domingo, 23 de abril de 2017

Pérolas Diárias



23 de Abril

"Alegro-me nas tuas promessas, como quem acha grandes despojos." (Salmo 119.162)
A alegria no Senhor não depende dos nossos sentimentos, pois nada é tão inconstante e volúvel como nossas emoções. O sentimento é a expressão da alegria ou tristeza da alma. Esta alegria imperfeita e instável deve se tornar perfeita e estável pela imutável alegria no Senhor. Tudo muda, mas Ele não muda nunca. Do Senhor está escrito: "Jesus Cristo ontem e hoje é o mesmo, e o será para sempre." Se não recusamos a espada da Palavra de Deus, então também não rejeitamos a Jesus Cristo. Se permanecermos nEle, e nossa alegria será completa. Sua alma se elevará ao Senhor, e Sua alegria, Sua imutável e eterna alegria será tão forte em você que você poderá soltar gritos de júbilo: "A alegria do Senhor é a minha força." Aquele que tem essa alegria do Senhor é independente dos sentimentos de uma maneira muito soberana, quer sejam alegres ou tristes as emoções do momento. Enquanto a alegria do Senhor nascer unicamente da nossa angústia interior, ela é totalmente independente das ameaças exteriores

Busque o bem da sua cidade

Versículo do dia: Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel, a todos os exilados que eu deportei de Jerusalém para a Babilônia: Edificai casas e habitai nelas; plantai pomares e comei o seu fruto… Procurai a paz da cidade para onde vos desterrei e orai por ela ao SENHOR; porque na sua paz vós tereis paz. (Jeremias 29.4-7)
Se isso foi verdade para os exilados de Deus na Babilônia, parece ainda mais verdadeiro para os exilados cristãos nesse mundo “babilônico”. Então, o que devemos fazer?
Nós devemos fazer as coisas comuns que precisam ser feitas: edificar casas, habitar nelas, plantar pomares. Isso não o contaminará se você fizer tudo para o verdadeiro Rei e não apenas servindo à vista, como para agradar a homens.
Busque a paz do lugar para onde Deus o levou. Pense em si mesmo como enviado por Deus, porque é isso que você é.
Ore ao Senhor por sua cidade. Peça que coisas grandes e boas aconteçam para a cidade. Evidentemente Deus não é indiferente à sua paz. Esta é uma razão pela qual ele não é indiferente: na paz da cidade, o seu povo terá paz.
Isso não significa que desistimos da nossa orientação para o exílio. Na verdade, nós faremos mais bem a esse mundo mantendo uma firme liberdade de suas atrações sedutoras. Serviremos melhor à nossa cidade obtendo os nossos valores da cidade “que há de vir” (Hebreus 13.14). Faremos mais bem à nossa cidade convocando tantos de seus cidadãos quantos pudermos para serem cidadãos da “Jerusalém lá de cima” (Gálatas 4.26).
Vivamos assim, para que os nativos desejem conhecer o nosso Rei.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 23 de Abril – Busque o bem da sua cidade. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

sábado, 22 de abril de 2017

Pérolas Diárias



22 de Abril

"E leu no livro, diante da praça, que está fronteira à Porta das Águas, desde a alva até ao meio-dia, perante homens e mulheres, e os que podiam entender." (Neemias 8.3)
A seqüência em Neemias 8 é muito clara. No primeiro versículo, lemos que Esdras buscou o livro da lei de Moisés. Portanto, ele buscou a Bíblia. No versículo 2, lemos que a congregação se reuniu, e, no versículo 3, que ele começou a ler. E depois consta algo muito importante: "...e todo o povo tinha os ouvidos atentos ao livro da lei." No versículo 8 é enfatizado, além disso, que eles "leram no Livro, na lei de Deus, claramente, dando explicações, de maneira que entendessem o que se lia." Esse intercâmbio entre os pregadores e o povo é de vital importância. Ao mesmo tempo, impõe-se como condição que os corações dos ouvintes estejam dispostos a receber a Palavra. Justamente aqui em Neemias 8 nos é mostrada a chave da grande alegria no Senhor: "...todo o povo chorava, ouvindo as palavras da lei." Por eles terem ouvido e recebido a Palavra de boa vontade, houve resultados. O povo foi convencido de seu pecado até o íntimo e entrou em profunda angústia interior. Mas dessa angústia interior é que nasceu a alegria no Senhor.

Cinco razões para ser destemido

Versículo do dia: Não temais, ó pequenino rebanho; porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino. (Lucas 12.32)
A razão pela qual Deus deseja que não estejamos temerosos quanto ao dinheiro e às coisas é que isso magnificaria cinco grandes aspectos sobre ele.
Primeiro, não ter medo mostra que nós estimamos a Deus como nosso Pastor. “Não temais, ó pequenino rebanho”. Nós somos o seu rebanho e ele é o nosso Pastor. E se ele é o nosso Pastor, então o Salmo 23.1 aplica-se: “O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará” — ou seja, não carecerei de nada do que realmente preciso.
Segundo, não ter medo mostra que nós valorizamos a Deus como nosso Pai. “Porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino”. Nós não somos apenas seu pequenino rebanho; somos também seus filhos, e ele é nosso Pai. Ele verdadeiramente se importa e realmente sabe o que você precisa, e trabalhará por você para assegurar-se de que você tem o que necessita.
Terceiro, não ter medo mostra que valorizamos a Deus como Rei. Ele pode nos dar o “reino” porque ele é o Rei. Isso acrescenta um tremendo elemento de poder àquele que provê para nós. “Pastor” indica proteção e provisão. “Pai” indica amor, ternura, autoridade, provisão e direção. “Rei” indica poder, soberania e riqueza.
Quarto, não ter medo mostra o quão liberal e generoso Deus é. Observe, ele dá o reino. Ele não vende o reino, nem aluga o reino, nem arrenda o reino. Ele é infinitamente rico e não precisa de nossos pagamentos. Assim, Deus é generoso e livre em sua generosidade. E isso é o que magnificamos sobre ele quando não temos medo, mas confiamos nele quanto às nossas necessidades.
Finalmente, não ter medo mostra que nós valorizamos a Deus como alguém feliz. Ele “se agrada” em lhe dar o reino. Ele deseja fazer isso. É deleitoso a ele fazê-lo. Nem todos nós tivemos pais como este, que ficavam felizes ao darem em vez de ganharem. Mas isso não importa, porque agora você pode ter tal Pai, Pastor e Rei.
Assim, a ênfase desse versículo é que devemos valorizar Deus como nosso Pastor, Pai e Rei que é generoso e se agrada em nos dar o reino de Deus: dar-nos o céu, dar-nos vida eterna e alegria e tudo o que precisamos para chegarmos lá.
Se estimarmos a Deus dessa maneira, seremos destemidos e Deus será louvado.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 22 de Abril – Cinco razões para ser destemido. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Pérolas Diárias



21 de Abril

"Portanto não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa força." (Neemias 8.10)
Em que consiste a alegria nessa passagem bíblica? Em poder e força. Mas nunca devemos tirar essa palavra de Neemias do seu contexto, pois a alegria no Senhor nunca é uma questão isolada. Algo deve precedê-la. Por isso encontramos aqui um enigma, que é a alegria interior mesmo no meio de grande aflição. Naquela época, o povo havia voltado do exílio para a terra de Israel, portanto tudo estava aparentemente em ordem, mas interiormente não havia alegria verdadeira. Essa é a situação de muitos cristãos em nossos dias. Por fora parece estar tudo bem e se encontrar em ordem, mas interiormente não é assim. Mas então o que faltou e o que falta? A grande angústia! A angústia de nos sentirmos corrigidos e exortados pela Palavra viva de Deus! Só quando a Palavra de Deus consegue nos levar a uma situação de angústia e inquietação interior nos convencendo de nossa realidade é que nascerá em nós essa grande e poderosa alegria no Senhor. Não existe outro caminho para nós. Faz muita falta a convicção que acontece por meio da Palavra de Deus. E depois dessa angústia interior nasce a alegria no Senhor. Este é o segredo da alegria!

A chave para o amor radical

Versículo do dia: Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós. (Mateus 5.11-12)
Uma das questões que eu levantei recentemente, enquanto pregava sobre amar nossos inimigos, a partir de Mateus 5.44, foi: Como você ama as pessoas que lhe sequestram e depois lhe matam?
Como podemos fazer isso? De onde vem o poder para amar dessa forma? Pense em quão surpreendente isso é quando surge no mundo real! Alguma coisa poderia mostrar a verdade, poder e realidade de Cristo mais do que isso?
Creio que Jesus nos dá a chave para esse amor radical e abnegado no mesmo capítulo.
Em Mateus 5.11-12, ele fala novamente sobre ser perseguido. O que é notável nesses versículos é que Jesus diz que você é capaz não somente de suportar o maltrato do inimigo, mas de se alegrar nisso. Isso parece ainda mais fora do nosso alcance. Se eu pudesse fazer isso — se eu pudesse me alegrar em ser perseguido — então, seria possível amar meus perseguidores. Se o milagre da alegria no meio do terror da injustiça, dor e perda pudesse acontecer, então o milagre do amor por aqueles que nos ofendem também poderia surgir.
Jesus dá a chave para a alegria nesses versículos. Ele diz: “Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus”. A chave da alegria é a fé na futura graça de Deus — “é grande o vosso galardão nos céus”. Creio que essa alegria é o poder libertador para amarmos os nossos inimigos quando eles nos perseguem. Se isso é verdade, então o mandamento de amar é uma ordem para fixarmos as nossas mentes nas coisas que são do alto, não nas coisas que são da terra (Colossenses 3.2).
O mandamento para amarmos o nosso inimigo é uma ordem para encontrarmos nossa esperança e nossa satisfação em Deus e em seu grande galardão: sua graça futura. A chave para o amor radical é a fé na graça futura. Devemos ser persuadidos em meio à nossa agonia de que o amor de Deus é “melhor do que a vida” (Salmo 63.3). Amar o seu inimigo não lhe dá a recompensa do céu. Valorizar a recompensa do céu o capacita a amar o seu inimigo.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 21 de Abril – A chave para o amor radical. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Pérolas Diárias



20 de Abril

"Filhinhos, já é a última hora." (1 João 2.18)
É muito preocupante que nós como Igreja de Jesus não notemos claramente em que época difícil estamos vivendo, ou seja, que nos encontramos na última hora! Por que não nos comportamos mais de acordo com essa realidade? Resposta: porque as tentações do engano e as tentativas de nos fazer adormecer são mais fortes por parte do inimigo nessa última hora. Dentro desse contexto, a Palavra do Senhor Jesus é colocada energicamente diante dos nossos olhos: "O que, porém, vos digo, digo a todos: Vigiai!"Irmãos, de fato é a última hora! Com isso está diante da porta o tempo do qual diz a Palavra profética: "...haverá tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo." O homem "sobre-humano", Satanás encarnado, abre seu caminho com esforço tão violento que quase pode-se senti-lo fisicamente. A hora da tentação que vem sobre esta terra antes do começo da Grande Tribulação já começou. Por isso, peço a todos os que lêem estas linhas, que fervorosa e decididamente digam não a qualquer compromisso com o espírito do mundo. O Senhor quer conduzir a cada um de nós incontaminados através desta tentação, pois vamos ao encontro do mais glorioso, que é Jesus! Nós haveremos de vê-lO assim como Ele é. "E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro."

Medo de se perder

Versículo do dia: Como é grande a tua bondade, que reservaste aos que te temem, da qual usas, perante os filhos dos homens, para com os que em ti se refugiam! (Salmo 31.19)
Considere duas verdades importantes no Salmo 31.19.
  1. A bondade do Senhor
Existe uma bondade peculiar de Deus. Ou seja, não há apenas a bondade geral de Deus que ele demonstra a todas as pessoas, fazendo o seu sol nascer sobre maus e bons (Mateus 5.45), mas também uma bondade peculiar para “aqueles que o temem”.
Essa bondade é abundante além da medida. É ilimitada. Dura para sempre. É abrangente. Há somente bondade para aqueles que o temem. Todas as coisas cooperam para o seu bem. Mesmo as suas dores são repletas de benefício (Romanos 5.3-5).
Porém, aqueles que não o temem recebem uma bondade temporária — uma bondade que não leva ao arrependimento, mas à pior destruição (Romanos 2.4).
  1. O temor do Senhor
O temor do Senhor é o medo de se desviar dele. Portanto, esse temor se manifesta em refugiar-se em Deus. É por isso que duas condições são mencionadas no Salmo 31.19 — temer ao Senhor e refugiar-se nele.
Elas parecem ser opostas. O temer parece afastar e o refugiar-se parece atrair. Mas quando consideramos que esse temor é o medo de não ser atraído, então essas duas condições cooperam.
Há um tremor real para os santos. “Desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor” (Filipenses 2.12). Mas esse é o tremor que alguém sente nos braços de um Pai que acaba de arrancar seu filho da correnteza do mar.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 20 de Abril – Medo de se perder. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Pérolas Diárias



19 de Abril

"Porque em Cristo Jesus, nem a circuncisão, nem a incircuncisão, tem valor algum, mas a fé que atua pelo amor." (Gálatas 5.6)
Em um primeiro momento, devemos reconhecer que a provação da nossa fé é de vital importância, porque o próprio Deus prova nosso coração. Davi diz no fim da sua vida: "Bem sei, meu Deus, que tu provas os corações, e que da sinceridade te agradas." E no que diz respeito ao futuro, a grande prova ainda está por vir, quando deveremos comparecer diante da Sua face. Se você hoje examina sua fé de verdade, e com sinceridade e espanto você nota que lhe falta tudo, que lhe falta poder, vitória, alegria, frutos espirituais, e você têm de concluir que sua fé não tem resultados, que ela não é uma fé ativa, então permita-me agora dizer com base na Palavra de Deus que a verdadeira essência da sua fé nem existe. Que essência? O amor! "Todos os vossos atos sejam feitos com amor." Só uma fé assim tem valor diante de Deus. Quando Paulo fez a advertência de que todo o nosso agir deve ser impulsionado pelo amor, ele sabia que uma fé grande só pode ser uma fé ativa e frutífera quando o nosso primeiro amor a Jesus nos leva a fazer as coisas. Sua fé é ativa por meio do amor a Jesus Cristo, ou você tem uma fé morta?

Um futuro para as falhas

Versículo do dia: Não temais; tendes cometido todo este mal; no entanto, não vos desvieis de seguir o SENHOR, mas servi ao SENHOR de todo o vosso coração. Não vos desvieis; pois seguiríeis coisas vãs, que nada aproveitam e tampouco vos podem livrar, porque vaidade são. (1 Samuel 12.20-21).
Depois que os israelitas foram levados a temer e a se arrepender de seu pecado de exigir que Samuel lhes desse um rei, veio a boa-nova: “Não temais; tendes cometido todo este mal; no entanto, não vos desvieis de seguir o SENHOR, mas servi ao SENHOR de todo o vosso coração. Não vos desvieis; pois seguiríeis coisas vãs, que nada aproveitam e tampouco vos podem livrar, porque vaidade são” (12.20-21).
Este é o evangelho: Mesmo que você tenha pecado muito e desonrado terrivelmente o Senhor; mesmo que tenha agora um rei, ao qual era pecado ter; mesmo que não haja como desfazer esse pecado ou suas consequências dolorosas que ainda estão por vir; ainda assim, há um futuro e uma esperança.
Não tenha medo! Não tema!
A seguir, vem o grande fundamento do evangelho no versículo 22. “Pois o SENHOR, por causa do seu grande nome, não desamparará o seu povo, porque aprouve ao SENHOR fazer-vos o seu povo”.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 19 de Abril – Um futuro para as falhas. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Pérolas Diárias



18 de Abril

"Sede vigilantes, permanecei firmes na fé, portai-vos varonilmente, fortalecei-vos. Todos os vossos atos sejam feitos com amor." (1 Coríntios 16.13-14)
O que é um automóvel sem motor? O que é um corpo sem espírito? O que é uma pessoa renascida sem fé vitoriosa? É importante nos questionarmos, pois em nossos dias não somente presenciamos um aumento de todos os valores no sentido material; mas também o aumento da fé é um fato. A fé não é mais vitoriosa! Mas as Escrituras enfatizam a indivisibilidade desses dois fatos: "...e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé." Não diz: "nossa fé produz a vitória", mas "nossa fé é a vitória". Devemos confessar que acontece um grande engano onde a fé é separada da vitória. E esse é o motivo por que Paulo adverte: "Examinai-vos a vós mesmos se realmente estais na fé; provai-vos a vós mesmos." Em outras palavras: onde está o motor da sua fé? Nada acontece; falta a vitória, falta o poder, falta a alegria. Por que tudo está tão parado? Meus amigos, essa questão é de vital importância! Esse também é o motivo pelo qual Paulo clama: "Sede vigilantes, permanecei firmes na fé, portai-vos varonilmente, fortalecei-vos."

Deus, toque nossos corações

Versículo do dia: Também Saul se foi para sua casa, a Gibeá; e foi com ele uma tropa de homens cujo coração Deus tocara. (1 Samuel 10.26)
Apenas pense no que está sendo dito neste versículo. Deus os tocou. Não uma esposa. Não um filho. Não um pai. Nem um conselheiro. Mas Deus.
Aquele com poder infinito no universo, aquele com infinita autoridade, sabedoria, amor, bondade, pureza e justiça, foi ele quem tocou o coração deles.
Como a circunferência de Júpiter toca a borda de uma molécula? E quanto menos penetra em seu núcleo?
O toque de Deus é impressionante porque é um toque. É uma conexão real. É maravilhoso que isso envolva o coração. É surpreendente que isso envolva Deus. E é espetacular que isso envolva um toque real.
Os homens valentes não foram apenas alertados. Eles não foram apenas movidos por uma influência divina. Eles não foram apenas vistos e conhecidos. Deus, com infinita condescendência, tocou o coração deles. Deus estava próximo assim. E eles não foram consumidos.
Eu amo esse toque. Eu o desejo mais e mais, para mim e para todos vocês. Oro para que Deus me toque novamente para sua glória. Oro para que ele toque a todos nós.
Oh, pelo toque de Deus! Se ele vier com fogo, que assim seja. Se ele vier com água, que assim seja. Se ele vier com o vento, que venha, ó Deus. Se vier com trovões e relâmpagos, que nos prostremos diante dele.
Ó Senhor, vem. Aproxima-te assim. Queima, molha, sopra e troveja. Ou quieto e suave, vem. Vem de todas as formas. Toca os nossos corações.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 18 de Abril – Deus, toque nossos corações. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Pérolas Diárias



17 de Abril

"...Unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda. Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor para todo o sempre." (Salmo 23.5-6)
O Salmo 23 é uma promessa completa que o inimigo não pode anular. Como é maravilhoso, mesmo nos encontrando no vale da sombra da morte, não precisarmos ter medo nesse caminho da justiça, mas, sim, termos comunhão com Deus, ao preparar Ele uma mesa para nós. Eu digo a você com grande certeza e convicção que o Senhor também quer guiá-lo pela vereda da justiça por amor do Seu nome. Mas você deve permitir ser guiado! Porém, muitas vezes acontece sermos guiados pela vereda da justiça passando pelos vales escuros, por caminhos que não desejamos: "...outro te cingirá e te levará para onde não queres." Além disso, esses vales escuros da sombra da morte começam a se multiplicar, pois, como filhos de Deus, somos conduzidos pelo vale escuro dos tempos finais. Fica cada vez mais escuro ao nosso redor, e é como diz Isaías: "Vem a manhã, e também a noite." Mesmo que a manhã da vinda do Senhor se aproxime, com toda a sua luz e clareza, a escuridão dos tempos finais, do reinado do anticristo, igualmente se aproxima, pois se realizará um pouco antes da volta triunfal de Jesus. Não nos admiremos se um longo trajeto da vereda da justiça for escuro. No fim do caminho há luz, pois lá nos espera o exaltado e abençoado Senhor Jesus Cristo. Ele é o nosso alvo, e muito em breve O veremos!

Abraçando Jesus

Versículo do dia: Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; ora, os seus mandamentos não são penosos, porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. (1 João 5.3-4)
O pastor e teólogo do século 18, Jonathan Edwards, analisou este texto e concluiu: “A fé salvífica implica… amar… Nosso amor a Deus nos capacita a superar as dificuldades que acompanham o cumprimento dos mandamentos de Deus — o que mostra que o amor é a principal coisa na fé salvífica, a vida e poder dela, pelo qual a fé produz grandes efeitos”.
Eu penso que Edwards está certo e que numerosos textos na Bíblia apoiam o que ele diz.
Outra maneira de dizer isso é que a fé em Cristo não é apenas concordar com o que Deus é para nós, mas também abraçar tudo o que ele é para nós em Cristo. “A verdadeira fé abraça a Cristo em qualquer maneira em que as Escrituras o oferecem aos pobres pecadores”. Esse “abraço” é um tipo de amor a Cristo — aquele tipo que o valoriza acima de todas as coisas.
Portanto, não há contradição entre 1 João 5.3, por um lado, que diz que o nosso amor por Deus nos capacita a guardar os seus mandamentos, e o versículo 4, que, por outro lado, diz que a nossa fé supera os obstáculos do mundo que nos impedem de obedecer aos mandamentos de Deus. O amor por Deus e por Cristo está implícito na fé.
O versículo 5 define a fé que obedece como aquela “que crê ser Jesus o Filho de Deus”. Esta fé está “abraçando” o dom que é Jesus Cristo como a gloriosa pessoa divina que ele é. Isso não é simplesmente concordar com a verdade de que Jesus é o Filho de Deus, porque os demônios concordam com isso (Mateus 8.29). Crer que Jesus é o Filho de Deus significa “abraçar” o significado dessa verdade, ou seja, ser satisfeito com Cristo como o Filho de Deus e com tudo o que Deus é para nós nele.
“Filho de Deus” significa que Jesus é a maior pessoa no universo, ao lado do seu Pai. Portanto, tudo o que ele ensinou é verdadeiro, tudo o que prometeu permanecerá firme e toda a sua grandeza que satisfaz a alma nunca mudará.
Logo, crer que ele é o Filho de Deus inclui confiar nisso tudo e estar satisfeito com isso.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 17 de Abril – Abraçando Jesus. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

domingo, 16 de abril de 2017

Pérolas Diárias



16 de Abril

"Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo: a tua vara e o teu cajado me consolam." (Salmo 23.4)
Se pela fé o seu coração encontra consolo nas promessas de Deus, então você segue o caminho dos Seus mandamentos, o que quer dizer que você está interiormente curado da sua incredulidade, como diz o profeta Jeremias. Naturalmente as tentações não deixarão de existir. E evidentemente muitas vezes esse caminho fica escuro, mas "Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum." Em outras palavras: a vereda plana, o caminho da justiça muitas vezes conduz a um vale de sombra e morte. Talvez você, que agora está lendo estas linhas, se encontre bem no meio do vale da sombra da morte. O vale é escuro; você nada pode ver diante de si nem atrás de si. Você só pode olhar para cima. Mas isso basta, pois as Escrituras dizem: "...olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus." Assim experimentamos e presenciamos o contrário daquilo que o diabo quer. Pois ele quer que você se amedronte no vale da sombra da morte e desanime em meio às dificuldades. Mas o Senhor quer dar a você, no meio do vale escuro, uma profunda comunhão com Ele. Sim, justamente numa hora assim o Senhor é sua luz e sua salvação! Justamente nesse momento você tem motivo para se alegrar ao invés de ficar atemorizado.

Misericórdia para hoje

Versículo do dia: As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade. (Lamentações 3.22-23)
As misericórdias de Deus são novas todas as manhãs porque cada dia só tem misericórdia suficiente para aquele dia. Deus fixa os problemas de cada dia. E Deus fixa as misericórdias de cada dia. Na vida dos seus filhos, estes são perfeitamente designados. Jesus disse: “Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal” (Mateus 6.34). Cada dia tem seu próprio mal. Cada dia tem suas próprias misericórdias. Cada um destes é novo a cada manhã.
Porém, muitas vezes tendemos a nos desesperar quando pensamos que talvez tenhamos que suportar o fardo de amanhã com os recursos de hoje. Deus quer que saibamos: Nós não o faremos. As misericórdias de hoje são para os males de hoje. As misericórdias de amanhã são para os males de amanhã.
Às vezes, nos perguntamos se teremos a misericórdia para suportar uma provação terrível. Sim, nós teremos. Pedro diz: “Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus” (1 Pedro 4.14). Quando vem a injúria, vem o Espírito da glória. Isso aconteceu com Estêvão, enquanto estava sendo apedrejado. Isso ocorrerá com você. Quando o Espírito e a glória forem necessários, eles virão.
O maná no deserto foi concedido um dia de cada vez. Não havia armazenamento. É assim que nós devemos depender da misericórdia de Deus. Você não recebe hoje a força para suportar os fardos de amanhã. Hoje, você recebe misericórdias para os males de hoje.
Amanhã as misericórdias se renovarão. “Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor” (1 Coríntios 1.9).
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 16 de Abril – Misericórdia para hoje. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

sábado, 15 de abril de 2017

Jesus jamais perderá qualquer uma de suas ovelhas

Há uma piada que diz que se você não souber a resposta de uma pergunta na escola dominical, então, basta responder: “Jesus”. Nove em cada dez vezes, você estará certa. Uma vez, enquanto estávamos na fila em uma loja, perguntei à minha filha se ela poderia me ajudar a passar algo para o caixa. Ela deveria estar sonhando acordada, porque quando ela percebeu que eu havia lhe feito uma pergunta, ela deixou escapar sua resposta coringa: “Jeeesus”!
A ideia de priorizar o seu relacionamento com Deus é como a resposta da escola dominical. O nosso coração se pergunta: “Qual é a minha principal prioridade?” “Ame a Deus em primeiro lugar”, a resposta da escola dominical irrompe. Nós sabemos isso. Não é uma pergunta difícil de se responder. Quando algo profundo se torna comum como essa resposta, isso pode parecer banal. Mas, na verdade, amar a Deus em primeiro lugar e acima de tudo é a coisa mais cheia de temor e misteriosa pela qual poderíamos nos esforçar. Neste capítulo conclusivo sobre amar o Supremo Pastor, espero lembrá-la da magnitude insondável dessa simples resposta de escola bíblica dominical.

Ele tem a mim e a você em suas mãos

Seu relacionamento com Deus não acontece por causa de suas obras. Você era a ovelha perdida, e ele, o pastor que lhe buscava. Espalhado por todo o mundo, ao longo dos séculos da história humana, está o rebanho de Deus, que ele de antemão conheceu e predestinou para ser conforme à imagem de seu Filho. Mas vindo a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei (Gl 4.4). Esse Filho seria o Bom Pastor das ovelhas. O Bom Pastor não é um mercenário desinteressado que não se importa com as ovelhas, mas apenas com sua própria pele. Ele é o pastor predito em Ezequiel: “Como o pastor busca o seu rebanho, no dia em que encontra ovelhas dispersas, assim buscarei as minhas ovelhas; livrá-las-ei de todos os lugares para onde foram espalhadas no dia de nuvens e de escuridão” (Ez 34.12; veja também vv. 23–24). Isaías falou de sua bondade: “Como pastor, apascentará o seu rebanho; entre os seus braços recolherá os cordeirinhos e os levará no seio; as que amamentam ele guiará mansamente” (Is 40.11).
Jesus jamais perderá qualquer uma de suas ovelhas; ninguém as arrebatará de sua mão (Jo 10.28-29). Ele nos concedeu essa graça antes de nascermos, antes de criar o mundo, na verdade, antes dos tempos eternos (2Tm 1.8-10). Você acha que amar a Deus foi sua própria ideia, com base na sua própria iniciativa? O seu relacionamento contínuo com o Senhor é sustentado pelo seu interesse em sua Palavra, ou por sua paixão pela oração, ou por sua inclinação para a santidade? Nenhuma dessas coisas são nossas obras — elas são presentes. Se Deus sempre faz o primeiro movimento e termina o que começou, será que ele, então, deixa o meio por nossa conta? A graça nos carrega por todo o caminho. Os pastos verdejantes, as águas tranquilas, a vara e o cajado, o óleo — todas essas coisas são fornecidas pelo nosso Pastor. Deixe que a verdade de sua graça deliberada a console.
Irmã, se o Senhor é o seu pastor, ele não a deixará desprovida. Ele provê em abundância para as suas necessidades e cuida de você nas épocas assustadoras. Todas as coisas de que precisamos nesta terra, ele as fornece todas e restaura a nossa alma. Não há sombra em nenhum vale tão escuro que a sua Palavra não ilumine. Irmã, você está sendo seguida. “Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR para todo o sempre” (Sl 23.6). Mantidas nas firmes mãos de nosso Pastor, somos seguramente dele em todos os momentos e em todas as circunstâncias. Sua constância é Cristo. E no final de todas as coisas criadas, no mais belo paradoxo das eras, o Cordeiro é revelado como o pastor, e ele “os apascentará e os guiará para as fontes da água da vida. E Deus lhes enxugará dos olhos toda lágrima” (Ap 7.17).

Você não ama a maneira como ele a ama?

Uma amiga minha tem uma irmã que sofre de demência. À medida que seu corpo luta contra o envelhecimento e a doença, suas faculdades mentais vão diminuindo num ritmo acelerado. Por causa da doença, ela quase não reconhece mais seus entes queridos e não sabe quem ela é. Há sofrimento e dor indescritíveis nessas circunstâncias, no entanto há esperança e paz em todo esse sofrimento. Embora ela não saiba quem ela é, Deus a conhece. Ela é uma crente — uma pessoa que foi enxertada em Cristo pela fé, por meio da graça. Na ausência de seu autoconhecimento e consciência em relação aos outros, Deus está sempre ciente dela. Feita à imagem de Deus, o seu batimento cardíaco, respiração e ondas cerebrais testemunham a misericórdia de Deus. Ele de antemão a conheceu e a predestinou para ser conforme a imagem de seu Filho, ele a fez à sua imagem, chamou-a para si mesmo, levou-a ao arrependimento e fé, justificou-a pelo sangue de Jesus e a glorificou para sempre, como sua filha adotiva.
A falta de faculdades mentais e diminuição das habilidades físicas — também não podem nos separar do amor de Deus que está em Jesus Cristo. Mesmo quando ela não faz ideia do que está acontecendo, Deus ainda mantém o seu amor por ela a cada segundo de cada dia, agora e para sempre. Ela é completamente amada. E seu Salvador é capaz de salvá-la totalmente, pois ele vive sempre para interceder por ela (Hb 7.25). Isso é chocante, porque significa que o amor constante de Deus para com seus filhos não é absolutamente dependente deles. Ele não perde o interesse naqueles que não podem mais manifestar interesse nele. Sua misericórdia não é diminuída devido ao fato de que ela não pode servir, ensinar ou liderar. A fidelidade de Deus é intrinsecamente quem ele é. Ele é fiel. Faríamos bem em considerar o que isso significa para a nossa vida e em nos esforçar para lembrarmos disso todos os dias. Precisamos lembrar que a grande visão de Deus para a nossa vida começa com ele e é para a glória dele. Faz sentido que, se quisermos que o nosso objetivo principal seja “amar o Supremo Pastor”, então, temos que começar com quem ele é e o que ele tem feito em nosso favor. Quando começamos conosco, ficamos presas em nós mesmas, em nossas peculiaridades, em nossos pressentimentos e nas formas pelas quais preferiríamos que Deus nos amasse.
Comparado ao nosso sombrio amor próprio, o amor de Deus é permanentemente resoluto. Toda a chamada autorrealização que procuramos parece insignificante quando comparada ao fato de sermos conhecidas por Deus. A autossuficiência se desfaz na presença do Santo, em quem todas as coisas subsistem, e a nossa justiça própria fede como uma fruta podre. Quando a luz é lançada sobre a sólida fortaleza da segurança eterna que temos em Cristo, nossa autoconfiança sai de fininho para as sombras. Nossa autodefesa insegura não tem nada de novo a dizer, porque o nosso Pai celestial está encarregado do nosso departamento de relações públicas. Pelo poder do Espírito Santo, toda a energia absorvida pelo nosso autoconhecimento torna-se prontamente disponível ao amor sacrificial, como o de Cristo. Estar ciente dessas realidades espirituais que acontecem em nossa vida é uma fonte de doce alegria.
Nossos corações são fortalecidos pela alegria, Deus é glorificado na nossa dependência dele, e o mundo que nos observa fica curioso acerca da razão da nossa esperança.
O fato de sermos conhecidas e amadas por Deus — sendo achadas em Cristo — tem profundas implicações para a nossa vida. Por meio de sua morte e ressurreição, Jesus removeu todos os obstáculos que nos impediam de apreciar Deus para sempre. A eternidade dura eternamente porque precisamos do para sempre para experimentarmos e desfrutarmos o amor de Deus. Paulo orou para que Deus nos desse “forças para compreender” o amor de Cristo em toda a sua largura, comprimento, altura e profundidade (Ef 3.18-19). Oh, como ele nos ama!

15 de Abril

"Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome." (Salmo 23.3)
Aquele que compreende a profundidade dessa promessa se torna forte, confiante e destemido. Se o Senhor conduz você por vereda plana e pelos caminhos da justiça por amor do Seu nome, como seria possível algo estar errado em sua vida? Jamais! Todas as angústias, todo o mau humor, toda insatisfação e todas as queixas vêm da incredulidade. Permita-me dizer a você particularmente: o Senhor só é honrado e glorificado se você aceita as Suas promessas como sendo dEle para você bem pessoalmente. Se aqui está escrito: "Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome", isso significa por amor ao nome de Jesus. As promessas da Bíblia são garantidas e certas no precioso nome de Jesus, pois está escrito: "Porque quantas são as promessas de Deus tantas têm nele o sim; porquanto também por ele é o amém para glória de Deus." Essa certeza de ser guiado por vereda plana, por vereda de justiça, consola nosso coração. O mesmo Davi que também tinha essa certeza exclamou: "Percorrerei o caminho dos teus mandamentos, quando me alegrares o coração." É como um abençoado círculo divino, depois de nos aproximarmos dEle fica mais fácil obedecer ao Senhor.

Não seja como a mula

Versículo do dia: Não sejais como o cavalo ou a mula, sem entendimento, os quais com freios e cabrestos são dominados; de outra sorte não te obedecem. (Salmo 32.9)
Imagine o povo de Deus como um curral com todos os tipos de animais. Deus cuida dos seus animais, mostra-lhes onde eles precisam ir e fornece um estábulo para sua proteção.
Porém, há um animal nessa fazenda que dá muito trabalho a Deus, a saber, a mula. Ela é estúpida e teimosa e você não consegue dizer o que vem primeiro: teimosia ou estupidez.
Agora, a maneira como Deus gosta de conduzir seus animais ao celeiro para seu alimento e abrigo é ensinando a todos eles um nome pessoal e, depois, chamando-os pelo nome. “Instruir-te-ei e te ensinarei o caminho que deves seguir” (Salmo 32.8).
Porém, a mula não responderá a esse tipo de condução. Ela é sem entendimento. Então, Deus entra em sua caminhonete e vai ao campo, põe o freio na boca da mula, amarra-a na caminhonete e a arrasta enquanto ela esperneia e bufa até ao celeiro.
Essa não é a maneira como Deus deseja que seus animais venham a ele para bênção.
Um dia destes será tarde demais para aquela mula. Ela será ferida por chuva de granizo e atingida por raios, e quando ela vier correndo, a porta do celeiro estará fechada.
Portanto, não seja como a mula, mas em vez disso, que todos os que são piedosos venham a Deus em oração em tempo de poder encontrá-lo (Salmo 32.6).
O caminho para não sermos uma mula é nos humilharmos, irmos a Deus em oração, confessarmos nossos pecados e aceitarmos, como pequenos pintinhos necessitados, a condução de Deus até ao celeiro de sua proteção.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 15 de Abril – Não seja como a mula. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Pérolas Diárias



14 de Abril

"Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo." (Salmo 23.4)
A palavrinha aparentemente insignificante "porque" nos mostra grandes coisas que não têm palavras que o expressem. Davi canta esse salmo e expressa sua fé claramente no Salmo 23. Ele teria motivos mais que suficientes para naufragar de medo e pavor, pois estava cercado de inimigos, mas ele se agarrou no Senhor: "...porque tu estás comigo."Este "porque" realça e enfatiza a excelsa pessoa de Deus. Quando a pessoa do Senhor tem o espaço maior em sua vida e domina todas as áreas de sua existência, você sempre poderá usar esse vitorioso "porquê". Você tem motivos para ficar apavorado, ter medo e aflição, mas assim mesmo ouse expressar o "porquê": "...não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo." Essa pequena palavrinha também resolve a suprema questão da nossa fraqueza. Você se queixa: "Não tenho forças, gostaria de servir melhor ao Senhor, mas por toda parte só encontro portas fechadas." Tenha confiança, pois o Senhor conhece a sua fraqueza. O salmista testifica: "Ele me abateu a força no caminho." Mas veja a promessa do Senhor: "...eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar." E a justificativa para isso: "...que tens pouca força."Justamente porque você é fraco, Ele é poderoso em você! Justamente porque você não pode resolver as situações, Ele pode fazer tudo por você!

Ore pela fama de Deus

Versículo do dia: Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome. (Mateus 6.9)
Dezenas de vezes a Escritura diz que Deus faz as coisas “por amor de seu nome”. Mas se você perguntar o que está realmente movendo o coração de Deus nessa declaração (e em muitas como ela), a resposta é que Deus se deleita em ter seu nome conhecido.
A primeira e mais importante oração que se pode orar é: “Santificado seja o teu nome”. Este é um pedido a Deus para que ele venha operar de modo a fazer com que as pessoas santifiquem seu nome.
Deus ama ter mais e mais pessoas “santificando” seu nome, e assim seu Filho ensina os cristãos a colocarem suas orações em sintonia com esta grande paixão do Pai.
“Senhor, faze com que mais e mais pessoas santifiquem o teu nome”, isto é, estimem, admirem, respeitem, prezem, honrem e louvem o seu nome. Essa é basicamente uma oração missionária.
Por: John Piper. © Desiring God – Solid Joys
Original: 14 de Abril – Ore pela fama de Deus. © 2017 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Tradução: Camila Rebeca Almeida. Revisão: Vinicius Musselman. Narração: Emílio Garofalo Neto.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato ou canal, desde que adicione um link para esta postagem, não altere o conteúdo original e não venda o material ou acesso ao material.

Doações para manutenção

Banco Bradesco
Ag. 1804-0 c/c 00585785

Banco Bradesco
Ag.1804-0 conta poupança 1008973-5