terça-feira, 31 de março de 2015

Todo Dia Com Paz

O SENHOR, pois, é aquele que vai adiante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te espantes.
Como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei. Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o SENHOR teu Deus é contigo, por onde quer que andares
(Deuteronômio 31:8; Josué 1:5,9).

DEUS NOS ENCORAJA

Você pode de fato a cada dia e em cada situação ser fortalecido pela leitura da Bíblia? Ela de fato lhe ajuda a saber o que Deus tem a dizer sobre seus cuidados cotidianos?
Essa é uma pergunta bastante comum, especialmente entre as pessoas que vez por outra ouvem alguns versí­culos dos salmos 23 e 91. Elas não conseguem entender que a Palavra de Deus é uma fonte poderosa de conforto e força. Mas será realista crer que podemos achar força nas palavras de Deus? Bem, será melhor ler o que a Bí­blia diz sobre as dificuldades.
Primeiro, os versículos de hoje tratam sobre o encorajamento a pessoas que estão prestes a enfrentar situaçôes de mudança nas quais têm de tomar decisões cujas consequências não podem prever, e que percebem que a própria força é mí­nima diante da necessidade.
Segundo, esses versí­culos mostram que Deus sabe exatamente o que está acontecendo. Ele está ciente da situação; conhece a fraqueza humana, e sabe que tipo de encorajamento é preciso. E, portanto, ele faz o encorajamento vir!
Terceiro, aprendemos que Deus não delega a tarefa de nos encorajar a outros, pois estes podem desistir quando as coisas se tornam realmente difí­ceis. Deus jamais nos abandona! ele diz: Eu estou contigo?.
Quarto ," e isso certamente fala conosco ?" ele, o Ajudador, irá nos guiar no caminho e estará conosco onde formos: Deus, o Poderoso, nosso Guia. Tudo o que temos de fazer é segui-Lo. O que mais podemos querer?
O encorajamento vindo de Deus é aplicável hoje e sempre

Malafaia diz que governo Dilma tirou dos pais a autoridade sobre filhos ao publicar resolução que permite uso de banheiro do sexo oposto

Malafaia diz que governo Dilma tirou dos pais a autoridade sobre filhos ao publicar resolução que permite uso de banheiro do sexo oposto; Assista
No programa Vitória em Cristo do último sábado, 28 de março, o pastor Silas Malafaia teceu críticas ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT) por aderir às estratégias do ativismo gay e publicar a resolução que permite a adolescentes usarem os banheiros do sexo oposto nas escolas públicas e privadas.
De acordo com Malafaia, existe por parte da militância homossexual um empenho em fazer as pessoas acreditarem que quem não é a favor da homossexualidade, necessariamente é defensor da violência contra gays, lésbicas e transexuais.
“Nós não estamos aqui para proibir ninguém de ser nada. A questão não é essa. Ok? Se alguém quer ser homossexual, é direito ser. Nós não estamos aqui para concordar com violência contra grupo nenhum, e nem contra homossexuais, nem contra ninguém. Agora, eu, pela Constituição Brasileira, pelo Estado Democrático de Direito, como qualquer um pode criticar a religião de quem quiser, como qualquer um pode criticar o comportamento de quem quiser, tenho o direito de contraditar toda a teoria do ativismo gay”, disse o pastor, referindo-se ao argumento de discriminação de gênero, usado para incentivar o uso de banheiros por pessoas do sexo oposto.
Segundo o líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC), o que o governo federal se propôs a fazer em defesa dos argumentos usados pelos ativistas gays é uma “esculhambação”.
“Onde é que esses caras desse governo querem chegar?”, questionou o pastor. A resolução permite que meninos e meninas que decidirem usar os banheiros do sexo oposto não precisam da autorização dos pais.
“Querer tirar da família, dos pais, sobre os filhos… Um garoto de 12 anos de idade poder se vestir de mulher, ir à escolha e entrar no banheiro feminino? Onde é que esses caras desse governo querem chegar? Isso é uma afronta à família, uma afronta a autoridade dos pais, é uma esculhambação!”, esbravejou Malafaia.
O pastor ainda sintetizou seu pensamento sobre o caso em um lema: “Família fortes, nação forte; famílias fracassadas, nação sem rumo!”.

segunda-feira, 30 de março de 2015

Todo Dia Com Paz

Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto
(Salmo 32:1).

VOCÊ PODE CONFIRMAR O VERSÍCULO ACIMA?

É nosso desejo que todos os que leram o versículo acima confirmem a verdade das palavras do salmista com convicção. Vamos perguntar a nos mesmos: temos a segurança que Deus não mais nos considera culpados e injustos? Isso é o que o segundo versículo do salmo afirma.
Podemos nos regozijar na Pessoa do Senhor Jesus Cristo com a segurança da salvação e genuína alegria? Se sim, somos de fato pessoas felizes na plenitude do que é felicidade. Mas quem não pode dizer isso de si mesmo não deve descansar até que encontre a salvação e a alegria em Cristo.
A segurança da salvação pode ser obtida apenas pela revelação da Palavra de Deus a você. Deus é justo e santo, e o pecado tem sua recompensa: a morte, a eterna separação de Deus. Mas porque o Senhor Jesus Cristo morreu no Calvário por causa de nossos pecados, Deus nos concede o perdão. Ele fez recair sobre seu Filho o castigo que nós merecíamos. O Senhor Jesus, o Cordeiro de Deus, é a "propiciação por nossos pecados" (1 João 2:2). Todos os que se colocaram sob a proteção de seu sangue podem afirmar isso, pois sabem que o Senhor Jesus morreu por eles.
Ninguém está excluído desse perdão! Apenas os que se recusam a aceitar as boas novas do evangelho excluem a si mesmos do amor de Deus. Se tantas pessoas não são salvas, inclusive aquelas que se dizem 'cristãs', é porque jamais se viram como pecadoras perdidos. Elas rejeitam a ideia de que necessitam de um Redentor e não creem nele.

Pesquisa aponta os três principais motivos que fazem as pessoas desacreditar em Deus

Pesquisa aponta os três principais motivos que fazem as pessoas desacreditar em Deus; Confira
Existem três componentes principais que levam pessoas a se tornarem ateus e/ou agnósticos e assim, rejeitarem a existência de Deus, de acordo com uma nova pesquisa sobre o tema: rejeição à Bíblia; dificuldade em confiar nas igrejas; e uma visão de mundo secular que é reforçada através da cultura.
A pesquisa foi realizada pelo Grupo Barna, uma empresa de pesquisa que explora as tendências religiosas, e incluiu estas conclusões do relatório recém-lançado sobre os céticos religiosos, notando que 25% de todos os adultos que não frequentam a igreja são considerados ateus ou agnósticos.
Como indivíduos religiosos, esses descrentes levam em conta uma série de fatores que afetam sua visão de mundo teológico. “Assim como os crentes chegam à sua crença em Deus por acumular uma série de informações e experiências, os céticos juntam diferentes observações para tirar suas conclusões”, destacou o relatório do Grupo Barna.
Quanto ao primeiro indicador – a rejeição da Bíblia – os pesquisadores relataram que dois terços dos ateus/agnósticos acreditam que o livro é repleto de histórias que foram escritas por seres humanos e têm a mesma autoridade que qualquer outro livro de autoajuda.
Essas pessoas também tendem a ter pontos de vista sobre as igrejas que não são favoráveis para elas. Eles veem as casas de culto como lugares onde as pessoas se reúnem, mas não estão ligadas umas às outras de maneira significativa, segundo conclusões da pesquisa.
Eles também não veem as igrejas protagonizando ações relevantes na sociedade, e consideram que elas nutrem valores errados sobre questões como casamento gay, aborto, guerra, política e assistência social.
Por fim, o terceiro problema que leva à descrença: o respeito cultural às críticas acima mencionadas feitas nos ambientes seculares. “Muitas dessas ideias são iniciadas, promovidas e reforçadas por personalidades e celebridades de exposição na mídia. Tem surgido um novo extrato de celebridades que fazem apologia à antirreligião, que inclui Bill Maher, Sam Harris, Richard Dawkins, Stephen Hawking, Peter Singer, Woody Allen, Phillip Roth, Julia Sweeney e o falecido Christopher Hitchens”, disse o relatório da pesquisa, citando estudiosos, escritores, cientistas e diretores de cinema.

domingo, 29 de março de 2015

Todo Dia Com Paz

E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU
(Êxodo 3:14).

O NOME ACIMA DE TODO NOME

"EU SOU O QUE SOU" é como Deus disse a Moisés o Seu nome. Esta estranha designação nos faz pensar. Deus não tem necessidade de prestar contas a ninguém, nem mesmo ao mais crítico entre nós, quanto ao porque de ele ser o que é sem qualquer exceção.
Deus tampouco tem necessidade de Se adaptar às ideias ou demandas humanas, as quais têm mudado tanto ao longo dos séculos. Ele não muda simplesmente para agradar ao homem ou obter o seu favor. Ele é o Deus eterno que é, era e sempre será. Como escreveu Tiago em sua epístola: "Em quem não há mudança nem sombra de variação" (1:17). Ele não seria Deus se fosse de outra forma.
Deus Se apresenta a nós em toda a Sua grandeza: demasiado grande para ser forçado a entrar numa camisa de força da imaginação humana. E todo crente pode chamar a este Deus de Pai por intermédio de Jesus Cristo. Os filhos de Deus podem confiar nele diariamente e a toda hora. Ele verdadeiramente é justo ao Se descrever, grande em bondade e poder, imutável em todas as coisas.
Lembremo-nos que este mesmo caráter imutável também pertence ao Seu Filho, o qual ele nos deu como Senhor e Salvador. A Sagrada Escritura descreve o Filho de Deus nos termos:
"Tu permanecerás" (Hebreus 1:11);
"Tu és o mesmo" (Hebreus 1:12);
"Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente" (Hebreus 13:8).
Quanto consolo e força podem receber todos os que O conhecem como Salvador!

Aborto: Senado e Câmara discutirão tema

Aborto: Senado e Câmara discutirão temaAborto: Senado e Câmara discutirão tema
O senador petista Paulo Paim, que é presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, anunciou que pretende promover um “amplo debate” sobre a proposta de legalização do o aborto até a 12ª semana de gestação.
A proposta foi encaminhada com apoio de 20 mil pessoas que participaram do programa e-Cidadania. Porém, o relator atual da sugestão na CDH é o senador evangélico Magno Malta, que milita contra a legalização do aborto no Brasil.
Paulo Paim, escaldado pelas reações de cristãos, admite que o tema aborto é polêmico e o diálogo necessário. “Vamos convidar pessoas que sejam a favor e contra. Vamos debater exaustivamente” prometeu.
Francamente contrário ao aborto, Magno Malta garantiu que colocará o tema em debate. O senador quer até cinco audiências públicas para ouvir a sociedade.
“É preciso um amplo debate. E eu gostaria de ser convencido, mas acho muito difícil alguém me convencer. Minha posição é clara; nunca escondi. O que precisamos é botar luz nesse debate”, afirmou o senador.

Jean Wyllys apresenta projeto na Câmara

Enquanto no Senado a proposta que trata da legalização do aborto até o fim do terceiro mês de gravidez veio de uma iniciativa popular, na Câmara dos Deputados a ideia foi apresentada por um parlamentar.
O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) apresentou o projeto que estabelece as políticas públicas no de saúde sexual e direitos reprodutivos, além de legalizar e regulamentar a prática do aborto seguro.
O PL 882/2015, que ainda aguarda o despacho do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), determina que toda mulher tem o direito de interromper voluntariamente a gravidez nos serviços do SUS ou na rede médica privada durante as primeiras doze semanas de gestação. Com informações Agência Senado

Ativistas fazem beijaço gay em protesto contra Eduardo Cunha

Ativistas fazem beijaço gay em protesto contra Eduardo CunhaFoto: Helvio Romero/Estadão
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) esteve na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP) nesta sexta-feira (27) e foi vaiado por grupos LGBT que o acusaram de homofobia e fizeram um beijaço gay dentro do plenário.
A sessão onde o deputado federal participava foi interrompida pelos manifestantes por diversas vezes, o grupo gritava palavras como “machista” e “homofóbico” e o peemedebista chegou a pedir “educação” aos presentes que foram retirados do plenário pouco depois.
A retirada dos manifestantes foi feita pelo presidente da ALESP, deputado Fernando Capez (PSDB) a pedido do deputado Luiz Alfredo Machado (PSDB) que se sentiu constrangido com as manifestações desrespeitosas para com o deputado federal.
“É constrangedor para esta Casa receber o presidente da Câmara e não dar a ele o direito de fala”, disse Machado. Enquanto o grupo vaiava Cunha, os deputados de São Paulo o aplaudiram. Com informações Estadão

sábado, 28 de março de 2015

Todo Dia Com Paz

A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda.
A soberba do homem o abaterá, mas o humilde de espírito obterá honra
(Provérbios 16:18 e 29:23).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 REIS (Leia 2 Reis 19:25-37)

O orgulho do rei da Assíria estava fora de controle, pois até esse momento nenhum povo tinha sido capaz de resisti-lo. Perceba o uso repetido da palavra "eu" nos versículos 23 e 24. O orgulho é mais aterrador quando tenta medir forças contra o próprio Deus. O estúpido desejo humano de "ser igual a Deus" (Filipenses 2:6) é visto claramente no mundo atual. Por meio da ciência, da tecnologia e do progresso pelos quais se vangloria, o mundo está passando rapidamente para o momento em que o homem adorará a si mesmo na pessoa de um "super-homem", que será ninguém menos que o anticristo.
Os assírios também são uma figura profética: um formidável poder asiático que, no futuro, invadirá a Palestina e cercará Jerusalém. Porém, tal poder será destruído no aparecimento do Senhor Jesus, prefigurado aqui pelo Anjo do Senhor. O acampamento dos assírios é arrasado em uma única noite. Então Senaqueribe é assassinado por seus próprios filhos no templo do seu próprio deus, Ninrode. O homem que declarou que Deus não poderia livrar Ezequias é castigado na presença de seu ídolo incapaz de protegê-lo.
Deus é glorificado, e podemos ter certeza de que sempre será quando livra Seu servo fiel.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Todo Dia Com Paz

E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; e o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno
(Apocalipse 1:17-18).

AGORA E DEPOIS

Cada um de nós tem de conhecer o Senhor Jesus, pois iremos comparecer mais cedo ou mais tarde diante dEle. Nada pode impedir isso. A expectativa ardente do cristão é ver o seu Salvador face a face e ser como ele. Os que ainda não nasceram de novo, ou seja, os incrédulos, irão vê-Lo também, mas com um sentimento bem diferente: pavor. Certo homem ímpio declarou: "Vê-lo-ei, mas não agora, contemplá-lo-ei, mas não de perto" (Números 24:17).
Muitas pessoas agora ignoram deliberadamente o nome do Salvador; não têm o menor interesse em saber acerca de Seu maravilhoso evangelho; depois, haverá um dia em que "ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra e debaixo da terra, e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai" (Filipenses 2:10-11). Este é um decreto de Deus, e tem de ser cumprido. "o conselho do Senhor permanece para sempre" (Salmo 33:11).
Portanto, não há possibilidade de escapar de estar diante do Senhor Jesus. Isso é muitíssimo sério e torna o evangelho um assunto prioritário para todos nós. As Escrituras afirmam que todo o joelho, toda a língua, cada um de nós dará contas de si mesmo no dia do juízo! "Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá" (Apocalipse 1:7), demonstrando claramente que cada pessoa que já nasceu O verá. Agora ele graciosamente perdoa e salva; depois ele executará Sua justiça imparcialmente, condenando e punindo os que O desprezaram.
Que estupidez rejeitar tão grande salvação!
PorQueTantaGenteSegue
O apóstolo João teve que enfrentar esta questão quando muitos que antes haviam professado a Cristo estavam saindo das igrejas atrás de falsos mestres. Ele escreveu aos cristãos da Ásia:
“Filhinhos, vós sois de Deus e tendes vencido os falsos profetas. Porque maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo. Por essa razão falam do mundo e o mundo os ouve” (1 João 4.5).
João aqui explica o sucesso daqueles mestres em arrebanhar ouvintes e seguidores: eles eram do mundo e por isto o mundo os ouvia. A humanidade sem Deus reconhece na mensagem dos falsos profetas um tom familiar e identifica-se com ela. Pensamentos satanicamente inspirados são atraentes para as mentes mundanas. O sucesso dos falsos profetas no Antigo Testamento deveu-se ao fato de que profetizavam o que o povo rebelde e mundano desejava ouvir (Jr 5.31; 29.8; Mq 2.11).
Bem profetizou o apóstolo Paulo: “Haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos” (2Tm 4.3).
Augustus Nicodemus é bacharel em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, em Recife, mestre em Novo Testamento pela Universidade Cristã de Potchefstroom, na África do Sul, e doutor em Hermenêutica e Estudos Bíblicos pelo Seminário Teológico de Westminster, na Filadélfia (EUA), com estudos adicionais na Universidade Reformada de Kampen, na Holanda. Atualmente é chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie, professor do Centro Presbiteriano de Pós Graduação Andrew Jumper e pastor auxiliar da Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, SP.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Todo Dia Com Paz

Vinde então, e argüi-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã
(Isaías 1:18).

SIMPLES PALAVRAS, PODEROSAS PALAVRAS

Certo jovem estava a caminho de um lugar de entretenimento quando alguém se aproximou e lhe entregou um pedaço de papel. Ele pegou e leu sob a luz do primeiro poste que encontrou. Estava escrito: "Embora seus pecados sejam como a escarlate, eles se tornarão como a neve". Ele deu um risinho e jogou o papel fora.
o vento soprou a mensagem, mas as palavras ficaram em sua memória. Ele pensou: "Essas palavras não são para mim; não sou um pecador". Ele seguiu seu caminho, mas de repente parou e disse para si mesmo: "Eu não creio na Bíblia, nem em Deus, nem em vida depois da morte". Mas uma voz interna sempre repetia: "Embora seus pecados sejam como a escarlate, eles se tornarão como a neve".


Para calar essa voz, o jovem disse; "Ah, vou pensar nisso mais tarde". Mas não conseguia se livrar daquelas palavras. Continuou andando e viu um lugar onde se pregava o evangelho. Sem saber por que, entrou e se sentou perto da porta. Na hora da pregação, o preletor leu a seguinte passagem: "Embora seus pecados sejam como a escarlate, eles se tornarão como a neve". Aquilo já era demais! Ele ouviu atentamente a mensagem, e sua consciência foi tocada. Ele se rendeu ao Senhor Jesus Cristo, recebeu a vida eterna e jamais foi o mesmo novamente.

A Bíblia tem importância?

John Ankerberg e John Weldon
A fé cristã está sendo cada vez mais atacada em nossos dias, até mesmo na América, a nação que tem se beneficiado tão extraordinariamente de sua influência positiva na vida nacional e individual. Ironicamente, muitos estão agora expressando abertamente seu desdém pela fé cristã que lhes tem proporcionado liberdade – entre eles estão secularistas, liberais, humanistas, multiculturalistas, políticos e, inclusive, líderes religiosos.
Tal desdém pode ser visto como uma das grandes ironias dos tempos atuais. Céticos e outros, que desejam demolir violentamente a Bíblia e a fé cristã, deveriam, na verdade, ficar de joelhos, agradecendo a Deus por ela, porque, caso contrário, eles claramente não teriam as bênçãos e as liberdades para seus empreendimentos pessoais. Quaisquer inadequações que a fé cristã tenha expressado por toda a história, elas são totalmente insignificantes comparadas às incalculáveis bênçãos que tem produzido na América e em todo o mundo. E os benefícios são amplamente devidos a um fator: os ensinamentos da Bíblia vividos de maneiras práticas por homens e mulheres que crêem neles. Quando examinamos os benefícios da fé cristã para a humanidade, devemos nos lembrar de que é a Bíblia que tem o papel central.
Colocado de maneira simples, sem a influência da Bíblia, não haveria uma América, quanto mais uma civilização ocidental na qual as pessoas têm liberdade para censurar expressões da fé cristã. O cristianismo merece o crédito por muitos dos grandiosos avanços políticos, sociais, humanitários, científicos, educacionais e culturais no mundo ocidental. A Bíblia, como parece, tem inspirado a maioria dos grandes escritores, artistas, cientistas, políticos e educadores. Contrariamente, aqueles que buscam enfraquecer ou destruir a influência cristã meramente se engajam em uma forma de suicídio cultural. Eles destroem a exata possibilidade de construírem a vida melhor que buscam.
O cristianismo merece o crédito por muitos dos grandiosos avanços no mundo ocidental.
Exemplos de áreas nas quais o cristianismo tem exercido profunda e positiva influência na civilização ocidental incluem:
  • Estabelecimento e desenvolvimento da ciência moderna e do direito;
  • Estabelecimento e desenvolvimento da medicina e dos cuidados com a saúde, envolvendo o primeiro estabelecimento de hospitais;
  • Educação moderna, inclusive a fundação de quase todas as mais importantes universidades americanas, tais como Princeton, Harvard, Yale e Dartmouth;
  • Proporcionar bases lógicas através de valores absolutos para o avanço da ética em geral, inclusive a moralidade sexual, que apenas em nossa época já salvou milhões de vidas;
  • Proteger a dignidade do casamento e da vida em família, que contribui grandemente para a estabilização da sociedade;
  • Instituir liberdade política e direitos humanos de modo geral, inclusive a abolição da escravatura e a proteção das crianças que estão por nascer, dos bebês, das crianças e das mulheres;
  • Inspirar grandes contribuições para o melhor da arte, literatura, música e arquitetura;
  • Fortalecer globalmente os vastos empreendimentos humanitários, defendendo a dignidade do trabalho e a reforma econômica.
E a lista é extensa...
Mulheres, crianças, escravos, enfermos, crianças por nascer, analfabetos, perseguidos, mentalmente doentes, abandonados, pessoas que estão à morte – virtualmente nenhuma categoria de pessoas vulneráveis deixou de ser abraçada pela fé cristã. A Cruz Vermelha, o Exército da Salvação, a educação pública (que teve origem com os reformadores protestantes), o capitalismo moderno, direitos à propriedade e propriedades privadas, proteção aos trabalhadores, direitos humanos das mulheres, liberdade política e democracia, a idéia de liberdade e justiça social para todos – tudo isto deve seu apoio ou sua existência aos ideais bíblicos. A diferença entre o mundo pré-cristão e o mundo pós-cristão é como a noite e o dia e a Bíblia fez a diferença.
De fato, para citar um exemplo da nossa época moderna, o mundo em si está mais seguro no presente e toda uma nação de 300 milhões de habitantes é livre hoje por causa da fé cristã de um homem – por causa de sua confiança pessoal em Cristo e sua crença na Bíblia. O presidente americano Ronald Reagan desmantelou, quase que sozinho, a União Soviética porque cria que fora chamado para essa tarefa e confiava que Deus traria os resultados. Ele venceu a Guerra Fria e libertou a União Soviética, revigorou a América e fez muito mais porque acreditava em Cristo desde tenra idade, passava horas de joelhos em oração e era dominado por sua fé – indubitavelmente esta é a razão pela qual sua vida foi tão ricamente abençoada. O objetivo incrível e quase que inatingível de desmantelar o Estado Soviético ateu nasceu, em parte, por causa do desejo de Reagan de dar a liberdade de religião ao povo russo por amor às suas próprias almas. Como foi explicado em seu famoso discurso “Império Mau” de 8 de março de 1983, ele acreditava que “somos encarregados pelas Escrituras e pelo Senhor Jesus de nos opormos a ele [ao Império Mau] com toda nossa força”. (Ver Paul Kengor,God and Ronald Reagan [Deus e Ronald Reagan], 2004).
É por tudo isso e muito mais que, aqueles que são cristãos, deveriam se orgulhar da Bíblia, se orgulhar por terem a certeza. Mas aqueles que desejam enfraquecer a influência cristã no mundo deveriam reconhecer sua responsabilidade por tomar parte ativa na destruição de tantas coisas boas que há no mundo. É uma pena que a maior parte das vantagens citadas acima está atualmente em processo de deterioração, amplamente devido ao alarmante impacto de uma secularização amoral que luta pelo fim e o desaparecimento da influência cristã. Só precisamos testemunhar a recente corrosão na educação, no direito, na moralidade, no entretenimento cultural (como TV e música), na vida em família e até mesmo na liberdade em si. O que antes era nobre e grandioso está cada vez mais desgastado e profano.
Quanto mais as pessoas tentam destruir a Bíblia e a fé cristã, mais elas contribuem para o processo que destruirá seu próprio futuro.
E, novamente, quanto mais as pessoas tentam destruir a Bíblia e a fé cristã, mais elas contribuem para o processo que destruirá seu próprio futuro e o futuro dos outros. Logicamente, o que não poderá jamais ser destruído é aquilo que é eterno. Os benefícios práticos diários que todos experimentam com base na Bíblia são poucos em comparação com os benefícios espirituais que a fé cristã já proporcionou a incontáveis milhões de pessoas globalmente, mas isto é assunto para outro livro. Aqui estamos discutindoo Livro.
Na história da humanidade, mesmo que um bilhão de livros tenham sido escritos, apenas um é extraordinário. Mesmo dentre os livros sagrados do mundo, nenhum chega nem perto e uma pessoa precisa apenas ler todos para apreciar a verdade que há naquele único. A influência da Bíblia na história é incalculável. Ela literalmente mudou o mundo; não apenas a história ocidental, mas toda a história.
Abraão Lincoln chamava a Bíblia de: “O melhor presente que Deus deu ao homem”, enquanto que Immanuel Kant fez-lhe eco: “A Bíblia é o maior benefício que a raça humana já experimentou”. Patrick Henry entendeu que: “Ela vale todos os livros que já foram escritos” e assim também pensava William Gladstone: “Uma distância imensurável a separa de todos os seus competidores”. A. M. Sullivan corretamente observou que: “O incrédulo que ignora, ridiculariza e nega a Bíblia, rejeitando suas recompensas espirituais e seu entusiasmo estático, contribui para sua própria anemia moral”. Tais citações poderiam ser multiplicadas quase que interminavelmente.[1]
Nenhum livro escrito teve maior influência sobre o mundo. Dado o impacto, é um tanto impressionante que milhões de pessoas dentre as nações com mais alto nível de instrução formal sejam fundamentalmente ignorantes de seus conteúdos. Imagine isto. Como os ideais da educação não podem explicá-lo, talvez apenas a incredulidade proposital possa. Como certa vez observou Aldous Huxley: “A maior parte da ignorância é ignorância superável. Não sabemos por que não queremos saber”.[2]
Parece que a maioria das pessoas prefere não estudar a Bíblia porque reconhece intuitivamente que isso iria interferir em como elas desejam viver. Como resultado, a Bíblia passa por intermináveis ataques sobre sua credibilidade, ataques esses vindos de acadêmicos, céticos profissionais, líderes religiosos e culturais e assim por diante, que são finalmente absorvidos pela população em geral.

Agora todos podem relaxar

Não surpreende que, em um mundo de incredulidade, apenas uma porcentagem relativamente pequena de pessoas aceita a Bíblia como a Palavra de Deus literal e infalível. Infelizmente, além dos preconceitos culturais e emocionais, outra parte do problema pode ser encontrada na própria igreja cristã, que tem frequentemente falhado em ensinar seus membros sobre a Bíblia, não apenas doutrinariamente, mas também segundo as evidências. É improvável que alguém dê apoio ao conteúdo da Bíblia a não ser que esteja convencido de que seu conteúdo é exato e digno de toda a confiança.
Não apenas o público em geral, mas muitos na igreja permanecem desinformados quanto à probidade da Bíblia e é por isso que estamos escrevendo este livro. O simples fato é que 2.000 anos de cuidadosa investigação feita por crentes e por incrédulos também, provam racionalmente a seguinte afirmação: A Bíblia é a Palavra de Deus sem erro demonstrável – a despeito de sua idade, autoria e muitos críticos. É significativo que, dados os 2.000 anos dos mais intensos exames por críticos e céticos, milhões de pessoas da época atual continuam a crer que a Bíblia é a Palavra de Deus literal e infalível – e argumentam que ela pode ser defendida racionalmente como tal. Podem os membros de outra fé religiosa no mundo provar logicamente tal afirmação relativamente a suas próprias escrituras? (John Ankerberg e John Weldon - Chamada.com.br)

Notas

  1. Citações retiradas de Frank S. Meade, The Encyclopedia of Religious Quotations; Rhoda Tripp, The International Thesaurus of Quotations; Ralph L. Woods, The World Treasury of Religious Quotations; Jonathan Green, Morrow’s International Dictionary of Contemporary Quotations.
  2. Aldous Huxley, Ends and Means (London: Chatto & Windus, 1946), p. 270.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Todo Dia Com Paz

Então apregoei ali um jejum junto ao rio Aava, para nos humilharmos diante da face de nosso Deus, para lhe pedirmos caminho seguro para nós, para nossos filhos e para todos os nossos bens
(Esdras 8:21).

ESDRAS E O CAMINHO SEGURO

Esdras estava prestes a retornar a Jerusalém, vindo do cativeiro babilônico. Outros judeus tinham aceitado a oferta do rei Artaxerxes (cap. 7:13), e se juntaram a Esdras. Mas o que realmente importava para Esdras era que a atitude do coração de seus acompanhantes fosse correta diante de Deus. O cativeiro na Babilônia tinha sido o castigo de Deus para uma nação culpada. Então eles tinham boas razões para se humilharem diante de Deus por causa do passado deles.
Esdras direciona a atenção deles para a longa e perigosa jornada que os aguardava. Eles de fato precisavam seguir pelo "caminho seguro", isto é, sob a proteção de Deus. O rei poderia ter mandado tropas para defendê-los, mas Esdras disse: "tive vergonha de pedir ao rei, exército e cavaleiros para nos defenderem do inimigo pelo caminho; porquanto tínhamos falado ao rei, dizendo: A mão do nosso Deus é sobre todos os que o buscam, para o bem deles; mas o seu poder e a sua ira contra todos os que o deixam" (Esdras 8:22).
Esdras estava firmado profundamente em sua fé. E não minimizava o perigo; sabia que os inimigos estavam por todo lado. Mas ele vivia para Deus, e conhecia sua bondade (cap. 7:7-10). Quem leva a vida sob a boa mão de Deus se envergonhará de depositar sua confiança na proteção humana.
O "caminho seguro" para nós e nossos filhos é o caminho: Jesus Cristo. "Eu sou o caminho" (João 14:6). Os inimigos estão dentro (a carne) e fora (o diabo e seus anjos) de nós. Estamos cercados, mas Deus já providenciou uma vereda de segurança para os seus. O próprio Senhor Jesus afirmou: "Eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos" (Mateus 28:20).
RCSproulAcredita
“Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos […] tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres e por distribuições do Espírito Santo, segundo a sua vontade”. (Hebreus 2.1-4)
Eu ouço a seguinte pergunta o tempo todo: “Sproul, você acredita que milagres acontecem hoje em dia?” Se você quer uma resposta simples, a resposta é não. Hoje você vai a gabinetes pastorais e vê uma placa que diz: “Conte com um milagre”. Mas se você conta com um milagre — se milagres são algo expectáveis, esperados — não há nada de miraculoso neles. Se eles são comuns, então não têm peso certificável. É pelo seu caráter extraordinário que eles têm o poder de sinais.

Uma definição específica de milagre

Ora, é claro que quando as pessoas me perguntam se eu acredito em milagres, elas estão fazendo uma pergunta e estou respondendo outra. Se elas querem dizer: “Você acredita que Deus ainda trabalha no mundo sobrenaturalmente?” É claro que acredito. “Você acredita que Deus responde orações?” É claro que acredito. “Você acredita que Deus cura pessoas como resposta de oração?” É claro que acredito. Todos os milagres são sobrenaturais, mas nem todos os atos sobrenaturais são milagres. Teólogos são muito específicos ao fazer distinções, e quando digo que não acredito em milagres hoje em dia, eu não creio em um tipo específico de milagre, no sentido restritivo em que um milagre é definido como uma obra que ocorre no mundo externo observável; uma obra extraordinária no mundo externo observável contra as leis da natureza pelo poder imediato de Deus; uma obra que só Deus pode fazer, como ressuscitar mortos, como restaurar um membro que foi cortado só pelo falar, como caminhar sobre a água, como transformar água em vinho.

Por que isso é importante?

Mesmo alguns dos maravilhosos sinais no Novo Testamento não seriam qualificados como milagres nessa definição específica. Então por que trabalhamos tão duro por essa definição tão específica? Pela seguinte razão: se qualquer pessoa pode executar milagres, se uma pessoa que não é um agente da revelação divina pode executar um milagre, então obviamente um milagre não pode certificar um agente da revelação. Deixe-me dizer novamente: Se alguém que não é um agente da revelação pode executar um milagre, então um milagre não pode autenticar ou certificar um genuíno agente da revelação. Isso significaria que a reivindicação do Novo Testamento de carregar a autoridade do próprio Deus (visto que Deus certificou Cristo e os apóstolos através de milagres) seria uma reivindicação falsa, e um argumento falso.
Assim, o que está em jogo aqui é a autoridade, a autenticidade e a veracidade da própria Bíblia. É por isso que temos essa definição específica, e é por isso que não contamos com milagres, pois não contamos com encontrar apóstolos andando por aí hoje em dia. Portanto, milagres como os do Novo Testamento cessaram na era apostólica.

Deus ainda está vivo e trabalhando

Ora, Deus ainda está vivo; ele ainda trabalha. Ele ainda responde orações de maneira incrível. Eu já vi maravilhosas respostas de oração, já vi pessoas curadas de doenças terminais, eu só nunca vi ninguém ser ressuscitado do cemitério, ou um braço que foi arrancado crescer novamente, ou um pregador caminhar sobre a água, ou água transformada em vinho. De qualquer maneira, o Senhor Jesus executou tais milagres não só no sentido amplo, mas também no sentido estreito. Os milagres do Novo Testamento são muito importantes para nós, pois são o atestado de Deus à respeito de Jesus e dos apóstolos, sob cuja autoridade nos submetemos.
Por: R. C. Sproul. © 2013 Ligonier Ministries. Original: Does R.C. Sproul Believe in Miracles?.
Tradução: Alan Cristie. Revisão: Vinícius Musselman Pimentel. © 2014 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Original: R. C. Sproul acredita em milagres?.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

terça-feira, 24 de março de 2015

Todo Dia Com Paz

Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão? Fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que ele não morreria antes de ver o Cristo do Senhor. Movido pelo Espírito, ele foi ao templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para lhe fazer conforme requeria o costume da lei, Simeão o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo:
"Ó Soberano, como prometeste, agora podes despedir em paz o teu servo. Pois os meus olhos já viram a tua salvação
(Lucas 2:25-30).

O ÁPICE DE UMA VIDA

Que cena comovente é esta! Simeão era um homem que aguardava pelo Messias que Deus prometera. Deus lhe falou que ele não morreria até que visse o Prometido de Israel. Certo dia, quando "aconteceu" de estar no templo, Maria e José vieram oferecer o sacrifício que a Lei requeria após o nascimento de um filho, e os três tiveram esse maravilhoso encontro. Simeão estaria ali "por acaso", por "acidente"? Não, "movido pelo Espírito, ele foi ao templo" no exato momento em que os pais traziam o menino Jesus. Que você seja também movido pelo Espírito Santo em todas as suas atividades diárias!
Tomando o Bebê nos braços, ele discerniu quem era aquele menino. Como é comovente ver que Simeão reconheceu no pequeno bebê o Salvador, Aquele por quem esperou a vida inteira. Sua resposta foi natural, um transbordar de seu coração ? ele louvou Deus! Para Simeão, aquele momento foi o ápice de sua vida; depois disso, o que restava mais da vida para ele? Era como se ele falasse assim: "Senhor, esta é a maior experiência que eu poderia ter. O que há na vida melhor que isso? Oh, deixe-me morrer em paz para que eu possa estar em Tua presença para sempre. Não há nada mais sublime!".

A Geração Que "Verá" a Volta de Cristo

Tim LaHaye
Sempre me pareceu estranho que o teólogo reformado R. C. Sproul começasse sua defesa do Preterismo moderado (do qual ele declaradamente é um dos adeptos) com uma citação do famigerado filósofo cético e ateu Bertrand Russell. Em seu livro The Last Days According to Jesus1 [Os Últimos Dias Segundo Jesus], Sproul parecia tentar agradar a Russell e seus seguidores com uma resposta à questão que Russel levantara sobre a divindade de Cristo. Ele tentou fazer com que a expressão “não passará esta geração sem que tudo isto aconteça” (Mt 24.33-34), se referisse à geração dos discípulos, alguns dos quais ainda eram vivos quando o exército romano (não o Anticristo, como mostra a profecia) destruiu a cidade de Jerusalém no ano 70 d.C.
Russell, que corretamente demonstrara o fato de que aqueles discípulos não viram a volta de Cristo nem o cumprimento de muitas profecias proferidas naquele sermão do monte das Oliveiras, deu então um “salto” interpretativo para chegar à conclusão errônea de que Jesus não podia ser Deus em carne humana, visto que fracassara em cumprir aquela profecia durante o tempo de vida daqueles discípulos. Ao que parece, nunca lhe ocorreu que a expressão “esta geração” não era uma referência àquela geração de discípulos do primeiro século, mas sim uma alusão à geração que veria a seqüência de eventos do fim dos tempos que acontecerá conforme Jesus profetizou. Eu pessoalmente não acredito que Russell tenha sido movido por um forte desejo de identificar Jesus como “o profeta” que Moisés predissera ser o Messias em Deuteronômio 18.18-19. É provável que ele tenha sido influenciado pelos céticos acerca de Jesus que viveram em sua própria geração ou pelos racionalistas alemães ou, ainda, pelos céticos franceses que o antecederam, os quais negaram a divindade de Jesus e a inspiração sobrenatural das Escrituras. O uso equivocado que ele fez de Mateus 24.32-34 foi, muito provavelmente, uma tentativa descarada de tirar a credibilidade de Jesus.
O uso equivocado que Bertrand Russell fez de Mateus 24.32-34 foi, muito provavelmente, uma tentativa descarada de tirar a credibilidade de Jesus.
Essa é apenas uma das razões pelas quais o Pre-Trib Research Center [Centro de Pesquisas Pré-Tribulacionistas], o Dr. Thomas Ice e tantos outros escritores eruditos abordaram esse assunto em livros, folhetos e periódicos. É importante que se faça isso, não pelo texto das Escrituras em si mesmo, mas por causa da interpretação errada. Uma das coisas básicas que aprendi no estudo da lógica é que se você começa um argumento baseado numa premissa falsa, chegará a uma conclusão falsa. Essa é a razão pela qual a primeira coisa que se faz num debate é averiguar a veracidade ou falsidade da premissa básica (i.e., primeira premissa).
Infelizmente, nossos amigos ligados à Igreja Reformada (na sua maioria, amilenistas ou pós-milenistas), que chegaram às suas conclusões em virtude de seu sistema teológico e não pelo sentido claro da interpretação das Escrituras, tentam ler nesse texto aquilo que simplesmente nele não está escrito. Erram em não aceitar a declaração feita por Jesus de que “não passará esta geração sem que tudo isto aconteça” (v. 34) dentro de seu contexto, a qual refere-se à geração que veria os eventos que Ele acabara de profetizar. Jesus respondeu à pergunta levantada pelos discípulos em Mateus 24.3, “...que sinais haverá da tua vinda e da consumação do século?”. Contudo, os preteristas cometem o erro de pular falaciosamente para a conclusão de que Jesus se referia àqueles que estivessem vivos quando o templo fosse destruído. Daí, então, os preteristas ficam presos à obrigação de dizer, por exemplo, que Nero (o qual nunca esteve em Jerusalém para cumprir o que está escrito em 2 Tessalonicenses 2.8) é o Anticristo ou a “besta” de Apocalipse 13 (a qual ainda se manifestará no futuro) e que Satanás está preso. Alguns chegam mesmo a dizer que a Segunda Vinda de Cristo já aconteceu no ano 70 d.C. (ainda que tal “cumprimento” não preencha os requisitos das promessas feitas por Jesus acerca de Sua Vinda, muito menos do que foi predito pelos anjos e pelos apóstolos). A concepção de que estejamos vivendo hoje em dia no reino é ridícula; várias outras idéias, igualmente sem base nas Escrituras, têm sido por eles propagadas e parece que não se dão conta [do seu engano] (tudo isso tem sido cuidadosamente abordado nos livros e artigos escritos pelo Dr. Thomas Ice).
Em vez de adotar o sentido claro desse texto das Escrituras a fim de entender seu significado, nossos colegas de linha reformada e preterista querem nos levar a crer que Jesus fazia uma alusão aos discípulos do primeiro século. Sua motivação ao fazê-lo não é porque o texto bíblico em questão ensine isso, mas porque suas pressuposições teológicas o exigem; do contrário, teriam de abandonar suas crenças amilenistas e pós-milenistas. Aqueles que “interpretam as Escrituras em seu sentido literal, a menos que os fatos do contexto imediato nitidamente indiquem o contrário”, crêem, na sua esmagadora maioria, que Jesus voltará imediatamente após a concretização de muitos sinais que Ele apresentou nessa passagem como placas sinalizadoras em resposta às seguintes perguntas dos discípulos: “Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinais haverá da tua vinda e da consumação do século” (Mt 24.3).
"Porque se levantará nação contra nação, reino contra reino."
Portanto, é importante examinar os eventos preditos por Jesus acerca de dias obviamente futuros, a fim de constatar se Ele aludia àquela geração do primeiro século ou fazia referência aos crentes que hão de contemplar os eventos profetizados. Estude a relação abaixo e chegue à sua própria conclusão.

A Introdução do Discurso no Monte das Oliveiras

• Mateus 24.4-5: “Vede que ninguém vos engane. Porque virão muitos em meu nome dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos”. Desde o momento da ascensão de Jesus aos céus, centenas de falsos cristos já apareceram.
• Mateus 24.6: “E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras...”. Desde que Jesus predisse isso, já houve, pelo menos, 12 mil guerras.
• SUA MENSAGEM: “...vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, masainda não é o fim”.

Jesus Predisse Sinais Que Antecederiam a Tribulação

• Mateus 24.5: “Porque virão muitos em meu nome [...] e enganarão a muitos”. Centenas de falsos mestres apareceram em cena desde o primeiro século até agora.
• Mateus 24.7 – O primeiro sinal ou “dor de parto”: “Porque se levantará nação contra nação, reino contra reino”. Uma vez que a visão apresentada por Jesus neste versículo era de amplitude mundial, poderia ser uma alusão à I Guerra Mundial (1914-1917), a qual, historicamente, foi o primeiro conflito de proporções mundiais, iniciada por uma nação contra outra e que acabou por envolver as nações do mundo. “...e haverá fomes [a versão Almeida Revista e Corrigida acrescenta: ‘...e pestes’,] e terremotos em vários lugares”, que, literalmente, significa “em vários lugares ao mesmo tempo”. Isso ocorreu, pela primeira vez, depois da I Guerra Mundial. Nos idos de 1918 a 1920, a influenza foi provavelmente a “peste” mais letal do mundo em toda sua história. Os quatro elementos do primeiro sinal referiam-se à I Guerra Mundial.
• Mateus 24.8: “...tudo isto é o princípio das dores” (i.e., dores de parto) ou sinais da Sua Vinda. É interessante que depois disso, muitos outros sinais do fim dos tempos começaram a aparecer – Israel recebeu permissão para retornar à sua terra (em 1917, através da Declaração Balfour) e a Revolução Russa, que resultou no erguimento dessa nação como uma potência mundial, dentre outros sinais.
• Mateus 24.11: “Levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos”.
• Mateus 24.12-13: “E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo” (ou seja, entrará no Milênio).
E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim.
• Mateus 24.14: “E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim”. (Temos nos aproximado rapidamente do cumprimento dessa profecia à medida que o Evangelho se torna conhecido ao redor do mundo). Muitos expositores da Bíblia crêem que os versículos acima descrevem os primeiros três anos e meio do período da Tribulação, tratado detalhadamente nos capítulos 6 a 12 de Apocalipse.

A Grande Tribulação

• Mateus 24.15: “Quando, pois, virdes oabominável da desolação de que falou o profeta Daniel...”. Esse texto ensina que a [segunda metade da] Grande Tribulação terá inicío no momento em que o templo for profanado e destruído.
• Mateus 24.21-22: “porque nesse tempo haverá grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem haverá jamais”. (Para mais detalhes sobre esses três anos e meio da Tribulação, leia Apocalipse 13 a 18, período esse após o qual Jesus Cristo voltará com poder para estabelecer Seu Reino, conforme os capítulos 19 e 20 de Apocalipse). Visto que nunca houve um tempo como esse na história, fica evidente que os versículos profetizam eventos ainda futuros.
• Mateus 24.24: “Porque surgirão muitos falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos. Vede que vo-lo tenho predito”. Embora a Igreja tenha ficado infestada de falsos mestres que alegam ser “Cristo” ou “profetas”, os tais nunca realizaram “sinais e prodígios” capazes de enganar até mesmo os eleitos. A batalha entre os seguidores de Satanás e do Anticristo contra o Espírito Santo e os servos de Deus, durante a última metade do período da Tribulação será a maior batalha da história deste mundo.
• Mateus 24.29-30: “Logo em seguida à tribulação daqueles dias [...] todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória”. O texto insiste em repetir veementemente que a Segunda Vinda de Cristo acontecerá imediatamente depois do pior período da história humana. Para qualquer leitor imparcial, a conclusão óbvia é a de que tal período ainda não ocorreu, mas aguarda sua concretização no futuro [...] futuro esse que, segundo a opinião de muitos, pode estar bem próximo.

Conclusão

E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim.
A geração que, conforme os versículos 32-34, contemplará todas essas coisas, de modo nenhum podia ser a geração de discípulos que viveu no primeiro século. Infelizmente, até onde se sabe, Bertrand Russell morreu e foi sepultado com a enganosa concepção de que Jesus cometeu um erro ao profetizar que Sua geração veria a Segunda Vinda dEle, concluindo, assim, que as palavras de Cristo não eram confiáveis. Na verdade, Jesus se referia à geração acerca da qual os discípulos indagaram ao perguntarem:“que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século”. Cristo descreveu“esta geração” como aquela que estará viva no momento em que “sucederão todas estas coisas”.2 Visto que muitos sinais, ao que parece, já começaram a se cumprir, todos nós deveríamos orar e trabalhar a fim de advertir as pessoas para que não percam a oportunidade de encontrá-lO na Sua Vinda para buscar a Igreja, por ocasião do Arrebatamento. Tenho certeza de que eu e você temos o mesmo desejo de que muitos não sejam Deixados Para Trás! (Tim LaHaye - Pre-Trib Perspectives -http://www.chamada.com.br)

Notas:

  1. A série de citações que R. C. Sproul faz dos escritos de Bertrand Russell encontra-se no livro de Sproul intitulado The Last Days According to Jesus (Grand Rapids: Baker, 1998, p. 11-15). As citações foram extraídas do livro de Bertrand Russell intitulado Why I Am Not a Christian: And Other Essays on Religion and Related Subjects, organizado por Paul Edwards (Londres: Allen & Unwin / Nova York: Simon & Schuster, 1957).
  2. Para uma apresentação mais detalhada e aprofundada desse assunto, por favor, veja em: Thomas Ice e Tim LaHaye, The End Times Controversies, Eugene: Harvest House, 2003, p. 83-108 (no capítulo 4, sob o título: Preterist “Time Texts”).
Tim LaHaye escreveu mais de 40 livros e é co-autor dos best-sellers da série Deixados Para Trás. Ele também é um dos editores da Bíblia de Estudo Profética e um dos fundadores do Pre-Trib Research Center (Centro de Estudos Pré-Tribulacionais).

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5