terça-feira, 30 de setembro de 2014

Todo Dia Com Jesus

Mateus 26:17-30

Podemos ter uma idéia do que o Senhor estava sentindo ao comer esta páscoa com Seus discípulos. Nesta celebração justamente se representava o que Ele estava por realizar. Não iria demorar, e o verdadeiro Cordeiro pascal seria imolado (1 Coríntios 5:7). Porém Ele ainda queria dar a Seus discípulos um emblema muito especial de Seu amor. A cada ano, desde a grande noite do êxodo, a páscoa anunciava em figura uma obra que havia de vir. Doravante, a cada primeiro dia da semana, a cena faria o crente recordar que esta obra está consumada. Todas as vezes que a celebramos, anunciamos a morte do Senhor até que Ele venha (1 Coríntios 11:26).
Assim que distribuiu o pão para os Seus, o Senhor Jesus também lhes deu o cálice, dizendo: "Bebei dele todos". Sim, Ele quer que todos participem com Ele desta ceia de amor (exceto Judas que havia saído: João 13:30). São eles dignos da ceia? Pedro O negará e todos os demais fugirão. Ainda assim o Senhor lhes disse - e continua dizendo a todos os redimidos: "Bebei dele todos". A seguir explica o valor inestimável de Seu sangue que será "derramado em favor de muitos, para a remissão dos pecados" (v. 28). Caro leitor, você está entre esses "muitos"? Caso esteja, qual tem sido sua resposta ao desejo do Senhor Jesus? (Salmo 116:12-14).

Uma Conversa sobre Santidade com Kevin DeYoung


UmaConversaSobreSantidade
Santidade. Você gosta dessa palavra? Ou, cá entre nós, ela meio que faz você se contorcer?
Pela graça de Deus nós ouvimos muito hoje em dia sobre vida, livros, música, conferências, ministérios e igrejas centralizados no evangelho. Mas com que frequência ouvimos a respeito de obediênciacentralizada no evangelho? Existe, especialmente entre jovens evangélicos, um “vão de entusiasmo” entre nossa paixão pelo evangelho e nossa paixão por piedade?
Esta é a preocupação de Kevin DeYoung, e ele pretende alertar para o vão em seu livro, Brecha em Nossa Santidade. “A brecha em nossa santidade,” sugere DeYoung, “é que realmente não nos importamos muito com isso.” De leitura agradável e oportuna, claro e constrangedor, biblicamente saturado e pastoralmente sensível, Brecha em Nossa Santidade é um chamado moderno para correr atrás da justiça pela glória daquele que tanto ordena quanto possibilita a busca.
Entrevistei DeYoung, pastor presidente da University Reformed Church em East Lansing, Michigan, sobre como a santidade pessoal se relaciona com a missão, os perigos de excessivas “caça a ídolos” e “verificação de temperatura espiritual,” conselho prático para pastores, e mais.
*************************

Igrejas focadas em santidade pessoal nem sempre parecem estar “em missão.” Como evitamos repetir esse erro?

Dois pensamentos vêm à minha mente. Um, devemos nos lembrar que santidade é parte de nossa missão. Cristo nos chama a fazer discípulos, não apenas a tomar decisões (Mateus 28:19). Ajudar as pessoas a obedecer a Jesus e buscar santidade é um aspecto importante da Grande Comissão (Mateus 28:20). Dois, devemos enfatizar que a busca por santidade é realmente a busca por Cristo. Não estamos simplesmente tentando ser melhores. Estamos trabalhando — conforme Deus trabalha em nós — para sermos mais como Cristo, que está em nós. Através do evangelismo e da santificação estamos tornando Cristo conhecido.

Você observa que, em muitos círculos hoje em dia: “Sabemos que o legalismo (salvação por obedecer a lei) e antinomismo (salvação sem a necessidade de obedecer a lei) estão ambos errados, mas o antinomismo parece um perigo muito mais seguro”. Como chegamos a esse ponto, e como corrigimos sem exagerar novamente?

A última parte de sua pergunta responde a primeira. Nós exageramos na correção. Quando vemos igrejas tragadas pelo moralismo, pela autoajuda e pela religião da obediência à lei queremos lutar contra isso com todo o nosso poder de Gálatas. Mas em qualquer questão há uma tendência de temermos tanto o erro que vemos claramente, que ficamos um pouco cegos para outros erros. Uma das chaves é ensinar sobre a dupla graça (duplex gratia) da justificação e da santificação. Ambas são presentes de Deus.

Eu sei que devemos ser santos para chegarmos ao céu, mas Jesus não é minha santidade? A obediência dele não é o suficiente para nós dois?

Sim, Jesus é santo mais do que o suficiente por você. E até por mim! Deve ficar claro que a busca da santidade não é uma busca por justificação ou aceitação eterna de Deus. A exigência de santidade não é para mérito, mas para evidência. Devemos ter alguma graça saindo de nossas vidas para mostrar que a graça entrou. Nossas boas obras não contribuem nem uma gota com nossa absolvição. Jesus pagou tudo. E quando nos apropriamos deste presente pela fé, nossas vidas não podem ser as mesmas.

Quais são alguns dos perigos associados com prolongadas “caças a ídolos” e frequentes “verificações de temperatura espiritual”?

Há diversos perigos. Um, sempre há mais ídolos para encontrar. Sempre podemos descascar mais uma camada de motivação. Sempre é possível desconstruir cada ato até que nos sintamos miseráveis acerca de coisas que são verdadeiramente — ainda que imperfeitamente — boas. Dois, não somos muito bons em verificar nossa temperatura espiritual. Quando a verificamos muito frequentemente (“Estou melhor hoje do que estava ontem?”) ou quando verificamos por nós mesmos (à parte da comunidade cristã e dos líderes da igreja), somos inclinados a um diagnóstico incorreto. Os que são mais santos estarão mais consciente de seus pecados, e provavelmente serão muito duro consigo mesmos, enquanto que aqueles que precisam de um perícia, passarão no autoteste com louvor.

Por que você diz que a distinção entre união e comunhão é pratica e pastoralmente útil?

Precisamos ajudar as pessoas a ver a diferença entre as duas. Nossa união com Cristo é fixa e segura. Não podemos estar mais ou menos em união com ele. Fomos unidos a Cristo pelo Espírito Santo através da fé. Mas nossa comunhão com ele permite variedade e graus. Assim como você não pode estar mais ou menos casado, mas pode ter um casamento mais doce ou mais amargo, assim também é com Jesus: a união com ele foi eternamente estabelecida, mas ainda é um relacionamento dinâmico.

A Escritura apresenta várias exortações que apelam a uma ampla gama de motivações. Como pastor, como você determina quando é hora de aconselhar alguém (1) a correr para a cruz, (2) a correr do pecado ou (3) a correr pela coroa?

Não consigo pensar em nenhuma hora em que qualquer um dos três seria inapropriado. Mais geralmente, contudo, precisamos conhecer bem nossos membros para saber se eles irão mais longe sendo empurrados ou puxados, sendo alarmados ou confortados, com um abraço ou uma firme repreensão. Um tamanho não cabe em todos. A Palavra de Deus fornece muitos remédios diferentes para nossa motivação.

Apocalipse 22

1  E MOSTROU-ME o rio puro da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro.
2  No meio da sua praça, e de um e de outro lado do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a saúde das nações.
3  E ali nunca mais haverá maldição contra alguém; e nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão.
4  E verão o seu rosto, e nas suas testas estará o seu nome.
5  E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os ilumina; e reinarão para todo o sempre.
6  E disse-me: Estas palavras são fiéis e verdadeiras; e o Senhor, o Deus dos santos profetas, enviou o seu anjo, para mostrar aos seus servos as coisas que em breve hão de acontecer.
7  Eis que presto venho: Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro.
8  E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava para o adorar.
9  E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus.
10  E disse-me: Não seles as palavras da profecia deste livro; porque próximo está o tempo.
11  Quem é injusto, faça injustiça ainda; e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, seja santificado ainda.
12  E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra.
13  Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro.
14  Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas.
15  Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira.
16  Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã.
17  E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida.
18  Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro;
19  E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro.
20  Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus.
21  A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Todo Dia Com Jesus

Mateus 26:1-16

O Senhor Jesus terminou os Seus ensinamentos. Os últimos acontecimentos vão-se cumprir agora. Enquanto em Jerusalém os homens iníquos deliberam (vv. 3-5), uma cena bem diferente acontece em Betânia. Rejeitado e odiado pelos grandes do povo, é entre Seus humildes seguidores que o Senhor Jesus encontra a acolhida, o amor e a adoração que Lhe são devidos. Ele já não tem mais lugar no templo, mas é recebido na casa de Simão, o leproso. As honras reais Lhe foram negadas, mas um bálsamo de grande preço é derramado sobre Sua cabeça, figura da unção real. Esta mulher reconhece e honra o Messias de Israel. "Enquanto o rei está assentado à sua mesa, o meu nardo exala o seu perfume" (Cantares 1:12). Somente Senhor compreende e aprecia o gesto dela. Mas é o que basta! Se Ele nisto tem prazer, ninguém tem direito de escandalizar-se.
Mas com o versículo 14, passamos novamente a uma cena de escuridão. O traidor Judas, que há pouco tinha também respirado o perfume do bálsamo, realiza a traição e recebe sua paga: trinta moedas de prata, o preço de um escravo. O profeta Zacarias - com uma pitada de ironia - designa-o como um "magnífico preço", pois foi o preço pelo qual o Filho de Deus foi avaliado (Zacarias 11:13).

Jogadores do Santos se preparam para jogo ouvindo a música “Grandes Coisas”, de Fernandinho; Assista

Jogadores do Santos se preparam para jogo ouvindo a música “Grandes Coisas”, de Fernandinho; Assista
Um vídeo de bastidores da preparação do time do Santos Futebol Clube para uma partida do Campeonato Brasileiro está repercutindo nas redes sociais entre internautas evangélicos por causa da música “Grandes Coisas”, do cantor Fernandinho.
No vestiário do clube, os jogadores ouviam a canção enquanto se preparavam para enfrentar o Figueirense, na Vila Belmiro. O atacante Robinho, que seria evangélico, diz para a câmera: “O DJ é top!”. Nessa partida, o clube santista venceu por 3×1.
“’Tu És o Deus dessa terra’. Vai! ‘Tu És o rei desse povo, És o Senhor da nação. Tu És’”, canta o jogador, que está emprestado ao Santos pelo Milan até o meio de 2015.
A música continua tocando no vestiário, e o vídeo mostra vários jogadores do elenco santista refletindo sobre a mensagem da letra e cantando.
Um grito de “Eu creio” surge ao fundo, e a câmera vira e mostra o atacante Gabriel, considerado revelação do clube, cantando: “Grandes coisas estão por vir, grandes coisas vão acontecer neste lugar. Tu És o Deus dessa terra, Tu És o Deus desse povo”.
Assista no vídeo abaixo (a música surge a partir dos 54 segundos de vídeo):



Evangélicos

O Santos já foi assunto no meio evangélico por causa de seus atletas cristãos em outras oportunidades.
Entre 2008 e 2010 o jogador Roberto Brum, evangélico, protagonizou entrevistas coletivas inusitadas e divertidas, sempre falando de sua fé em meio aos assuntos do clube e das partidas que seriam disputadas. Atualmente, aposentado como jogador profissional, Brum é pastor e treinador de futebol.
Outro jogador que passou pelo clube e sempre reitera sua fé cristã é Neymar, atualmente no Barcelona. O atacante sempre faz referências e agradecimentos a Deus em suas entrevistas, comemorações e redes sociais.
Quando começou a fazer sucesso, um pastor revelou que Deus o havia usado anos antes para profetizar o sucesso profissional em sua carreira.

Apocalipse 21

1  E VI um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe.
2  E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido.
3  E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus.
4  E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.
5  E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis.
6  E disse-me mais: Está cumprido. Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim. A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida.
7  Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho.
8  Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicários, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte.
9  E veio a mim um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a esposa, a mulher do Cordeiro.
10  E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que de Deus descia do céu.
11  E tinha a glória de Deus; e a sua luz era semelhante a uma pedra preciosíssima, como a pedra de jaspe, como o cristal resplandecente.
12  E tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.
13  Do lado do levante tinha três portas, do lado do norte, três portas, do lado do sul, três portas, do lado do poente, três portas.
14  E o muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.
15  E aquele que falava comigo tinha uma cana de ouro, para medir a cidade, e as suas portas, e o seu muro.
16  E a cidade estava situada em quadrado; e o seu comprimento era tanto como a sua largura. E mediu a cidade com a cana até doze mil estádios; e o seu comprimento, largura e altura eram iguais.
17  E mediu o seu muro, de cento e quarenta e quatro côvados, conforme à medida de homem, que é a de um anjo.
18  E a construção do seu muro era de jaspe, e a cidade de ouro puro, semelhante a vidro puro.
19  E os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda a pedra preciosa. O primeiro fundamento era jaspe; o segundo, safira; o terceiro, calcedônia; o quarto, esmeralda;
20  O quinto, sardônica; o sexto, sárdio; o sétimo, crisólito; o oitavo, berilo; o nono, topázio; o décimo, crisópraso; o undécimo, jacinto; o duodécimo, ametista.
21  E as doze portas eram doze pérolas; cada uma das portas era uma pérola; e a praça da cidade de ouro puro, como vidro transparente.
22  E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro.
23  E a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada.
24  E as nações dos salvos andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória e honra.
25  E as suas portas não se fecharão de dia, porque ali não haverá noite.
26  E a ela trarão a glória e honra das nações.
27  E não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.

domingo, 28 de setembro de 2014

Todo Dia Com Jesus

Mateus 25:31-46

O versículo 31 retoma o curso da profecia no mesmo estágio em que fora interrompido em Mateus 24:30-31, ou seja, quando da vinda do Senhor em glória para Seu povo terreno. Será o dia da recompensa ou do castigo para as pessoas dentre as "nações" (v. 32) que estarão vivendo aqui na terra. E o critério diferenciador será a maneira pela qual tiverem recebido os embaixadores do Rei (Seus irmãos - no caso aqui, os judeus - v. 40), quando lhes for anunciado o evangelho do reino (cap. 24:14).
Alguns querem usar esta parábola para justificar a doutrina da salvação pelas obras. Mas devemos esclarecer que este será um período posterior ao da Igreja e da fé cristã propriamente dita.
De qualquer modo, deixando de lado a questão da salvação, a declaração do Senhor está cheia de instrução para nós, cristãos. Se o Senhor Jesus estivesse aqui na Terra hoje, quanto empenho aplicaríamos para recebê-LO e servi-LO, em resumo, para satisfazer Seus menores desejos? Pois bem! Nós temos esta oportunidade todos os dias! Dons, hospitalidade, visitas. Tudo o que fazemos por amor a alguém deve ser feito em primeiro lugar para Ele (João 13:20; 1 Coríntios 12:12). Por outro lado, se recusarmos fazê-lo, estaremos sendo omissos em relação ao Senhor.

Deus e o Destino do Homem

Dave Hunt
Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus” (Salmo 90.2).
Eternidade. O que significa essa palavra e por que motivo alguém deveria aceitar esse conceito, principalmente no que se refere ao destino do homem? Sabemos por experiência própria, e através da observação da natureza, que as coisas materiais se deterioram. A Segunda Lei da Termodinâmica nos diz que todo o universo está se desgastando, como um relógio que está perdendo a corda, e não vai durar para sempre. Portanto, é óbvio que ele teve um princípio, exatamente como diz a Bíblia.
Sabemos que o Sol não esteve sempre no céu, ou já teria consumido completamente todo o seu combustível. O mesmo vale para todas as outras estrelas. Fica claro, então, que houve uma época em que este universo não existia; nada existia, nem mesmo a energia da qual o universo parece ser constituído.
Por que o universo não poderia ter sua origem em alguma misteriosa energia cósmica que sempre existiu, sem ter tido um começo? Por causa da Segunda Lei da Termodinâmica, a lei da entropia. A energia não poderia ter existido desde sempre, desenvolvendo-se rumo a um “Big Bang” (“Grande Explosão”) que teria criado as estrelas e os planetas. Ela teria sofrido entropia antes de “explodir” – e explosões não criam ordem. Se o universo tivesse existido para sempre, agora tudo deveria ter a mesma temperatura: o calor sempre é transmitido para algo mais frio.
Além disso, a energia não tem nem intelecto, nem qualidades pessoais para fazer surgir a incrível complexidade da vida e para criar seres com personalidade própria. Inteligência e personalidade são imateriais e não poderiam ter sido geradas posteriormente a partir da energia ou da matéria e, portanto, devem tê-la precedido.
Não alguma força, mas um Ser pessoal de inteligência infinita e sem começo deve ter criado o universo. Não se trata da “causa original” da filosofia ou dos “deuses” do paganismo, que mudam, seguem seus caprichos e competem entre si. O Criador somente pode ser o “Eu Sou” que revelou a Si mesmo a Moisés na sarça ardente (Êxodo 3.14), o Auto-Existente sem começo e sem fim, de quem a Bíblia diz: “de eternidade a eternidade, tu és Deus” (Salmo 90.2).
Tudo que podemos ver – seja a olho nu, com um telescópio ou através de um microscópio eletrônico – veio do nada.
É óbvio que o intelecto e a personalidade são inteiramente diferentes da matéria e não são a substância constitutiva dela. Portanto, o universo não faz parte de Deus e nem é uma extensão dEle. Isso significa que tudo que podemos ver – seja a olho nu, com um telescópio ou através de um microscópio eletrônico – veio do nada. Isso é impossível, mas somos levados a essa conclusão pela própria lógica. Contudo, imaginar que a vida e a inteligência brotaram espontaneamente, por sua própria iniciativa e poder, do espaço morto e vazio, seria algo totalmente irracional. Portanto, alguma coisa diferente do universo e de seus componentes deve ter existido sempre.
Não alguma coisa, mas Alguém, sem início nem fim. Por que Alguém? Porque o universo, desde a estrutura atômica até uma célula humana, exibe uma ordem e uma complexidade tão extraordinárias que só uma inteligência infinita poderia ter planejado e executado – e nenhuma coisa, ou força, ou “poder superior” tem a capacidade de pensar, planejar e organizar. Além disso, a espécie humana é composta de personalidades individuais que têm a capacidade de conceber idéias conceituais, expressá-las em palavras ou desenhos e transformá-las em intrincadas estruturas que não existem na natureza. Os seres humanos também têm a capacidade de sentir amor e ódio, alegria e tristeza, perceber a justiça e a injustiça, e raciocinar sobre sua própria existência e destino.
Só uma Pessoa infinita poderia criar pessoas. Portanto, as evidências e a lógica nos levam a concluir que este universo só poderia ter começado a existir sob o comando de Alguém que não teve começo; Alguém que sempre existiu e que possui o gênio e o poder infinitos para trazer à existência todas as coisas e todos os seres, a partir do nada.Certamente não foi pela superstição corrente no Egito em seus dias, mas por revelação divina que Moisés declarou: “Antes que [...] se formassem a terra e o mundo [...] de eternidade a eternidade, tu és Deus [...] mil anos, aos teus olhos, são como o dia de ontem que se foi, e como a vigília da noite” (Salmo 90.2,4).
Este não é o deus do paganismo, das religiões indígenas, ou de qualquer uma das grandes religiões do mundo, tais como o budismo (pouquíssimos budistas acreditam em Deus), o hinduísmo, o islamismo e muitas outras, mas sim o Deus da Bíblia que, do modo como é descrito nas Escrituras, qualifica-se de forma única e singular para ser o Criador de todas as coisas. Não consideramos o cristianismo como sendo uma das religiões do mundo, mas sim como algo inteiramente distinto de todas elas.
No princípio, criou Deus os céus e a terra.
A Bíblia jamais tenta provar a existência de Deus. Ela simplesmente a toma como um fato. Ela também não tenta explicar o que está além da nossa capacidade de compreensão. A Escritura simplesmente declara, no primeiro versículo: “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gênesis 1.1).Em gratidão ao Deus que o criou, o rei Davi afirmou: “Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso meformaste; as tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabe muito bem” (Salmo 139.14).
A ciência não foi, nem jamais será capaz de verificar, refutar ou aperfeiçoar essa declaração. Não podemos compreendê-la, mas devemos aceitá-la pela fé. Aqui temos um exemplo do que é a fé: um passo que nada tem de irracional, mas sim uma trajetória racional que pondera as evidências e segue a lógica até o ponto em que a razão consegue alcançar, e depois dá mais um passo além da razão, mas sempre na direção e no sentido que as evidências e a razão indicaram.
A Bíblia expressa esse princípio da seguinte forma: “Pela fé entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem” (Hebreus 11.3). Alguns autores já disseram que essa foi a primeira formulação da teoria atômica. Não, isso não é teoria; é a afirmação de um fato nas palavras do próprio Deus. No entanto, temos de ter o cuidado de não ler nesse versículo mais do que ele realmente diz. Ele não diz que tudo foi formado de algo invisível. Ele não diz, igualmente, que o universo foi formado de alguma coisa.
O que Hebreus 11.3 nos diz é que o universo visível não foi feito de algo visível, pois isso implicaria dizer que alguma coisa visível sempre existiu e que o universo foi simplesmente fabricado com os materiais disponíveis. Mas ele não poderia ter sido criado dessa forma, porque não existe nada visível que seja eterno. Na verdade, o universo foi criado pela Palavra de Deus: “Disse Deus: Haja [...]” (Gênesis 1.3,6,9, e outros), e tudo que é visível passou a existir em obediência à Sua Palavra. Essa mesma Palavra que criou e sustenta todas as coisas falará novamente, e tudo que é visível na velha criação se dissolverá e tornará ao nada: “Ora, os céus que agora existem e a terra, pela mesma palavra, têm sido entesourados para fogo, estando reservados para o Dia do Juízo e destruição dos homens ímpios” (2 Pedro 3.7).
Muito antes da formulação da Segunda Lei da Termodinâmica, Jesus afirmou muito claramente: “Passará o céu e a terra” (Mateus 24.35). Entretanto, o universo não está destinado, simplesmente, a se desgastar devido à passagem de incontáveis bilhões de anos. Sob a inspiração do Espírito Santo, Pedro explicou que toda a vida existente na face da terra será sumariamente eliminada e o universo inteiro será destruído por Deus como castigo pela rebelião do homem e de Satanás. Em seu lugar, será criado um novo universo: “[No] Dia do Juízo [...] os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas [...] os céus, incendiados, serão desfeitos [...] Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça” (2 Pedro 3.7-13).
A palavra “céus” é usada de duas formas na Escritura: significando tudo o que há de físico no espaço dimensional exterior à terra, e referindo-se à habitação imaterial de Deus, que Jesus indicou quando disse: “Na casa de meu Pai há muitas moradas” (João 14.2). Um significado refere-se a algo visível e temporal, enquanto o outro fala de algo invisível e eterno. Este universo visível e temporário não é tudo o que existe. Há uma outra dimensão de existência que não é física nem visível – e que não se desgasta nem envelhece com a passagem do tempo, não pode ser destruída e jamais deixará de existir. (Dave Hunt - http://www.chamada.com.br)
Dave Hunt (1926-2013) — Devido a suas profundas pesquisas e sua experiência em áreas como profecias, misticismo oriental, fenômenos psíquicos, seitas e ocultismo, realizou muitas conferências nos EUA e em outros países. Também foi entrevistado freqüentemente no rádio e na televisão. Começou a escrever em tempo integral após trabalhar por 20 anos como consultor em Administração e na direção de várias empresas. Dave Hunt escreveu mais de 20 livros, que foram traduzidos para dezenas de idiomas, com impressão total acima dos 4.000.000 de exemplares.

Apocalipse 20

1  E VI descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão.
2  Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos.
3  E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que não mais engane as nações, até que os mil anos se acabem. E depois importa que seja solto por um pouco de tempo.
4  E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos.
5  Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição.
6  Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos.
7  E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão,
8  E sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, para as ajuntar em batalha.
9  E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; e de Deus desceu fogo, do céu, e os devorou.
10  E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.
11  E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles.
12  E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.
13  E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras.
14  E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte.
15  E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.

sábado, 27 de setembro de 2014

Todo Dia Com Jesus

Mateus 25:14-30

A parábola das dez virgens refere-se ao esperar - ao velar - pela vinda do Senhor. A parábola dos talentos considera o aspecto do serviço. A vida do crente após a sua conversão compreende estes dois aspectos: "servir" o Deus vivo e verdadeiro e "esperar" dos céus a Seu Filho (1 Tessalonicenses 1:9-10). Mas esperar o Senhor não significa cruzar os braços até que Ele venha. Ao contrário, cada redimido tem o privilégio de trabalhar para Ele. E para isto, todos receberam certo número de talentos, com a responsabilidade de empregá-los e gerar frutos: uns receberam saúde; outros, discernimento e memória; outros ainda, tempo, bens materiais... mas, e sobretudo, todos têm a Palavra divina, a qual lhes confere um respectivo conhecimento (1 Coríntios 2:12). Mas, amigos leitores, mesmo sendo salvos, podemos assemelhar-nos de alguma maneira com o servo mau e negligente. Estamos seguros de não haver "escondido sob a terra", por egoísmo ou preguiça, desonestamente, um ou mais desses dons que pertencem ao Senhor? Que teremos para Lhe dar quando Ele vier? Poderá Ele fazer-nos entrar no Seu gozo? (Não é dito "entrar no céu", mas, no "Seu gozo") - o gozo da obra consumada e do amor satisfeito - gozo que fora a Sua motivação para a obra (Hebreus 12:2).

População de Israel atinge “marca profética”

População de Israel atinge “marca profética”População de Israel atinge "marca profética"
Os judeus de todo mundo comemoram o Rosh Hashaná, o Ano Novo do calendário judaico, na virada do dia 24 para 25 de setembro. A chegada do ano 5775 traz um número considerado profético. A população de Israel chegou a 9 milhões, afirma o relatório da Autoridade da População e Imigração.
Apenas o crescimento demográfico natural não possibilitaria isso. No último ano nasceram 176.230 bebês em Israel. Somente este ano cerca de 25.000 judeus imigraram para Israel vindos de diferentes partes do mundo.
Destaque para os que imigraram da França e da Ucrânia, onde o aumento do antissemitismo e a guerra, respectivamente, contribuíram para o êxodo. Pela primeira vez, mais de seis milhões de judeus vivem no Estado de Israel desde 1948, quando ocorreu o seu “renascimento”.
Os outros três milhões são de muçulmanos e cristãos. Quase metade dos árabes-israelenses moram em comunidades próprias nos territórios palestinos (Cisjordânia e Gaza). Atualmente Nazaré é a maior cidade árabe do país. Em Jerusalém, vivem cerca de 200 mil muçulmanos, ou seja, 33% da população da cidade. A minoria cristã (2%) está espalhada por todo o país.
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, declarou que o índice populacional de Israel é uma evidência de sua vitória sobre o Holocausto e aqueles que tentaram destruir o povo judeu através dos tempos. “Pela primeira vez na história do Estado de Israel, mais de seis milhões de judeus vivem aqui. Este número tem um grande significado à luz da história do nosso povo no século anterior e no atual”, disse Netanyahu.
Para vários ministérios que estudam profecias, a migração é o cumprimento das promessas bíblicas. Em especial, citam Ezequiel 36: 24: “‘Pois eu os tirarei das nações, os ajuntarei do meio de todas as terras e os trarei de volta para a sua própria terra”. Com informações de CBN

Apocalipse 19

1  E, DEPOIS destas coisas ouvi no céu como que uma grande voz de uma grande multidão, que dizia: Aleluia! Salvação, e glòria, e honra, e poder pertencem ao Senhor nosso Deus;
2  Porque verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande prostituta, que havia corrompido a terra com a sua prostituição, e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos.
3  E outra vez disseram: Aleluia! E a fumaça dela sobe para todo o sempre.
4  E os vinte e quatro anciãos, e os quatro animais, prostraram-se e adoraram a Deus, que estava assentado no trono, dizendo: Amém. Aleluia!
5  E saiu uma voz do trono, que dizia: Louvai o nosso Deus, vós, todos os seus servos, e vós que o temeis, assim pequenos como grandes.
6  E ouvi como que a voz de uma grande multidão, e como que a voz de muitas águas, e como que a voz de grandes trovões, que dizia: Aleluia! pois já o Senhor Deus Todo-Poderoso reina.
7  Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou.
8  E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos.
9  E disse-me: Escreve: Bemaventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus.
10  E eu lancei-me a seus pés para o adorar; mas ele disse-me: Olha não faças tal; sou teu conservo, e de teus irmãos, que têm o testemunho de Jesus. Adora a Deus; porque o testemunho de Jesus é o espírito de profecia.
11  E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça.
12  E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo.
13  E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.
14  E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro.
15  E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso.
16  E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores.
17  E vi um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde, e ajuntai-vos à ceia do grande Deus;
18  Para que comais a carne dos reis, e a carne dos tribunos, e a carne dos fortes, e a carne dos cavalos e dos que sobre eles se assentam; e a carne de todos os homens, livres e servos, pequenos e grandes.
19  E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo, e ao seu exército.
20  E a besta foi presa, e com ela o falso profeta, que diante dela fizera os sinais, com que enganou os que receberam o sinal da besta, e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com enxofre.
21  E os demais foram mortos com a espada que saía da boca do que estava assentado sobre o cavalo, e todas as aves se fartaram das suas carnes.

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5