passou necessidade e foi suprido por Ele? Esteve em aflição, e Ele o livrou? Levante-se! Vá até ao rio das experiências que viveu, arranque alguns juncos, entrelace-os e faça uma cesta, onde sua fé infante possa, nas águas, flutuar seguramente. Não esqueça o que Deus tem feito por você.
Abra o seu livro de recordações e pense nos dias passados. Você pode não se lembrar dos tempos de refrigério? Esqueceu as maiores experiências? Já recebeu ajuda em tempos de necessidade? Creio que sim. Recorde as misericórdias especiais de ontem. Embora as circunstâncias de hoje pareçam obscuras, acenda as luzes do passado. Elas resplandecerão por entre as trevas, e você confiará no Senhor, até que o dia amanheça e as sombras desapareçam (ver Cântico dos Cânticos 2.17). “Lembra-te, SENHOR, das tuas misericórdias e das tuas bondades, que são desde a eternidade” (Salmos 25.6

domingo, 24 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito
(João 19:30).

JESUS CRISTO NA CRUZ

Estamos bem familiarizados com esse cenário por meio de muitas figuras e descrições: Jesus Cristo pendurado na cruz do Calvário. Seus inimigos o arrastaram para lá, querendo tirá-Lo do caminho. Eles viram sua supremacia ameaçada. Agora podiam deleitar seus olhos em Seus sofrimentos, sem saber que, na verdade, estavam testemunhando um evento de importância extraordinária.
Jesus Cristo não foi crucificado, simplesmente pela exigência de uma multidão excitada, sedenta de uma sensação. Tampouco Sua morte foi o resultado do trabalho sanguinário dos brutais soldados romanos. Isso aconteceu de acordo com o conselho de Deus, com o qual Jesus Cristo concordou. Quem ouve tal coisa pela primeira vez provavelmente reage com espanto. Ninguém, nem mesmo os verdadeiros crentes, podem compreender este tremendo fato. É, e continua a ser, um milagre do incompreensível amor de Deus.


O Senhor tinha falado muitas vezes sobre Sua morte. E, por fim, falou disso na instituição da Ceia, Ele daria a Sua vida e o Seu sangue pelos Seus. Embora ninguém entendesse estas palavras, algumas horas mais tarde elas se tornaram realidade. Jesus Cristo foi castigado por Deus na cruz por causa do homem culpado. Ele teve de suportar o juízo de Deus no lugar daqueles que haviam se rebelado contra Deus. O sangue de Cristo fluiu para trazer expiação para os transgressores. O brado "Está consumado!" é nada menos que o triunfo do Redentor, e tem amplas consequências para quem se apropria da obra de Cristo para si mesmo.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON


Versículo do dia: “Ele te livrará do laço do passarinheiro.” (Salmos 91.3)
Deus livra o seu povo do laço do passarinheiro em dois sentidos: do laço e para fora dele. Em primeiro lugar, Deus os livra do laço – não permitindo que seu povo entre nele. Em segundo lugar, se eles forem apanhados no laço, Deus os remove para fora dele. A primeira promessa é para alguns a mais preciosa, e para outros, a segunda é a melhor. “Ele te livrará do laço do passarinheiro”. De que maneira? Frequentemente, a aflição é o meio pelo qual Deus nos tira do laço. Deus sabe que nosso desvio culminará em nossa ruína e, em sua misericórdia, nos envia a correção. Nós dizemos: “Senhor, por que isso está acontecendo?” – sem saber que o problema que enfrentamos é o meio pelo qual somos libertos de um mal pior. Assim, muitos têm sido salvos da ruína graças a aflições e cruzes; estas têm afugentado os pássaros das redes.
Em outras ocasiões, Deus guarda o seu povo do laço do passarinheiro, dando-lhes vigor espiritual, de modo que, ao serem tentados, eles podem dizer: “Como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus?” (Gênesis 39.9). Mas, quão bendito é o fato de que, se o crente, ao passar por tempos difíceis, cai no laço, Deus o remove de lá!
Ó crente enlaçado, sinta-se abatido, mas não entre em desespero. Embora tenha sido errante, ouça o que diz o seu Redentor: “Voltai, ó filhos rebeldes, eu curarei as vossas rebeliões” (Jeremias 3.22). Talvez você diga que não pode retornar, visto ter se tornado cativo. Então escute a promessa: “Certamente Ele o livrará do laço do passarinheiro”. Você ainda será tirado de todo o mal em que caiu. Arrependa-se de seu caminho. Aquele que o amou não o lançará fora. Ele o receberá e lhe dará alegria e felicidade. Então: “Que exultem os ossos que esmagaste” (Salmos 51.8). Nenhum pássaro do Paraíso morrerá no laço do passarinheiro.

sábado, 23 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

E Salomão, filho de Davi, se esforçou no seu reino; e o SENHOR, seu Deus, era com ele e o magnificou grandemente
(2 Crônicas 1:1).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 CRÔNICAS (Leia 2 Crônicas 1:1-17)

Logo após a morte de Davi, somos imediatamente apresentados ao reinado do grande Salomão. O nome Salomão significa "o pacífico" e atrai nossa atenção a Cristo, o "Príncipe da paz" (Isaías 9:6), cujo reino vindouro é retratado de maneira belíssima nas passagens e relatos que veremos em seguida. Observemos que tais capítulos tratam principalmente do reino e da adoração terrena do Messias de Israel. No entanto, em mais de uma ocasião, nossos pensamentos serão dirigidos, por analogia ou contraste, à Igreja e sua Cabeça.
O pedido que o Senhor discerne no coração do jovem rei é o mesmo feito por Paulo em favor dos efésios. O apóstolo faz menção deles em suas orações para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, lhes desse espírito de sabedoria e revelação no pleno conhecimento dele e lhes iluminasse os olhos do entendimento (Efésios 1:16-18).
"Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem a inteligência e o entendimento", escreveu Salomão em Provérbios 2:6. Que tenhamos o mesmo desejo de possuir a sabedoria do alto e a peçamos Àquele "que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera" (Tiago 1:5).

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: “Do meio do povo, exaltei um escolhido.” (Salmos 89.19)
Por que Cristo foi escolhido do meio do povo? Fala, coração meu, pois estes pensamentos do coração são bons. Não foi para que Ele pudesse ser nosso irmão nos melhores laços de parentesco? Oh! Que relacionamento existe entre o crente e o Senhor Jesus! O crente pode dizer: “Tenho um irmão no céu. Talvez eu seja pobre, meu irmão, porém, é riquíssimo -Ele é um Rei. Ele me permitirá sofrer necessidade, enquanto estiver em seu trono? Oh! Não! Ele me ama; é meu irmão.” Crente, aprecie este pensamento como um colar de diamantes ao redor do pescoço de sua memória. Como um anel de ouro, coloque-o no dedo de sua lembrança e use-o como o selo do próprio Rei, marcando as petições feitas com fé, junto à crença no sucesso. O Senhor Jesus é um irmão, nascido para a adversidade, trate-O como esse tipo de irmão.
Cristo também foi escolhido do meio do povo para que conhecesse nossas necessidades e simpatizasse conosco. Ele foi “tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado” (Hebreus 4.15). Em todas as nossas tristezas, podemos contar com a simpatia do Senhor Jesus. Tentação, desapontamento, fraqueza, dor, fadiga, pobreza – Ele os conhece bem, pois sentiu todas essas coisas. Crente, lembre-se disso e sinta-se confortado. Embora a sua jornada seja árdua e dolorosa, ela está marcada pelas pisadas de seu Senhor. Mesmo quando você chegar ao vale escuro da sombra da morte e às águas profundas do Jordão, encontrará as pisadas de Jesus ali. Em todos os lugares, onde quer que cheguemos, por ali Ele já terá passado; cada fardo que temos de suportar já foi, uma vez, colocado sobre os ombros de Emanuel.
O caminho dEle foi muito mais tosco e escuro que o meu. Cristo, meu Senhor, sofreu, e devo eu resmungar?
Encoraje-se! Os pés de um Rei deixaram um rastro de sangue no caminho e consagraram a jornada de espinhos para sempre.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo
(Romanos 5:1).

DEUS MESMO GARANTE ISSO EM SUA PALAVRA

A paz com Deus não é simplesmente um sentimento de felicidade. Se assim fosse, seria de pouquíssimo valor. É muito, muito mais. É um dom maravilhoso de Deus, que é independente de nossos sentimentos vacilantes.
Toda pessoa honesta que buscar a salvação, que descansa pela fé na perfeita salvação em Jesus Cristo, recebe a paz com Deus. Pecado e julgamento não são mais um problema não resolvido entre ela e Deus. Deus mesmo resolveu o problema de uma maneira digna dEle.
Quem já experimentou isso pode dizer: "Tudo o que me separava de Deus, tem sido resolvido de uma vez por todas. Eu agora pertenço ao Senhor Jesus Cristo, de quem a Escritura diz: 'havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz' e 'Ele é a nossa paz' (Colossenses 1:20, Efésios 2:14). Portanto, tenho paz com Deus".
Deus mesmo garante isso em Sua Palavra. Lemos isso no versículo do cabeçalho desta folhinha. Porque Jesus Cristo, Seu Único Filho, sofreu a morte expiatória, Deus pode agora mostrar Sua justiça, perdoando nossos pecados. A obra de propiciação de Cristo é um fato consumado.
Da mesma forma, Cristo ressuscitou dentre os mortos e está à destra de Deus para nossa justificação. Assim Deus testifica que Ele está totalmente satisfeito com a obra redentora de Cristo. Deus foi a parte ativa. Assim, a paz com Deus é baseada unicamente nEle e em Sua Palavra.
Hoje todo aquele que crê em Jesus Cristo e em Sua obra de expiação realizada no Calvário recebe esta paz.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: “Filho do homem, por que mais é o sarmento de videira que qualquer outro, o sarmento que está entre as árvores do bosque?” (Ezequiel 15.2)
Estas palavras foram proferidas a fim de humilhar o povo de Deus. Eles são chamados a videira de Deus. Entretanto, o que são eles, por natureza, mais que os outros? Pela graça de Deus, eles se tornaram frutíferos, pois foram plantados em bom solo. O Senhor os faz crescer, subindo pelas paredes do santuário e eles produzem fruto para a glória dele. Mas, o que são eles sem o seu Deus? O que seriam sem a contínua influência do Espírito Santo tornando-os frutíferos?
Ó crente, aprenda a rejeitar o orgulho, reconhecendo que você não tem qualquer motivo para cultivá-lo. Não importa o que você é, nada existe que lhe dê razão para orgulhar-se. Quanto mais você têm, tanto mais está em débito para com Deus, e não deveria se orgulhar daquilo que o torna devedor. Considere a sua origem; pense no que você era! Medite no que você seria sem a graça de Deus. Olhe para si mesmo, para o seu presente estado. A sua consciência o reprova? Os seus milhares de atos irracionais não se dispõem à sua vista, não dizem que você é indigno de ser chamado filho de Deus? E se Ele o transformou numa nova pessoa, isso não lhe ensina que foi a graça de Deus que o tornou diferente? Você seria um grande pecador, se Deus não o tivesse transformado. Ó, você que é determinado no momento da verdade, saiba que seria igualmente determinado no momento do erro, se a graça não o tivesse alcançado. Portanto, não seja orgulhoso (embora você desfrute de um grande patrimônio – um amplo domínio da graça), visto que você não tem uma simples coisa que possa chamar sua, exceto o pecado e a miséria. Oh, estranha obsessão, que você, a quem todas as coisas foram emprestadas, pense em exaltar a si mesmo! Você é um pobre pensionista, dependente da generosidade de seu Salvador; você é aquele cuja vida finda, sem a fresca nascente de vida de Jesus, e mesmo assim é orgulhoso! Que vergonha, ó, vil coração!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Não vos virareis para os adivinhadores e encantadores; não os busqueis, contaminando-vos com eles
(Levítico 19:31).

CONFIÁVEL É A PALAVRA DE DEUS

A senhora é uma personalidade famosa, mas amargamente infeliz. Até mesmo a imprensa séria está ocupada com o caso dela. Os leitores descobrem que ela visita cartomantes. Convencida de sua confiabilidade, ela acha que vai conhecer o seu destino. Diz-se que ela sequer sabe a sua futura habitação. As pessoas da nossa época leem essas coisas com atenção, e a decepção está em alta.
Não é à toa: as pessoas nunca leem acerca desse inequívoco mandamento de Deus na Bíblia, e se leem, que atitude tomam a respeito? Porque os povos antigos buscaram a adivinhação e acreditavam nas estrelas mais do que em Deus, Ele pronunciou Seu juízo sobre eles e o executou (veja Isaías 47:8-15).
A Bíblia, este livro revelador com as muitas profecias que se cumpriram com precisão, tem mais a dizer sobre este assunto. O profeta continua com o aviso divino: "Enlouqueço os adivinhos; que faço tornar atrás os sábios e transtorno a ciência deles" (Isaías 44:25).
Quem procura declarações autorizadas sobre o futuro e padrões claros para sua vida, tem a fonte correta na Bíblia, a Palavra de Deus. Não apenas o aviso que acabamos de citar é confiável, mas também todas as outras profecias serão cumpridas: Deus é "quem confirma a palavra do seu servo e cumpre o conselho dos seus mensageiros" (Isaías 44:26).
Os verdadeiros crentes, portanto, confiam na Palavra de Deus, sabendo que os Seus mandamentos são justos e bons, e se deixam guiar por eles. Eles descansam na promessa do Senhor Jesus, que não entrarão em juízo, mas que Ele mesmo virá novamente para levá-los para a glória de Deus.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: “E, assim, todo o Israel será salvo.” (Romanos 11.26)
Quando Moisés cantou no Mar Vermelho, teve intensa alegria em saber que Israel estava seguro. Nem uma gota caiu daquele sólido muro de água até que o último dos eleitos de Deus tivesse plantado o pé em segurança na outra margem. Feita a travessia, as águas imediatamente retornaram ao seu lugar, mas não antes daquilo. Esta foi uma parte da canção de Moisés: “Com a tua beneficência guiaste o povo que salvaste” (Êxodo 15.13). No último tempo, quando os eleitos entoarão o cântico de Moisés, o servo de Deus, e o cântico do Cordeiro (ver Apocalipse 15.3), ocorrerá uma exaltação da obra de Jesus: “Não perdi nenhum dos que me deste” (João 18.9). No céu, não haverá nenhum trono vazio.
Pois toda a eleita raça ao redor do trono, reunida, abençoando o ministrar de sua graça, Fará a sua glória conhecida.
Todos aqueles que o Pai escolheu, todos aqueles que Cristo redimiu, todos aqueles que o Espírito chamou, todos os crentes no Senhor Jesus atravessarão com segurança o mar divisor. Nem todos estamos aportados seguramente ainda. “Parte da multidão atravessou o mar e outra parte atravessa agora.”
A linha de frente do exército já chegou à praia. Estamos marchando por entre as profundezas. Nestes dias, seguimos com ardor nosso Líder no meio do mar. Tenhamos bom ânimo. Em breve, os que estão atrás estarão onde já se encontram os da frente. O último dos eleitos logo terá atravessado o mar; então, será ouvida a canção de triunfo, quando todos estiverem em segurança. E se um deles estivesse ausente? Se um dos membros da família eleita do Senhor fosse lançado fora, isso causaria uma desarmonia eterna na canção dos redimidos e rompimento das cordas das harpas do Paraíso de forma que jamais seria possível retirar sons delas.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados
(Atos 3:19).

A PALAVRA É ARREPENDIMENTO!

O que, precisamente, é o arrependimento na mente de Deus, como ensina a Bíblia? Existem muitos mal-entendidos sobre esta questão. É o arrependimento meramente um exercício religioso? Consiste na tentativa de erradicar os pecados uma vez cometidos, através de orações ou boas ações?
Recentemente eu quis dar a uma jovem um folheto sobre este assunto. "Não, eu não preciso de arrependimento, eu tenho três pequenas crianças". Três crianças pequenas podem dar muito trabalho e causar problemas a uma mãe, até mesmo preocupações, mas isso pode compensar para o arrependimento? É possível equilibrar a conta de dívida com Deus através de nossos próprios esforços? Esse é o cerne da questão.
Quem está totalmente consciente do peso de sua culpa perante Deus, mesmo que não tenha cometido crimes graves? Basta um único pecado para justificar a condenação de Deus, e ninguém pode pagar por um único: o preço é muito alto, de fato, tão elevado que só Deus poderia pagá-lo. Nada vindo do homem pode satisfazer a Sua santidade.
Mas graças a Deus! Ele pagou o preço por meio de Jesus Cristo na cruz do Calvário. Arrependimento significa julgar a si mesmo diante de Deus, voltando-se para Ele e confessando a sua culpa em sincero remorso. Quem assim fizer, Deus pode direcioná-lo para o Único, Jesus Cristo, que é "a propiciação pelos nossos pecados" (1 João 2:2), e por pura graça cancelar a dívida. "Livra-o, que não desça à cova; já achei resgate" (Jó 33:24). O resgate foi pago pelo Senhor Jesus Cristo. Ele Se sacrificou, um resgate para todos os que nEle crêem.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: “Abel foi pastor de ovelhas.” (Gênesis 4.2)
Como pastor, Abel santificou seu trabalho para a glória de Deus e ofereceu um sacrifício de sangue em seu altar. O Senhor aceitou a Abel e a sua oferta. Este antigo exemplo de nosso Senhor é bastante claro e distinto. Assim como os primeiros raios de luz que colorem o Oriente na alvorada não revelam tudo, o exemplo acima também não revela tudo. Porém, sabemos por meio dos raios, que o sol está vindo. Quando contemplamos Abel, um pastor e sacerdote, oferecendo um sacrifício de aroma agradável a Deus, reconhecemos nosso Senhor, que apresenta ao seu Pai um sacrifício que Jeová aceita.
Abel foi odiado sem motivo por seu irmão; o Salvador experimentou esse mesmo ódio. O homem natural e carnal odiou o Homem aceito, no qual habitava o Espírito da graça, e não descansou até que o sangue do Homem aceito fosse derramado. Abel caiu e aspergiu com seu próprio sangue o seu altar e o seu sacrifício. De modo semelhante, o Senhor Jesus foi morto pela inimizade do homem, enquanto servia como sacerdote diante do Senhor. O Bom Pastor entregou a sua vida pelas ovelhas (ver João 10.11). Pranteemos ao vê-Lo morto pelo ódio da humanidade, tingindo os chifres de seu altar com seu próprio sangue. O sangue de Abel falou. O Senhor disse a Caim: “A voz do sangue de teu irmão clama da terra a mim” (Gênesis 4.10). O sangue de Jesus possui uma voz poderosa, e o seu eficiente clamor não é de vingança, e sim de misericórdia. Estar ao lado do altar de nosso Bom Pastor é precioso além de toda preciosidade vê-Lo sangrando, como sacerdote sacrificado, e depois ouvir seu sangue falando de paz a todo o seu rebanho, paz de consciência, paz entre judeus e gentios, paz entre o homem e o Criador ofendido, paz por toda eternidade aos homens lavados pelo sangue. Abel foi o primeiro pastor em ordem de tempo, mas o nosso coração sempre dará a Jesus a prioridade em ordem de excelência. Ó Grande Pastor de Ovelhas, nós, povo do teu pastoreio, Te bendizemos com todo o nosso coração, quando Te vemos morto por nós.

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Pela fé, Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, escolhendo, antes, ser maltratado com o povo de Deus do que por, um pouco de tempo, ter o gozo do pecado
(Hebreus 11:24-25).

DECIDINDO PELA FÉ

Moisés fez uma boa escolha ao virar as costas para a opulência e prazeres na corte de Faraó. Ele preferia ser pobre e estar com Deus do que ser um homem rico e respeitado sem Deus.
Hebreus 11 revela a razão desta escolha: "Pela fé Moisés? recusou". Ele renunciou a grandeza terrena e os tesouros do Egito pelo vitupério de Cristo. Se ele se deixado levar pela sabedoria mundana, teria feito uma escolha totalmente diferente: parecia mais desejável ? e lógico ? ser um filho da filha de Faraó do que ser mais um em uma multidão de pobres e desprezados escravos. Mas ele sabia pela fé que os israelitas, miseráveis e atormentados pela escravidão, eram o povo de Deus, que certamente os libertaria, conduzindo-os para a terra prometida.
Moisés resolutamente ficou do lado do povo de Deus. Deus sempre recompensa a fidelidade e a firmeza. Ao se tornar o líder desse povo, ele entrou em um relacionamento íntimo com Deus como nenhum outro ser humano em seu tempo desfrutou. Deus falou com ele "face a face, como qualquer fala com o seu amigo" (Êxodo 33:11).
Hoje também todo cristão constantemente se encontra em situações nas quais a fidelidade a Cristo e a firmeza de sua decisão por Ele são necessárias. Talvez você tenha recebido ofertas vantajosas que não pode aceitar se quiser seguir ao Senhor com fidelidade. Então se lembre de Moisés e se posicione firmemente do lado do Senhor, mesmo se você tiver de renunciar a alguma coisa ou privar-se de algo. Deus recompensará a sua decisão!

Devocional Diário CHARLES SPURGEON


Versículo do dia: “Busquei-o e não o achei.” (Cântico dos Cânticos 3.1)
Diga-me onde você perdeu a companhia de Cristo, e eu lhe direi o lugar mais provável onde poderá encontrá-Lo. Perdeu a Cristo em seu quarto, porque não O tem buscado em oração? Então, é ali que deve procurá-Lo e encontrá-Lo. Perdeu a Cristo por causa de pecado? Não encontrará a Cristo de nenhuma outra maneira, exceto por meio de abandonar o pecado e de buscar o Espírito Santo, para mortificar o membro em que habita a concupiscência. Perdeu a Cristo por negligenciar as Escrituras? Você tem de encontrá-Lo nas Escrituras.
É verdadeiro o ditado: “Procure algo onde você o perdeu e ali o achará”. Procure a Cristo onde você O perdeu. Ele não foi embora. Retornar a Cristo é um trabalho duro. John Bunyan nos conta que o Peregrino considerou muito árdua a parte do caminho de volta até a árvore agradável, onde ele havia perdido o seu rolo selado. Avançar trinta quilômetros é melhor do que retornar um quilômetro e meio em busca de evidências perdidas. Tenha o cuidado de, ao encontrar o seu Senhor, apegar-se a Ele com intimidade. Mas como você o perdeu? Alguém pode ter pensado que você nunca se afastaria de um Amigo tão precioso, cuja presença é doce, cujas palavras são consoladoras. Como você pôde não ter mantido os olhos nEle o tempo todo, pelo temor de perdê-Lo de vista? Entretanto, embora O tenha deixado ir; é sinal de misericórdia, o fato de você O estar procurando. Apesar de gemer pesarosamente: “Ah! Se eu soubesse onde poderia achá-Lo!” Continue, visto que é perigoso ficar sem o seu Senhor. Sem Cristo, você é como uma ovelha sem pastor; como uma árvore sem água nas raízes; como uma folha seca numa tempestade – sem ligação com a árvore que lhe daria vida. Busque-O com todo seu coração, e você o achará. Empenhe-se de forma completa nesta busca e, verdadeiramente, para sua alegria, O descobrirá.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Pois quanto o céu está elevado acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem. Quanto está longe o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões
(Salmos 103:11-12).

NO SÓTÃO

Martina teve uma educação cristã, mas depois ela levou a sua vida de acordo com os padrões do mundo e não de acordo com a vontade de Deus. Vinte anos separada de Deus; 20 anos desperdiçados! Ela havia experimentado adultério, divórcio e até prisão.
Mas um dia ela descobriu uma Bíblia, no sótão. Ela certamente não tinha pensado em procurar Deus, mas uma coisa é certa: Ele a procurou. Martina abriu o livro e o leu por acaso, como ela pensou: "Ai dos filhos rebeldes, diz o SENHOR, que tomaram conselho, mas não de mim! E que se cobriram com uma cobertura, mas não do meu Espírito, para acrescentarem pecado a pecado!" Essa foi a sua própria história! Ela continuou a ler: "Em vos converterdes e em repousardes, estaria a vossa salvação; no sossego e na confiança, estaria a vossa força, mas não a quisestes." Em seu coração, ela gritou: "Senhor, eu quero!", continuou a ler: "Certamente, se compadecerá de ti, à voz do teu clamor; e, ouvindo-a, te responderá" (Isaías 30:1, 15, 19).
Martina fez uma pausa para ler estas palavras extraordinárias, mais uma vez. E no sótão, ela recebeu o perdão que Deus concede a todos os que confessam a Ele os pecados de sua vida e confiam no Senhor Jesus pela fé.
O perdão de Deus é perfeito, final e incondicional para todos os que se voltam para Ele.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON


Versículo do dia: “Portanto, resta um repouso para o povo de Deus.” (Hebreus 4.9)
O estado do crente no céu será muitíssimo diferente do seu estado neste mundo. Aqui, ele nasce para trabalhar arduamente e sofrer fadiga. Na terra da imortalidade, a fadiga é desconhecida. Desejando muito servir o seu Senhor, o crente percebe que suas forças não correspondem ao seu zelo. Seu clamor constante é: “Ajuda-me a servir-te, ó meu Deus”. Se o crente se mostrar ativo, ele terá muito trabalho a realizar, não muito para a sua vontade, porém mais do que o bastante para suas energias. Por isso, ele clamará: “Não estou cansado do trabalho, e sim no trabalho”.
Crente, o árduo dia de fadiga não durará para sempre. O sol está se aproximando do horizonte. Ele despontará novamente, em um dia mais resplandecente do que nunca, em uma terra onde os crentes servem a Deus, dia e noite, e, apesar disso, descansam de suas obras. Aqui o descanso é apenas parcial; lá, é perfeito. Aqui o crente sempre está inquieto; Ele sente que ainda não descansou. Lá tudo encontra-se em paz; já chegaram ao cume do monte. Ascenderam ao seio de seu Deus. Não há lugar mais alto para onde subir. Ó crente que trabalha a ponto de fatigar-se, pense tão-somente naquele tempo quando você descansará para sempre! Você pode imaginá-lo? É um descanso eterno. Aqui, minhas maiores alegrias trazem diante de si a perspectiva da morte, minhas formosas flores murcham, meu delicioso cálice é lançado aos detritos, os mais doces pássaros caem devido às flechas da Morte, os mais agradáveis dias passam a ser noites, e as ondas da minha felicidade precipitam-se na maré baixa da mágoa. Entretanto, lá, tudo é imortal. A harpa não se desgasta, a coroa permanece imarcescível, os olhos não se obscurecem, a voz não falha, o coração não hesita, e os seres imortais estão completamente envolvidos em deleite eterno. Será um dia felicíssimo aquele em que a mortalidade for absorvida pela vida (ver 2 Coríntios 5.4), e o descanso eterno começará!

domingo, 17 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Domingo 17 Janeiro
E aconteceu que, passados três dias, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. E todos os que o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas
(Lucas 2:46-47).

JESUS AOS DOZE ANOS DE IDADE

Os evangelhos apresentam o Senhor Jesus em situações muito diferentes. E nenhuma sombra cai sobre a Sua vida. Tudo o que Ele fez e disse era perfeito e suscita a nossa admiração.
O texto de hoje nos mostra Jesus como um menino de doze anos de idade no meio dos mestres da lei. Ele Se comportou de maneira normal para um garoto dessa idade, ou seja, escutar apenas, e não ensinar. No entanto, Suas perguntas revelaram compreensão, não ignorância.
Parece que os doutores Lhe fizeram algumas perguntas e as respostas dadas demonstraram um entendimento incomum para um rapaz de doze anos de idade. A surpresa foi tão grande que Seus ouvintes ficaram admirados ao extremo. Era claramente inconcebível para eles perceberem tal visão em uma pessoa tão jovem. Alguém tinha alguma idéia de quem Ele realmente era?
   Em seguida, lemos: "E desceu com eles [ou seja, Seus pais], e foi para Nazaré, e era-lhes sujeito. E sua mãe guardava no coração todas essas coisas. E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens" (vv. 51 e 52). Aquele que mais tarde viria a comandar o vento e as ondas se comportou como era apropriado para um menino de doze anos diante de seus pais e professores. Nisto também Ele é digno de nossa admiração e
respeito.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON


Versículo do dia: “Olhei, e eis o Cordeiro em pé sobre o monte Sião.” (Apocalipse 14.1)
O apóstolo João teve o privilégio de olhar no interior das portas do céu. Ao descrever o que ele viu, começou com estas palavras: “Olhei, e eis o Cordeiro”. Isto nos ensina que o principal objeto de contemplação no estado celestial é o “Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1.29). Nada mais atraiu a atenção do apóstolo, tanto como a pessoa daquele Ser divino, que nos redimiu por intermédio de seu sangue. Ele é o tema das canções dos espíritos glorificados e dos anjos santos. Crente, aqui está a alegria para sua vida; você olhou e viu o Cordeiro. Através de lágrimas, seus olhos viram o Cordeiro de Deus levando seus pecados. Alegre-se, então. Em breve, quando as lágrimas tiverem sido removidas de seus olhos, você contemplará o mesmo Cordeiro exaltado em seu trono.
A alegria de nosso coração consiste em manter comunhão diária com o Senhor Jesus. No céu, você terá este mesmo gozo, em nível mais elevado. Desfrutará da presença constante do Senhor Jesus. Habitará com Ele para sempre. “Olhei, e eis o Cordeiro!” Ora, esse Cordeiro é o próprio céu. Conforme disse Rutherford: “Cristo e o céu são a mesma coisa”. Estar com Cristo é o mesmo que estar no céu; estar no céu é o mesmo que estar com Cristo. Aquele prisioneiro do Senhor escreveu com muita doçura, em uma de suas maravilhosas cartas: “Ó meu Senhor Jesus Cristo, se eu pudesse estar no céu, sem que Tu estivesses ali, isso seria um inferno. E se seu pudesse estar no inferno, e Tu estivesses ali, isso seria um céu para mim, pois Tu és o céu que eu desejo”. Sim, é verdade, querido irmão; e a sua alma não diz o mesmo?
Nem todas as harpas do céu Podem um paraíso fazer,
Se Deus retirar sua presença, Ou sua face esconder.
Tudo o que você necessita para ser abençoado é “estar com Cristo” (ver Filipenses 1.23).

sábado, 16 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

[Davi] morreu numa boa velhice, cheio de dias, riquezas e glória
(1 Crônicas 29:28).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 1 CRÔNICAS (Leia 1 Crônicas 29:21-30)

Chegou o grande dia de festa, um verdadeiro marco na história do povo de Israel! Sacrifícios são oferecidos, as pessoas comem, bebem e se alegram na presença de Deus. Salomão, pela segunda vez, é proclamado rei e ungido ao Senhor. Ele se sentou "no trono do Senhor". A majestade e o domínio conferidos ao filho de Davi prenunciavam os mil anos quando Cristo reinará sobre toda a terra com a autoridade recebida de Deus.
A morte de Davi "em ditosa velhice, cheio de dias, riquezas e glória" (v. 28) encerra o primeiro livro das Crônicas, ao qual poderíamos dar o título que está em Isaías 55:3: "as fiéis misericórdias prometidas a Davi". A maneira que Paulo as menciona (Atos 13:34) nos mostra que elas se referem especialmente à ressurreição que Davi, homem de fé, aguarda junto com a multidão de santos que já dormiram no Senhor. Não só a morte, mas a vida inteira de Davi foi objeto da graça do próprio Deus. Também podemos alegrar-nos na graça assegurada a nós por Cristo, tanto no presente quanto no futuro. "E todos nós (não apenas Davi) recebemos também da sua plenitude, com graça sobre graça" (João 1:16).

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Versículo do dia: “Eu te ajudo, diz o SENHOR.” (Isaías 41.14)
Neste dia, ouçamos o Senhor Jesus falando a cada um de nós: “Eu ajudo você. Ajudá-lo é fácil para mim. Pense no que já fiz. Não o ajudei? Ora, eu o comprei com o meu sangue. Morri por você. Se já fiz as coisas maiores, não farei as menores? Falar com você é somente uma das menores coisas que posso fazer. Já fiz muito e ainda farei mais. Antes de o mundo existir, eu lhe escolhi. Fiz uma aliança em seu benefício. Por causa de você, deixei de lado a minha glória e me tornei homem. Dei a minha vida por você. E, se fiz tudo isso, certamente o ajudarei agora. Eu lhe darei aquilo que já conquistei por você. Se você precisasse de ajuda milhares de vezes, Eu a daria. Você pouco necessita em comparação com o que estou disposto a dar. Necessitar significa muito para você; dar não é difícil para mim. Ajudá-Lo? Não tema! Se houvesse uma formiga à porta de seu celeiro pedindo ajuda, não lhe arruinaria dar-lhe um punhado de seu trigo. Você não passa de um inseto à porta de minha infinita suficiência. Eu o ajudarei”.
Ó minha alma, isto não é o suficiente? Você precisa de mais força do que a onipotência da Trindade? Quer mais sabedoria do que a do Pai, mais amor do que o revelado pelo Filho e mais poder do que o manifestado nas influências do Espírito Santo? Traga até aqui a sua jarra vazia! Certamente esta fonte a encherá. Não perca tempo, junte suas necessidades e traga-as até aqui – seu vazio, suas tristezas, suas deficiências. Veja, este rio de Deus tem abundância para você. O que mais você pode desejar? Prossiga, minha alma, na força que tem. O Deus eterno é o seu ajudador!
Não temas: Estou contigo; Oh, não te deixes desanimar! Sou o teu Deus; e só por isso, Eu continuo a te ajudar!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Vemos... aquele Jesus... por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos
(Hebreus 2:9).

A GRAÇA DE DEUS E SUA BASE

Deus em Sua graça busca e salva o maior pecador. A graça não faz distinção entre pessoas aparentemente decentes e ladrões, adúlteros, mentirosos ou o que quer que seja (veja Romanos 3:22-24).
Enquanto nós nos consideramos decentes e bons, essa afirmação nos incomoda. Nós não podemos entender a graça deste tipo. "Como Deus pode mostrar graça e fechar os olhos para um mal tão grande? Isso certamente não é possível!"
Mas Ele não faz isso! A graça de Deus tem uma firme base e não omite nenhum pecado. Por que não? Porque Cristo, "pela graça de Deus", provou a morte por todos.
Deus não fecha os olhos para a realidade dos fatos. Ele conhece "os pecados do povo" (Hebreus 2:17). Para eles Cristo realizou a obra da expiação. O próprio Deus pronunciou a sentença para o pecado: a morte! Mas Cristo morreu por nós, vencendo o diabo por meio disso e libertando todos os crentes de seu poder (Hebreus 2:14-15).
Ele "provou a morte". A sentença foi executada nEle. Nós deveríamos ter sido julgados, mas Ele pagou a dívida. Cristo é "o Santo e o Justo" (Atos 3:14). Ele não precisava ter morrido. Mas Ele estava disposto a morrer por nós, e fez isso pela graça de Deus. Portanto, através da graça de Deus, todos, até mesmo ao maior pecador, pode ser oferecida e concedida a salvação completa de Deus.


Vale a pena refletir sobre as significativas palavras: "Pela graça de Deus, provasse a morte por todos".

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

Faze como falaste.” 2 Samuel 7.25
As promessas de Deus nunca foram dadas com o propósito de serem deixadas de lado. Deus tencionava que suas promessas fossem utilizadas. O ouro de Deus não é o dinheiro do avarento, mas é cunhado para que com ele sejam feitas trocas. Nada agrada mais nosso Senhor do que ver suas promessas em circulação. Ele tem prazer em ver seus filhos trazendo-as diante dele e dizendo: “Senhor, faze como falaste”. Glorificamos a Deus, quando Lhe suplicamos que cumpra suas promessas. Você pensa que Deus ficará, de algum modo, mais pobre por dar-lhe as riquezas que prometeu? Você imagina que Ele ficará menos santo após dar santidade a você? Imagina que Ele ficará menos puro após limpá-lo de seus pecados? Ele disse: “Vinde, pois, e arrazoemos… ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; (Isaías 1.18).
A fé toma posse da promessa do perdão; ela não se demora dizendo: “Esta é uma promessa preciosa, mas eu me pergunto se é verdadeira”. Pelo contrário, a fé se dirige diretamente ao trono da graça e reivindica: “Senhor, aqui está a promessa. Faze como falaste”. Nosso Senhor responde: “Faça-se contigo como queres” (Mateus 15.28). Quando o crente compreende uma promessa, se ele não a leva até Deus, desonra-O; mas quando ele se apressa ao trono da graça e clama: “Senhor, não tenho nada a meu favor, exceto isto: o Senhor falou”, então seu desejo estará garantido. Nosso Banqueiro Celestial se deleita em pagar suas próprias notas promissórias. Não deixe a promessa enferrujar-se: Desembainhe a promessa e use-a com santa intrepidez. Não pense que Deus ficará irritado por sua persistência em relembrá-Lo de suas promessas. Ele ama ouvir o clamor de almas necessitadas. Ele se deleita em conceder favores. Ele está mais disposto a ouvir do que você está disposto a pedir. O sol não se cansa de resplandecer, nem a fonte de jorrar. Faz par te da natureza de Deus o cumprir as suas promessas. Portanto, busque o seu trono imediatamente, dizendo: “Faze como falaste”.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Todo Dia Com Paz

Entre os deuses não há semelhante a ti, Senhor, nem há obras como as tuas
(Salmo 86:8).

NÃO HÁ DEUS COMO O SENHOR

Quando nos deparamos com a palavra "deuses" (no plural) na Bíblia, isso não significa que eles podem ser colocados ao lado do único e verdadeiro Deus. É geralmente uma comparação com algo que, entre as pessoas, goza da mais alta autoridade, com ou sem razão. Os juízes eram chamados de "deuses", como o Senhor Jesus Cristo confirmou (veja Salmo 82:6; João 10:34). Até mesmo as autoridades eleitas e os ídolos pagãos são assim chamados.
 Davi incluía aqui (vide versículo acima) influências e poderes de seus dias sob o termo "deuses" e os contrasta com o único e verdadeiro Deus. Sua conclusão é: "Não há semelhante a ti, Senhor". Ninguém procura o nosso bem ou demonstra tanto amor por nós; ninguém pode ajudar, ou está disposto a isso, como Ele. Ele é incomparável. "Nem há obras como as tuas". Aqui pensamos na criação, na qual o Seu eterno poder e divindade, são claramente vistos (veja Romanos 1:20).
Então consideramos o que Deus fez por nós em Seu Filho, Jesus Cristo: Ele nos amou tanto que O entregou até mesmo à morte por nós. Isso foi necessário? Certamente, por causa de nossos pecados. Deus é santo e não pode tolerar o pecado. Ele deve julgá-lo. Para que os pecadores possam ser salvos do julgamento e levados para Deus, alguém devia sofrer a justa punição de seus pecados.
Nem os ideológicos "deuses" de nossos tempos modernos, nem qualquer religião da imaginação do homem pode resolver este problema. A única solução foi dada pelo Deus da Bíblia na morte de Seu Filho: "Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus" (1 Pedro 3:18).

Devocional Diário CHARLES SPURGEON

“Poderoso para salvar.” (Isaías 63.1)
A expressão “para salvar” nos fala a respeito de toda a grandiosa obra de salvação, desde o primeiro desejo santo até à santificação completa. As palavras são multum in parvo – muito em pouco. Na verdade, aqui temos toda misericórdia em poucas palavras. Cristo não é somente poderoso para salvar aqueles que se arrependem, mas também é capaz de fazer os homens arrependerem-se. Ele conduzirá ao céu todos aqueles que creem. Além disso, Ele é também poderoso para dar aos homens um novo coração e neles produzir a fé. O Senhor Jesus é capaz de fazer o homem que odeia a santidade vir a amá-la e constranger aquele que O despreza a prostrar-se, de joelhos, aos pés dele.
A vida do crente é uma série de milagres realizados pelo Deus poderoso. A sarça se queima, mas não se consome. Cristo é bastante poderoso para guardar seu povo em santidade, depois de torná-los santos e de preservá-los em seu temor e amor, até consumar a existência espiritual deles no céu. O poder de Cristo não consiste em fazer discípulos e, depois, deixá-los entregues a si mesmos. “Aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus” (Filipenses 1.6). Aquele que concede o primeiro sinal de vida na alma morta, prolonga a existência divina e a fortalece até que ela irrompa separada de qualquer vínculo com o pecado e, finalmente, deixe a terra, aperfeiçoada em glória. Crente, isto deve servir-lhe de encorajamento. Você está orando por algum de seus queridos? Não pare de orar, pois Cristo é “poderoso para salvar”. Você não tem poder de converter o rebelde, mas o seu Senhor é todo poderoso. Apegue-se àquele braço poderoso e instigue-o a manifestar o seu poder. A sua própria situação inquieta a você mesmo? Não tema, o poder do Senhor lhe é suficiente. Quer seja para começar a obra nos outros, quer seja para continuá-la em você, Jesus é “poderoso para salvar”. A melhor prova disso é o fato de que Ele já o salvou. Milhares de misericórdias estão sobre você e o Senhor não as retirará!

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5