domingo, 31 de dezembro de 2017


Pérolas Diárias



31 de Dezembro

"...Seca-se a erva, e cai a sua flor, mas a palavra de nosso Deus permanece eternamente." Isaías 40.8
As promessas de Deus permanecem válidas também no novo ano. Embora as circunstâncias nos sacudam e nos abalem, embora sejamos jogados de um lado para o outro e embora o tempo passe rapidamente, uma coisa é certa: a Palavra de Deus permanece! Quanto se mexeu e remexeu na Bíblia durante os séculos! Forças destruidoras tentaram atingi-la, mas a Bíblia permaneceu! A Palavra de Deus nos pertence; devemos nos identificar com ela. O Senhor Jesus foi inseparavelmente um com a eterna Palavra de Deus. Davi disse: "Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti." A Bíblia permanece! A Palavra de Deus permanece porque ela é segura e confiável, sim, porque ela é mais forte do que todas as outras coisas, mais forte do que ensinos humanos e forças destruidoras. Por isso, nessa passagem de ano, desejo-lhe a bênção do Senhor com o Salmo 33.4: "Porque a palavra do Senhor é reta e todo o seu proceder é fiel." A Bíblia permanece! Isso vale para todos os que de uma ou de outra maneira trabalham na seara do Senhor. A Bíblia permanece! Mas isso também vale para você, que talvez se encontre no leito da enfermidade ou está passando por alguma aflição: a Palavra continua sendo a verdade!

Ensaio para a morte

Versículo do dia: Tu os arrastas na torrente, são como um sono, como a relva que floresce de madrugada; de madrugada, viceja e floresce; à tarde, murcha e seca… Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio. (Salmo 90.5-6, 12)
Para mim, o fim de um ano é como o fim da minha vida. E 23h59 em 31 de dezembro é semelhante ao momento da minha morte.
Os 365 dias do ano são como uma vida em miniatura. E essas horas finais são como os últimos dias no hospital depois do médico me dizer que o fim está muito perto. E nessas últimas horas, a vida desse ano passa diante dos meus olhos, e eu enfrento a inevitável pergunta: Eu vivi bem? Jesus Cristo, o justo juiz, dirá “Muito bem, servo bom e fiel”?
Eu me sinto muito abençoado por meu ano terminar desse modo. E oro para que o fim do ano possa ter o mesmo significado para você.
O motivo pelo qual eu me sinto feliz é que há um grande proveito em ter um período de ensaio da minha própria morte. É um grande benefício ensaiar uma vez por ano a preparação para a última cena da sua vida. Esse é um grande benefício porque a manhã de 1º de janeiro encontrará a maioria de nós vivos, na iminência de inteira vida nova, capazes de começar tudo novamente.
A importância dos ensaios é que eles mostram onde estão as suas fraquezas, onde a sua preparação foi defeituosa; e eles dão tempo para que você mude antes da atuação verdadeira.
Suponho que para alguns de vocês o pensamento de morrer é tão mórbido, tão sombrio, tão cheio de sofrimento e dor que é melhor mantê-lo fora das suas mentes, especialmente durante os feriados. Eu acho que isso é insensato e que você presta a si mesmo um grande desserviço. Pois eu tenho descoberto que há poucas coisas mais revolucionárias para a minha vida do que uma meditação periódica sobre a minha própria morte.
Como você alcança um coração sábio para que saiba como viver melhor? O salmista responde:
Tu os arrastas na torrente, são como um sono, como a relva que floresce de madrugada; de madrugada, viceja e floresce; à tarde, murcha e seca… Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio (Salmo 90.5-6, 12).
Contar os seus dias significa simplesmente lembrar que a sua vida é curta e que a sua morte será em breve. Grande sabedoria — grande sabedoria que revoluciona a vida — é alcançada por ponderar de modo periódico nessas coisas.
O critério de sucesso que Paulo usou para avaliar a sua vida era se ele tinha guardado a fé. É nisso que eu desejo que nos concentremos.
E se nós descobrirmos que não guardamos a fé no ano passado, então podemos ficar contentes, como eu fico, que essa morte de fim de ano seja (nós esperamos) apenas um ensaio e toda uma vida de possibilidade de guardarmos a fé esteja diante de nós no próximo ano.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys. Original: 31 de Dezembro – Ensaio para a morte. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: André Aloízio.
Promova a Alegria Inabalável em seu blog/site. Clique aqui e pegue o código.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Pérolas Diárias



29 de Dezembro

"...Eis que tudo se fez novo." 2 Coríntios 5.17
Será que o versículo acima não vale também para o novo ano que começará em poucos dias? O Senhor não apenas faz tudo novo, mas Ele sempre faz tudo novo, e o faz cada vez mais clara e profundamente. Deus executa esse milagre da renovação interior na fornalha das nossas aflições, das nossas tentações e da nossa miséria, como Ele disse em Isaías 48.10: "Eis que te acrisolei, mas disso não resultou prata; provei-te na fornalha da aflição." Quando começamos a ver as coisas obscuras e negativas dessa maneira, recebemos uma visão gloriosa! Naturalmente nos sentimos cercados de poderes do inimigo, mas todos eles foram vencidos por Jesus Cristo na cruz do Calvário. Pensemos no nosso bem-aventurado Senhor e Salvador: com que soberania e calma interior Ele reagiu diante dos poderes inimigos que O rodeavam, mas não Lhe puderam fazer mal algum. Aprendamos do Senhor Jesus como podemos permanecer intocados pelo poder do inimigo. Qual era o segredo de Jesus? Ele estava no Pai e o Pai estava nEle! Dessa maneira, Ele permaneceu intocável. A intocabilidade de um filho de Deus que permanece no Senhor é uma maravilhosa realidade: "...o maligno não lhe toca."

Um destino terrível

Versículo do dia: …Jesus, que nos livra da ira vindoura. (1 Tessalonicenses 1.10)
Você recorda o tempo em que estava perdido como uma criança, ou caindo do alto de um precipício, ou prestes a se afogar? Então, de repente você foi resgatado. Você se segurou pela “vida amada”. Você tremeu pelo que quase perdeu. Você estava feliz. Oh, tão feliz e agradecido. E você tremeu de alegria.
É assim que me sinto no fim do ano em relação ao meu resgate da ira de Deus. Todos os dias de Natal tínhamos fogo na lareira. Às vezes, as brasas estavam tão quentes que quando eu me aproximava, minha mão realmente doía. Eu recuava e estremecia ao pensar na horrenda ira de Deus contra o pecado no inferno. Quão indizivelmente terrível será!
Na tarde de Natal, eu visitei uma mulher que tinha sido queimada em mais de 87 por cento de seu corpo. Ela está no hospital desde agosto. Meu coração ficou comovido por ela. Quão maravilhoso foi lhe oferecer a esperança da Palavra de Deus! Porém, eu saí não apenas pensando sobre sua dor nessa vida, mas também sobre a dor eterna da qual fui salvo por meio de Jesus.
Teste a minha experiência comigo. Essa alegria com tremor é uma maneira apropriada de terminar o ano? Paulo estava contente que o Senhor do céu fosse “Jesus, que nos livra da ira vindoura” (1 Tessalonicenses 1.10). Ele advertiu que haverá “ira e indignação aos… que desobedecem à verdade” (Romanos 2.8). E “por essas coisas [imoralidade sexual, impureza e cobiça] vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência” (Efésios 5.6).
Agora, no fim do ano, estou terminando minha jornada pela Bíblia e lendo o último livro, Apocalipse. Essa é uma profecia gloriosa do triunfo de Deus e da alegria eterna de todos os que recebem “de graça a água da vida” (22.17). Sem mais lágrimas, dor, depressão, tristeza e morte (21.4).
Mas oh, o horror de não se arrepender e não se manter firme ao testemunho de Jesus! A descrição da ira de Deus pelo “apóstolo do amor” (João) é aterrorizante. Aqueles que rejeitam o amor de Deus beberão “do vinho da cólera de Deus, preparado, sem mistura, do cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos anjos e na presença do Cordeiro. A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite” (14.10-11). “E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo” (20.15). Jesus pisará “o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso” (19.15). E o sangue irá “do lagar até aos freios dos cavalos, numa extensão de mil e seiscentos estádios” (14.20).
Eu tremo com alegria porque eu sou salvo! Oh, a santa ira de Deus é um destino terrível! Fujam, irmãos e irmãs. Fujam com todas as suas forças. E vamos salvar o máximo de pessoas que pudermos! Não surpreende que haja mais alegria no céu por um pecador que se arrepende do que por 99 justos (Lucas 15.7)!
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys. Original: 29 de Dezembro – Um destino terrível. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: André Aloízio.
Promova a Alegria Inabalável em seu blog/site. Clique aqui e pegue o código.

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Pérolas Diárias



28 de Dezembro

"As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade."Lamentações 3.22-23
Lembremo-nos sempre que é só pela misericórdia do Senhor que continuamos a viver. Em breve, um novo ano se inicia, por isso conclamo a todos: aprendamos a receber a plenitude da graça de Deus! A maioria dos filhos de Deus têm muitas dificuldades nessa área. Por que será? Porque graça é favor imerecido, e quem de nós está disposto a viver de favor que não merece? Só o filho de Deus que cresce no conhecimento de si mesmo pode fazer isso. Ele aprende a odiar-se a si mesmo, e assim está em condições de tomar da plenitude da graça de Jesus Cristo, como diz João 1.16: "...temos recebido da sua plenitude, e graça sobre graça." Quando tomamos dessa graça, vivemos no descanso e na serenidade interior e exterior. Só assim podemos dizer cheios de gratidão: "É só pela misericórdia do Senhor que ainda tenho vida, só Sua misericórdia que me permite conhecer a Jesus e segui-lo."

A glória é o objetivo

Versículo do dia: Por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. (Romanos 5.2)
Ver a glória de Deus é nossa esperança suprema. “Gloriamo-nos na esperança da glória de Deus” (Romanos 5.2). Deus “vos apresentará com exultação, imaculados diante da sua glória” (Judas 24).
Ele dará a “conhecer as riquezas da sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou” (Romanos 9.23). “Deus… vos chama para o seu reino e glória” (1 Tessalonicenses 2.12). “Aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus” (Tito 2.13).
Jesus, em toda a sua pessoa e obra, é a encarnação e revelação final da glória de Deus. “Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser” (Hebreus 1.3). “Pai, a minha vontade é que… estejam também comigo… para que vejam a minha glória” (João 17.24).
“Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada” (1 Pedro 5.1). “A própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus” (Romanos 8.21).
“Falamos a sabedoria de Deus em mistério, outrora oculta, a qual Deus preordenou desde a eternidade para a nossa glória” (1 Coríntios 2.7). “Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação” (2 Coríntios 4.17). “Aos que justificou, a esses também glorificou” (Romanos 8.30).
Ver e compartilhar a glória de Deus é a nossa esperança suprema por meio do evangelho de Cristo.
Eu anseio que essa esperança seja realmente conhecida e estimada como tendo um efeito enorme e decisivo sobre nossos valores, escolhas e ações atuais.
Conheça a glória de Deus. Estude a glória de Deus, a glória de Cristo, a glória do mundo que revela a glória de Deus e a glória do evangelho que revela a glória de Cristo.
Valorize a glória de Deus acima de todas as coisas.
Examine a sua alma. Conheça a glória para a qual você é atraído, e saiba por que você valoriza glórias que não são a glória de Deus.
Examine a sua própria alma para que saiba como fazer as glórias do mundo desmoronarem como Dagom (1 Samuel 5.4) em miseráveis pedaços ​​no chão dos templos do mundo.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys. Original: 28 de Dezembro – A glória é o objetivo. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: André Aloízio.
Promova a Alegria Inabalável em seu blog/site. Clique aqui e pegue o código.

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Pérolas Diárias



27 de Dezembro

"Porque todas as cousas sujeitou debaixo dos seus pés." 1 Coríntios 15.27
Onde o poder de Satanás se manifesta com muita intensidade, somente o nome de Jesus tem poder maior. Por quê? Porque por trás desse nome precioso está o Seu sangue derramado, a vida de Jesus entregue na cruz. Por meio desse sangue, Satanás perdeu o poder. Quem tem o sangue do Cordeiro é invencível. Você que está melancólico ou deprimido, não negue o poder do Senhor crendo que a escuridão em sua alma seja mais forte que o nome de Jesus! Invoque este nome maravilhoso e você terá uma porta aberta. E onde o Senhor nos deu essa porta aberta? Ela está bem na nossa frente! "...Eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar – que tens pouca força..." Essa porta sempre está diante de nós, nunca atrás de nós! Por isso, nunca volte para trás! Você deve andar em direção a essa porta, deve passar por ela, seguir adiante apesar de toda dificuldade até chegar na feliz presença de Deus! A dupla garantia de que essa porta permanece aberta reside na onipotência de Deus e na nossa própria impotência! "Eis que tenho...", diz o Senhor. Ele tem tudo o que nos falta. E nós, o que temos? Nada! Em nós mesmos somos miseráveis, pobres e vazios. Mas que coisa maravilhosa: entre Deus e nós, Ele interpõe essa passagem, esse caminho: "...eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta."

Qual é o seu objetivo?

Versículo do dia: Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. (Hebreus 10.24)
Quando você se levanta pela manhã e enfrenta um dia, o que diz a si mesmo sobre as suas esperanças para este dia? Quando olha do começo ao fim do dia, o que deseja que aconteça porque você viveu?
Se você diz: “Eu jamais pensei assim, apenas me levanto e faço o que preciso fazer”, então você está se privando de um meio básico de graça e de uma fonte de direção, força, fecundidade e alegria. Está claro na Bíblia, incluindo nesse texto, que Deus deseja que nós objetivemos de modo consciente algo significativo em nossos dias.
A vontade revelada de Deus para você é que, quando você se levantar pela manhã, não saia sem rumo ao longo do dia deixando que somente a mera circunstância dite o que você faz, mas que você objetive algo — que se concentre em um determinado tipo de propósito. Aqui, estou falando sobre crianças, jovens e adultos — solteiros, casados, viúvos, mães, e de todos os afazeres.
A falta de objetivo é semelhante à falta de vida. As folhas mortas no quintal podem se mover mais do que qualquer outra coisa — mais do que o cachorro e as crianças. Se o vento sopra em uma direção, elas vão por esse caminho. Se o vento sopra em outra direção, elas vão por aquele caminho. As folhas caem, tocam no chão, saltitam, pressionam contra uma cerca, mas não têm objetivo algum. Elas são cheias de movimento e vazias de vida.
Deus não criou os seres humanos à sua imagem para que estejam sem objetivo, como folhas mortas espalhadas no quintal da vida. Ele nos criou para que sejamos propositais — para que tenhamos um alvo e um objetivo em todos os nossos dias. Qual é o seu objetivo hoje?
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys. Original: 27 de Dezembro – Qual é o seu objetivo?. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: André Aloízio.

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Pérolas Diárias



26 de Dezembro

"Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo." 1 Coríntios 3.11
A Bíblia é exclusiva e definitiva. Por isso ninguém pode lançar outra base sobre a qual a alma humana possa se fundamentar para a eternidade.
Jesus Cristo é a base imutável. O prazer e a alegria que o mundo oferece é fútil, porque é mutável e, portanto, passageira. As Sagradas Escrituras ensinam: "Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência."
Jesus Cristo é o fundamento eterno. Ele é o Filho do Deus eterno. A Bíblia diz que Ele nos dá uma salvação que dura para sempre. Jesus diz: "Eu lhes dou a vida eterna."
Jesus Cristo é o fundamento para a reconciliação. Ele lançou a base para a nossa reconciliação com o Deus santo: "...a saber, que Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões."
Jesus Cristo é o fundamento seguro e fiel. Onde você encontra segurança? Em lugar nenhum! Ainda que você possua muitas apólices de seguro, sua insegurança, sua inquietação e sua insatisfação não estarão banidas de sua vida. Refugie-se nEle: seguro nos braços de Jesus; seguro no Seu coração!

Como contemplar a tragédia

Versículo do dia: Porque ondas de morte me cercaram, torrentes de impiedade me impuseram terror… O caminho de Deus é perfeito. (2 Samuel 22.5, 31)
Após a perda dos seus dez filhos devido a um desastre natural (Jó 1.19), Jó disse: “O SENHOR o deu e o SENHOR o tomou; bendito seja o nome do SENHOR!” (Jó 1.21). No fim do livro, o escritor inspirado confirma a compreensão de Jó sobre o que aconteceu. Ele diz que os irmãos e irmãs de Jó “o consolaram de todo o mal que o SENHOR lhe havia enviado” (Jó 42.11).
Isso tem várias implicações cruciais para nós enquanto pensamos sobre a grande tragédia que aconteceu em 26 de dezembro de 2005, no Oceano Índico — um dos mais fatais desastres naturais já registrados.

1. Satanás não é soberano, Deus é.

Satanás tinha uma participação na miséria de Jó, mas não a participação decisiva. Deus deu a Satanás permissão para afligir a Jó (Jó 1.12; 2.6). Mas Jó e o escritor desse livro consideram Deus como a causa final e decisiva. Quando Satanás aflige Jó com feridas, Jó diz à sua esposa: “Temos recebido o bem de Deus e não receberíamos também o mal?” (Jó 2.10), e o escritor chama esses tumores satânicos de “o mal que o SENHOR lhe havia enviado” (Jó 42.11). Logo, Satanás é real. Satanás traz miséria. Mas Satanás não é supremo ou decisivo. Ele está preso. Ele não vai mais longe do que Deus permite de modo decisivo.

2. Mesmo que Satanás tenha causado o terremoto no Oceano Índico no dia seguinte ao Natal, ele não é a causa decisiva de mais de 200.000 mortes; Deus é.

Deus reivindica o poder sobre os tsunamis em Jó 38.8 e 11, quando ele pergunta de forma retórica a Jó: “Ou quem encerrou o mar com portas, quando irrompeu da madre… e disse: até aqui virás e não mais adiante, e aqui se quebrará o orgulho das tuas ondas?”. O Salmo 89.8-9 afirma: “Ó SENHOR… Dominas a fúria do mar; quando as suas ondas se levantam, tu as amainas”. E o próprio Jesus ainda hoje tem o controle de outrora sobre as ameaças mortais das ondas: “Jesus, repreendeu o vento e a fúria da água. Tudo cessou, e veio a bonança” (Lucas 8.24). Em outras palavras, mesmo se Satanás tivesse causado o terremoto, Deus poderia ter parado as ondas.

3. As calamidades destrutivas neste mundo misturam juízo e misericórdia.

Seus propósitos não são simples. Jó era um homem piedoso e suas misérias não eram castigo de Deus (Jó 1.1, 8). Seu desígnio era purificar, não castigar (Jó 42.6). Mas não conhecemos a condição espiritual dos filhos de Jó. Ele certamente estava preocupado com seus filhos (Jó 1.5). Deus pode ter ceifado a vida deles em juízo. Se isso for verdade, então a mesma calamidade provou, por fim, ser misericórdia para Jó e juízo sobre seus filhos. Isso é verdade em relação a todas as calamidades. Elas misturam juízo e misericórdia. Elas são tanto punição quanto purificação. O sofrimento, e até a morte, pode ser ao mesmo tempo juízo e misericórdia.
A ilustração mais evidente disso é a morte de Jesus. Ela foi tanto juízo quanto misericórdia. Foi juízo sobre Jesus porque ele levou nossos pecados (não os seus próprios), e foi misericórdia para nós que confiamos que ele suportou o nosso castigo (Gálatas 3.13; 1 Pedro 2.24) e que é a nossa justiça (2 Coríntios 5. 21). Outro exemplo é a maldição que se encontra sobre esta terra caída. Aqueles que não creem em Cristo a experimentam como juízo, mas os crentes a experimentam como uma preparação misericordiosa, embora dolorosa, para a glória. “Pois a criação está sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por causa daquele que a sujeitou, na esperança…” (Romanos 8.20). Essa é a sujeição de Deus. É por isso que tsunamis ocorrem.

4. O coração que Cristo dá ao seu povo sente compaixão por aqueles que sofrem, não importa qual seja a fé deles.

Quando a Bíblia diz: “Chorai com os que choram” (Romanos 12.15), não acrescenta: “a não ser que Deus tenha causado o choro”. Os consoladores de Jó teriam agido melhor se chorassem com ele, do que ao falarem tanto. Isso não muda quando descobrimos que o sofrimento de Jó vinha finalmente da parte Deus. Não, é certo chorar com os que sofrem. Dor é dor, não importa quem a cause. Nós todos somos pecadores. A empatia não flui das causas da dor, mas da companhia da dor. E nisso nós estamos todos juntos.

5. Por fim, Cristo nos chama a demonstrar misericórdia aos que sofrem, mesmo que não eles mereçam.

Esse é o significado de misericórdia: ajuda imerecida. “Amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam” (Lucas 6.27).
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys. Original: 26 de Dezembro – Como contemplar a tragédia. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: André Aloízio.
Promova a Alegria Inabalável em seu blog/site. Clique aqui e pegue o código.

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Pérolas Diárias



25 de Dezembro

"E tu, Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as principais de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar a meu povo, Israel." Mateus 2.6
Enquanto os crentes, os teólogos nas redondezas de Belém e em Jerusalém ficavam discutindo as Escrituras, os sábios do Oriente, que eram gentios possuidores de uma fé singela e pura, foram abençoados pelo maravilhoso cumprimento dessas mesmas Escrituras. Hoje em dia não é diferente: enquanto os cristãos brigam entre si, e os teólogos publicam suas disputas, um pequeno grupo dentro da grande cristandade crê na profecia bíblica já cumprida e crê na Palavra de Deus que está se cumprindo em nossos dias, e assim recebe a bênção de Deus que é sem medida. Esses cristãos, por não crerem apenas na Palavra, mas também em seu cumprimento nos dias de hoje, também recebem a luz que vem de Deus. E é dessas pessoas que o Senhor Jesus diz: "Vós sois a luz do mundo". Que grande tarefa! Por isso, firme-se na Palavra profética, que se cumpre hoje diante dos olhos de todos. Verdadeiramente podemos dizer: "Vimos a sua estrela!" O Rei está a caminho, Ele vem! A festa do Natal é a festa da esperança viva. Aquele que veio uma vez, brevemente voltará!

Três presentes de Natal

Versículo do dia: Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como ele é justo. Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo. (1 João 3.7-8)
Reflita comigo sobre essa situação impressionante. Se o Filho de Deus veio ajudá-lo a parar de pecar — ou seja, destruir as obras do diabo — e se ele também veio morrer para que, quando você pecar, haja uma propiciação, uma remoção da ira de Deus, então qual é a implicação disso para a sua vida?
Três coisas. E elas são maravilhosas. Eu as dou a você de forma resumida, como presentes de Natal:

1. Um propósito claro para viver

Isso implica que você tem um propósito claro para viver. De modo negativo, é simplesmente isso: não peque. “Estas coisas vos escrevo para que não pequeis” (2.1). “Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo” (3.8).
Caso você pergunte: “Você pode nos explicar isso de modo positivo, em vez de negativamente?”, a resposta é: Sim, tudo está resumido em 1 João 3.23. Esse é um grande resumo do que toda a carta de João requer. Observe o “mandamento” singular: “Ora, o seu mandamento é este: que creiamos em o nome de seu Filho, Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, segundo o mandamento que nos ordenou”. Essas duas ordens estão tão intimamente ligadas para João que ele as chama de um mandamento: crer em Jesus e amar os outros. Esse é o seu propósito. Esse é o resumo da vida cristã. Crer em Jesus, amar as pessoas. Confie em Jesus e ame as pessoas. Esse é o primeiro presente: um propósito para viver.

2. Esperança de que os nossos fracassos serão perdoados

Agora, considere a segunda implicação da dupla verdade de que Cristo veio para destruir nosso pecar e perdoar nossos pecados. Nós fazemos progresso em vencer nossos pecados quando temos esperança de que nossos fracassos serão perdoados. Se você não tem esperança de que Deus perdoará as suas falhas, quando começa a lutar contra o pecado, você desiste.
Muitos de vocês estão pensando em algumas mudanças no ano novo, porque caíram em padrões pecaminosos e desejam parar. Vocês querem alguns novos padrões de alimentação, novos padrões de entretenimento, novos padrões de ofertar, novos padrões de relacionamento com seu cônjuge, novos padrões de devoções em família, novos padrões de sono e exercício, novos padrões de coragem no testemunho. Mas vocês estão lutando, perguntando a si mesmos se isso é de algum proveito. Bem, aqui está o seu segundo presente de Natal: Cristo não somente veio para destruir as obras do diabo — nosso pecado — ele também veio para ser um advogado para nós quando falhamos em nossa luta.
Portanto, eu imploro a você: que a liberdade de falhar lhe dê a esperança de lutar. Mas cuidado! Se você transformar a graça de Deus em libertinagem, e disser: “Bem, se eu posso falhar, e isso não importa, então por que me preocupar em lutar?” — Se você disser isso, tiver essa intenção, e continuar agindo desse modo, provavelmente não nasceu de novo e deve tremer.
Mas a maioria de vocês não está nessa situação. A maioria de vocês deseja lutar contra os padrões pecaminosos em sua vida. E o que Deus está dizendo para vocês é: que a liberdade de falhar lhes dê esperança para lutar. Estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos um Advogado, Jesus Cristo.

3. Cristo nos ajudará

Por fim, a terceira implicação da dupla verdade de que Cristo veio para destruir e perdoar nossos pecados é esta: Cristo realmente nos ajudará em nossa luta. Ele realmente ajudará você. Ele está do seu lado. Ele não veio destruir o pecado porque o pecado é divertido. Ele veio para destruir o pecado porque é fatal. É uma obra enganosa do diabo e nos destruirá se não a combatermos. Jesus veio nos ajudar, não nos prejudicar.
Então, aqui está o seu terceiro presente de Natal: Cristo o ajudará a vencer o pecado em você. 1 João 4.4 diz: “Maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo”. Jesus está vivo, Jesus é todo-poderoso, Jesus vive em nós pela fé. E Jesus é por nós, não contra nós. Ele ajudará você. Confie nele.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 25 de Dezembro – Três presentes de Natal. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Promova a Alegria Inabalável em seu blog/site. Clique aqui e pegue o código.

domingo, 24 de dezembro de 2017

Pérolas Diárias



24 de Dezembro

"Em Belém da Judéia, responderam eles, porque assim está escrito por intermédio do profeta." Mateus 2.5
Nesses dias de Natal, tem-se a impressão de que milhões de pessoas crêem firmemente no cumprimento da profecia bíblica que fala da primeira vinda de Jesus. Mas é interessante observar que essas mesmas pessoas têm dificuldades em crer que hoje, em nossos dias, se cumprem profecias feitas por Deus! É verdade que muitos crêem na Palavra de Deus, mas não crêem no seu cumprimento. A História se repete: por ocasião do nascimento de Jesus, os sumo sacerdotes e escribas criam com fidelidade ferrenha na Palavra de Deus e em seu cumprimento, e até a citaram para responder prontamente quando Herodes timidamente lhes perguntou onde Jesus deveria nascer. "Em Belém da Judéia", disseram eles. Mas, por outro lado, se negavam a crer que esta promessa poderia estar se cumprindo bem naquele instante. Um exemplo bem oposto são os sábios do Oriente, que não conheciam as Escrituras, porém viram a luz, e, com toda a certeza em seus corações, seguiram a estrela, e, chegando finalmente em Jerusalém, perguntaram: "Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? porque vimos a sua estrela no Oriente." Os crentes daquela época criam nas Escrituras, mas não criam no seu cumprimento; os gentios ignorantes, pelo contrário, tinham a luz, creram nela, seguiram-na e encontraram Jesus! Assim aconteceu na primeira vinda de Jesus, e acontece ainda hoje: "...muitos primeiros serão últimos: e os últimos, primeiros."

O Filho de Deus se manifestou

Versículo do dia: Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como ele é justo. Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo. (1 João 3.7-8)
Quando o versículo 8 diz: “Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo”, quais são as “obras do diabo” que João tem em mente? A resposta é evidente a partir do contexto.
Primeiramente, o versículo 5 é um paralelo claro: “Sabeis também que ele se manifestou para tirar os pecados”. A expressão “ele se manifestou…”, ocorre nos versículos 5 e 8. Assim, é provável que as “obras do diabo” que Jesus veio destruir sejam os pecados. A primeira parte do versículo 8 torna isso praticamente certo: “Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio”.
A questão nesse contexto é o pecado, não a enfermidade ou carros quebrados ou planos frustrados. Jesus veio ao mundo para ajudar-nos a parar de pecar.
Permita-me compará-lo com a verdade de 1 João 2.1: “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis”. Em outras palavras, eu estou promovendo o propósito do Natal (3.8), o propósito da encarnação. Em seguida, ele acrescenta (2.1-2): “Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro”.
Mas, agora, veja o que isso significa: Jesus se manifestou no mundo por dois motivos. Ele veio para que não continuássemos pecando; e ele veio morrer para que houvesse uma propiciação — um sacrifício substitutivo que removesse a ira de Deus — por nossos pecados, se nós pecarmos.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 24 de Dezembro – O Filho de Deus se manifestou. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.

sábado, 23 de dezembro de 2017

Pérolas Diárias



23 de Dezembro

"Graças a Deus pelo seu dom inefável." 2 Coríntios 9.15
Ingratidão para com o Senhor é um grande pecado de omissão! Quantos motivos temos para Lhe agradecer! Mas o maior motivo de gratidão de nossa parte para com Deus é Seu Filho amado, que Ele entregou à morte maldita na cruz. Gratidão para com o Senhor é agradável a Deus, pois está escrito: "Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco." Você já deu graças ao Senhor hoje? A medida de sua gratidão ao Senhor também determina a medida da vitória de Jesus em sua vida. Dar graças é a mais alta expressão de fé: "Não andeis ansiosos de cousa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas diante de Deus as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graça." Mas são poucos os filhos de Deus que têm o hábito de agradecer a Deus e louvá-lO antes de Lhe fazerem seus pedidos e suas súplicas. Agradeça-Lhe em primeiro lugar, de todo o coração, pela salvação. Agradeça-Lhe que Ele o carregou e suportou até hoje. Dê graças por ter se tornado um filho de Deus, agradeça por Ele ter lhe dado o novo nascimento. O Senhor gosta de ouvir isso, e assim você estará fazendo a Sua vontade. Através do agradecimento, o Senhor é honrado, e você fica feliz e interiormente livre para interceder de maneira correta pelos outros diante do trono da graça.

O presente indescritível de Deus

Versículo do dia: Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida; e não apenas isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem recebemos, agora, a reconciliação. (Romanos 5.10-11)
Como recebemos a reconciliação e exultamos em Deus de forma prática? Uma resposta é fazê-lo por meio de Jesus Cristo. Ao menos em parte, isso significa fazer do relato sobre Jesus na Bíblia — a obra e as palavras de Jesus descritas no Novo Testamento — o conteúdo essencial da sua alegria em Deus. A exultação sem conhecimento sobre Cristo não honra a Cristo.
Em 2 Coríntios 4.4-6, Paulo descreve a conversão de duas maneiras. No versículo 4, ele diz que a conversão é ver a “glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus”. E no versículo 6, diz que é ver “a glória de Deus, na face de Cristo”. Em ambos os casos você percebe a essência. Nós temos Cristo, a imagem de Deus, e temos Deus na face de Cristo.
De forma prática, para exultar em Deus, você se alegra com o que vê e conhece de Deus na descrição de Jesus Cristo. E essa exultação chega à sua plenitude quando o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo, como diz Romanos 5.5.
Portanto, aqui está a essência do Natal. Deus não somente comprou a nossa reconciliação por meio da morte do Senhor Jesus Cristo (versículo 10), e Deus não apenas nos capacitou a receber essa reconciliação através do Senhor Jesus Cristo (versículo 11), mas mesmo agora, o versículo 11 diz que nós exultamos no próprio Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.
Jesus comprou a nossa reconciliação. Jesus nos capacitou a receber a reconciliação e abrir o presente. E o próprio Jesus brilha no embrulho do presente indescritível, como Deus encarnado, e desperta toda a nossa exultação em Deus.
Olhe para Jesus neste Natal. Receba a reconciliação que ele comprou. Não coloque o presente na prateleira sem abri-lo. E não o abra e depois use-o como um meio para todos os seus outros prazeres.
Abra o presente e desfrute dele. Exulte nele. Faça dele o seu deleite. Faça dele o seu tesouro.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 23 de Dezembro – O presente indescritível de Deus. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Pérolas Diárias



22 de Dezembro

"Transformarei as minhas montanhas em caminhos planos; os vales serão aterrados e não haverá mais caminhos perigosos para eles." Isaías 49.11 (ABV)
Qual é a aparência desse caminho? É um caminho preparado, aplanado. Embora você não o veja, assim mesmo você poderá segui-lo com tranqüila certeza. Pois somos conduzidos pelo Senhor mesmo quando não percebemos. Andamos nas obras as quais Deus de antemão preparou para nós. O Senhor enfatiza que Ele mesmo quer aplanar o nosso caminho: "Eu irei adiante de ti, endireitarei os caminhos tortuosos..." Neste momento, surge a pergunta: como está o nosso coração? Está seco e árido? Seu interior parece um deserto onde não cresce mais nada, onde não há o fruto do Espírito, do qual temos tanta necessidade? Ouçamos a Palavra do Senhor para nós: "Não vos lembreis das cousas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço cousa nova, que está saindo à luz; porventura não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no êrmo." Que promessa maravilhosa e consoladora! O Senhor se legitima a si mesmo quando volta a repetir em outra passagem da Bíblia: "Assim diz o Senhor, o que outrora preparou um caminho no mar..." Ele quer dar um avivamento em nossa vida! Ele quer abrir um caminho no nosso deserto. Que promessa maravilhosa! Agradeçamos a Deus agora mesmo por isso, dizendo: "Senhor, eu te agradeço! Eu sei que tens muitos meios para me socorrer e que o Teu caminho é o melhor para a minha vida!"

Para que você creia

Versículo do dia: Na verdade, fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome. (João 20.30-31)
Sinto muito intensamente que aqueles dentre nós que cresceram na igreja, que podem recitar as grandes doutrinas da nossa fé durante o sono e que bocejam em meio ao Credo dos Apóstolos — que entre nós algo deve ser feito para nos ajudar a sentir novamente o temor, o assombro, a maravilha do Filho de Deus, gerado pelo Pai desde toda a eternidade, refletindo toda a glória de Deus, sendo a exata imagem da sua pessoa, por quem todas as coisas foram criadas, sustentando o universo pela palavra do seu poder.
Você pode ler cada conto de fadas que já foi escrito, cada filme de suspense, cada história de fantasmas, e nunca encontrará nada tão chocante, incomum, misterioso e fascinante como a história da encarnação do Filho de Deus.
Quão mortos estamos! Quão indiferentes e insensíveis à sua glória e à sua história! Quantas vezes eu precisei me arrepender e dizer: “Deus, eu lamento que as histórias que os homens têm inventado comovam mais as minhas emoções, o meu temor, a minha admiração e a minha alegria do que a tua própria história real”.
Os filmes espaciais de nossos dias, como Guerra nas Estrelas e O Império Contra-Ataca, podem fazer esse grande bem a nós: eles podem nos humilhar e nos levar ao arrependimento, mostrando-nos que somos realmente capazes de sentir alguma admiração, reverência e assombro que raramente sentimos quando contemplamos o Deus eterno, o Cristo cósmico e um verdadeiro e vívido contato entre eles e nós em Jesus de Nazaré.
Quando Jesus disse: “Para isso vim ao mundo”, ele disse algo tão fora do normal, incomum, inusitado e misterioso quanto qualquer afirmação de ficção científica que você já leu.
Oh, como eu oro por um derramamento do Espírito de Deus sobre mim e sobre você; para que o Espírito Santo penetre em minha experiência de maneira a gerar temor, para me despertar para a inimaginável realidade de Deus.
Um dia o relâmpago encherá o céu do nascente do sol até ao poente, e nas nuvens se manifestará um semelhante a filho de homem com os anjos do seu poder em chama de fogo. E o veremos claramente. E seja de terror ou de pura excitação, tremeremos e nos maravilharemos sobre como nós vivemos por tanto tempo com um Cristo tão manso e inofensivo.
Estas coisas estão escritas para que você creia que Jesus Cristo é o Filho de Deus que veio ao mundo. Creia de fato.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 22 de Dezembro – Para que você creia. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5